terça-feira, 15 de novembro de 2011

A quem não interessar os ataques ao Teatro Vila Velha

A Coluna abaixo foi publicada no jornal A Tarde de 15 de novembro de 2011

O Teatro Vila Velha, fundado em 1964 pela Sociedade Teatro dos Novos, funciona há 47 anos e se consolidou mais do que como casa de espetáculos, como uma usina cultural e artística. A contribuição do teatro para o Brasil é inquestionável, aqui surgiram Bethânia, Gil, Gal, Tom Zé, Caetano, os Novos Baianos, Lázaro Ramos, Virgínia Rodrigues, Othon Bastos, o Teatro de Cordel, foi sede da Anistia internacional. Mas não só foi, continua formando novos artistas, consolidando carreiras e é uma referência internacional de espaço de inovação, criação e produção. Tendo sido condecorado com a Ordem do Mérito Cultural do Brasil, em 2009.

O Teatro Vila Velha, desde 1995, recebe recursos do Estado, assim como outras instituições culturais. Diferentes gestões assumiram o governo da Bahia e todas mantiveram o apoio a elas. Essa ação foi ordenada em 2010 pela Secretaria de Cultura, com edital elaborado em parceria com a Procuradoria Geral do Estado, que teve critérios de avaliação e pontuação objetivos, para que a escolha das instituições apoiadas não fosse um ato apenas do secretário, para democratizar o acesso de outras instituições aos recursos e para definir patamares de valores para cada uma. O Vila concorreu, teve sua proposta aprovada e o valor do convênio definido por comissão formada por pessoas da sociedade civil e do governo.

Vale ressaltar que hoje 14 instituições estão no programa. No mesmo patamar de valor que o Vila, em torno de 450 mil reais anuais, estão o Theatro XIII e o Museu da Misericórdia.

Para receber esses recursos o Teatro Vila Velha e as outras instituições precisam prestar contas corretamente dos seus pagamentos e atividades, com metas e ações trimestrais previstas em suas propostas. O Vila ultrapassa suas metas.

Só em 2010 tivemos 444 apresentações para um público de 55.214 pessoas e para isso a Sol Movimento da Cena, entidade que gerencia o Vila Velha e sua programação, tem 33 funcionários contratados.

Os recursos que o teatro recebe do Estado são para que possa apoiar sua programação e subsidiar o valor dos ingressos e correspondem apenas a 33% do seu orçamento mensal, que consome R$115 mil para gerar empregos diretos e indiretos e beneficiar público e artistas com acesso a bens produzidos e meios de produção.

São custos para manter o teatro apenas, não para produzir seus conteúdos. Os grupos, que desenvolvem seus projetos no Vila, buscam recursos de outras fontes: em editais, apoios, patrocínios e também na bilheteria de seus espetáculos ou nas inscrições para as oficinas que promovem. O público é levado em conta no Teatro Vila Velha, e a necessidade que a sociedade tem do que é oferecido também se traduz no retorno de bilheteria, cujo rateio para o teatro corresponde à 17% de suas despesas. Outros 27% vêm de patrocínio da Petrobras, desde 2004.

Qualquer um que saiba matemática percebe que há um déficit nesta conta. Entretanto, o Vila não fecha nem ameaça fechar suas portas por isso, porque convive com essa luta desde sua construção.

Buscamos os 23% restantes de forma criativa, promovendo atividades de formação, eventos, criando e vendendo produtos e muito mais. Sem deixar de lado a busca por mais uma cota de patrocínio que resolva a equação.

Os grupos residentes e em residência são fundamentais neste afã. Uns vieram já prontos como o Bando de Teatro Olodum (24 artistas), o Nata (6), o Teatro da Queda (11), o Pivô (2) e oSupernova (3), outros se formaram aqui, como o Núcleo Viladança (13) a Outra Companhia de Teatro (5) e a Cia Novos Novos (35), e Sonia Robatto, fundadora e integrante da Cia Teatro dos Novos, que construiu o Teatro Vila Velha, sua política, sua estética e sua ética, pautado numa luta incessante por mudanças que tornem a sociedade mais justa.

Todos os dados numéricos citados neste artigo encontram-se detalhados no site www.teatrovilavelha.com.br, assim como seu dia a dia está registrado no blogdovila.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário