quarta-feira, 1 de julho de 2015

Projeto apresenta cinco peças do romeno Matéi Visniec dirigidas por Marcio Meirelles

Com o Projeto Matéi, o Teatro Vila Velha chega a sua 15ª realização em dois anos, a partir da criação da universidade LIVRE

Marcio Meirelles retorna aos palcos como ator após 36 anos em "As Palavras de Jó". Foto: Eduardo Coutinho

Nos meses de julho e agosto, o público baiano terá a chance de assistir, de uma única vez, a cinco peças escritas pelo romeno Matéi Visniec, um dos dramaturgos contemporâneos mais aclamados pela crítica internacional. Com todos os espetáculos dirigidos pelo encenador Marcio Meirelles, o Projeto Matéi traz as obras Fronteiras, Agorafobias, Deserto, A História dos Ursos Pandas, além do monólogo As Palavras de Jó, que marca o retorno de Meirelles ao palco após 36 anos distante do trabalho de ator. O projeto ocupa o Teatro Vila Velha de quarta a domingo e tem estreia marcada para 8 de julho, às 20h. Todas as peças são acessíveis para cegos através de recurso de audiodescrição.

Com o Projeto Matéi, o Teatro Vila Velha chega ao número de 15 produções teatrais próprias, realizadas em pouco mais de dois anos. As últimas dez peças alcançaram um público de 12 mil pessoas e mobilizaram 152 profissionais - deste número 84 atores e 68 trabalhadores em áreas de gestão, técnica, divulgação, preparação, entre outras. Os trabalhos, 14 deles realizados com recursos próprios, tem sido a forma que o Vila tem encontrado para responder às crises econômica e de público. "Invertemos esta lógica que tem tornado os artistas dependentes dos editais e patrocinadores. Nosso trabalho é o investimento e o produto gerado é que vai  nos dar o retorno financeiro. Estamos buscando meios de tornar isso tudo sustentável", comenta Marcio Meirelles, diretor artístico do Vila. As produções têm tido como motor a universidade LIVRE de teatro vila velha, programa de formação de atores criado em 2013 que vem proporcionando aos participantes experiências dentro e fora do palco.

"A História dos Ursos Pandas" narra uma história de amor entre dois desconhecidos. Foto: Marcio Meirelles


Espetáculos

Três das peças apresentadas pelo Projeto Matéi proporcionam uma relação mais próxima entre o público e o palco, através de um contato quase físico com os atores, olho a olho. São os espetáculos Fronteiras, Agorafobias e Deserto, que juntos formam a trilogia Cuidado com as velhinhas carentes e solitárias, e apresentam-se às quartas, quintas e sextas-feiras, respectivamente, sempre às 20h.  

A peça A história dos ursos pandas, que fica em cartaz aos sábados, às 20h, é a segunda montagem do texto feita por Meirelles. A primeira estreou em Portugal, em março deste ano, no Teatro Viriato, Viseu, como parte do projeto K-Cena. Agora com atores do Teatro Vila Velha, a peça, que narra uma inesperada relação de amor, ganha uma nova dimensão.

Fazer As Palavras de Jó como ator foi uma provocação feita ao diretor Marcio Meirelles pelo próprio autor da peça. No texto, Jó encontra-se com as suas palavras após sofrer violentas consequências por não desistir de acreditar no ser humano. "Quando li pela primeira vez, entendi o que Matéi quis dizer quando me entregou o texto e disse 'você tem que fazer esta peça'", comenta Meirelles, que se arrisca no trabalho de ator ao mesmo tempo em que se alterna nos ensaios dos outros quatro espetáculos. Assim como o monólogo, que fica em cartaz aos domingos, às 19h, as demais peças abusam de imagens e metáforas, marcas de Matéi Visniec, para provocar no espectador uma série de reflexões sobre a condição humana, como o sentido da vida e da morte, o valor das coisas e das pessoas e a tensão entre indivíduo e sociedade.

Matéi Visniec e Marcio Meirelles no Teatro Vila Velha, em 2013. Foto: Kau Rocha


Encontro

O encontro entre os dois artistas aconteceu em 2013, quando Marcio Meirelles decidiu montar a peça Espelho para Cegos, a partir do livro "Teatro Decomposto ou O Homem-Lixo", de Matéi Visniec. Em dois anos, a parceria rendeu outros três espetáculos produzidos pelo Teatro Vila Velha - Por que Hécuba, O Último Godot e A Mulher como Campo de Batalha, todos assistidos e elogiados pelo autor. "Marcio Meirelles é um grande artista e professor. Concordo plenamente com a sua abordagem e acredito, como ele, que o teatro pode ser um meio de educação popular, uma terapia social, uma forma de entender o mundo, a complexidade da alma humana, as contradições da sociedade e também a nossa personalidade", comentou Visniec em entrevista.

Há cerca de dois anos, desde que a editora É Realizações editou no país, de uma única vez, mais de 20 textos teatrais de Visniec, o autor tem chamado a atenção do público e, especialmente, dos encenadores brasileiros. Em 2014, no Festival de Curitiba (uma das maiores vitrines do teatro nacional), além de Espelho para Cegos, de Marcio Meirelles, era apresentada 2x Matéi, peça dirigida por Gilberto Gawronski. Em São Paulo, no mesmo ano, estreava História do Comunismo Contada aos Doentes Mentais, com direção de Miguel Hernandez e André Abujamra, e, mais tarde, foi a vez da atriz Regina Duarte apostar na sua segunda direção com A Volta para Casa, outro texto de Visniec. Em 2015, o grupo paulista Barulhentos estreou ainda, sob direção de Rodrigo Spina, Aqui Estamos Com Milhares de Cães Vindos do Mar, peça que reúne fragmentos de peças do autor.
"Agorafobias" é uma das peças da trilogia Cuidado com as Velhinhas Carentes e Solitárias. Foto: Marcio Meirelles


O Projeto Matéi, além do encenador Marcio Meirelles, conta com a colaboração de um coletivo de artistas: João Meirelles, Pedro Amorim, Ridson Reis, Caio Terra e Marcelo Jardim em música; Rejane Maia, Anita Bueno, Janahina Cavalcanti, Marcelo Galvão, Leno Sacramento e Jonatas Raine em movimento; Bertho Filho em preparação do ator e Lia Cunha em arte visual.

FRONTEIRAS
estreia: 8 de julho
temporada: quartas-feiras de julho e agosto, 20h, no teatro vila velha | R$ 30 e 15



AGORAFOBIAS
estreia: 9 de julho
temporada: quintas-feiras de julho e agosto, 20h, no teatro vila velha | R$ 30 e 15


DESERTO
estreia: 10 de julho
sextas-feiras de julho e agosto, 20h, no teatro vila velha | R$ 30 e 15


A HISTÓRIA DOS URSOS PANDAS
estreia: 11 de julho
temporada: sábados de julho e agosto, 20h, no teatro vila velha | R$ 30 e 15


AS PALAVRAS DE JÓ
estreia 12 de julho
temporada: domingos de julho e agosto, 19h, no teatro vila velha | R$ 40 e 20


Conheça as sinopses e compre seu ingressos online em www.teatrovilavelha.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário