terça-feira, 18 de setembro de 2012

A arte genuína da Tribo Bóssambá


O Cabaré dos Novos, do Teatro Vila Velha, foi tomado por uma mistura de música, teatro, dança e poesia ontem à noite. O coletivo artístico Tribo Bossambá apresentou o projeto Botequim das Artes e comemorou um ano de atividade, carregando sua identidade fincada nas raízes da cultura negra e tendo a verdade artística como norte do trabalho.

“Definimos o nosso trabalho com muita verdade. O nome Tribo é pra dar essa ideia de coletividade, de consenso. Não existe ninguém acima de ninguém aqui, caminhamos sempre lado a lado”, declarou o vocalista e produtor do grupo Romero Mateus, 26 anos.

Além dele, compõem a Tribo Bóssambá Tiago Calixto (baixo), Wellington Grojão (violão), Emillie Lapa (percussão e back vocal), Eden Gordo (percussão); e os atores Heder Novaes, Shirlei Sanjeva, Adrielle Machado, Alana Ferreira e Marli Souza. A direção do espetáculo é de todo o grupo e a iluminação ficou a cargo de Edmundo Júnior.

Esquetes, bossa nova e samba
Com um nome que brinca com a expressão “Vumbora sambar?” e une bossa e samba, a Tribo Bóssambá fez um show, artisticamente, muito rico. O público pôde ver esquetes teatrais que falavam sobre relacionamentos amorosos, encontros e desencontros da vida e também o melhor do samba, com muita bossa, na voz forte e marcante de Romero Mateus.

A banda introduziu novos arranjos para clássicos da bossa nova e do samba. Romero declamava algumas letras e, ao mesmo tempo, começava a cantar, mostrando toda a criatividade presente na alma da Tribo. O repertório trouxe nomes de peso da Música Popular Brasileira, como Jorge Ben Jor, Vanessa da Matta, Seu Jorge, Tom Jobim, Tim Maia, Djavan, Claudio Zoli, Toquinho e Vinicius de Moraes. O grupo também apresentou canções próprias, como Menino Mateus, composta por Romero.

A estética diferenciada e a qualidade artística impossível de não constatar fazem da Tribo Bóssambá uma das maiores representações atuais da Bahia plural e talentosa. “É diferente de tudo o que a gente costuma ver na Bahia”, resumiu a professora Ludmila Silva, 29 anos.

Texto: Raulino Júnior
Foto: Lígia Rizério

2 comentários:

  1. Verdade, muita verdade neste som!Muito linda a apresentação!

    ResponderExcluir
  2. Mto bom o texto, Raulino. Parabéns! Traduziu a Tribo de forma encantadora.

    ResponderExcluir