sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

"Looping: Bahia Overdub" realiza apresentação única no Teatro Vila Velha

Trabalho foi considerado pelo jornal O Globo um dos dez melhores espetáculos de dança apresentados no Rio, em 2016 

Apresentação de "Looping: Bahia Overdub" no Coaty
 

As festas de largo e suas contradições são a paisagem predominante de Looping: Bahia Overdub, uma plataforma de dança que emerge no encontro entre pensamento sonoro e pensamento coreográfico que acontece no dia 01 de fevereiro, às 20h, no palco principal do Teatro Vila Velha, compondo o Amostrão Vila Verão. Na véspera da festa de Yemanjá, Looping antecipa a celebração na sua festa sensorial e política.

Looping resulta do agrupamento de artistas cujas trajetórias atravessam a dança, o teatro e a música. "O projeto surge a partir de uma investigação sobre repetição e acumulação, procedimentos que relacionamos com uma discussão sobre a cultura local, com suas reiterações e transformações, afirmações e deslocamentos. Utilizamos estes procedimentos tanto na composição coreográfica, quanto sonora", define Rita Aquino, artista e educadora, que responde pela concepção e direção do espetáculo, ao lado de Felipe de Assis e Leonardo França.

"Looping: Bahia Overdub" foi considerado pelo jornal O Globo, ao lado de "Ouriço", solo assinado também pelo coreógrafo Leonardo França, um dos dez melhores da dança que se apresentaram no Rio de Janeiro, em 2016, segundo a jornalista e crítica de dança Adriana Pavlova.

O encontro entre som e coreografia está explicito na presença maciça da caixas de som em Looping. As caixas funcionam como uma síntese: são ao mesmo tempo elementos cênico, objeto de pesquisa coreográfica e aparelho de transmissão sonora.

Leonardo, artista da dança, coloca em destaque o aspecto musical e complementa: "a auto-referência e o isolamento cultural são questionados, ao passo em que se abrem possíveis vinculações destas com outras referências culturais – como os paredões de reggae do Maranhão e as aparelhagens de Belém do Pará”. Além deles, integram o projeto Isaura Tupiniquim, Jaqueline Elesbão, Jorge Oliveira, Bruno de Jesus e Talita Gomes.

A trilha sonora é desenvolvida ao vivo, determinando e sendo determinada pela pulsação do aqui e agora. Composta de fragmentos de referências da cultura afro-brasileira, a exemplo do Ijexá e os clarins do Afoxé Filhos de Gandhi, de células de músicas populares, como o tarol do samba-reggae ou a “violeira” do pagode, e sonoridades urbanas diversas. A trilha provoca a relação com o público, que não se posiciona de maneira “tradicional”, mas é convidado à participação.

“Looping propõe um espaço compartilhado entre artistas e espectadores, promovendo arranjos coletivos que articulam cumplicidade e risco. A força das referências culturais contribui para o envolvimento do espectador, pulsando o público em direção à cena” observa Felipe de Assis, diretor teatral que, neste projeto, assume ainda a aparelhagem musical, ao lado de Mahal Pita.

Serviço

Looping: Bahia Overdub
01/02 // quarta-feira // 20h
Teatro Vila Velha

Valores:
R$ 30 e 15 (preço promocional até 31/01)
R$40 e 20 (no dia da apresentação)

Nenhum comentário:

Postar um comentário