quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Teatro Vila Velha abre inscrições para Oficinas Livres

Teatro, dança, fotografia, vídeo e canto estão entre as opções, com inscrições abertas de segunda a sexta, das 15h às 18h, no próprio teatro - aulas têm início em setembro


Mostra da Oficina de Teatro para Iniciantes, em 2015. Foto: Edu Coutinho
 
Estão abertas as inscrições para as Oficinas Livres do Teatro Vila Velha, que acontecem a partir de setembro, oferecendo experiências em teatro, dança, canto, vídeo e fotografia. As oficinas são voltadas a um público diverso, entre jovens, adultos e idosos, incluindo artistas profissionais, estudantes e também aqueles que desejam experimentar o fazer artístico pela primeira vez. Os interessados podem realizar inscrições presencialmente no teatro, de segunda a sexta-feira, das 15h às 18h. A duração das oficinas varia de um a três meses.
Entre as novidades, estão as oficinas “O ator e a dramaturgia do século XXI”, ministrada por Celso Junior e “Commedia d’ell arte”, ofertada por Joice Aglae, voltadas a um público com alguma experiência em teatro, além de “O Som na Cena”, com Gabriel Franco, que explora a relação do som e da música com as artes cênicas. Ainda em teatro, as tradicionais “O Corpo e a Cena”, com Bertho Filho, “Teatro para iniciantes”, com Zeca de Abreu, e “Teatro para jovens”, com Chica Carelli, são possibilidades para aqueles que querem aventurar-se. Além da terceira edição de “Dança para a Terceira Idade”, o coreógrafo Marcelo Galvão oferece as oficinas “Dança de Salão” e “Dança para Atores”. Marcelo Jardim realiza a oficina de “Canto”, Evandro de Freitas ministra “Realização Audiovisual” e Andréa Magnoni traz ao Vila “Um Olhar Fotográfico”, oficina realizada em apoio à campanha de manutenção do Teatro Vila Velha.

O ATOR E A DRAMATURGIA DO SÉC XXI

Facilitador: Celso Junior

Período: Dias 1, 7,15, 22 e 29 de setembro, das 19h às 22h

Valor: R$ 300

Faixa etária: a partir de 18 anos

Público alvo: atores com alguma experiência, ou estudantes de teatro, e interessados na arte da atuação e da dramaturgia.


COMMEDIA DELL'ARTE
Facilitadora: Joice Aglae
Período: 6 de setembro a 29 de novembro, terças-feiras das 14h às 18h
Duração: 3 meses
Valor: 3 parcelas de R$280 ou R$750 (à vista)
Faixa etária: a partir de 16 anos
Público-alvo: atores e estudantes de teatro

TEATRO PARA INICIANTES
Facilitadora: Zeca de Abreu
Período: 10 de setembro a 26 de novembro, sábados, das 10h às 12h
Duração: 3 meses
Valor da Oficina: 3 x R$ 250 (à vista R$ 675)
Faixa etária: a partir de 17 anos

O CORPO E A CENA
Facilitador: Bertho Filho
Período: do dia 29 de outubro a 26 de novembro, sábados e domingos, das 15h às 18h
Duração: 1 meses
Valor: R$ 250,00
Faixa etária: a partir de 18 anos

TEATRO P/ JOVENS
Facilitadora: Chica Carelli
Período: Do dia 12 de setembro a 30 de novembro, segundas e quartas das 16h às 18h
Duração: 3 meses
Valor: 3 x R$ 250 (ou R$ 675 à vista)
Faixa etária: 14 a 20 anos

UM OLHAR FOTOGRÁFICO
Facilitadora: Andréa Magnoni
Período:10, 17, 18 (aula externa no domingo) e 24 setembro, sábados, das 9h às 12h
Valor: R$ 220 (revertidos para a campanha de apoio à manutenção do Vila)
Faixa etária: a partir de 16 anos

REALIZAÇÃO AUDIOVISUAL
Facilitador: Evandro de Freitas
Período: 15 de setembro a 24 de novembro, quintas, das 19h30 às 22h
Duração: 3 meses
Valor da Oficina: 3 x R$ 250 (ou R$ 675 à vista)
Faixa etária: 16 anos

DANÇA PARA TERCEIRA IDADE
Facilitador: Marcelo Galvão
Período: De 6 de setembro a 29 de novembro, terças e quintas das 8h às 9h
Duração: 3 meses
Valor da Oficina: 3 x R$100 (ou R$250 à vista) | Aula avulsa: R$ 20

DANÇA PARA ATORES
Facilitador: Marcelo Galvão
Período: De 6 de setembro a 29 de novembro, terças e quintas das 17:30h às 18:30h
Duração: 3 meses
Valor da Oficina:  3 x R$100 (ou R$250 à vista) | Aula avulsa: R$ 20
Faixa etária: a partir de 16 anos

DANÇA DE SALÃO
Facilitador: Marcelo Galvão
Período: De 9 de setembro a 25 de novembro, Sextas das 17h às 18:30h
Duração: 3 meses
Valor da Oficina:  3 x R$60 (ou R$135 à vista) | Aula avulsa: R$ 20
Faixa etária: a partir de 16 anos

CANTO
Facilitador: Marcelo Jardim
Período: De 3 de setembro a 26 de novembro, sábados, das 14h às 16h
Duração: 3 meses
Valor da Oficina:  3 x R$150 (ou R$405 à vista) | Aula avulsa: R$ 50
Faixa etária: a partir 14 anos

O SOM NA CENA
Facilitador: Gabriel Franco
Período: De 5 de setembro a 30 de novembro, segundas e quartas, 19h às 21h
Duração: 3 meses
Valor da Oficina: 3 x R$ 250 (à vista R$ 675)
Faixa etária: a partir 18 anos

Sobre as Oficinas:

O ATOR E A DRAMATURGIA DO SÉC XXI
O diretor teatral e professor Celso Jr. oferece oficina de Interpretação Teatral para atores e estudantes de teatro, usando textos escritos a partir do ano 2000. A partir de exercícios práticos de corpo, voz e interpretação, serão investigados os processos de encenação de textos de autores como Caryl Churchill, Sarah Kane, Shay Youngblood, Juan Crespo e outros autores representantes da dramaturgia mais recente produzida nos últimos 16 anos.
O método de trabalho foi criado pelo próprio professor, que utiliza a ação da gravidade no corpo do ator, como possibilidade expressiva. Isto, combinado à qualidade fragmentada e aparentemente ilógica proposta pelos textos, pretende criar experimentos cênicos que estimulem o caráter surpreendente na plateia, ao mesmo tempo em que amplie a capacidade dos atores de se colocarem como co-criadores da cena.

CELSO JUNIOR
Ator e diretor com mais de 60 espetáculos teatrais realizados, é professor do Núcleo de Teatro da Universidade Federal de Sergipe. Doutor em Artes Cênicas pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas – UFBA (2013). Bacharel em Artes Cênicas (Direção Teatral) pela Escola de Teatro da UFBA, (1994). Mestre em Letras, (Teorias e crítica da literatura e da Cultura) UFBA (2005). Como ator, começou a carreira na Companhia Baiana de Patifaria no espetáculo Abafabanca (1987). Teve atuações elogiadas em Otelo, de Shakespeare, (primeira montagem do TCA. Núcleo, dirigida por Carmem Paternostro (1995), Megera domada, de William Shakespeare, direção de Teresa Costalima, Budro, de Bosco Brasil, sob direção de Tom Carneiro (2004), Hamlet, de William Shakespeare, sob direção de Harildo Deda (11ª montagem do TCA. Núcleo, 2005), Shopping and fucking, de Mark Ravenhill, sob direção de Fernando Guerreiro (2007) e Caso sério, de Claudio Simões e Margareth Boury (2009), Celso Jr. dirigiu a comédia policial Quem matou Maria Helena?, de Claudio Simões, ( 1994) , a comédia Médico a pulso, de Molière (2000); Pluft - o fantasminha, de Mª Clara Machado (1995 e 2002), dirigiu a primeira montagem do texto O cego e o louco, de Cláudia Barral (2000), traduziu, adaptou e dirigiu Preciosas ridículas, baseada na comédia de Molière, (2008), entre outros. Em 2014, integra o elenco do espetáculo A gaivota, de Anton Tchekhov, sob a direção de Marcelo Flores e Harildo Déda, com a Cia. de Teatro Os Argonautas. Neste mesmo ano, participou dos filmes de longa metragem Irmã Dulce, de Vicente Amorim e Travessia, de João Gabriel. Esteve em cartaz com a peça Esperando Godot, de Samuel Beckett, sob direção de Márcio Meirelles, no teatro Vila Velha, onde dirigiu dirigiu o espetáculo Notícias de Godot, a partir de textos, fragmentos e poemas de Samuel Beckett, com a Universidade Livre de Teatro Vila Velha.

COMMEDIA DELL'ARTE
O Curso traz as máscaras dell’arte a partir da pesquisa de Joice Aglae dentro da commedia dell’arte desenvolvida por Claudia Contin, grande pesquisadora e praticante de Commedia dell’Arte na Itália, com quem Joice Aglae se formou e trabalhou de 2008-2009) e, posteriormente, no seu grupo Botega Buffa CircoVacanti, com Veronica Risatti (2010-2014), na Itália. Joice Aglae, trabalhou durante um ano e meio na Scuola Sperimentale dell’Attore (escola de Claudia Contin e Ferruccio Merisi) e desenvolveu parte de seu doutorado em commedia dell’arte, desenvolvendo um transcurso de apropriação das máscaras dell’arte continianas através de elementos da cultura tradicional popular brasileira. As máscaras apresentadas são aquelas das praças e ruas medievais, diferentes daquelas que tornaram a commedia dell’arte famosa nas cortes, as quais sofreram certo requinte, sendo castradas seus aspectos grotescos e carnavalescos. São máscaras populares carnavalescas e grotescas, mas com uma linguagem muito codificada e vigorosa, apresentando uma técnica que exige do ator grande preparo físico e disciplina. Serão trabalhados ao longo da oficina , os 9 principais arquétipos da commedia dell’arte (Zanni, Pantalone, Dottore, Brighella, Arlecchino, Servetta, Capitano, Nobili∕Enammoratti e Pulcinella), questões concernentes ao porte da máscara, voz para a máscara e alguns aspectos de improvisação dentro da commedia dell’arte, tendo como finalização uma pequena mostra de situações de canovacci clássicos.

JOICE AGLAE
Joice Aglae Brondani, pós-doutora UNITO (fev.2016, CAPES), pesquisa sobre Máscaras femininas da commedia dell’arte e cultura tradicional brasileira - arquétipo de Iansã e Pombogiras. Pós-doutorado PRODOC-CAPES no PPGArtes da UFU-MG (2011-2014), pesquisa Comicidade e Criação – clown e cultura tradicional brasileira (commedia dell’arte e congada). Doutora pelo PPGAC- UFBA (2010) com intercâmbio com Università di Roma Tre – ITA e Scuola Sperimentale dell’Attore (PN-ITA), com a pesquisa de bufão commedia dell’arte e práticas espetaculares tradicionais brasileiras. Mestre pelo PPGAC- UFBA (2006) e intercâmbio com Paris X, com a pesquisa Clown, Absurdo e Encenação. Fundou a Cia Buffa de Teatro (BRA, 1998) e a Bottega Buffa CircoVacanti (ITA, 2010-2014). É idealizadora do projeto de pesquisa e Intercâmbio entre culturas tradicionais TEATRO-MÁSCARA- RITUAL. Ministra cursos de teatro, máscaras (clown, bufão, commedia dell’arte e preparação de corpo para a máscara) e danças populares voltado para o trabalho do ator, no país e exterior. Integrou ocorpo de atores do espetáculo SlavaSnowShow (2011), dirigido pelo clown russo Slava Polunine. Integrou o corpo de atores da Scuola Sperimentale dell Attore -ITA, de 2008-2009. Atuou como atriz em três (03) curta metragens. Possui nove direções de espetáculos teatrais, os quais acumulam 26 indicações e 12 premiações em festivais do Brasil - 4 na Cia Buffa de Teatro.

TEATRO PARA INICIANTES
A oficina tem por objetivo proporcionar aos participantes o primeiro contato com o fazer teatral, através de experiência que contenha os fundamentos desta linguagem. Tornar o aluno um indivíduo com uma percepção mais ampla de si e do mundo em que vive, aguçando sua visão crítica e sua sensibilidade perante o mundo através de uma atitude mais harmoniosa e equilibrada em que os sentimentos, a imaginação e a razão se integram; em que os sentidos e os valores dados a vida são assumidos no agir cotidiano. Para tanto, serão aplicadas varias modalidades e estilos do jogo teatral. A proposta é descobrir as potencialidades de cada participante e utilizá-las teatralmente. Quando se perceber “atuando”, o aluno perceberá que sua capacidade criativa é inesgotável, necessitando apenas se adequadamente exercitada.

