quarta-feira, 30 de novembro de 2005

Última semana de Cabaré da RRRRRaça

Bando de Teatro Olodum fecha temporada comemorativa pelos seus 15 anos de atividades


O Bando de Teatro Olodum encerra a temporada de seu espetáculo Cabaré da RRRRRaça neste fim-de-semana (do dia 02 ao dia 04 de dezembro), com sessões sexta e sábado, às 21h; domingo, às 20h. As apresentações da peça festejaram os 15 anos de atividades do grupo baiano que tem 26 peças em sua trajetória, a maioria construída a partir de textos inéditos. Os ingressos custam R$14 (inteira) e R$7 (meia-entrada).

Para essa temporada comemorativa, o Bando recebeu, a cada espetáculo, um convidado. Já que Cabaré da RRRRRaça é um musical, dividiram palco com o grupo músicos conhecidos da cena baiana. Assim, artistas como Lazzo, Virgínia Rodrigues e Aloísio Menezes, dentre outros, participaram da peça. Para a última semana de apresentações, estão agendadas as presenças de Serginho, cantor da banda Adão Negro (sexta-feira) e Guiguiu, um dos vocalistas do Ilê Aiyê (domingo).



O Bando de Teatro Olodum acaba de fazer duas apresentações muito elogiadas no 3º Festival Internacional de Arte Negra, em Belo Horizonte. O grupo foi convidado para abrir o festival (dia 22, em sessão só para convidados) e fazer uma apresentação dentro da programação do evento (dia 23, aberta ao público, com entrada franca).


O Bando de Teatro Olodum também fará uma apresentação no 33º Festival de Arte de São Cristóvão, em Sergipe, dia 09 de dezembro (uma sexta-feira). Todo esse interesse demonstrado pelos festivais de diversas partes do país pelo trabalho do Bando só vem comprovar o quanto esse grupo é conhecido e respeitado em todo o Brasil.

terça-feira, 29 de novembro de 2005

Reconhecidos
Saiu dia 09 de novembro, no edital da Secretaria de programas e projetos culturais, o reconhecimento do Vila como Ponto de Cultura. E o que é o Ponto de Cultura? É mais ou menos assim: o Programa Cultura Viva, lançado pelo Ministério da Cultura, pretende desenvolver uma rede de criação e gestão cultural onde os Pontos Culturais funcionem como disseminadores de conhecimento, estimulem a criação e a participação de mais pessoas entre diferentes formas de representações artísticas. Estes Pontos serão mediadores entre o Governo e a sociedade civil (em relação à produção de arte!), assim, ao invés de determinar ações, que até então quase sempre eram desconectadas da realidade local, o Governo faz desses pontos, grandes olhos e ouvidos do rei, para ajudarem a orientar as ações federais para o desenvolvimento da Cultura.

O Vila, se você for parar para ver, faz tudo o que um ponto de cultura faz: Sedia e promove debates (FALA VILAs diversos), tem projetos de formação de platéia (TOMALADACÁ e outras iniciativas paralelas), formação de artistas (Oficinas Vila Verão - inscrições abertas!), abre espaço para novos grupos e espetáculos (O Que Cabe Neste Palco - inscrições abertas para 2006 também!) e mantém seis grupos trabalhando com pesquisa e desenvolvimento das artes cênicas. Entre uma coisa e outra, expomos trabalhos de jovens artistas, temos uma biblioteca terminando de ser organizada, projetos de intercâmbio com o interior (Mostra de Cabo a Rabo de 7 a 11 de dezembro, com oficinas, teatro, dança, poesia, exposição de máscaras e bonecos!), intercâmbio internacional com os países da Cena Lusófona, um núcleo de figurinos, parceria com a Escola de Música da UFBA no fomento da música contemporânea, mantém estagiários em diversas áreas, de equipe técnica à dança...

Isso, por enquanto é o que dá certo. Tivemos, temos e teremos mais idéias, as vezes falta gente, as vezes falta espaço ou tempo. Mas agora é certo, carimbado e reconhecido: O Vila é um ponto de cultura.
MEMÓRIA DO MOVIMENTO ESTUDANTIL

Pouca gente de ve lembrar, mas o Vila Velha teve uma marcante participação na história do movimento estudantil na Bahia durante a ditadura. Aqui, quando esta casa funcionava sob o comando da Companhia Teatro dos Novos, secundaristas e universitários congregaram, discutiram, planejaram no Vila. Pouca gente deve lembrar. Muitos dos estudantes que compõem o movimento estudantil de hoje, sequer devem saber.

