quinta-feira, 24 de agosto de 2017

O Vila chama


O Teatro Vila Velha convida pessoas da área de comunicação (marketing, relações públicas, jornalismo, produção cultural, publicidade e propaganda) a participar do processo seletivo para nova assessoria de comunicação. A seleção é dividida em duas etapas e acontece durante o mês de setembro de 2017. O candidato selecionado e sua equipe devem estar disponíveis para início do trabalho no dia 2 de outubro. Confira o cronograma completo abaixo.


ETAPA 1

24 de agosto a 8 de setembro
Envio de currículo acompanhado de um texto em que o candidato expresse a imagem que tem do Teatro Vila Velha. Os materiais devem ser enviados para o e-mail comunicacao@teatrovilavelha.com.br com o assunto “SELEÇÃO ASSESSORIA” até as 23h59min do dia 8 de setembro.

11 de setembro
Contato por e-mail e telefone com os candidatos selecionados para a etapa seguinte.

ETAPA 2

14 de setembro, às 9h
 

Reunião de boas-vindas aos candidatos e apresentação do Teatro Vila Velha. A presença é indispensável para a continuidade no processo seletivo.


14 e 15 de setembro, das 15h às 18h 
Entrevistas individuais realizadas pelos candidatos com membros da equipe do Teatro Vila Velha. Este contato tem como objetivo iniciar o levantamento de dados sobre o teatro e dar insumos para a elaboração de um diagnóstico e de uma proposta/ideia para a comunicação a ser executada durante o período de 1 (um) ano a contar a partir de outubro de 2017.

16 a 24 de setembro
 

Levantamento de dados sobre o Teatro Vila Velha por parte do candidato, que terá acesso ao teatro e sua equipe para visitas, bate-papos e novas entrevistas que possam colaborar com a criação do diagnóstico e da proposta/ideia.


25 de setembro
Entrega do diagnóstico e do plano/projeto de comunicação. O envio deve ser feito até as 23h59min do dia 25 para o e-mail comunicacao@teatrovilavelha.com.br com o assunto “SELEÇÃO ASSESSORIA ETAPA 2”.


26 e 27 de setembro, durante a tarde
Apresentações individuais do diagnóstico e da proposta/ideia para a comunicação. Os horários de cada apresentação serão informados pessoalmente na reunião de boas-vindas, no dia 14 de setembro. A avaliação dos candidatos acontecerá prioritariamente a partir da proposta/ideia para a comunicação apresentada.

Vencedores da Batalha de Break do Vivadança viajam a Manaus para competição

B.boy Pedrinho e B.boy Raio no VIVADANÇA. Foto: Marco Correia
 
Conhecer o Brasil através da arte e fortalecer o intercâmbio da dança de rua baiana com outros estados e países é uma das metas do Festival Vivadança. Para isso, o evento realiza há dois anos parceria com o MOVA-SE, festival de dança em Manaus, em que duplas vencedoras das batalhas de break de cada evento são automaticamente convidadas a viajar para disputa nos estados parceiros. Neste ano, B.boy Pedrinho e B.boy Raio, vencedores da 11ª edição da batalha, que aconteceu no Teatro Vila Velha em abril deste ano, participam nos dias 2 e 3 de setembro da 4ª BATALHA MOVA-SE NA RUA – 2017.

“A participação dos b.boys em festivais possibilita a convivência com outros artistas, o conhecimento sobre uma diferente região do país e contatos para futuros desdobramentos da dança de rua. O compartilhamento é a chave principal do futuro”, comenta a diretora geral do Vivadança, Cristina Castro.

"Ao longo dos anos tive oportunidade de viajar para muitos estados do Brasil e também outros países e continentes, mas, pela distância geográfica, será a primeira vez que irei para o Norte. Será de grande valia o intercâmbio cultural que esta viagem proporcionará, não acrescentando bagagem apenas na dança, mas sim em todas as áreas da cultura", comenta o BBoy Pedrinho.

Os dois são artistas do sul do país, da cidade de Bento Gonçalves. A dupla faz parte da Crew Footwork Squad, que reune b.boys, writers e djs do Rio Grande do Sul para manter viva a essência e a ideologia da cultura hip hop. BBoy Pedrinho vem se destacando em diversas batalhas no Brasil, América do Sul e Europa, a exemplo da premiação como vencedor da Batle La Parf em Genebra- Suíça, e ministra workshops no estúdio Bronx Company, Ceacri Sest Senat.


