quarta-feira, 21 de maio de 2014

Esperando Godot investe em tecnologia

Um programa foi criado exclusivamente para que os atores possam interagir e provocar mudanças na trilha sonora através de dois computadores

Esperando Godot. Foto: João Milet Meirelles

Em cartaz no Teatro Vila Velha, o espetáculo Esperando Godot causa surpresa em quem já assistiu alguma das inúmeras versões do clássico do escritor irlandês Samuel Beckett, um dos textos teatrais mais importantes do século 20. Na mais recente versão baiana, dirigida por Marcio Meirelles, a peça começa com a conversa entre os protagonistas, Estragon (Claudio Simões) e Vladimir (Celso Jr.), através de um “chat” na internet.

O diretor optou por transferir para o meio virtual parte dos diálogos e também algumas ações presentes no texto original. Estragon e Vladimir se vêem através da webcam e se falam utilizando microfones, além de terem ganho avatares que são controlados pelos atores durante o espetáculo.

Para que tudo isso fosse possível, foi preciso montar um time preparado. “Formei uma equipe com um animador e um programador e desenhei o projeto”, explica Ângelo Thomaz, diretor de tecnologia do espetáculo. O animador, Dario Vetere, criou os avatares e as ações executadas pelos bonecos, já o programador, Cristiano Figueiró, criou um software exclusivo para a peça.

Esperando Godot. Foto: João Milet Meirelles

O espetáculo foi construído de modo que algumas ações realizadas pelos atores dessem origem, automaticamente, a mudanças no vídeo e até na trilha sonora. “Tem uma hora em que os personagens estão no chat e provocam uma animação no avatar. Isso está associado a uma mudança de trilha sonora e a outros eventos que vão acontecer depois de um tempo determinado”, explica Ângelo. Na linguagem da computação, cada ação que dá origem a outras é chamada de “bang”. Ao longo da peça, são acionados 78 “bangs”.

A trilha sonora, assinada por Ângelo em parceira com Jarbas Bittencourt, é outra novidade. A música do espetáculo é feita com composições aleatórias, criadas de foma randômica por um programa  também desenhado pela equipe. A cada apresentação, o programa gera uma nova música, e a trilha sonora nunca será igual a do dia anterior.


Esperando Godot fica em cartaz às sextas e sábados, 20h, e aos domingos, 19h, na sala principal do Teatro Vila Velha, até 8 de junho. Os ingressos custam R$ 30 (inteira) e 15 (meia).

Nenhum comentário:

Postar um comentário