quarta-feira, 13 de junho de 2018

A Cultura da bala transformada em política de segurança fere a arte


foto da peça EN(CRUZ)ILHADA

O nosso post de hoje deveria ter sido um post de alegria, de força e de esperança. Hoje pela manhã no Teatro, tivemos um lindo encontro de vontades para discutir arte, vida e cidadania. E uma das falas apontava exatamente para a necessidade de combater a cruel cultura da bala, disfarçada de política de segurança. E do papel do teatro nesse combate que é urgente.  Horas depois, a cultura da bala, que é racista, não se esqueçam, vitimou um de nossos atores.

Leno Sacramento, do Bando de Teatro Olodum, levou um tiro na perna, durante uma abordagem da polícia civil: Ele estava de bicicleta com um amigo vindo trabalhar no Vila, os policiais alegam que procuravam dois suspeitos de um assalto.  Durante a abordagem, um policial atirou e a bala atravessou a panturrilha do ator. Leno está vivo, mas ferido de várias maneiras, como todos nós, como sempre.
foto da peça EN(CRUZ)ILHADA

Nenhum comentário:

Postar um comentário