Dança de rua nas Olimpíadas

 
O Comitê Olímpico Internacional (COI) segue sua tentativa de deixar o "mundo olímpico" cada vez mais atraente para os jovens. Depois de incluir surfe e skate para as Olimpíadas de 2020, em Tóquio, a entidade oficializou a entrada da Break Dance nos Jogos Olímpicos da Juventude de 2018.

O BBoy Raio foi selecionado, na primeira fase, entre os 5 brasileiros para representar o Brasil nos Jogos Olímpicos da Juventude, cuja segunda fase acontece em outubro, na Filadélfia, Estados Unidos, e a terceira e grande final em Buenos Aires, Argentina. A competição Olímpica é destinada a atletas nascidos entre 2000 e 2001. Mesmo o breaking sendo uma dança, e não um esporte, ele estará pela primeira vez fazendo parte dos jogos Olímpicos. Para o COI, essas modalidades representam um "misto de esportes urbanos emergentes e universais, com um significante apelo jovem".

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Espetáculo “Auto da Barca de Camiri” estreia no Festival Latinoamericano de Teatro (FilteBahia)

Primeiro espetáculo de rua da universidade LIVRE do teatro vila velha, trabalho tem texto de Hilda Hilst e marca a estreia dos artistas Vinicius Bustani e Erick Saboya na direção

 
Foto: Laís Andrade



Estreia no dia 28 de agosto de 2017, abrindo o Festival Latinoamericano de Teatro (FilteBahia), a peça “Auto da Barca de Camiri”, escrita em 1968 por Hilda Hilst (1930-2004), considerada uma das maiores escritoras em língua portuguesa do século 20. As apresentações acontecem na Praça do Campo Grande, nos dias 28, 29 e 30 de agosto, e, na semana seguinte, ocupam o Passeio Público, nos dias 4, 5 e 6 de setembro, com horário de início do espetáculo sempre às 17h e um “ato poético” a partir das 16h. As sessões dos dias 29, 30/8, 5 e 6/9 são acessíveis para pessoas com deficiência visual através do recurso de audiodescrição, oferecido em parceria com a ACESSU - Acessibilidade Universal.



Mais novo trabalho da universidade LIVRE do teatro vila velha, a montagem é um marco para o programa de formação de atores e atrizes do Vila: é a primeira criação artística feita para a rua e também a estreia de dois dos seus artistas na função de direção: o cenógrafo Erick Saboya, colaborador da universidade LIVRE desde a montagem de “Romeu & Julieta”, dirigida por Marcio Meirelles em 2016, e Vinicius Bustani, ator formado na primeira turma do programa.

Na peça, dois juízes da capital chegam a uma cidade do interior para a elaboração do auto de um processo investigativo sobre um misterioso homem que muitos declaram ter poderes milagrosos. Para tanto, recebem testemunhas que afirmam ter presenciado, ou não, feitos extraordinários oriundos do tal “Homem dos Milagres”. A autora, Hilda Hilst, se inspirou na morte do revolucionário Che Guevara em 1968.

“Esse homem que ninguém sabe e ninguém vê representa o espírito revolucionário do povo”, explica Vinicius Bustani, que, enquanto integrante da LIVRE, protagonizou montagens como “Hamlet” e “Sete Contra Tebas”, dirigidas por Marcio Meirelles, e retornou recentemente de estágio no Théâtre du Soleil (França). “A gente se inspirou muito no Teatro do Oprimido [método criado pelo teatrólogo Augusto Boal], no teatro como uma arma política, ideológica e social. A nossa proposta foi unir o ideal socialista da Hilda com o pensamento dessas correntes de teatro social, e jogar isso para o público, não para o privado”, conta Erick Saboya, que venceu em 2014 a categoria especial do Prêmio Braskem de Teatro pela cenografia da peça “A Bundade Simone” e assinou, já em 2017, os cenários das peças “A Besta” e “Luzes da Boemia”, da LIVRE, além das cerimônias de entrega do Prêmio Braskem de Teatro e do Prêmio Caymmi de Música.

“Por ser um projeto ambicioso, decidimos formar uma equipe volumosa, que trouxesse profundidade ao trabalho”, destaca Erick. O time de colaboradores do novo projeto contou com Edson Migracielo como dramaturgista, Vanda Cortez no treinamento de rua, Ian Cardoso como diretor musical, Tiago Ribeiro no design das máscaras, além da participação do diretor Daniel Guerra como consultor cênico e de Bia Simões, Carla Leite e Ariel Oliveira na preparação física e corporal.



Neste trabalho, a rua é cenário e também laboratório de pesquisa e experimentação. Durante três meses de trabalho, foram diversas as investidas no espaço urbano, extrapolando os limites da sala de ensaio e abrindo o processo para interferências da cidade e seus personagens. “Estar na rua é uma experiência única. Pensamos em como ser receptivos para transformar cada estímulo, formatando uma proposta que usasse a própria realidade como um modo de construir uma vivência estética. Inclusive a cenografia, aqui, é uma resposta ao meio, uma tentativa de pensar uma cenografia que tirasse partido desse estímulo que já existe, daquilo que é real e está”, comenta Erick.



Durante a temporada, as intervenções na rua acontecem como um prólogo do espetáculo. "É o que chamamos de ato poético, os atores chegam cerca de uma hora antes, se instalam em um ponto no espaço iniciando uma performance que tem como objetivo mesclar-se à paisagem urbana e ao mesmo tempo impactá-la através de uma presença poética de questionamento da realidade...", adianta Vinicius Bustani. O término do ato poético se funde ao início do espetáculo que acontece aos pés da Cabocla do obelisco central da Praça do Campo Grande.



Sobre o FilteBahia 2017



A décima edição do Festival Latino-Americano de Teatro da Bahia – FilteBahia 2017, celebra os dez anos do OCO TEATRO e coloca em cena em 11 espaços – dez em Salvador e um em Ilhéus – 20 espetáculos de artes cênicas (teatro, dança e performance), de grupos e artistas que chegam da Argentina, Chile, Uruguai e Bolívia, do Brasil – Ceará, São Paulo e que fazem arte na Bahia, em Salvador, Ilhéus e Lauro de Freitas. As apresentações, que acontecem a preços populares - R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia) e os espaços onde serão realizadas são : Passeio Público, Foyer do Teatro Castro Alves, palco principal do Teatro Castro Alves, Teatros Vila Velha, Teatros Gregório de Mattos, Martim Gonçalves, Molière, Xisto Bahia, Centro Cultural Plataforma e Espaço Cultural Barroquinha, em Salvador, na Tenda Popular de Ilhéus, em Ilhéus. O FilteBahia 2017 realiza também laboratórios-oficina e residências, o VI Colóquio Internacional Cênico da Bahia, em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Ufba-PPGAC, . o NORTEA- Núcleo de Laboratórios Teatrais do Nordeste, a IV Plataforma Internacional Cênica da Bahia e  Os Encontros Dramaturgias . Organizado pelo Oco Teatro Laboratório, com a produção e realização da Carranca Produções Artísticas e Aude Produções, o Filte conta com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia através do projeto Eventos Calendarizados e da Fundação Cultural do Estado da Bahia.




Ficha Técnica “Auto da Barca de Camiri”



Texto: Hilda Hilst

Direção: Erick Saboya e Vinicius Bustani

Dramaturgista: Edson Migracielo

Direção musical: Ian Cardoso

Treinamento de rua: Vanda Cortez

Produção de cenografia: Igor Liberato

Preparação corporal: Bia Simões, Carla Leite e Ariel Oliveira

Design de máscaras: Tiago Ribeiro
Assistência de direção musical: Bruno Torres
Assistente de dramaturgista: Clara Romariz

Elenco: Adriana Oliveira, Camila Castro, Iracema Vilaronga, Bruno Torres, Lavínia Alves, Milena Nascimento, Igor Nascimento, Renato Lessa, Gilberto Reys, Rodrigo Lélis, Lene Nascimento, Beatriz Almeida, Amanda Cervilho, Clara Romariz



Serviço



Espetáculo “Auto da Barca de Camiri” | Festival Latinoamericano de Teatro (FilteBahia)



Na Praça do Campo Grande:
28, 29 e 30 de agosto, seg, ter e qua, 17h

Na rua, aberto ao público



No Passeio Público:

4, 5 e 6 de setembro, seg, ter e qua, 17h

Na rua, aberto ao público

Últimas apresentações da temporada de 20 anos de Cabaré da Rrrrraça

Última semana da temporada de comemoração aos 20 anos de Cabaré da Rrrrraça, últimas apresentações nos dias 25, 26 e 27/08 às 20h no Teatro Vila Velha.Garanta seu ingresso antecipado aqui.

Símbolo do combate ao racismo através do teatro, a peça estreou em 8 de agosto de 1997, inaugurando o Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha e, desde então, foi vista por mais de 40 mil pessoas ao longo ao longo de 280 apresentações no Brasil, em Portugal e Angola.

  O espetáculo do Bando de Teatro Olodum tem direção de Marcio Meirelles, direção musical de Jarbas Bittencourt e coreografia de Zebrinha, a peça reúne no mesmo palco, nesta nova temporada, jovens atores formados pelo Bando e atores presentes desde a estreia, quando criaram os personagens originais. No palco, estão Cássia Valle, Elane Nascimento, Fábio Santana, Gerimías Mendes, Jamile Alves, Jorge Washington, Leno Sacramento, Merry Batista, Naira da Hora, Rejane Maia, Renan Motta, Sérgio Laurentino, Shirlei Sanjeva e Valdinéia Soriano. Cabaré da RRRRRaça fica em cartaz de sexta a sábado, até o dia 27 de agosto.


Cabaré da Rrrrraça 2017 foto: Diney Araújo

Espetáculo de dança "Sobre Kazuo Ohno" (Japão) apresenta-se no Teatro Vila Velha



Nos dias 12 e 13 de setembro, às 20h, o palco do Teatro Vila Velha recebe o dançarino e coreógrafo japonês Takao Kawaguchi, que apresenta o trabalho "Sobre Kazuo Ohno".

O artista japonês Takao Kawaguchi nunca assistiu ao mestre de butô Kazuo Ohno (1906-2010) no palco. Tampouco estudou os fundamentos de sua dança. O que ele propõe neste solo é o desafio de copiar a dança de Ohno a partir de registros visuais de algumas de suas obras mais famosas. “Quanto mais perto a cópia chega do original, mais notável é a diferença, inevitável, por mais que o intérprete se esforce. O paradoxo, aqui, é que essa diferença destaca as características mais marcantes do ‘copiador’. Cópia é original”, afirma Kawaguchi. Homenagem a um dos grandes nomes da dança japonesa, Sobre Kazuo Ohno questiona conceitos como autenticidade, memória e originalidade da cópia. O espetáculo é também uma negação do que se costuma considerar a “essência do butô”, como uma arte que deveria resultar de um processo de criação pessoal, intrínseco ao artista. Virando tudo pelo avesso, Kawaguchi se confronta com a dança a partir do exterior, projetando-se em suas formas e gestos para testar o que seria “um devir Ohno”. Ex-integrante do grupo multimídia baseado em Toquio (Japão) Dumb Type, Takao Kawaguchi é dançarino e coreógrafo.


Paralelo a este espetáculo, no saguão estarão a vendas livros, dvds e posters do artista Kazuo Ohno elaborados pelo Studio Kazuo Ohno de Tokio e o livro Treino em Poema de Kazuo Ohno traduzido e publicado pela editora n-1 de Sao Paulo. Livro com aforismos de Kazuo Ohno coletados durante seus workshops ministrado no seu studio durante vários anos. Edição exclusiva e pela primeira vez publicada em português.


Serviço:

Sobre Kazuo Ohno, revivendo suas grandes performances
Kazuo Ohno Dance Studio, Japan Foundation e Prod.Art,. Br
Dias 12 e 13/09, terça e quarta, 20h
valor do ingresso: R$ 30 e R$ 15
valor antecipado de R$ 20 e R$ 10 até dia 11/09
classificação indicativa: 12 anos
duração: 80min



Ficha Técnica:
Conceito/ Dança: Takao Kawaguchi
Choreografia : Kazuo Ohno Tatsumi Hijikata
Dramaturgista / Video / Som : Naoto Iina
Figurinos : Noriko Kitamura
Luz: Toshio Mizohata
Aparição em Video : Yoshito Ohno
Material de Arquivo , coretsia de Kazuo Ohno Dance Studio
e Dance Archive Network
Direção de Produção : Toshio Mizohata
Produção no Brasil : Prod.Art.Br

Décima edição do FILTEBAHIA apresenta espetáculos no Teatro Vila Velha

A décima edição do Festival Latino-Americano de Teatro da Bahia – FilteBahia 2017 celebra os dez anos do OCO TEATRO e coloca em cena em 11 espaços – dez em Salvador e um em Ilhéus – 20 espetáculos de artes cênicas (teatro, dança e performance), de grupos e artistas que chegam da Argentina, Chile, Uruguai e Bolívia, do Brasil – Ceará, São Paulo e que fazem arte na Bahia, em Salvador, Ilhéus e Lauro de Freitas. As apresentações, que acontecem a preços populares - R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia) e os espaços onde serão realizadas são: Passeio Público, Foyer do Teatro Castro Alves, palco principal do Teatro Castro Alves, Teatros Vila Velha, Teatros Gregório de Mattos, Martim Gonçalves, Molière, Xisto Bahia, Centro Cultural Plataforma e Espaço Cultural Barroquinha, em Salvador, na Tenda Popular de Ilhéus, em Ilhéus.

O FilteBahia 2017 realiza também laboratórios-oficina e residências, o VI Colóquio Internacional Cênico da Bahia, em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Ufba-PPGAC, . o NORTEA- Núcleo de Laboratórios Teatrais do Nordeste, a IV Plataforma Internacional Cênica da Bahia e Os Encontros Dramaturgias . Organizado pelo Oco Teatro Laboratório, com a produção e realização da Carranca Produções Artísticas e Aude Produções, o Filte conta com o apoio da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia através do projeto Eventos Calendarizados e da Fundação Cultural do Estado da Bahia.

Um dos destaques desse ano é o espetáculo "Auto da Barca de Camiri" que abre o festival nos dias 28, 29 e 30/08 na Praça Campo Grande às 17h e se apresenta na semana seguinte nos dias 04, 05 e 06/09 no Passeio Público também às 17h. O espetáculo da universidade LIVRE tem direção de Vinícius Bustani e Erick Saboya e texto de Hilda Hilst.

Acompanhe a programação do FILTE 2017 no Teatro Vila Velha



"Romeu e Julieta de Aramburo"
do GRUPO KIKNTEATR // BOLIVIA
31/08 e 1/09 // quinta e sexta // 20h
Classificação - 14 anos
Versão do diretor teatral boliviano Diego Aramburo denunciando o patriarcalismo ainda reinante e fonte de tanta rivalidade, trabalhando a intimidade do conflito dos jovens amantes a partir do relativismo dos nossos tempos, colocando em tensão o romantismo original. No espetáculo é proposto um exercício sobre o fato de observar, mas consciente de ao mesmo tempo ser observado. Uma espécie de refletáfora ou mise-en- abyme onde surgem perguntas não carentes de ponto de vista escrutador e até preconceituoso: como é o amor na atualidade?



"O Galo"
GRUPO OCO TEATRO - MOSTRA OCO TEATRO
2/09 e 3/09 // sábado e domingo // 20h
Classificação - 14 anos
O GALO (Texto original de Claudio Lorenzo, inspirado na obra “Ninguém escreve ao coronel” de Gabriel Garcia Marques e no universo literário do autor colombiano).
Agustin, filho do coronel, morre em uma suposta rinha de galos, na verdade ele distribuía panfletos contra a ditadura imperante(...) o seu corpo foi desaparecido (...) O pai aguarda -há muitos anos uma pensão como veterano de guerra (...) A desaparição do filho deixa como herança para os pais um galo de briga e com ele se instaura o sonho de que o animal servirá para mudar a vida dos velhos assim que ganhar na próxima rinha, para tanto eles precisam gastar o pouco que tem mantendo assim o animal vivo (...) Um galo, a fome e um filho morto, conformam a herança que é legada a duas pessoas que em situações extremas se debatem constantemente entre a razão e a paixão; entre a necessidade objetiva de subsistir e a memória do ser amado.

3 cigarros e uma lasanha
(Solo de Rafael Medrado)
MOSTRA ATELIÊ VOADOR
4/09 e 5/09 // segunda e terça // 20h
Classificação - 12 anos
Um homem segue uma rotina regrada, repetindo rigorosamente os mesmos atos a cada dia. Em um dado momento, em um restaurante executivo no qual habitualmente almoça uma lasanha, ele percebe que a sua mão direita foi decepada, mas não se lembra como isso aconteceu. A última recordação antes do acidente é que tinha fumado o seu terceiro cigarro durante o café.

