terça-feira, 22 de março de 2016

Espetáculo Compadre de Ogum celebra aniversário de Salvador no Teatro Vila Velha

Montagem foi um dos destaques do teatro baiano em 2014, rendendo a Edvard Passos o Prêmio Braskem de Teatro de melhor direção, além de outras cinco indicações
 

 Compadre de Ogum - Foto Lorena Venturini

O público soteropolitano terá a chance de rever uma das pessoas de maior sucesso do teatro baiano nos últimos dois anos. Adaptação da obra de Jorge Amado assinada por Edvard Passos, Compadre de Ogum apresenta-se no dia 29 de março, terça, 20h, no Teatro Vila Velha, celebrando o aniversário da cidade de Salvador, assim como aconteceu na sua estreia, em 2014, e reestreia, em 2015. Uma segunda apresentação acontece no dia 5 de abril, terça-feira seguinte, também às 20h.

A obra, que já ganhou versão na televisão, em 1994, narra a história do biscateiro Massu das Sete Portas: um homem negro que, com a ajuda de amigos, organiza o batizado na igreja de seu filhinho “galego". Até aí seria pouca novidade se o padrinho da criança não fosse Ogum, que anuncia o batizado dentro da igreja católica. Convivência de credos, diversidade étnica em Salvador e o valor da amizade verdadeira são elementos que permeiam a divertida trama.

A encenação está a serviço do eixo principal do trabalho original, difere apenas em alguns pontos por conta das estratégias da dramaturgia, criadas pelo diretor para aproximar o espectador. A historia se passa em 1950 e foi preciso criar portais que conectem o tempo da trama ao tempo presente. Outras diferenças nasceram da adequação à melhor performance do elenco, como a criação de novos personagens.

“O elenco é um tesouro dessa montagem. Pedras preciosas garimpadas com todo empenho. O teatro que eu faço é um teatro de atores. Quando escolho um elenco levo em consideração a qualidade da resposta em cena. a adequação do perfil e a ética”, diz Edvard Passos. Segundo o próprio elenco, a Aláfia Cia de Teatro de Salvador surgiu da necessidade do grupo estar junto e mostrar o seu melhor, surgiu também do ótimo clima entre os atores.

O espetáculo tem elenco composto por artistas já consagrados do teatro baiano como Diogo Lopes Filho (A Bofetada, As Noviças Rebeldes, Vixe Maria: Deus e o Diabo na Bahia) e Zé Carlos Junior (Volpone, Os Iks, Vixe Maria: Deus e o Diabo na Bahia), por representantes da nova geração de talentos como Alan Miranda (+1 Filmes), Danilo Cairo (Amnésis), Luisa Muricy (Outra

Tempestade), Leandro Villa (Amor Barato), Amós Heber (Ó Paí Ó), Everton Machado (Barrela), Thais Laila (Aventuras do Maluco Beleza) e revelações do Curso Livre de Teatro 2013: Felipe Tanure, Thiago Almasy, Manu Moraes Sulivã Bispo, indicado ao Prêmio Braskem de Ator Revelação pelo trabalho neste espetáculo.

A técnica conta com nomes de peso como os premiados Luciano Bahia (diretor musical), Zuarte Júnior (figurinos), Allisson de Sá (iluminador), Nildinha Fonseca (coreógrafa).

O Teatro Vila Velha é gerido pela Sol Movimento da Cena e conta com o apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia através do Fundo de Cultura.

Serviço:

Compadre de Ogum
Datas: 29 de março e 05 de abril, terças, 20h
Valores: R$30 (inteira) e R$15 (meia)
Local: Teatro Vila Velha
Venda de Ingressos na bilheteria do teatro (segunda a sexta, 15h às 18h, nos finais de semana a partir de 2h antes do início do espetáculo) ou pelo site www.compreingressos.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário