quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Noite ensolarada no Teatro Vila Velha



“Gal Costa começou a carreira dela aqui, no Teatro Vila Velha. Neste show, Claudia Cunha faz uma homenagem a Gal, mas também a Gil, a Caetano, a Bethânia e a Tom Zé”, foi com essas palavras que o ator Jackson Costa abriu o show de Claudia Cunha, ontem à noite, na Sala Principal do Teatro Vila Velha. Logo em seguida, Jackson, que fez a direção artística do espetáculo, declamou o poema Revelação, de Paulo César Pinheiro, e deixou a cena livre para a intérprete.

Intitulado de Solar e homenageando a cantora Gal Costa, principalmente na fase tropicalista, o show de Claudia Cunha atraiu anônimos e famosos para o Vila. Acompanhada pelos músicos Jelber Oliveira (teclados e acordeon), Victor Brasil (bateria), Marcelo Rocha (contrabaixo) e Léo Brasileiro (violão e guitarra), Claudia apresentou um show repleto de emoção e de entrega, e foi muito aplaudida pela plateia.

Medo
Para fazer jus ao nome do show, Claudia entrou no palco cantando Luz do Sol, de Caetano Veloso, que foi gravada por Gal em 1982, no disco Minha Voz. Ainda no repertório, canções como Passarinho, Três da Madrugada, Arara, Olhos Verdes e Barato Total. Ao cantar Negro Amor, que foi uma das mais aplaudidas, a cantora revelou: “Selecionar o repertório foi bem difícil. Negro Amor é o meu medo, pois ela é muito definitiva na gravação de Gal. Fiquei meio receosa em cantá-la”. Uma voz da plateia tratou de acalmar Claudia: “Você arrebentou”, gritou o admirador.

Na música Baby, Claudia contou com as participações especiais de Tito Bahiense e de Sandra Simões.  Na ocasião, fazendo referência aos Doces Bárbaros, a anfitriã brincou: “Aqui é Caetano, Bethânia e Gal. Faltou o Gil, que sempre perde o voo” e fez a plateia gargalhar.

Prestígio
A estética tropicalista estava presente no figurino, no cabelo (solto e volumoso) e na postura de Claudia Cunha durante o show. Ao longo do espetáculo, ela conversava com a plateia e agradecia a presença de todos. Artistas e pessoas ligadas ao universo cultural foram prestigiar a cantora e saíram com uma ótima impressão após o show. A cantora Nara Gil, 46 anos, declarou: “Diva! Diva! Diva! Amei tudo: os arranjos, a concepção, o repertório. É Gal Costa, mas não é. É Claudia! Ela conseguiu imprimir a personalidade dela em músicas que foram eternizadas na voz de Gal”.

O radialista, produtor artístico e um dos idealizadores do projeto Música Falada, Andrezão Simões, 46 anos, ficou feliz em ver que os artistas baianos estão aceitando a figura do diretor em seus shows. “Fico feliz em ver que os artistas estão começando a aceitar a direção artística, que dá outra linguagem aos shows. Hoje, Claudia me fez lembrar o quanto Gal é importante e o quanto ela contribuiu para a canção brasileira. Claudia é um talento da música. O show foi primoroso”. A cantora Márcia Short, 44 anos, afirmou: “O show foi lindo, divino, maravilhoso! Um ótimo motivo para sair de casa”. Para a cantora Manuela Rodrigues, 33 anos, Claudia Cunha conseguiu mostrar um lado dela que poucos conhecem. “Eu sou suspeita em falar qualquer coisa, porque sou fã da Claudinha. Admiro como artista e como amiga. Esse show trouxe outro lado dela, uma Claudia mais aberta”.

O ator e apresentador do programa Soterópolis (TVE-BA), Ricardo Castro, 41 anos, destacou a coragem de Claudia Cunha em homenagear Gal Costa. “Eu acho de extrema coragem qualquer cantora brasileira mergulhar no repertório de Gal. Acho que Gal, assim como Elis, é uma esfinge: ou você decifra ou ela te devora. Eu acho Claudia Cunha uma grande e corajosa cantora. A banda que a acompanha é dos sonhos, incrível. Adorei! Mas acho que ela deveria ter escolhido o repertório mais jazzístico de Gal.” Outro artista que marcou presença no show foi o cantor e compositor J. Velloso, 51 anos. Ele fez críticas positivas em relação ao espetáculo: “Achei lindo! Adorei a ideia e a seleção de repertório. Adoro quando as coisas fogem do óbvio. Ela fez um show elegante”.

No final do show, Claudia foi ovacionada e recebeu os cumprimentos de amigos e admiradores. Emocionada, afirmou: “Estou transbordando de felicidade e de alegria. Feliz em ver tanta gente querida aqui. Acho que o Vila ficou pequeno para o Solar”.

Texto: Raulino Júnior
Fotos: Lígia Rizério

Veja mais fotos do show no perfil do Vila da Música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário