quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

O Teatro Vila Velha deseja a todos os seus frequentadores, amigos, parceiros, colegas e todos aqueles que acreditam que a arte vale à pena, um 2008 espetacular!

10 anos de Viladança!




Olhar para trás e refletir quem somos esclarece ainda mais a que propósito servimos. Somos artistas e fazemos arte, brincamos de refletir e questionar a vida. E somos profissionais nisso!

O ano de 2008 vai marcar uma década de atividades ininterruptas da Companhia Viladança É revitalizante iniciar nossas atividades trazendo para o público informação sobre o que fazemos através daquilo que fazemos: Dança!!

Mais de 35 mil pessoas, entre crianças, adolescentes, adultos e idosos já se divertiram com os personagens do espetáculo Da Ponta da Língua a Ponta do Pé. Para levar o conhecimento da dança para uma galera ainda maior, voltaremos a cartaz em janeiro, abrindo o Vila Verão 2008.

Como diria Jarbas Bittencourt, compositor da trilha do espetáculo: “Salta, pula, gira, dança, para e respira!...” E vamos mesmo... Respirar fundo! O suficiente para recarregar as baterias e iniciar o ano com essa energia de criança, de nascimento e celebração da vida.

Atenção, todos Viladanceiros e Viladanceirinhos! Venham se divertir conosco nessa temporada que marca o início das comemorações dos 10 anos da Companhia Viladança!

As vagas estão acabando!





As vagas para as Oficinas de Verão estão quase acabando. Corre que ainda dá tempo! As inscrições pela internet podem ser feitas somente até AMANHÃ, 28 de janeiro. Basta entrar no site www.teatrovilavelha.com.br/oficinas e se inscrever! Vai perder a mordomia? Se preferir vir até aqui no Vila e encontrar com a gente, você pode se inscrever até dia 04 de janeiro, de segunda a sexta, entre 09 e 17h. Se ainda não fez sua escolha, aí vão algumas opções:

» Teatro » Perna de Pau » Canto » Percussão » Dança Afro » Dança do Ventre » Teatro para crianças » Dança para crianças » Capoeira » Projetos Culturais » Edição de Vídeos » e muito mais

Aulas: De 07 a 27 de janeiro de 2008.
Mostra: 26 e 27 de janeiro de 2008, às 10h.
Quer mais informações? Tem tudo detalhadinho lá no site. Dá uma olhada! E se tiver dúvidas, pode ligar pra gente (71) 3083-4621/4600.

Ah! Vale lembrar que a abertura das oficinas contará com uma aula de DANÇA AFRO, GRATUITA, ministrada por NILDINHA FRANCO, do Balé Folclórico da Bahia. Dia 04 de janeiro, no Passeio Público, a partir das 17h. Vem pra perto do Vila, Velho!

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Curtição no Arraial






Esse aí na foto é Gabriel, filho da atriz do Bando de Teatro Olodum Valdinéia Soriano e do diretor musical Jarbas Bittencourt. O sorrisão tem um motivo especial: ele foi o sortudo que ganhou a bolsa para cutir 15 dias no Acampamento Arrail Uniser em janeiro. Se deu bem!

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Bando de Teatro Olodum no Verão 2008



Ó Paí Ó de volta no Vila Verão. Foto: Márcio Lima.


O ano de 2007 foi de extensa produção para o Bando de Teatro Olodum, companhia de teatro baiano com uma trajetória de 17 anos voltados para a criação de espetáculos com qualidade artística e compromisso social. Foram quatro espetáculos apresentados, viagens nacionais e internacionais, incursão cinematográfica, realização de mais um fórum nacional de performance, lançamento de livros e vídeo-documentários entre outras atividades artísticas e sociais que revelam a maturidade do grupo mais consolidado do cenário teatral baiano. Um extrato representativo desta extensa agenda de produções poderá ser revistos no mês de janeiro de 2008, dentro do Projeto Amostrão de Verão do Teatro Vila Velha. Serão apresentadas as peças Ó Paí ó, todas as sextas-feiras, a partir do dia 04, sempre às 20h, e o infanto-juvenil Áfricas, dias 19, 20, 26 e 27, às 16h.

Áfricas - Encantamento com a África, seus mitos, sua história e sua diversidade. Estes têm sido os sentimentos despertados, em crianças e adultos, por Áfricas, o primeiro espetáculo infantil da trajetória do grupo. A peça é dirigida por Chica Carelli, com coreografia de Zebrinha, direção musical de Jarbas Bittencourt, iluminação de Fábio Espírito Santo e Rivaldo Rio e figurinos e adereços de Zuarte Jr. O espetáculo, repleto de músicas, cores e danças, aborda o universo mágico e lúdico das lendas e contos africanos que ultrapassaram séculos e continentes através das narrativas dos griôs, ancestrais conhecedores dos saberes e da linguagem oral. O elo com o Brasil, especialmente com a Bahia, se dá através das heranças culturais africanas que marcaram a formação do povo brasileiro.

Ó Paí ó – O compromisso com as questões sociais e a qualidade artística elaborada pelo grupo em sua trajetória transformaram algumas peças em verdadeiros marcos do teatro baiano contemporâneo. Prova disso é Ó Paí ó, a radiografia do Pelourinho a partir do cotidiano dos seus moradores e das facetas que criaram para driblar os problemas. Sucesso desde a sua estréia em 1992, antecipou muito das discussões sobre as alternativas para o Centro Histórico, levou milhares de expectadores ao teatro, incluindo a classe média e artística e, finalmente, foi adaptado para outra linguagem artística: o cinema, com o seu amplo poder de abrangência de público. A estréia do filme Ó Pai ó, de Monique Gardemberg, em 2007, com a presença de Lázaro Ramos e o Bando de Teatro Olodum, despertou interesse nacional na companhia e na dramaturgia própria criada pelo grupo. Em 2008, o roteiro será adaptado para a tevê, através de um série da Rede Globo, com a presença dos atores e atrizes do Bando.

A peça, dirigida por Márcio Meirelles, com texto do próprio diretor juntamente com os atores, integra a Trilogia do Pelô, seqüência de montagens cujo tema é o Centro Histórico de Salvador. As outras duas peças da Trilogia são Essa é a nossa Praia e Bai, Bai, Pelô, todas criadas através de improvisações com o elenco e das observações no dia-a-dia do Pelourinho.

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Chega ao fim a oficina d'A Outra



Fotos: Inácio Deus

Aconteceu no último domingo, dia 16 de dezembro, às 10:30, no palco principal do Teatro Vila Velha, a mostra de encerramento da oficina de teatro para iniciantes d’A Outra Companhia de Teatro.
A oficina, que aconteceu entre 17 de novembro e 16 de dezembro, foi ministrada por todo o elenco d’A Outra Companhia e teve o trabalho focado nas noções básicas das técnicas teatrais.


O tema escolhido para a oficina foi “Carnaval”. Os alunos adoraram e criaram personagens cômicos do universo carnavalesco baiano e a partir destes improvisaram as cenas que foram mostradas no encerramento do curso.
O público, formado por familiares, amigos e convidados dos alunos, se divertiu ao vê-los incorporando personagens e deixando a timidez de lado.
O resultado foi muito bacana!


Agora A Outra se dedica de cabeça no seminário Memória do Teatro Baiano nas décadas de 60, 70, 80 e 90 previsto para acontecer em fevereiro e no processo de montagem do espetáculo O pique dos índios ou A espingarda de Caramuru que tem estréia prevista para março de 2008.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Bombou!


A Feijoada da Sustança, que rolou ontem (16/12), aqui no Vila, foi um verdadeiro sucesso! Muito samba e feijoada deliciosa, com o tempero de Jorge Washington e Zebrinha. Cerca de 400 pessoas participaram da festa, que rolou a tarde toda e foi animada pelo Samba de Roda Urbano. A galera sambou até mais tarde (e ficou com sono de manhã)! Já o povo do Vila meteu a mão na massa pra fazer a feijoada acontecer. A boa notícia é que não vai parar por aí: todos os domingos de janeiro vai rolar feijoada no Vila, a partir do meio dia. Essa você não pode perder!

Confira alguns cliques da festa de ontem:







Fotos: Larissa Alves e Jorge Washington

Arrumando a casa para 2008



Arrumando e fazendo farra. Foto: Lenina Uzêda.


A programação de 2007 do Vila acabou e a galera aproveitou pra começar a manutenção do teatro. A força-tarefa, comandada por funcionários e artistas residentes, está arrumando tudo no depósito, preparando a casa para o ano que vai chegar. A programação de 2008 começa no dia 04 de janeiro, às 17h, com uma aula gratuita de dança afro, no Passeio Público, com a professora Nildinha Fonseca, abrindo o projeto Vila Verão. Por falar nisso, você já se inscreveu para as oficinas? Ainda está em tempo! Venha aqui no Vila até 04 de janeiro, de segunda a sexta, das 09 às 17h, ou se inscreva através do site http://www.teatrovilavelha.com.br/. Informações: (71) 3083-4621/4600.

Sorteio prorrogado

O sorteio da bolsa para o Acampamento Arraial foi prorrogado para a sexta-feira, às 12h, no Cabaré Café. Os artistas, funcionários ou prestadores do Vila têm até a quinta-feira (20/12), às 18h, para inscrever seus filhos ou netos na promoção. Se você tem interesse em participar do sorteio, escreva para exu@teatrovilavelha.com.br ou fale com Larissa, dizendo seu nome, o nome da criança (tem de ter de 5 a 15 anos) e o parentesco (se filho ou neto). Serão 15 dias de pura diversão. Corre pra seu filhote não ficar de fora!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

O espetáculo não pode parar


12 horas de apresentações! Sem parar! É verdade! A sexta edição do Encontro Internacional de Palhaços Anjos do Picadeiro chegou a Salvador, desde o dia 10, e o Vila também está no circuito. Palhaços de vários lugares do Brasil vão se reunir aquio no teatro e no Passeio Público, dia 14, sexta-feira. As apresentações começam às 17 horas e vão até às 5 horas do dia seguinte. É o OVERDOZE!

Durante essas 12 horas, muitas montagens vão animar o público, entre elas o Espetáculo de Gala, dirigido por Ângela de Castro, que conta com a participação dos grupos Barracão Teatro (SP), Ana Luiza Cardoso (SP), Seres de Luz Teatro (SP) e Intrépida Trupe (SP).

A virada artística ainda vai ter números de grupos do Chile, Argentina, México, Portugal e de vários estados brasileiros, como Coletivo Nopok (RJ), Circo Volante (MG), Coloral (CE), Era Clown (BA) e Buchechinha (SP).

O encontro Anjos do Picadeiro termina dia 16. Para ficar por dentro de toda a programação, acesse: http://www.anjodopicadeiro.com.br. O encontro também tem um blog: http://www.picadeiroquente.blogspot.com/

Venha rir com a gente no OVERDOZE!

Serviço

O que: OVERDOZE – Doze horas de apresentações pelo Encontro Internacional de Palhaços Anjos do Picadeiro.
Quando: 14 de dezembro, das 17 h às 5h.
Onde: Teatro Vila Velha (Palco principal e Cabaré dos Novos) e Passeio Público (Lona Petrobrás e no Circo Tomara que não Chova).
Quanto: R$ 20/10

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Para esquentar o domingão




Festa, samba e muito feijão. O Vila encerra as atividades do ano de 2007 com a Feijoada da Sustança, que acontece NESTE DOMINGO, dia 16 de dezembro, a partir das 13 horas. Para animar a galera, quem vai tocar é o grupo Samba de Roda Urbano, comandado por Toti Gira e Lobo Mau. O domingão vai ter surpresas e muita animação. Quem é amigo do Vila vem. Você vem, né? Ah bom!




O Grupo Samba de Roda Urbano. Foto: Manoela.

O que: Feijoada da Sustança – com Samba de Roda Urbano
Quando: 16 de dezembro, 13h
Quanto: R$ 10 (samba e feijoada). Ingressos à venda na bilheteria do teatro.
Onde: Teatro Vila Velha

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Andarilhos


Amanhã (dia 11 de dezembro) às 20 horas, Marcelo Jardim retorna aos palcos com o show Andarilhos, no Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha.


Na apresentação, o artista busca a simplicidade, trazendo para o público histórias sobre as suas andanças, através de canções que lhe trazem lembranças de lugares por onde passou.

No repertório, músicas inéditas autorais e de amigos, além de clássicos conhecidos da MPB.

Marcelo natural do Rio Grande-RS começou com a música estudando violão, aos dezesseis anos, logo em seguida formou uma banda com amigos e começou a se apresentar e compor suas primeiras músicas. Em 1995 veio para Porto Seguro trabalhar como guia de Turismo e também cantava nos bares da cidade. Em 2000, Marcelo prestou vestibular para Canto, em Salvador.

Durante a sua graduação em Canto, conheceu o mundo do teatro, fazendo inúmeras oficinas no Centro de Treinamento do Ator do Teatro Castro Alves, o que possibilitou a trabalhar como professor de Canto para vários Grupos de Teatro da cidade.


Serviço
O que: Show de Marcelo Jardim
Quando: 11/12, 20h
Onde: Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha
Ingressos: R$ 16/8

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007

Domingo tem Mostra Tomaladacá


Nesse domingo, dia 09 de dezembro, às 10 horas, o projeto Tomaladacá vai promover a mostra anual dos trabalhos de sete grupos de teatro e dança. A mostra vai apresentar o resultado dos trabalhos que esses grupos desenvolveram durante o ano, com atividades de diálogo e troca de experiência artística. Cada grupo vai apresentar esquetes de 15 minutos dos seus espetáculos originais.


Projeto Tomaladacá. Foto: Vinicio Oliveira.

Os grupos que vão participar da mostra são Grupo Kalaboca, com o espetáculo Leonídia – a musa infeliz de Castro Alves; Grupo Topa, com o espetáculo O Pequeno Príncipe; Gruporacaso, com o espetáculo A Mulher que Rejeitou Santo Antônio; Grupo Viver com Cultura, com o espetáculo de dança Encontro das Águas; Grupo Resistência, com o espetáculo A Longa Noite; Grupo Beje Eró com o espetáculo A Nossa Vila e Grupo 2ª Opinião com o espetáculo Opinião por Assinatura.

O Teatro Vila Velha esse ano recebeu o título de Ponto de Cultura, através do Ministério da Cultura, por ser considerado um espaço que promove o desenvolvimento cultural da região.



Projeto Tomaladacá. Foto: Vinicio Oliveira.

No domingão venha pro Vila!

SERVIÇO
O que:
Mostra Tomaladacá
Quando: 09 de dezembro, 10h
Onde: Teatro Vila Velha
ENTRADA FRANCA

Vertigem



Foto: Divulgação.


Dezembro começou trazendo muita dança. Dessa vez, quem aporta aqui no Vila é o Grupo de Dança Contemporânea da UFBA (GDC), que mostra o espetáculo Ilinx, dirigido por Leda Muhana, no próximo final de semana (07, 08 e 09/12). O nome do espetáculo vem do termo grego que significa turbilhão de águas. Dele se originou a palavra ilingos, que quer dizer vertigem. O tema da vertigem, ou Ilinx, denominação usada pelo pesquisador e ensaísta francês Roger Caillois (1913-1978), no livro Os Jogos e os Homens, serviu de base para o novo trabalho do GDC, que celebra o cinqüentenário da Escola de Dança.

Serviço

O que: Ilinx
Direção: Leda Muhana
Elenco: Grupo de Dança Contemporânea da UFBA
Quando: 07, 08 e 09/12, 20h
Onde: Palco Principal do Teatro Vila Velha
Ingressos: R$ 10 (inteira) / R$ 5 (meia)

Dança


Todos os profissinais de Dança estão convocados para a última reunião do Fórum de Dança da Bahia do ano de 2007. Na reunião serão discutidas as atividades realizadas durante este ano e os encaminhamentos previstos para 2008. Ao final da reunião, haverá um momento de confraternização.

Dia: 13 de dezembro – quinta-feira
Hora: 12h00 às 15h30
Local: Escola de Dança da UFBA

quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

Jingle Bells



O advento é o período de quatro semanas que antecede o Natal. Muitos músicos nesta época fazem um "pout-pourri" de cantigas natalinas. Cyrene Paparotti traz para o Vila HOJE (05/12), às 20h, o Concerto do Advento, que tem a proposta de ressaltar as músicas destinadas para a época de preparação do Natal. O concerto será constituído de três partes: 1ª - Solo piano: cinco intérpretes solistas (Cyrene Paparotti e alunos avançados) acompanhados ao piano cantarão trechos do Magnificat (Cântico de Maria), Benedictus (Cântico de Zacarias) e Nunc Dimitis (Cântico de Simeão); 2ª - Coro: O Coro Cantor Cristão dirigido por Cyrene Paparotti fará o "Ciclo do Advento de J. W. Faustini" (inédito na Bahia); 3ª - Coro Desembahia: Pout-pourri do folclore brasileiro – Regência Magno de Aguiar. Antecipe o clima natalino e venha curtir!

Riso em Salvador!





Faltam poucos dias! Grupos brasileiros de teatro extremamente respeitados como Intrépida Trupe (RJ), Parlapatões, Patifes e Paspalhões (SP), Lume Teatro (SP), Teatro de Anônimo (RJ), Circo Pindorama (PE), Carroça de Mamulengos (CE) Cia. do Giro (RS) e A Turma do Biribinha, que fará a abertura, já estão preparando suas malas para desembarcar em Salvador a partir do próximo dia 10, quando a cidade sediará pela primeira vez o Anjos do Picadeiro – Encontro Internacional de Palhaços, cujo o tema é Trocas: Modos de Fazer, Usar e Pensar. Entre as performances internacionais, Hilary Chaplain (EUA) se apresentará no Circo Picolino, onde funciona a ativa escola circense baiana, com viés sociocultural; Loco Brusca (Espanha) mostrará seu espetáculo para os transeuntes e platéias da Praça da Sé; Gardi Hutter (Suíça) vai ocupar o Teatro Sesc-Senac Pelourinho; e Leo Bassi (Espanha) leva seu humor cáustico ao Teatro Castro Alves. De 10 a 16 de dezembro, o público baiano poderá conferir dezenas de espetáculos, performances e debates com mais de cem artistas e pesquisadores do Brasil e do exterior transformando Salvador num pólo de apresentações e reflexão sobre a arte de fazer rir. As oficinas internacionais ainda estão com vagas abertas e a programação completa do evento já pode ser conferida no site http://www.anjosdopicadeiro.com.br/ .

Ponto de Encontro

Durante o Anjos do Picadeiro a área do Passeio Público promete se transformar num grande ponto de encontro de artistas e público em geral. É lá que vai ser realizada boa parte da programação do Encontro Internacional de Palhaços. É lá também que será montada a Lona Petrobras, onde vai acontecer a festa de abertura (para convidados, apenas) do Encontro. Os espetáculos serão apresentados ainda no Teatro Castro Alves, Vila Velha, Sesc-Senac Pelourinho e Centro Cultural Plataforma, além do Circo Picolino e espaços públicos como Praça da Sé e Largo Cruzeiro de São Francisco.

Overdoze

O público terá a chance de participar de uma maratona teatral inédita em Salvador: trata-se do Overdoze, uma programação ininterrupta de espetáculos, encontros, atividades e performances dos artistas que integram o Encontro. Durante o Overdoze, o Passeio Público será transformado em um “complexo” de quatro espaços: o palco principal e o cabaré do Teatro Vila Velha, o Circo Tomara que não chova e a Lona Petrobras, especialmente construída para abrigar parte da programação e que funcionará como ponto de encontro do Anjos do Picadeiro. O Overdoze será apresentado numa sexta-feira (dia 14 de dezembro), a partir das 17h, e contará com cerca de 50 performances, que se dividem por 12 horas de programação, simultaneamente nos quatro espaços.

Histórias do Riso

O Anjos do Picadeiro irá muito além da apresentação de espetáculos: haverá também o lançamento de vários livros que documentam e analisam a arte da comicidade, escritos por importantes pesquisadores brasileiros. Um deles é Circo Nerino (de Verônica Tamaoki e Roger Avanzi), que recupera a trajetória da companhia que, de 1913 a 1964, encantou platéias de vários cantos do Brasil e entrou para a memória do circo. Outro lançamento é Circo-Teatro: Benjamim de Oliveira e a teatralidade circense no Brasil, no qual a autora Ermínia Silva resgata sagas de famílias circenses européias. Já O Elogio da Bobagem – Palhaços no Brasil e no Mundo, de Alice Viveiros de Castro, faz uma profunda imersão na representatividade da figura do palhaço através do tempo.

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

HOJE!!!


Lô Borges relembra Clube da Esquina em Salvador

Clarissa Borges, do A Tarde On Line

Com apresentações de Márcio Borges, Lô Borges e o guitarrista Giuliano Fernandes, o Museu Clube da Esquina apresenta na próxima terça-feira, 4, o projeto Museu Vivo, no Teatro Vila Velha. O evento tem como objetivo divulgar para preservar as atividades do movimento musical Clube da Esquina, iniciado na década de 60, em Minas Gerais, e difundido em todo o país.

Nesta edição do Museu Vivo, Márcio Borges vai mostrar um vídeo produzido com o acervo do museu. A parte musical fica por conta de Lô Borges, no vocal, e Giuliano Fernandes, na guitarra, que tocarão sucessos como Girassol, Clube da Esquina, Quem Sabe Isso Quer Dizer Amor. O Museu Vivo realiza eventos periodicamente em diversas cidades – este ano já passaram por Belo Horizonte, Montes Claros, Carbonita, Conceição do Mato Dentro, Brasília, São Paulo, Araraquara , Três Pontas, Divinópolis, Juiz de Fora e Sabará – a fim de divulgar a memória do Clube da Esquina. Integram a programação palestras e apresentações musicais de artistas ligados ao movimento.

O Clube da Esquina surgiu em Belo Horizonte, quando diversos cantores, músicos e compositores começaram a fazer um som que se identificava com elementos de Bossa Nova, Jazz e Rock'n' Roll, mas tinha personalidade própria. Inspirados especialmente pelos Beatles, Milton Nascimento, Wagner Tiso, Fernando Brant, Márcio Borges, Nivaldo Ornelas, Toninho Horta e Paulo Braga deram início ao movimento que com o tempo incorporou diversos artistas mineiros, como o próprio Lô Borges e Flávio Venturini.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

AMIGOS DO VILA - PARTE V


(por Bruno Codes, da NovaeraConsult)


Assim como no teatro, na consultoria de negócios a criatividade e a adequação são grandes diferenciais. É necessário avaliar um contexto, para que o resultado final seja o mais bem sucedido o possível. É necessário ainda interagir de forma inteligente para a satisfação plena do cliente.

Nos seus 10 anos de existência, a NovaeraConsult demonstra excelência nesta arte chamada “Construção de cenários empresariais”. Esta trajetória de sucesso se iniciou em uma pequena sala, contando apenas com a experiência de mais de 15 anos dos seus sócios. Hoje, possui grandes clientes e parceiros líderes mundiais.

A NovaeraConsult auxilia seus clientes a encontrar o caminho do sucesso: otimiza os processos produtivos, aumenta a rentabilidade e fortalece a posição competitiva no mercado. Para a NovaeraConsult, cada cliente é único, exigindo muita criatividade nas soluções. A cada cenário construído, um novo desafio.

Na construção de cenários empresariais, a NovaeraConsult ainda oferece soluções integradas através da oferta de software de gestão empresarial. Este produto possibilita que os setores das empresas funcionem de forma conjunta, operando como uma orquestra: sob controle, em harmonia e no mesmo ritmo.

A NovaeraConsult é responsável pelo planejamento estratégico do Teatro Vila Velha, buscando nortear a gestão da instituição. Um projeto para o bem da instituição e de todo o teatro baiano.


NOVAERA CONSULT

Endereço: Rua Lucaia, 337 3º andar - Rio Vermelho
Telefone: 3335-0010
Emails: novaera@novaeraconsult.com.br mkt@novaeraconsult.com.br

Redemoinho


O ator Gordo Neto está em Porto Alegre-RS onde representa o Teatro Vila Velha na terceira edição do Encontro Nacional do Redemoinho - Rede Brasileira de Espaços de Criação, Compartilhamento e Pesquisa Teatral – de hoje (03) até 05 de dezembro. Jacyan Castilho, atriz do grupo Vilavox, também participa do encontro, que acontece na sede da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz.

A participação dos dois artistas no evento pretende, também, fortalecer a articulação do Vila Velha no evento, tendo em vista que o teatro sediará a quarta edição do encontro, no final de 2008. O Vila pretende formar, durante o próximo ano, a Regional Bahia do Movimento Redemoinho (como já acontece em outros locais), para fortalecer o teatro de grupo no estado.

Este ano, os cerca de 50 grupos integrantes do Redemoinho vão definir a elaboração de um calendário de ações políticas para o ano de 2008 com todos os estados participantes do Movimento. Entre os objetivos do Redemoinho estão a aprovação da proposta de destinar 2% do orçamento federal para a cultura e a instituição do Prêmio de Teatro Brasileiro, que prevê a liberação de R$ 50 milhões para o teatro nacional todo ano.

A Redemoinho é uma associação brasileira de grupos que mantêm ou disputam espaços de criação, compartilhamento e pesquisa teatral. Criada em 2004, funcionou até seu terceiro encontro como rede e, em 2006, deliberou transformar-se em movimento político cujos representantes, eleitos, têm a tarefa de atuar na cena pública e política. Integram o movimento grupos de destaque no cenário nacional como o Galpão (MG), Cia Ensaio Aberto (RJ), Clows de Shakespeare (RN), dentre outros.

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Dança! Muita Dança!


Os alunos da oficina do Ponto de Cultura “Preparação Corporal para a Cena”, ministrada pelo integrante da Cia Viladança Jairson Bispo, são convidados especiais para a estréia do EIC – Encontro de Investigação Coreográfica, que acontece de hoje a domingo (30/11, 01 e 02/12).


A oficina foi uma das mais procuradas do Ponto e, também, uma das que mais rendeu. “Foram dois meses de oficina porque os alunos quiseram que as aulas se prolongassem. Eles pediram para o coordenador, Fábio Espírito Santo, e ele topou”, conta Jairson. Os alunos já faziam atividades de artes cênicas em comunidades de Salvador e participaram da oficina para aprimorar a utilização do corpo e a postura. “Foi uma experiência maravilhosa. Tive muito retorno com este trabalho e aprendi muito também”, comemora o professor.
Jairson Bispo. Foto: João Meirelles.

O EIC é um novo projeto de dança na Bahia, organizado pela Cia Viladança. A proposta é fazer um rico encontro de investigação de novas idéias artísticas. O espetáculo é composto por coreografias de Sergio Diaz, Janahina Santos, Bárbara Barbará, Leandro de Oliveira e Ricardo Fagundes, todos integrantes do Viladança, que apresentam nessa primeira edição o resultado de suas experiências criativas. Venha ver!

EIC – Encontro de Investigação Coreográfica (Dança)
Realização: Cia Vilandança
Temporada: 30/11, 01 e 02/12, sexta, sábado e domingo
Onde: Palco Principal do Teatro Vila Velha
Horários: 20h Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)

Iara Colina


Quem está em Salvador e passou aqui no Vila ontem pra fazer uma visitinha e matar a saudade foi a atriz Iara Colina. Ela, que integra a Cia Teatro dos Novos (CTN), está morando no Rio de Janeiro há cerca de quatro meses, para onde foi em busca de novos desafios profissionais. Em terras cariocas, Iara está participando de workshops de capacitação e também ministrando oficina de teatro na Casa da Gávea. Em janeiro, Iara vem novamente a Salvador, dessa vez pra orientar a Oficina de Teatro para iniciantes no projeto Vila Verão. A oficina vai acontecer durante todo o mês de janeiro a partir do dia 09, às quartas e sextas-feiras, das 19h às 22h, aqui mesmo no Vila (nos dias 26 e 27 rola uma mostra de todas as oficinas do Vila Verão). A oficina custa R$ 120 e terá inscrições abertas a partir de segunda-feira (03/12), aqui no Vila!


Foto: Larissa Alves

Verão!!!!!!!!!!!!


O Verão está chegando e, com ele, a programação mais aguardada da estação do Sol. As Oficinas Vila Verão, mais uma vez, vão fazer a alegria da galera. As aulas vão acontecer de 07 a 27 de janeiro e na programação tem cursos nas áreas de teatro, dança, música, vídeo e projetos culturais, para profissionais e iniciantes. As inscrições poderão ser feitas do dia 03 de dezembro até 04 de janeiro de 2008, no Vila, de segunda a sexta, das 09 às 17h, ou através do site www.teatrovilavelha.com.br . Os preços variam entre R$ 60 e R$ 120. Corre pra garantir a sua vaga! Informações: (71) 3083-4621/4600.

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

PROCURA-SE ESTAGIÁRIO (A)



É com grande tristeza no meu coração que me despeço do Núcleo de Comunicação do Teatro Vila Velha. Vou pôr um ponto final na arte de estagiar, já que estou subindo um degrau e me formo em dezembro. O estágio termina, mas eu sempre estarei aqui nas peças e eventos e até pra fazer uma singela visitinha mesmo. Mas deixa pra lá essas chorumelas e vamos ao que interessa!

Se você faz Comunicação Social com habilitação em Jornalismo ou Relações Públicas e sempre teve vontade de trabalhar na assessoria de um teatro, o Vila abre as portas pra você, meu velho! Você precisa ter disponibilidade de estagiar pela manhã, ter um bom texto – isso é imprescindível -, se identificar com a área de comunicação cultural, ter noções de ferramentas de internet (blog, site) e ter bom humor pra rir de tudo que for piadinha. Achou que era fácil, foi?

Se você se encaixa nesse perfil, envie para gente (exu@teatrovilavelha.com.br) seu currículo e dois ou três textos (matérias, resenhas e crônicas) até o dia 07 de dezembro. Entraremos em contato pra dizer se você foi selecionado ou não para a entrevista. Quanto à entrevista... Ah, isso é outra história. Boa sorte!

Lenina Uzêda.

Preto na Mídia



Foto: Divulgação.

O ator Jorge Washington participou ontem, 28, no Museu Eugenio Teixeira Leal, Pelourinho, do Seminário "Preto na mídia", que reuniu a jornalista Sueide Kintê (TVE), o publicitário Paulo Rogério Nunes, do Instituto Mídia Étnica, Laise Helena, da Cipó Comunicação Interativa, Osvalrisio Conceição, do Ilê Aiyê e Tânia Tôko, atriz de Ó paí ó e ex-integrante do Bando de Teatro Olodum. Durante o encontro, Jorge, um dos fundadores do Bando, falou da trajetória de 17 anos do grupo, as dificuldades e desafios e o processo atual de produção da série inspirada no sucesso Ó Paí ó, para a Rede Globo de Televisão. Em janeiro de 2008, o Bando de Teatro Olodum volta à cena com os espetáculos Áfricas e Ó Paí ó, dentro da programação do projeto Vila Verão.

O Vila por ele mesmo


“Conhece-te a ti mesmo”, disse o filósofo. O Vila entrou na onda de Sócrates e está vivendo um momento de auto-reflexão. A fase é de planejamento estratégico e isso tem gerado uma série de ações voltadas para o desenvolvimento do teatro. Um delas, o Seminário Interno “Vila Velha: quem somos e como funcionamos”, reuniu cerca de 60 pessoas, entre artistas, funcionários e colaboradores, no Cabaré dos Novos, no último dia 26 de novembro.



A galera tava prestando atenção. Foto: Camilo Fróes.

Foram quase 6 horas de apresentações sobre a história, a estrutura, a missão, os grupos de trabalho e os grupos residentes do teatro. Tudo com muito humor e descontração, características do povo do Vila. Pra agradar o paladar e agüentar o segundo round das apresentações, a galera caiu num sopão delicioso servido no bar.

A hora da boquinha. Foto: Larissa Alves.


No final do encontro, que acabou às 22h, o espaço foi aberto para dúvidas, críticas, observações, sugestões e proposições, o que gerou um material bacana, que vai circular no teatro e, quem sabe, ajudar a implantar melhorias por aqui.


"Xiii, apertei o end de novo..." ( Gordo Neto, ator e controlar do power point)
Foto: Camilo Fróes.

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Carta do professor Abdias ao presidente Lula


Senhor Presidente da República, nosso querido Lula,
Saudações quilombistas no Dia Nacional da Consciência Negra.

Tenho recebido das mãos de Vossa Excelência honrarias que muito me orgulham, e que recebo em nome do povo afrodescendente deste País, pois entendo que os méritos a ele pertencem. Por isto não poderia deixar de me manifestar no dia de hoje ao povo negro, a todo o povo brasileiro, e a nossos governantes, na pessoa de Vossa Excelência, pois a felicidade do negro, como disse o poeta, é uma felicidade guerreira.


Enquanto muito me alegram e me honram a outorga da Grã Cruz da Ordem do Mérito Cultural e a minha inclusão na mais alta classe da Ordem do Rio Branco, observo que as desigualdades raciais no Brasil continuam agudas e profundas. Diariamente recebo notícias de pesquisas quantitativas que confirmam este fato. Só no dia de hoje, por exemplo, soubemos por pesquisadores da UFRJ que as principais causas de mortalidade de homens negros são violentas, como homicídios, enquanto os brancos morrem mais por doenças. Ainda hoje, também, soubemos que a Fundação SEADE concluiu que brancos ocupam quatro vezes mais cargos executivas que negros.


Setores poderosos, detentores dos meios de comunicação de massa no país, estão deflagrando uma campanha no sentido de desacreditar essas estatísticas e vilipendiar aqueles, como Vossa Excelência, que pensam na necessidade de políticas públicas de combate a essas desigualdades. Novamente nos acusam de racismo, usando o falso argumento de que o critério de classificação racial, e não a realidade social, causa divisões perigosas em nossa sociedade. Há décadas os intelectuais negros afirmam que raça nada tem a ver com biologia ou genética, mas que, como categoria socialmente construída, é uma dura realidade discriminatória baseada em características de aparência.


Senhor Presidente, suas recentes visitas à África somadas a outras iniciativas como a promulgação da lei 10.639/03 e a implantação da política de cotas reparatórias nas universidades têm propiciado um novo clima que permite debater questões sérias que vinham sendo ocultadas ou negadas pelas elites entrincheiradas no mundo acadêmico e no universo da mídia. Ora, diante de um momento tão encorajador, fomentam, com crescente agressividade, essa campanha desestabilizadora da sociedade, em que a desinformação deliberada rivaliza com a malevolência racista, e que objetiva intimidar todo um povo e enganar toda uma nação.

Assistimos como, na casa dos representantes do povo, após receber com grande repercussão os porta-vozes dessa campanha, se mandou "calar a boca" aos negros que usaram de seu legítimo direito democrático de apresentar as suas demandas. Assusta pensar que legisladores capazes de semelhante agressão se pronunciarão, daqui a alguns meses, sobre o Estatuto da Igualdade Racial, cujas propostas abrem novas perspectivas para melhorar as relações sociorraciais e trazer um vento de esperança à população negra preterida.


Senhor Presidente, hoje a Ministra da SEPPIR, nossa querida Matilde Ribeiro, lhe apresenta o Plano Nacional de Promoção da Igualdade Racial, fruto de todo um processo de deliberações para a construção dessas políticas públicas. Venho hoje lhe convocar a não esmorecer na sua decisão de implementá-las, pois nossa população aguarda políticas efetivas, o que significa investimento de recursos humanos e orçamentários.


Há muito tempo os economistas comprometidos com o povo brasileiro vêm falando que o nosso país precisa crescer, para valer, para absorver as legiões de jovens que, a cada ano, procuram ingressar no mercado de trabalho. Estamos acumulando décadas perdidas com a falta de desenvolvimento econômico intensivo em emprego, com a transversalidade de raça e gênero, associada à redução do papel do Estado na área social. Como conseqüência, os problemas sociais vêm atingindo patamares perigosos. Haja vista a violência em nossas cidades que alcança índices de genocídio entre a juventude negra e favelada.

Reconheço o grande avanço que significa a Lei 10 639/03, que visa fazer o resgate de nossa história e de nossa memória e torná-las patrimônio cultural de todo o povo brasileiro, mas tenho que elevar a minha voz para dizer que esta lei não está sendo cumprida, ou tem a sua implementação dificultada, por todos aqueles que não querem mudanças nas relações de dominação racial em nosso país.


Reconheço o avanço contido no Programa Brasil Quilombola, e convoco Vossa Excelência a continuar investindo cada vez mais neste setor, apesar da campanha de mídia que caracteriza programas dessa natureza como criminosos e racistas, no intuito de desmoralizá-los e favorecer os interesses fundiários estabelecidos. Deflagra-se, ainda, uma onda de violência, também no intuito de favorecer tais interesses, tendo sido hoje assassinado um quilombola no estado do Espírito Santo. É preciso avançar nas titulações e fazer valer os direitos das comunidades quilombolas contra as ameaças constantes de despejo de seus territórios. Não podemos, com coerência, celebrar Zumbi do Quilombo dos Palmares, herói nacional, enquanto as populações dos quilombos do Brasil são agredidas e têm seus direitos desrespeitados!

Aliás, na qualidade de co-fundador e ex-presidente do Memorial Zumbi, movimento da sociedade civil que conduziu à criação da Fundação Cultural Palmares e à desapropriação das terras da Serra da Barriga, venho lhe indagar como, no ato cívico realizado ontem nas terras de Palmares, faltaram as bandeiras do Brasil, do Estado de Alagoas, e do Município de União dos Palmares. Trata-se de um simbolismo fundamental. Esta data, esta luta e as políticas públicas de igualdade racial são bandeiras do Brasil e de seus governos locais e estaduais, não só dos afrodescendentes!


Finalmente, quero dizer que tenho fé nas forças que querem transformar o meu país. Também nutro a convicção maior de que as energias que brotam do coração de Zumbi dos Palmares e de todos os nossos ancestrais ampliarão, cada vez mais, a consciência negra neste país. De negros e de brancos que sonham o sonho bom da liberdade e da justiça.

Por isto, Senhor Presidente, aceite nossas saudações quilombistas, pois o quilombismo é uma proposta para a Nação. Zumbi vive em nós, homens e mulheres da resistência anti-racismo e da construção de um Brasil justo e democrático. Axé!

Abdias Nascimento
Professor

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

Ponto de Cultura no EIC



Coreografia "Despedidas". Foto: João Meirelles


O EIC - Encontro de Investigação Coreográfica, que acontece nos próximos dias 30 de novembro, 01 e 02 de dezembro, promoveu uma articulação com o projeto Vila Ponto de Cultura. Os alunos da oficina de Iniciação à Técnica Teatral, um dos cursos promovidos pelo Ponto, estão participando da montagem do cenário e da Iluminação do espetáculo. A iniciativa integra a extensão prática da oficina, que foi finalizada no dia 31 de outubro.

Além disso, cinco Pontos de Cultura de Salvador foram convidados a assistir ao espetáculo. Representantes e alunos do Centro de Cultura da Liberdade, do Solar Boa Vista, da Arte Viva e da Pierre Verger virão ao Vila Velha ver o EIC.

Venha ver você também!



EIC - Encontro de Investigação Coreográfica
30 de novembro, 01 e 02 de dezembro
Sexta, sábado e domingo
às 20h no Palco Principal do Teatro Vila Velha
Ingresso: r$10,00 (inteira) r$5,00 (meia)

sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Mostra Tomaladacá

Gruporacaso no ensaio da mostra

O projeto Tomaladacá, promovido pelo Teatro Vila Velha, realiza uma mostra com o resultado dos trabalhos realizados durante o ano de 2007. O projeto desenvolve atividades de intercambio artístico e técnico entre grupos de teatro e dança oriundos de comunidades, escolas, sindicatos ou associações de Salvador e do interior da Bahia. Nos encontros, acontecem mostras de cenas, oficinas, workshops, aulas de dança e teatro, visitas técnicas, além de acompanhamento dos processos de construção dos grupos.

Na mostra, cada grupo apresentará esquetes de 15 minutos dos seus espetáculos originais. Os grupos são: Kalaboca com o espetáculo Leonídia; Grupo Topa, com a montagem O Pequeno Príncipe; Gruporacaso, apresentando A Mulher que Rejeitou Santo Antônio; Grupo Viver com Cultura Afrodescendente com o espetáculo de dança Encontro das Águas; Grupo Resistência com a peça A Longa Noite; Grupo Beje Eró, com o espetáculo A Nossa Vila e o Grupo 2ª Opinião com a montagem Opinião por Assinatura.

Serviço
O que: Mostra Tomaladacá
Quando: 09/12, 10h
Onde: Palco Principal do Teatro Vila Velha
Entrada Franca

Novidades da Novos Novos


O filme Esses moços, do cineasta baiano José Araripe Júnior, recebeu o prêmio de melhor atriz coadjuvante para Chayend dos Santos, no 2º Festival do Paraná de Cinema Brasileiro-Latino. O festival reuniu diversos longas-metragens, curtas e também documentários de várias partes do Brasil e da América Latina (http://www.festivaldecinema.pr.gov.br/). Para comemorar o feito, o filme será exibido no Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha (Passeio Público – Campo Grande), dia 27 de novembro (terça-feira), às 19h, com entrada gratuita. Chayend dos Santos, hoje com 15 anos de idade, foi escolhida pelo cineasta José Araripe dentre os integrantes do elenco da Companhia Novos Novos.

Aproveitando a ocasião, a Companhia lança o livro Diferentes iguais, que traz o texto da peça apresentada em 2006, assinado por Fábio Espírito Santo e EdsonR, e mais reflexões sobre a montagem e o fazer teatro. Além disso, o livro traz fotos desta montagem que foi a quarta peça do repertório da Novos Novos, grupo dirigido por Débora Landim. A peça Diferentes iguais estreou em Manchester, na Inglaterra, e cumpriu temporadas no Cabaré dos Novos e no palco principal do Teatro Vila Velha. O lançamento do livro é o desfecho de todo o projeto Vila Novos Novos II, que teve patrocínio da Coelba, através do Fazcultura. O projeto possibilitou oficinas gratuitas para crianças e jovens, viabilizou a peça Diferentes iguais e, por fim, gera o livro agora lançado. O preço de cada exemplar é R$ 5.

Este é o segundo livro da Companhia Novos Novos, que lançou, em 2005, um título com as três primeiras peças de seu repertório, todas de autoria de EdsonR (Imagina só...Aventura do fazer; Mundo Novo Mundo; Alices e Camaleões).

Serviço
O que: Exibição do filme “Esses Moços” / Lançamento de novo livro dos Novos Novos
Quando: 27/11 (terça-feira), às 19h
Onde: Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha
Entrada Franca


quinta-feira, 22 de novembro de 2007

10 anos especiais


Foto: Márcio Lima
O Bando de Teatro Olodum vai comemorar os 10 anos de Cabaré da Rrrraça em alto estilo, recebendo artistas convidados que marcaram a trajetória do grupo. Na sexta-feira (23), a peça recebe a participação especial da diva do samba baiano Mariene de Castro e do peso dos tambores do Ilê Aiyê. No sábado (24), é a vez do intérprete do hit “Ó Paí Ó”, Jauperi. Já Lazzo Matumbi entra em cena no domingo (25), último dia da curta temporada do espetáculo.

Mariene de Castro participa da comemoração. Foto: Edgar de Souza.

Venha conferir a peça, que traz novidades como figurino inédito e vídeo, e aproveite pra visitar a exposição de fotos comemorativa dos 10 anos. A mostra ocupará todo foyer do Teatro Vila Velha e trará fotos e objetos que contam a história do espetáculo, como figurinos antigos, cartazes e outros materiais gráficos. Além do empenho de todo o elenco, a exposição segue as orientações técnicas da atriz Cássia Vale, que também é museóloga.

Jauperi também comemora com o Bando. Foto: Divulgação.
Serviço
O que: Cabaré da Rrrraça (Teatro)
Direção: Márcio Meirelles
Elenco: Bando de Teatro Olodum
Texto: Marcio Meirelles/Bando de Teatro Olodum
Temporada: 23, 24 e 25/11
Onde: Palco Principal do Teatro Vila Velha
Horários: 20h Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

quarta-feira, 21 de novembro de 2007

O Fórum de Dança da Bahia convida...



PENÚLTIMA REUNIÃO GERAL DO FÓRUM DE DANÇA - 2007.

dia- 22/11/2007
hora- 12h30
local- Escola de Dança da UFBA

PAUTA
- Apresentação dos encaminhamentos feitos pelas recém-criadas Comissões de Trabalhos;
- Organização dos trabalhos de encerramento das atividades do Fórum relativas ao ano de 2007;
- Encaminhamentos sobre o Dia D da Dança para o ano de 2008;
- O que ocorrer.

terça-feira, 20 de novembro de 2007

10 anos de Cabaré da Rrrrraça!!!


Hoje é o dia da Consciência Negra e, marcando essa data tão importante, o Bando de Teatro Olodum comemora os 10 anos de estréia do maior sucesso do repertório do grupo, "Cabaré da Rrrrraça", com uma curtíssima temporada no próximo final de semana, 23, 24 e 25 de novembro.


Foto: Márcio Lima

A revista musical dirigida por Márcio Meirelles une humor e questionamento sobre o racismo brasileiro. O elenco do Bando dá voz a personagens marcantes como o 'Patrocinado', 'Negro Fudido', a 'cantora Flávia Carine', 'Edileuza', entre outros, que revelam as expressões do preconceito racial, desde as mais sutis até as mais agressivas. Graças à atualidade do tema e ingredientes como interatividade com o público, músicas ao vivo e o humor escrachado, marcas registradas do Bando, Cabaré da Rrrrrraça, ao longo desses dez anos, vem atraindo milhares de espectadores em diversas cidades do Brasil e em Angola, onde se apresentou em 2006.


Foto: Márcio Lima

O aniversário será comemorado com exposição e vídeo sobre o espetáculo, e apresentações especiais com novo figurino, convidados surpresa e muitas novidades. Entre os convidados estão a cantora Mariene de Castro e os cantores Jauperi e Lazzo Matumbi, além da banda do Ilê Aiyê.


Foto: Márcio Lima

Serviço
O que: Cabaré da Rrrraça (Teatro)
Direção: Márcio Meirelles
Elenco: Bando de Teatro Olodum
Texto: Marcio Meirelles/Bando de Teatro Olodum
Temporada: 23, 24 e 25/11
Onde: Palco Principal do Teatro Vila Velha
Horários: 20h Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

Viladança estréia EIC


A Companhia Viladança prepara mais um novo projeto para a dança na Bahia. O EIC - Encontro Investigação Coreográfica vai acontecer nos dias 30 de novembro, 01 e 02 de dezembro. A estréia vem contribuir com o campo da pesquisa e criação da dança contemporânea, dando asas à imaginação e corpo ao talento de artistas baianos. O público poderá conferir um espetáculo de dança diferente, formado por coreografias criadas através da pesquisa individual de integrantes da Companhia Viladança. Cinco artistas compõem o projeto: Sergio Diaz, Janahina Santos, Bárbara Barbará, Leandro de Oliveira e Ricardo Fagundes, que apresentam nessa primeira edição o resultado de suas experiências criativas, interpretadas pelo próprio elenco da Companhia e dois atores convidados.

Confira alguns cliques de João Meirelles no ensaio fotográfico do EIC:





O VILA É UM PONTO

Por Fábio Espírito Santo

Neste semestre, Teatro Vila Velha promoveu uma série de oficinas artísticas como parte das atividades do Ponto de Cultura, contando com a participação de mais de 130 jovens de grupos artísticos da Bahia. Divididos em quatro turmas, os alunos integraram as quatro diferentes oficinas de iniciação: “Assessoria de imprensa para grupos artísticos”, ministrada pela jornalista Juliana Protásio; “Figurino e Maguiagem”, com o figurinista Luiz Santana; “Preparação Corporal para a Cena”, com o bailarino Jairlson Bispo e a oficina de “Técnica Teatral (iluminação cênica/cenografia/sonorização)”, coordenada pelos iluminadores Fábio Espírito Santo e Rivaldo Rio, os iluminotécnicos Márcio Pimentel e Luciano Assis, a cenógrafa Lorena Peixoto e o técnico de som Maurício Roque.


Café da manhã de confraternização de uma das turmas das Oficinas do Ponto


Durante os três meses de atividades, os alunos adquiriram os conhecimentos básicos das respectivas áreas através de aulas teóricas e práticas. Além das aulas formais, os alunos tiveram a oportunidade de realizar visitas técnicas a teatros e museus, como também receberam convites para assistir espetáculos de teatro e dança em cartaz na cidade, servindo como material de análise durante as aulas. Dentre os espetáculos que os alunos puderam assistir, estão: “Da ponta da língua a ponta do pé”, “Rerembelde”, “Ciranda do medo”, “Áfricas”, “Canteiros de Rosa”, “Arlequim-servidor de dois patrões”, “A geladeira”, todas produções dos próprios grupos residentes do Teatro Vila Velha, além de “Shopping and Funcking” e “Filo pelo fino da finestra”.

Os alunos de “Assessoria de imprensa para grupos artísticos”, também tiveram a oportunidade de participar de um bate-papo sobre jornalismo cultural que contou com a participação do professor de jornalismo e produtor cultural Cláudio Manoel; de Ana Paula Vargas, assessora de imprensa da Fundação Cultural da Bahia e do repórter do caderno 10 (jornal A Tarde), Pedro Fernandes. Eles falaram da relação entre o assessor de imprensa e o repórter de jornal e sobre os mecanismos de divulgação da grande mídia. Para Michele Maia, uma das participantes e que, atualmente, faz o curso de produção cultural , “o curso acendeu uma ‘luzinha’ em mim, despertou a vontade de fazer comunicação”. Para Anativo Oliveira, outro aluno e integrante do Ponto de Cultura Beje Eró, “a oficina foi fantástica, termina com gosto de quero mais”.

Na oficina de “Figurino e maquiagem”, além de visita ao Centro Técnico do Teatro Castro Alves, os alunos tiveram a oportunidade de conhecer o Museu do Traje Henriqueta Catarino, conhecendo um pouco mais sobre a história do vestuário.


Aula de cenografia dentro da oficina de “Técnica Teatral”


Além das atividades práticas de iluminação cênica, sonorização e cenografia presentes na montagem de um espetáculo, os integrantes da oficina de Iniciação à Técnica Teatral, participaram também da manutenção dos equipamentos do próprio Vila Velha e do Teatro Gamboa, conhecendo melhor a caixa cênica e os equipamentos presentes nestes espaços.


Os alunos da oficina de “Iniciação à Técnica Teatral”, numa atividade prática no Teatro Gamboa


Como trabalho final do curso, os alunos produziram uma primeira concepção de cenário e iluminação para um espetáculo fictício, colocando em prática o conteúdo oferecido durante os dias de aula, como também, realizaram um pequeno estágio, participando das montagens dos espetáculos que estiveram em cartaz no próprio Vila. “Adorei a oficina! Foi muito bacana e, como trabalho também com fotografia e audiovisual, as aulas de iluminação cênica foram muito bem aproveitadas”, disse o aluno Ângelo Rosário. “A oficina foi muito construtiva, bem trabalhada tanto na prática como na teoria e ficou mais fácil de entender as montagens, os agrupamentos, a identificação dos equipamentos, tipos de lâmpadas e ferramentas”, disse Jaqueline Santos, aluna do curso. “estou ansioso que uma próxima oficina como essa seja realizada e quem sabe até mesmo o curso profissionalizante que tanto esperamos”, disse Thiago Cerqueira, mais um integrante.


Projetos de cenografia e iluminação dos alunos


Agora no final de novembro, encerra a última oficina: “Preparação corporal para a cena”, que teve seu período prorrogado a pedido dos alunos. E se depender da vontade deles, no próximo ano tem mais! Porque o vila é um ponto de cultura!