quarta-feira, 14 de novembro de 2007

Os jornais invadiram o Vila!


Imagine aí 10 toneladas de jornal?! É muito jornal! Pois fique sabendo que acabaram de chegar 10 TONELADAS de jornal aqui no Vila. Os exemplares - que foram doados pela Folha de São Paulo e vieram de caminhão da capital paulista até aqui - fazem parte do cenário do espetáculo português A MINHA MULHER, dirigido por Solveig Nordlund.


A galera se virando pra empilhar tanto jornal. Foto: Camilo Fróes.

A peça se apresenta gratuitamente nos próximos dias 16 e 17 de novembro (sexta e sábado) no Vila. A iniciativa é resultado do Prêmio Luso-Brasileiro de Dramaturgia António José da Silva, promovido em parceria pelo Instituto Camões, a Funarte, o Instituto das Artes e o Teatro Nacional D. Maria II. O objetivo é promover o incremento das relações culturais entre Portugal e Brasil.

O espetáculo é o seguinte: uma família burguesa (pai, mãe, filho, nora e uma prima) passa o Verão no arquipélago de Estocolmo, quando aparece um amigo do jovem casal. A partir disso, entra em cena uma reflexão sobre a memória, as repetições e o amor. O texto é uma adaptação de “Brincar com o Fogo”, de Strindberg, e trata da crueza de situações da vida diária e das convenções sociais.


Haja jornal! Foto: Camilo Fróes.

E o que os jornais fazem no cenário? Segundo Ulisses Cohen, responsável pela cenografia da peça, a história é cíclica e, a todo momento, faz referência aos jornais, às informações fúteis, supérfluas e passageiras, a assuntos antigos guardados e amontoados no cenário familiar.

As senhas para o espetáculo começarão a ser distribuídas às 19h. Chegue cedo e garanta a sua!


Cena do espetáculo. Foto: Margarida Dias.

2 comentários:

  1. Assisti à peça no sábado. Confesso que fui sabendo apenas que era um espetáculo português, de graça e com um cenário estupendo das tais 10 toneladas de jornal.

    Tive uma grata surpresa com um texto e interpretações excelentes. Um tipo de humor ácido, tocando em assuntos muito humanos. A estética do espetáculo é bem contemporânea, sem recorrer a grandes efeitos cênicos e coloca o espectador dentro da ação, íntimo daqueles personagens, suas angústias e suas inúmeras taças de vinho...

    Fiquei feliz por ver tal peça em cartaz no Vila. Tenho certeza de que os portugas foram muito bem recebidos nesta casa.

    ResponderExcluir
  2. Eu também gostei muito. Também fui despretensiosamente,dei de cara com mil teatralidades num jeito cinematográfico de cortar as cenas -não é de se admirar, a diretora é cineasta -, e mil anos de história nos corpos e vozes que soam - e como soam - daqueles atores. É verdade que penei com a prosódia portuguesa, com as expressões da outra língua, que eu não conheço. Perdi bastante coisa do texto. Mas adorei mesmo assim, aquele clima bem assim .. Tchékhov, se me permitem o palavrão; eles bebem vinho como se tomassem vodka. Será que a famosa melancolia portuguesa é similar à russa?

    ResponderExcluir