ZECA DE ABREU, em mais de 20 anos de carreira, tem em seu currículo como atriz várias peças de teatro, como O Homem Nu e suas Viagens, direção de Hebe Alves, Um Prato de Mingau para Helga Brown direção de Celso Jr., Volpone, de Fernando Guerreiro, e Espelho para Cegos, de Marcio Meirelles. No cinema marcou sua presença nos filmes Eu Me Lembro e O Homem que não dormia de Edgard Navarro, Cidade Baixa, de Sergio Machado, Depois da Chuva, de Claudio Marques e Marilia Hughes, e Irmã Dulce, de Vicente Amorim. Como diretora, ganhou o prêmio Braskem de Teatro de melhor espetáculo infanto-juvenil, em 2003, com a peça H2O Uma Fórmula de Amor. Dirigiu ainda Homem não entra: só se fizer um agrado, em 2004, e O que é, o que é? Começa com Carol e termina com Ina?, em 2007. Em 2013, dirigiu o espetáculo Destinatário Desconhecido, vencedor do Prêmio Braskem de Teatro 2013 na categoria melhor ator e indicado como melhor espetáculo e melhor direção. Em 2014, dirigiu a peça Bonde dos Ratinhos, indicada ao Prêmio Braskem de Teatro nas categorias especial e melhor espetáculo infanto-juvenil. Em 2016 dirigiu o espetáculo infantil “Eu, Você e Todo Mundo”.

O CORPO E A CENA
O objetivo da oficina é proporcionar ao ator o desenvolvimento de suas potencialidades, buscando uma autonomia e presença cênica, ampliando e encontrando ferramentas para tornar seu trabalho mais consistente, consciente e diversificado. Não é necessário ter experiência prévia com teatro.

BERTHO FILHO é ator, diretor teatral (Bacharel em Artes Cênicas - Universidade Federal da Bahia/UFBA.) e dramaturgo, produtor e preparador de atores para teatro e para o cinema. Como ator, trabalhou em filmes como Central do Brasil, de Walter Salles; Tieta, dirigido por Cacá Diegue; Eu me Lembro e O Homem Que Não Dormia, de Edgar Navarro. Na televisão, atuou em séries como Cama De Gato, direção geral de Ricardo Waddington (2010); Força Tarefa, de Jose Alvarenga Jr. (2010); Gabriela, direção de Núcleo de Roberto Talma (2012) - todas na Rede Globo. Como diretor, realizou as peças Noite, de Harold Pinter; O Balcão, de Jean Jenet; Navalha Na Carne, de Plínio Marcos; Os Rapazes Estão Chegando, de Vieira Neto; Balela; O Mala Nada na Lama; Câncer - as três últimas com texto de sua autoria. Como professor de teatro, acumula experiências na Escola de Teatro da UFBA, Escola de Teatro do Centro Universitário Cultura e Arte/UEFS, Espaço Cultural Yumara Rodrigues, Projeto Agente Jovem/UCSAL, Projeto de intercâmbio lusófono K-CENA, universidade LIVRE de teatro vila velha, entre outros.

TEATRO PARA JOVENS
A oficina ira se desenvolver em 03 etapas. Na primeira etapa construiremos uma dinâmica de grupo, experimentando técnicas de improvisação e criação de personagem, integrando os universos de interesse de cada participante da oficina. A seguir, entendendo o perfil do grupo, serão escolhidos textos dramáticos, que permitirão aprofundar a experiência do jogo dramático. Finalmente, na terceira etapa, construiremos uma mostra cênica a partir dos textos dramáticos ou fruto de criação coletiva. Ao longo de todo processo serão dados exercícios de voz e corpo imprescindíveis para o trabalho do ator.