Organizar, armazenar e difundir a história de um movimento como esse não é tarefa fácil. Ninguém (ou quase ninguém) permanece na condição de estudante por tanto tempo, por isso mesmo, seu caráter extremamente mutante. Há os fatos tristes que todo mundo conhece, como a morte de Edson Luís, as vitórias recentes como a "revolta do buzu" em Salvador e Florianópolis, mobilizações nacionais como os "caras-pintadas" em 1992, tropeços e momentos de desorganização também, mais polêmicos, e talvez por isso mesmo valha mais à pena pontuar, sem exemplificar.

Fato é que os estudantes, ora mais, ora menos, ora vanguarda, ora eco, também sacodem as estruturas desse país. Por isso, no dia 05 de Dezembro de 2005, uma segunda-feira, às 19h, acontecerá o Memória do Movimento Estudantil, uma iniciativa da União Nacional dos Estudantes (UNE), Museu da República, TV Globo e Fundação Roberto Marinho, com o patrocínio da Petrobras e benefício da Lei de Incentivo à Cultura, visa reunir, organizar, preservar e divulgar documentos relacionados com a participação dos estudantes na política nacional. Através de uma ampla pesquisa em acervos públicos e privados, do resgate dos principais documentos deste movimento e do registro de depoimentos de personagens importantes, o projeto pretende recuperar uma parte essencial da memória política brasileira, disponibilizando as informações e também incentivando o conhecimento desta história. Todo esse acervo será doado ou emprestado à União Nacional dos Estudantes.

terça-feira, 22 de novembro de 2005

PERFIL


Nome: Elaine Adorno
Codinome: Lanlan ou Pezão
Função: Atriz, monitora e outras funções eventuais da equipe dos Novos Novos
Tempo de Vila: Coisa de 5 anos.
Quantas vezes assistiu a Cabaré da RRRRRaça: Algumas vezes... Que o juizado não saiba disso.
Gostamos dela porque: Ela é FOFA!
Dá raiva dela quando: Er... Não consta no cadastro.
O que dizem sobre ela:
"Ela é uma pessoa muito responsável, uma atriz talentosa, disposta!" (Marísia Motta)
"Ela é uma pessoa que não gosta de mostrar os sentimentos. Ela é muito séria" (Jamile Menezes)
"Elaine? pegajoooosa, todo dia é um negócio de cadê meu beijo?" (Débora Landim)

Citação: "Ai, esse filó nessa gola tá me coçaaaando..."

quarta-feira, 16 de novembro de 2005

Rio de ContasA Companhia Viladança colocou o pé na estrada e iniciou uma viagem por três cidades da Chapada Diamantina e sertão baiano com o patrocínio do Banco do Nordeste e apoio da Fundação Cultural do Estado da Bahia. O projeto beneficiou as cidades de Jequié, Rio de Contas e Livramento de Nossa Senhora, onde houve apresentações do musical infanto-juvenil Da Ponta da Língua à Ponta do Pé, da coreógrafa Cristina Castro. Além de descobrirem a história da dança com a peça, pessoas das mais variadas faixas etárias puderam participar de oficinas gratuitas de origami, teatro, dança e fotografia artesanal.



Rio de Contas de novoA primeira cidade, Rio de Contas, recebeu a Companhia com muito carinho. O espetáculo foi um sucesso - boa parte do público compareceu mais de uma vez e já sabia o texto de cor! Foram quatro apresentações, com média de público de 200 pessoas por dia, o suficiente para lotar o teatro São Carlos, um dos mais antigos da Bahia. Aliás, foi um verdadeiro desafio para o Viladança adaptar o musical para um palco inclinado e com apenas três metros de largura! Outro problema foi a caixa de som, que era única, dificultando o retorno para os atores. De qualquer forma, não foi nada tão grave que o Viladança não solucionasse, proporcionando aos espectadores muito encanto e emoção.


