segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Pesquisas sobre teatro negro são tema de palestra no Teatro Vila Velha

Além da palestra de Evani Tavares, ainda tem na programação do Festival, filmes e as peças de teatro Erê, do Bando de Teatro Olodum e o monólogo Se Deus fosse Preto, com o ator Sergio Laurentino.


O Festival A Cena Tá Preta, realizado pelo Bando de Teatro Olodum no Teatro Vila Velha, continua destacando produções artísticas vinculadas à temática racial, além de colocar em evidencia, por meio de filmes, peças e debates, a reflexão sobre a performance negra. No dia 24, 19h, o projeto Terças Pretas-Tersarau do Bando recebe a palestra da atriz, professora e doutora em Artes pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Evani Tavares. A pesquisadora abordará o tema “O estado atual das pesquisas em torno da temática da cultura negra no âmbito do teatro no Brasil”. Durante as edições do Terças Pretas-Tersarau do Bando, uma Feira Étnica reúne empreendedores negros expondo produções artesanais, moda e gastronomia, que começa 17h, no Cabaré do Vila, com acesso gratuito.

 
Teatro do Bando - 
Como não poderia faltar, durante o Festival A Cena Tá Preta, o talento dos atores do Bando poderá ser conferido em duas oportunidades. A peça Erê, que cumpre temporada  até 06 de dezembro, às sextas e sábados, 20h e domingos, às 19h. A peça, que aborda o drama dos assassinatos de jovens negros no Brasil, tem concepção geral de Lázaro Ramos, direção de Fernanda Júlia (Siré Obá e Kanzuá, Nossa Casa), dramaturgia de Daniel Arcades (Exú, a Boca do Universo e Revelo), direção musical de Jarbas Bittencourt e coreografia de Zebrinha. Serão 25 artistas reunidos para exigir o fim do assassinato de jovens e crianças negras e garantir o futuro de dignidade e oportunidades aos Erês (nome dado às entidades infantis na religiosidade de matriz africana). Ingressos R$30,00 e R$15,00 (meia).

E Outro fruto dos 25 anos de atuação do Bando de Teatro Olodum é o espetáculo Se Deus Fosse Pretocom texto e atuação de Sergio Laurentino e direção do ator Jean Pedro, que faz sua estreia como diretor. O personagem central da peça é Loid, um homem negro que foi preso injustamente pela morte da filha e esposa. Na prisão, ele escreve textos que, após sua morte, se revelam como base de criação de uma nova religião universal. Sergio Laurentino, que encara o primeiro espetáculo solo, já atuou em mais de 15 montagens, entre eles, Cabaré da RRRRRaça,ÁfricasBença e  (todas quatro do Bando de Teatro Olodum), além de atuações no cinema (Besouro e Jardim das Folhas Sagradase na televisão (as série da Rede Globo Ó paí, ó e O Caçador).Se Deus Fosse Preto tem última apresentação no dia 26 (quinta-feira), 19h. Ingressos R$30,00 e R$15,00 (meia).

E finalizando o Mês da Consciência Negra, no dia 30/11, às 19h, terá exibição do documentário “A Cor do Trabalho”, de Antonio Olavo.
Após a sessão, haverá debate com o diretor.



SERVIÇO
VI FESTIVAL A CENA TÁ PRETA

TERÇAS PRETAS – TERSARAU DO BANDO
Dia 24/11, 19h, Palestra da atriz e pesquisadora Evani Tavares: “O estado atual das pesquisas em torno da temática da cultura negra no âmbito do teatro no Brasil”.
Feira Étnica a partir das 17h, no Cabaré do Vila, com acesso gratuito.

TEATRO
Se Deus Fosse Preto, texto e atuação: Sergio Laurentino / direção: Jean Pedro.
Dia 26/11 (quinta-feira), 19h.
Ingresso: R$30,00 / R$15,00 (meia).

Erê, do Bando de Teatro Olodum. Concepção geral: Lázaro Ramos / Direção: Fernanda Júlia / Dramaturgia: Daniel Arcades.
Em cartaz, sexta e sábado, 20h e domingo, 19h, até 06/12.
Ingresso: R$30,00 / R$15,00 (meia)

CineVila
Documentário “A Cor do Trabalho”, de Antônio Olavo. Logo após a exibição tem bate-papo com o diretor do filme 
Dia 30/11, 19h.
Gratuito

Nenhum comentário:

Postar um comentário