CHICA CARELLI é graduada em direção teatral pela Universidade Federal da Bahia em 1983. Iniciou sua carreira de atriz em 1980, no grupo Avelãz e Avestruz dirigido por Marcio Meirelles. Seu trabalho nesse grupo lhe valeu dois troféus Martim Gonçalves. Em 1990 fundou, com o diretor Marcio Meirelles, o Bando de Teatro Olodum, co-dirigindo vários espetáculos, alem de assinar a direção de produção dos espetáculos e a direção musical dos primeiros espetáculos do grupo. Dirigiu o primeiro espetáculo infanto-juvenil do grupo, Áfricas. Desde 1994 integra o colegiado do Teatro Vila Velha, e participa também das produções artísticas da Cia Teatro dos Novos como atriz e diretora. Em 2005 recebeu o premio Braskem de teatro como atriz coadjuvante no espetáculo O Despertar da Primavera. Coordena as Oficinas Vila Verão desde 2000 do Teatro Vila Velha.


UM OLHAR FOTOGRÁFICO
A Oficina de Olhar fotográfico, facilitada pela foto-ativista Andréa Magnoni, tem a intenção de tirar a inocência do olhar e mostrar que existem muitos elementos que compõem uma imagem diferenciada, são várias normas e dicas que irão dar um up no seu jeito de ver o mundo. É uma boa oportunidade para todos que desejam aprimorar o olhar fotográfico independente do equipamento ou experiência que se tenha, em especial para quem tem uma DSLR e ainda não sabe utilizá-la no modo manual, será bem interessante conhecer os comandos básicos e ampliar as possibilidades de captura. A oficina será ministrada em 4 módulos: duas aulas teórico-práticas, uma totalmente prática e o fechamento com feedback e dicas de utilização de um programa profissional de edição.
público: iniciantes - obrigatório: equipamento fotográfico - tablets, celulares, câmeras portáteis ou profissionais - carga horária: 12h

ANDRÉA MAGNONI
A foto-ativista Andréa Magnoni, usa o trabalho fotográfico sob um olhar antropológico de forma a dar voz e visibilidade às diversidades sexuais, de gênero, afro-religiosas, sociais e étnicas. É instrutora de fotografia e atua no segmento de coberturas de eventos artísticos, já tendo fotografado para a maior parte dos grandes diretores de Salvador, tem um portfólio consistente em cobertura de espetáculos e material de divulgação para renomadas companhias como, A Outra Cia de Teatro, NATA, Teatro da Queda e Bando de Teatro Olodum, mas é junto à fotografia afrodiaspórica, enfatizando a importância da representatividade da polução negra e a beleza da ancestralidade dos ritos afro-brasileiros e também junto aos movimentos LGBTs e feministas que seus projetos autorais vem se destacando. Pelo segundo ano consecutivo é convidada para expor no Uruguai e prepara uma mostra na Itália, expondo seus trabalhos realizados dentro dos terreiros de Candomblé. Quando o assunto é ativismo, se envolve também na produção de eventos que valorizem o poder das minorias, como o Prêmio Zebrinha de Pretas Artes e o Festival Drag Queen.

Portfólio virtual
Facebook: Andréa Magnoni - Fotos com Alma
Flickr: https://www.flickr.com/photos/andreamagnoni/?

REALIZAÇÃO AUDIOVISUAL
Introdução aos princípios da realização audiovisual, compreendendo as etapas de produção, filmagem e montagem do material bruto no prisma da produção coletiva e colaborativa. Introdução ao documentário e as questões éticas. A proposta é de que os encontros, de uma vez por semana, sejam de exposição de conceitos, formação de repertório – através de sessões de filmes com debates – e exercícios de filmagem e montagem em suporte digital. Abordaremos questões de linguagem audiovisual que envolvem roteiro, captação de som, enquadramento, eixo e continuidade, e os fundamentos do suporte digital, como formatos de vídeo, codecs e padrões de finalização para distribuição. O curso compreende realização de vídeos como resultado final.