Livramento

Em Livramento, os bailarinos se emocionaram com a sua primeira apresentação em praça pública. Também, pudera: cerca de duas mil pessoas compareceram! Com certeza, um número raro para espetáculos de dança na Bahia.

Já na cidade de Jequié, as três apresentações foram fechadas: uma para escola pública e duas para escola particular.





Livramento de novo!Nas três cidades, as oficinas foram recebidas de forma calorosa pelo povo. Crianças, adolescentes e adultos fizeram parte dos cursos e receberam certificados de participação. No total foram 731 alunos contemplados.

Apesar do trabalho intenso, a Companhia afirma estar com as "baterias recarregadas". Segundo Danilo Bracchi, um dos dançarinos, "começar a trilogia por Rio de Contas nos deu mais energia e fez pensar em tudo: vida, companhia, o que somos... Por isso a foto pensadores [abaixo]."



...pensando... em Rio de Contas!

segunda-feira, 14 de novembro de 2005

SEMINÁRIOS - ÁFRICA

Seminário África chega à sua segunda semana e analisa (dia 16 de novembro) as contribuições do povo africano para a construção dos referenciais brasileiros

Depois de ter sua plenária lotada na primeira semana, quando abordou a história e a geopolítica da África, o seminário que faz parte das comemorações pelos 15 anos de atividades do Bando de Teatro Olodum realiza seu segundo encontro nesta quarta-feira (dia 16 de novembro). Desta feita, o tema em pauta é: Culturas africanas que contribuíram para a formação da identidade brasileira. As exposições começam às 19h, no Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha (Passeio Público), com entrada franca.

Farão parte da mesa Luiz Nicolau Pares (Departamento de Antropologia da Ufba) e Vilson Caetano (Departamento de Antropologia das Faculdades Integradas da Bahia). Após suas exposições, os participantes poderão fazer perguntas à mesa, abrindo o debate.

Mais do que apenas um grupo de artes cênicas, o Bando de Teatro Olodum vem, nesses 15 anos de atividades, mostrando-se como um importante organizador de debates a respeito da arte contemporânea e também de questões relacionadas à afro-descendência. Recentemente, organizou na Bahia o I Fórum Nacional de Performance Negra, que trouxe a Salvador coordenadores de grupos de dança e teatro de todo o Brasil, além de personalidades como Abdias Nascimento (ex-senador, ator, diretor, dramaturgo e ativista das causas afro-descendentes). Isso dentre várias outras atividades.

O Seminário África tem encerramento dia 28 de novembro com exposição e debate sobre o polêmico tema Escravidão. Farão parte da mesa Goli Guerreiro (Coordenadora do Programa Humanidades das Faculdades Jorge Amado) e Ubiratan Castro de Araújo (Presidente da Fundação Cultural Palmares).

ÁFRICA
BANDO DE TEATRO OLODUM
TEMA : Culturas africanas que contribuíram para a formação da identidade brasileira
LOCAL : Teatro Vila Velha (Cabaré dos Novos)
QUANDO : Quarta-feira (16 de novembro), às 19h
FORMAÇÃO DA MESA:
Luiz Nicolau Parés
- Departamento de Antropologia / UFBA Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos/CEAO
Vilson Caetano - Departamento de Antropologia das Faculdades Integradas da Bahia - FIB

sexta-feira, 11 de novembro de 2005

ÓIA! ÓIA! ATENÇÃO, ATENÇÃO!
Conferência Municipal de Cultura de Salvador

A Fundação Gregório de Mattos irá promover entre os dias 22 e 26 de novembro, a I Conferência Municipal de Cultura de Salvador, que irá discutir aspectos da vida cultural soteropolitana, propostas de políticas públicas e eleger delegados para a Conferência Estadual que será realizada no dia 28 sob a responsabilidade do Governo do Estado. Nesta conferência, por sua vez, recebendo delegados e propostas tiradas em conferências realizadas em outras cidades baianas, levará propostas e delegados para a Conferência Nacional de Cultura, dias 13 a 16 em Brasília.

A Conferência Municipal de Cultura de Salvador vai acontecer no Teatro Gregório de Mattos dias 22 e 24 (encontro preparatório), na Câmara Municipal dia 23 (abertura da Conferência), no PAF, em Ondina, dia 25 (discussão temática) e encerrando na Reitoria da Ufba dia 26 com a sistematização das propostas e a tirada de delegados. As inscrições serão feitas por fax (3322-1495), e-mail (gapre@salvador.ba.gov.br) ou na sede da FGM ? rua Chile 31.

PROGRAMAÇÃO:
22 (terça-feira), manhã - Teatro Gregório de Mattos - grupos de discussões: equipamentos culturais; leis de incentivo fiscal.

23 (quarta-feira), 18h - Câmara Municipal de Salvador - Abertura da Conferência.

24 (quinta-feira), manhã - Teatro Gregório de Mattos - discussão: conselho municipal de cultura.

25 (sexta-feira), manhã e tarde - PAF (Ondina) - Conferência Municipal de Cultura: Gestão pública da cultura; direitos e cidadania; economia da cultura; patrimônio cultural.

26 (sábado), 17h - Reitoria da Ufba - definição das propostas e eleição de delegados à Conferência Estadual de Cultura.

Kuka Matos que passou o e-mail pra gente. Tá dado o recado.

quarta-feira, 9 de novembro de 2005

c.o.r.r.e.s.p.o.n.d.ê.n.c.i.a.

O Vila está de parabéns! Pois a cada dia consegue trazer mais gente pra vossa casa. A preço bastante em conta atrai todas as classes sociais, dando oportunidade a estas de adquirir um hábito que é tão caro.
Bárbara Anjos

terça-feira, 8 de novembro de 2005

BANDO PROMOVE PALESTRAS SOBRE A ÁFRICA

O Bando de Teatro Olodum comemora os 15 anos de luta para existir no cenário teatral baiano somando à temporada de seu espetáculo Cabaré da RRRRaça uma série de debates que dão a largada para a montagem de mais um espetáculo: o infanto-juvenil África. Cabaré da RRRRaça fica em cartaz até 04 de dezembro, com apresentações no Teatro Vila Velha de quinta a sábado, às 21h, e domingos, às 20h. Ingressos a R$14 (inteira) e R$7 (meia-entrada). Já o Seminário começa nessa quarta-feira, dia 09 de novembro, e é uma promoção conjunta do Teatro Vila Velha, da Faculdade de Comunicação da Ufba e da Cult (Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura).

O Seminário África tem entrada franca aos interessados e sua abertura terá debates sobre o tema História e geopolítica (Panorama geral), na quarta-feira, a partir das 19h. Farão exposições o Coordenador do Curso de Língua e Civilização Yorubá do CEAO, Félix Ayoh´Omidire, e o professor Valdemir Donizete Zamparone, do Departamento de História da Ufba.
Nos dias 16 e 28 de novembro o seminário continua, abordando, respectivamente, os temas: Culturas Africanas (Que contribuíram para a formação da identidade brasileira) e Escravidão (E a formação da Diáspora) ? vide programação.

Mais do que apenas um grupo de teatro, o Bando de Teatro Olodum vem, nesses 15 anos de atividades, mostrando-se como um importante organizador de debates a respeito da arte contemporânea e também de questões relacionadas à afro-descendência. Recentemente, organizou na Bahia o I Fórum Nacional de Performance Negra, que trouxe a Salvador organizadores de grupos de dança e teatro de todo o Brasil, além de personalidades como Abdias Nascimento (ex-senador, ator, diretor, dramaturgo e ativista das causas afro-descendentes).

Mesmo diante de tantas realizações, o Bando de Teatro Olodum tem seus 15 anos destacados de forma menor pela imprensa local, que até agora não se dignou a fazer uma matéria sequer que promova um balanço das atividades desse grupo. Talvez o Seminário África seja um gancho jornalístico que possa dar à essa imprensa a chance de rever o modo que vem tratando a passagem de data tão significativa para o teatro e para as causas afro-descendentes da Bahia e do Brasil.

PROGRAMAÇÃO

Á F R I C A

LOCAL - Teatro Vila Velha HORÁRIO - 19 horas

09/Novembro - HISTÓRIA E GEOPOLÍTICA (quarta-feira) (PANORAMA GERAL)
Félix Ayoh?Omidire Universidade de Ilê-Ifer/Nigéria, Coord. Curso Língua e Civilização Yorubá do CEAO
Valdemir Zamparone Departamento de História/ UFBA Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos/CEAO

16/Novembro - CULTURAS AFRICANAS (quarta-feira) (QUE CONTRIBUÍRAM PARA A FORMAÇÃO DA IDENTIDADE BRASILEIRA)
Luiz Nicolau Parés Departamento de Antropologia / UFBA Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos/CEAO
Vilson Caetano Departamento de Antropologia das Faculdades Integradas da Bahia - FIB

28/Novembro - ESCRAVIDÃO (segunda-feira) (E A FORMAÇÃO DA DIÁSPORA)
Goli Guerreiro Coordenadora do Programa Humanidades das Faculdades Jorge Amado
Ubiratan Castro de Araújo Presidente da Fundação Cultural Palmares Departamento de História/ UFBA

COORDENAÇÃO
Vanda Machado (CULT)
Ângela M. De Andrade (Teatro Vila Velha)

PERFIL



Nome: Jorge Washington
Codinome: Pinóquio, Rastotário, Tio...
Função: Ator, produtor e garoto-propaganda do Bando de Teatro Olodum
Tempo de Vila: 11 anos, mais ou menos.
Quantas vezes assistiu a Cabaré da RRRRRaça: Nunca foi substituído, logo, nunca pôde assistir.
Gostamos dele porque: É o churrasqueiro oficial do Bando
Dá raiva dele quando: Quando ele começa a contar um monte de mentira, e quer bater nos outro quando é desmentido.
O que dizem sobre ele:
"É difícil, né? Jorge é um fenômeno. É um fenômeno da natureza..." (Jarbas Bittencourt)
"Quando crescer, eu quero ser igual a ele." (Fábio "do Bando")
"Um grande amigo!" (Chica)

Citação
"Porra, bicho, tá tudo errado! Não é assim, não é assim!"

segunda-feira, 7 de novembro de 2005

c.o.r.r.e.s.p.o.n.d.ê.n.c.i.a.

Olá Vila
Vocês estão arrasando e de parabéns com a programação deste ano. O aniversário do Vila, A Bruxa e agora o Cabaré da RRRRaça.Fui assistir o bando no último sábado e achei maravilhoso o novo visual. As roupas, a maquiagem, os penteados e como já era de se esperar a interpretação do grupo, enfim, a performance não está 10, está 15.E, complementando a resposta à pergunta de Jorge Washington:- o negro é bom em tudo, porque o negro.......É LINDOOOO!!!!!
Beijos para o bando e parabéns pelos 15 anos.
Graça
Valeu Gal!

terça-feira, 1 de novembro de 2005

15 anos de Bando com festa em grande estilo!

Com 15 anos de atitude, o Bando bota e não tem quem tire. 15 anos de uma carreira sólida, demolindo as barreiras do preconceito racial, correndo Brasil e correndo mundo para dar voz à população negra e à arte popular. E tira onda, com a bem sucedida polêmica dirigida por Marcio Meirelles em Cabaré da RRRRRAÇA, que entra em cena com uma nova cara, no Mês da Consciência Negra, cheio de convidados especiais e novos trajes brancos do figurino, com as assinaturas de Soudam & Kaveski, Wládia Góes (220 Voltz), Márcia Ganem, Luciano Cruz, Rodney, Eddie Savat (Senzala), da dupla Iuri Sarmento e Eduardo Rosa (Artemisa), entre outros estilistas que gentilmente cederam peças para a montagem.

Ainda em novembro, o Bando coordena também o debate sobre o continente africano, numa série do Fala Vila que irá enriquecer a pesquisa para a montagem do infanto-juvenil África no ano que vem. Já em dezembro, o grupo organiza outro Fala Vila para tratar do Processo Marighella, espetáculo adulto que ficou adiado para o final de 2006.

Além de figurino, cenário e trilha sonora também trazem novidades, Jarbas andou aprotando algumas novidades para o sempre renovado Cabaré da RRRRRaça. Os convidados que farão participações especiais neste fim de semana serão: Lazzo, no domingo, Aloísio Menezes, no sábado e a grande estréia desta sexta, dia 04 conta com a explosiva participação do Ilê Ayiê.
15 anos! Viva o Bando! Viva Cabaré!