segunda-feira, 4 de outubro de 2010

O Vila amanheceu triste hoje: Haydil Linhares faleceu

A atriz e dramaturga Haydil Linhares faleceu na manhã de ontem (03/10), vítima de falência múltipla dos órgãos. Aos 75 anos (destes, 46 de palco), a atriz fez parte da geração de atores que conviveu com a discriminação da profissão, resistindo aos preconceitos e ganhando destaque nos palcos graças ao seu talento e teatralidade. Como atriz, trabalhou com grandes diretores baianos e tem grande importância na história do Teatro Vila Velha: Stopen Stopen!, seu primeiro espetáculo, foi dirigido por João Augusto e montado pela Companhia Teatro dos Novos, grupo que fundou o Vila em 1964.

Haydil também fez trabalhos orientados por Deolindo Checcucci, Márcio Meirelles, Edwald Hackler, entre outros e participou de diversas peças, filmes e novelas da Globo. Como dramaturga, escreveu, algumas peças como Função de um Casamento, Ida e Volta e O Pique dos Índios ou a Espingarda de Caramuru, esta última, adaptada pela A Outra Companhia de Teatro, aqui do Vila, em 2008.

Segundo Vinício de Oliveira, coordenador geral do Teatro Vila Velha, o registro do espetáculo era uma vontade de contribuir para divulgar os artistas como Haydil que trabalharam e construíram o cenário artístico cultural da Bahia. "Foi o teatro que deu o primeiro passo para a construção dos nossos discursos e nossa formação. E juntamente com nomes como o de Haydil Linhares, muitos outros que ajudaram a construir o nosso cenário e que ainda hoje se mantêm trabalhando, formando e influenciando profissionais. O teatro baiano está de luto em reconhecimento ao talento, à qualidade de interpretação e teatralidade de Haydil. Esperamos que ela continue a ser conhecida como referêncial e experiências concretas de exemplo para as gerações futuras", afirma.

O jornalista baiano Marcus Uzel a classifica como a primeira dama do teatro de cordel, porque atravessou quatro décadas interpretando com alegria personagens expressivos, em sua maioria marcados pela comicidade e com um forte vínculo com a cultura popular. É com essa alegria que sempre lembraremos de Haydil Linhares.


Outro espetáculo que contou com apoio de textos de Haydil foi Oxente, Cordel de Novo?, do Bando de Teatro Olodum, em 2003. Dirigido por Márcio Meirelles, o espetáculo homenageia os artistas que o diretor admirou nas montagens originais de João Augusto, em dez peças de cordel divididas em três programas distintos com textos de diversos autores. A participação da veterana interpréte se deu com o texto Função de um Casamento.

O sepultamento de Haydil Linhares aconteceu hoje (04/10) pela manhã no cemitério Jardim da Saudade.

Um comentário:

  1. Fui aluna de Haydil durante 1 ano no Xisto e após o término do curso criamos um vinculo muito forte,uma amizade,um carinho,um..um..sentimento tão sincero,de convivência..ela foi uma pessoa maravilhosa em minha vida,influenciando tanto na minha formação de caráter como profissional..
    Tenho sentido uma saudade muito grande dela..muita mesmo...sempre me deparo com algo que me faça lembrar dela,é impossivel esquece-la. Só sei, que ela agora é uma nova estrela que brilhará no céu.



    - NARCISA OLIVEIRA

    ResponderExcluir