EVANDRO DE FREITAS
Formado como bacharel em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Atualmente é servidor Técnico em Audiovisual no Cecult - Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas em Santo Amaro/BA. Integrou o Cineclube Mário Gusmão de 2010 a 2016, onde atuou na concepção de curadorias, realizou projeções, produção de críticas, design gráfico e identidade visual.
Dirigiu e montou, em 2010, o curta-metragem Por trás dos Olhos, em Cachoeira/BA. Em 2011 atuou na montagem, identidade visual e still do curta Entrepassos, dirigido por Elen Linth. Em 2012 finalizou o videodança Mareia, disponível em www.vimeo.com/37679185, tendo recebido menção honrosa no Prêmio ACV/ABD-BA do Cine Virada; participou do II FIAR: Encontro de Redes das Artes Visuais no Recôncavo, enquanto residente artístico em audiovisual; integrou a equipe de realização do I MOCIVA – Mostra de Cinema de Valença e ministrou oficina de Roteiro a convite do Cineclube Xícara da Silva, em Anápolis-GO.
Em 2013 integrou o júri de seleção da Mostra Centro Oeste e Mostra de Curtas Anapolinos do III Anápolis Festival de Cinema; realizou o documentário curta metragem Procurando Rita, premiado com menção honrosa no IV CachoeiraDoc e melhor direção na 13ª Goiânia Mostra Curtas; realizou o curta documentário Odu, co-dirigido por Cyntia Nogueira, sobre a obra do ator Mario Gusmão; documentou a turnê da Orquestra Filarmônica Lyra Ceciliana por treze cidades do interior da Bahia; realizou direção de fotografia do filme Noite de Baile, de Artur Dias, exibido e premiado no V Feciba em 2015. Integrou a equipe de curadoria da V, VI e VII edições do CachoeiraDoc, festival em que ministrou oficinas de Webdocumentário para jovens de Cachoeira e São Félix. Em 2014 realizou direção de fotografia dos curtas de ficção Muros, de Elen Linth, e Cinzas, de Larissa Fulana de Tal; foi operador de câmera e assistente de fotografia de Materno, filme dirigido por Ruy Dutra e Alequine Sampaio. Foi responsável pelas projeções do VII, VIII e IX Panorama Coisa de Cinema em Cachoeira.
Em 2016 foi assistente de direção do curta-metragem Parto, de Amaranta Cesar, em finalização, e ministrou oficinas de cinema e educação para professores da rede de ensino básico de Cachoeira e São Felix, e de realização audiovisual para estudantes, servidores do CECULT e moradores de Santo Amaro. Também neste ano finalizou o documentário A Morte do Cinema, curta metragem apoiado pelo Fundo de Cultura do Estado da Bahia, edital de 2013.
DANÇA PARA TERCEIRA IDADE
A proposta desta oficina é trabalhar algumas técnicas de dança (moderna, criativa, dança de salão e danças populares) para construção coreográfica a partir de nossas memórias afetivas. As aulas iniciarão com alongamento, fortalecimento muscular, técnicas de danças e jogos criativos. Essa é uma oficina de descoberta de novos movimentos, de poesia e muita dança.

MARCELO GALVÃO é graduado em Licenciatura em Dança pela Universidade Federal da Bahia (2008). Trabalha com processos criativos e educacionais em dança para terceira idade há 15 anos. Atualmente é professor do programa Universidade Aberta a Terceira Idade – UATI/UNEB, da Prefeitura Municipal de Salvador (PREVIS) e da Marinha do Brasil. Participou dos três Fóruns Nacionais de Coordenadores de Projetos da Terceira Idade de Instituições de Ensino Superior.

DANÇA PARA ATORES
A proposta desta oficina é trabalhar algumas técnicas de dança (moderna, criativa, contemporaneo e danças populares) para preparação corporal do ator. Ao final do curso apresentaremos uma obra coreográfica a partir de laboratórios criativos. As aulas iniciarão com alongamento, fortalecimento muscular, técnicas de danças e jogos criativos. Essa é uma oficina de descoberta de novos movimentos, de poesia e muita dança.

MARCELO GALVÃO é graduado em Licenciatura em Dança pela Universidade Federal da Bahia (2008). Trabalha com processos criativos e educacionais em dança para terceira idade há 15 anos. Atualmente é professor do programa Universidade Aberta a Terceira Idade – UATI/UNEB, da Prefeitura Municipal de Salvador (PREVIS) e da Marinha do Brasil. Participou dos três Fóruns Nacionais de Coordenadores de Projetos da Terceira Idade de Instituições de Ensino Superior.

DANÇA DE SALÃO
A proposta desta oficina é trabalhar com técnicas de danças de salão (tango, samba de gafieira, forro, bolero, salsa) para construção coreográfica. As aulas iniciarão com alongamento, fortalecimento muscular, técnicas de danças e jogos criativos. Essa é uma oficina de descoberta de novos movimentos a dois, sem restrição de idade.

MARCELO GALVÃO é graduado em Licenciatura em Dança pela Universidade Federal da Bahia (2008). Trabalha com processos criativos e educacionais em dança para terceira idade há 15 anos. Atualmente é professor do programa Universidade Aberta a Terceira Idade – UATI/UNEB, da Prefeitura Municipal de Salvador (PREVIS) e da Marinha do Brasil. Participou dos três Fóruns Nacionais de Coordenadores de Projetos da Terceira Idade de Instituições de Ensino Superior.

CANTO
Voltada para o autoconhecimento do potencial vocal e artístico, a oficina visa desenvolver a técnica do canto, reduzir vícios e tensões corporais, atingir um conhecimento básico de teoria e percepção musical, facilitar a relação intérprete/platéia.

MARCELO JARDIM
Formado em Canto pela UFBA, professor de voz dos grupos Bando de Teatro Olodum e Vilavox, integra o coro do Teatro Castro Alves.

O SOM NA CENA
A oficina objetiva oferecer vivências orientadas sobre como o som e a música podem se relacionar com a arte cênica, na prática. Da sonoplastia à trilha sonora, os elementos e conteúdos básicos do fazer sonoro e musical serão contemplados através de atividades práticas de apreciação/observação, jogos musicais (corporais, vocais e instrumentais), experimentação (incluindo o uso de objetos sonoros) e improvisação. Também haverá debates dirigidos sobre como o discurso sonoro, e suas variações se relaciona com a plateia, com os atuantes da cena, com os atuantes dos bastidores (encenador, dramaturgo, músicos, operadores técnicos, produtores...), e com os demais elementos técnicos da cena (luz, figurino, cenário, coreografia...). Apesar da oficina tratar de conteúdos de som, música e artes cênicas, e ser relevante que seus participantes já possuam histórico prático em alguma das áreas, isto não é questão restritiva à participação nessa pois ela se direcionada a pessoas que possuam real interesse prático na assunto, no "aprender fazendo", no debate de temas correlatos. Para o encerramento da oficina, haverá a apresentação de uma atividade cênico-musical utilizando conteúdos abordados durante as aulas.

GABRIEL FRANCO
Educador musical e multi-instrumentista, graduado em Licenciatura em Música pela UFBA (2008), tendo também cursado matérias de Composição e do Mestrado em Musicologia História; como estágio de graduação, desenvolveu o Curso de Educação Musical para Técnicos de Som (INÉDITO) e Mini-Curso de Áudio pra Músicos (2008). Também é técnico de áudio, tendo estudado e lecionado na dB Cursos de Áudio (Fernando Gundlach), e também em oficinas com Franklim Garrido, Lazzaro de Jesus, dentre outros. Trabalha com música e áudio profissional pra cena desde 2000 - direção e supervisão musical, trilha sonora, desenho de som e operação de áudio -, e em 2009, realizou o projeto "...sob o olhar de Torradeiras Voadoras", com sua banda A Odisseia das Torradeiras Voadoras (2002-2010) no qual, um dos produtos gerados foi uma coletânea de 21 faixas de música e contação de história de cegos de 9 cidades da Bahia, com a banda fazendo trilha sonora para cada uma delas. Em 2010, foi indicado ao Prêmio Braskem de Teatro pela trilha sonora de "Gennésius – Histônica Epopeia de um Martírio em Flor", do Grupo Finos Trapos (dir. Roberto de Abréu). Também já trabalhou com Paula Lice (dir.), Deolindo Checcucci (dir.), Bertho Filho (dir.), Fernanda Paquelet (dir.), Grupo Finos Trapos (teatro), Companhia Novos Novos (teatro), SuperNova Teatro, Grupo Xis de Improvisação (dança), LosInnatos (dança), Anderson dy Souza (ator solo), Jarbas Bittencourt (mus.), Ronei Jorge (mus.), João Meirelles (mus.), dentre outros. Desde 2012, vem desenvolvendo forte parceria com o diretor de teatro Márcio Meirelles, o Teatro Vila Velha e a Universidade Livre de Teatro (Teatro Vila Velha), tendo trabalhado em diversas montagens como Drácula, Esperando Godot, Por que Hécuba, Frankenstein, JANGO - Uma Tragédya, Hamlet, Macbeth, Sete Contra Tebas, dentre outras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário