segunda-feira, 9 de junho de 2014

Inaugurado o Cine Vila!

Foi inaugurado o cineclube do Teatro Vila Velha! O Cine Vila é um desejo antigo do teatro, concretizado a partir da Oficina de Audiovisual da LIVRE, coordenada por Maise Xavier, e motivado por uma provocação da 3a Bienal da Bahia. A inauguração do Cine Vila, na última quinta-feira, foi também o passo inicial do Cinema Yemanjá, rede de cineclubes de todo o estado formada pela Bienal.

Durante a inauguração, o diretor artístico do Teatro Vila Velha, Marcio Meirelles, ressaltou a importância do projeto: "Este é um momento histórico para o Teatro Vila Velha e para a cidade". A partir deste mês, Salvador ganha mais um espaço para assistir e discutir cinema.


O primeiro filme exibido pelo Cine Vila foi Rocha que Voa, de Eryk Rocha, documentário que retrata o cineasta Glauber Rocha durante o seu exílio em Cuba. Na fala de abertura, Meirelles também  destacou a relação de Glauber com o Teatro Vila Velha, desde a participação do ator Othon Bastos, membro da Companhia Teatro dos Novos, que fundou o Vila, no clássico Deus e o Diabo na Terra do Sol. 



Reza a lenda que Glauber, ao assistir a uma leitura dramática feita pela Companhia Teatro dos Novos teria se impressionado com o estilo Bertold Brecht e mudado completamente a dramaturgia em Deus do Diabo na Terra do Sol. 

Abrir o Cine Vila com um filme sobre Glauber Rocha também dialoga com os 50 anos do Teatro Vila Velha, que vão ser comemorados, em 31 de julho, com a estreia de Jango, único texto para teatro escrito por Glauber. O espetáculo, encenado por Marcio Meirelles, aborda o exílio de Jango, logo após ser deposto pelo Golpe Militar.

Em seguida, foi projetado o curta Toda a memória do mundo, de Alan Resnais, filmado dentro da Biblioteca Nacional Francesa, que faz uma reflexão sobre a memória, o registro, o passado e o legado da civilização.

Nenhum comentário:

Postar um comentário