ENCONTRO DRAMATURGIAS

3/09 // SEGUNDA // 16h
Classificação - Livre
Quatro dramaturgos nacionais e internacionais se encontram para intercambiar textos e gerar debates relacionados com a escrita e pensamento do outro. Quatro textos intercambiados entre quatro dramaturgos que produziram esses textos. Espaço de debate e entrecruzamento de saberes e estruturas que reforça e são parte integrante da cena teatral.











quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Cabaré da RRRRRaça celebra 20 anos com diversas participações especiais

No último sábado, 12 de agosto, o Bando de Teatro Olodum lotou o Teatro Vila Velha para a reestreia do espetáculo Cabaré da RRRRRaça, que em agosto de 2017 celebra 20 anos de história. Símbolo do combate ao racismo através do teatro, a peça estreou em 8 de agosto de 1997, inaugurando o Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha e, desde então, foi vista por mais de 40 mil pessoas ao longo ao longo de 280 apresentações no Brasil, em Portugal e Angola. A noite de reestreia foi marcada pelas participações especiais das cantoras Larissa Luz, Nara Couto e Ana Mametto, dos cantores Dão, Mr. Armeng e MC Xarope e da banda do bloco afro Ilê Aiyê. A cada apresentação, ao longo do mês de agosto, um novo artista participa como convidado. 

Com direção de Marcio Meirelles, direção musical de Jarbas Bittencourt e coreografia de Zebrinha, a peça reúne no mesmo palco, nesta nova temporada, jovens atores formados pelo Bando e atores presentes desde a estreia, quando criaram os personagens originais. No palco, estão Cássia Valle, Elane Nascimento, Fábio Santana, Gerimías Mendes, Jamile Alves, Jorge Washington, Leno Sacramento, Merry Batista, Naira da Hora, Rejane Maia, Renan Motta, Sérgio Laurentino, Shirlei Sanjeva e Valdinéia Soriano. Cabaré da RRRRRaça fica em cartaz de sexta a sábado, até o dia 27 de agosto.

Veja fotos da estreia feitas por Diney Araújo:











Espetáculo dirigido por Marcio Meirelles estreia no Rio

Na última semana, dia 8 de agosto, estreou no Teatro SESC Copacabana, no Rio de Janeiro, o espetáculo "A História dos Ursos Panda", a partir de texto do dramaturgo romeno Matéi Visniec com direção de Marcio Meirelles, diretor artístico do Teatro Vila Velha. A peça tem no elenco a atriz brasiliense Mariana Nunes e o ator mineiro Alexandre David, de quem partiu o convite para o encenador baiano. Meirelles e Alexandre David têm em comum a admiração e a amizade com Visniec, que é um dos dramaturgos contemporâneos mais aclamados pela crítica internacional, e esteve presente na estreia. De Matéi Visniec, o Meirelles já montou no Teatro Vila Velha outros sete espetáculos teatrais, entre eles “Por que Hécuba”, “Espelho para Cegos” e “Cuidado com as Velhinhas Carentes e Solitárias”. A peça "A História dos Ursos Panda" permanece em cartaz no Rio até 21 de agosto, sempre às terças, quartas e quintas, 20h, no SESC Copacabana. 

Veja algumas fotos da noite da estreia, feitas por Dalton Valerio.





  Marieta Severo, Marcio Meirelles e Aderbal Freire Filho

Renata Sorrah e Marcio Meirelles

 Aderbal Freire Filho, Fernando Philbert, Marieta Severo, Marcio Abreu, Renata Sorrah, Alexandre David, Ary Coslov, Mariana Nunes, Marcio Meirelles e Malu Valle

Marcio Meirelles, Matéi Visniec, Mariana Nunes e Alexandre David


Alexandre David com Eduardo Moreira, Antônio Edson e Lydia del Picchia (Grupo Galpão)

Mariana Nunes, Renata Sorrah, Alexandre David, Ary Coslov e Marcio Abreu

Marcio Meirelles e Biza Vianna



quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Oficinas Livres abrem inscrições


Estão abertas as inscrições para as Oficinas Livres, que acontecem a partir do mês de setembro no Teatro Vila Velha. Nesta edição, são oferecidas as oficinas "Teatro para Iniciantes" com Zeca de Abreu, "Oficina de Teatro: da Improvisação ao Texto" com Chica Carelli, "Preparação do ator" com Bertho Filho, "Canto" com Marcelo Jardim e "Laboratório de arte de rua" com Vanda Cortez. As inscrições podem ser feitas na bilheteria do Teatro Vila Velha, de terça a sexta, das 15h às 18h, ou online através do link www.sympla.com.br/teatrovilavelha. Garanta sua vaga!



quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Bando de Teatro Olodum celebra 20 anos de CABARÉ DA RRRRRAÇA



O Bando de Teatro Olodum não cansa de surpreender o público com novidades artísticas. O empenho do grupo neste momento são as celebrações pelos 20 anos de estreia de um dos maiores sucessos do repertório da companhia: Cabaré da Rrrrraça, uma revista musical que antecipou nos palcos uma série de discussões sobre a conscientização e empoderamento da população negra.

A estreia da curta temporada de Cabaré da Rrrraça será no dia 12 de agosto, sábado, 20h, com a presença de artistas convidados a interpretarem as canções do espetáculo. Estarão no palco do Teatro Vila Velha as cantoras: Márcia Short, Larissa Luz, Nara Couto e Ana Mametto, os cantores Dão, Mr. Armeng e MC Xarope e a banda do bloco afro Ilê Aiyê. A peça fica em cartaz de sexta a sábado, até o dia 27 de agosto.

Ambientado à semelhança de um programa de auditório, em que os personagens atuam como apresentadores e também desfilam como se estivessem numa passarela, Cabaré da Rrrrraça expõe as mais diversas manifestações do racismo e da discriminação contra os negros no Brasil, desde as sutis até as mais ultrajantes. Em cena, o elenco formado por 14 atores e dois músicos dá voz aos personagens para contar, de forma direta à plateia, casos vividos por eles mesmos, assim como relatos de diversas pessoas que enfrentam o preconceito racial.

ELENCO - O público poderá também rever momentos marcantes destas duas décadas do espetáculo por meio de uma exposição fotográfica com registros das apresentações, coordenada por Cássia Valle, atriz do Bando que integra a montagem desde a estreia. Outros que continuam desde a montagem original são Vadinéia Soriano, Jorge Washington, Rejane Maia, Geremías Mendes, Merry Batista e Leno Sacramento. O elenco é reforçado por novos talentos do teatro baiano, a exemplo de Naira da Hora, Renan Motta e Shirlei Sanjeva, que estreiam em Cabaré da Rrraça após integrarem outras montagens do Bando de Teatro Olodum como Erê e Ó paí, ó.
Em 2017, O Bando de Teatro Olodum completa 27 anos de atividades interruptas, consolidando uma forma de fazer teatro com compromisso social e político.

Cabaré da Rrraça foi apresentado pela primeira vez em 08 de agosto de 1997, com direção de Márcio Meirelles, que também assina o texto da peça juntamente com o elenco do Bando de Teatro Olodum. Completam a direção de Cabaré os experientes Zebrinha, responsável pelas coreografias do espetáculo, e Jarbas Bittencourt, na direção musical e autoria de algumas das composições apresentadas ao vivo pelo elenco.

O espetáculo já foi visto por mais de 40 mil pessoas ao longo de seus 20 anos em cartaz, em mais de 280 apresentações em diversas cidades brasileiras, além de Portugal e Angola. A peça continua despertando interesse e discussões pela urgência das questões apresentadas e pela linguagem adotada pelo grupo, popular e direta, que leva o público ao riso e também à reflexão.

MÚSICA - A montagem também é fortemente marcada pela música, que passeia por diversos estilos – rap, axé, pop, afro - e cujas letras reforçam o discurso que se quer difundir em cena. Em todas as temporadas de apresentações, o Bando de Teatro Olodum recebe como convidados artistas comprometidos com o combate ao preconceito para cantar no encerramento do musical. Entre os nomes que já passaram pelo palco de Cabaré estão Lazzo Matumbi, Márcia Short, Margareth Menezes, Preta Gil, Juliana Ribeiro Tatau Mariene de Castro, Camila Pitanga, Afro Reggae, além dos atores Érico Brás e Lázaro Ramos, que antes de brilharem em produções da Rede Globo, integraram a peça.  

Compre seu ingresso antecipado no Ingresso Rápido (clique aqui)







SERVIÇO
Cabaré da RRRRaça – 20 anos
Texto: Márcio Meirelles e Bando de Teatro Olodum
Direção: Márcio Meirelles
Coreografia: Zebrinha
Direção Musical: Jarbas Bittencourt
De 12 a 27 de agosto de 2017
Sextas e sábados 20h e domingo 19h
Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)
Teatro Vila Velha, Passeio Público - Campo Grande / Salvador – BA
Tel: 71.3083-4600 / www.teatrovilavelha.com.br