quarta-feira, 29 de abril de 2009

Dia D - de Dança!

"O futuro da Dança está entre aqueles que não dançam"
Alkis Raftis, presidente do CID

29 de abril:
DIA INTERNACIONAL DA DANÇA


Foi o Conselho Internacional de Dança (CID) - organização interna da UNESCO para todos tipos de dança - que proclamou esta data em 1982. Nesse dia nasceu Jean-Georges Noverre (1727-1810), o criador do balé moderno [wikipedia].

A existência de uma dia voltado para a Dança cria uma visibilidade que é importante para a linguagem, sobretudo pelo descaso com que ela é tratada em todo o mundo. A negligência com a Dança, a história da "prima pobre das artes" acontece em todo planeta.

Por quê a Dança não é matéria obrigatória nas escolas?

Não é para, simplesmente, ensinar passinhos. É conhecimento sobre si mesmo, sobre seu próprio corpo, limites e possibilidades. É Educação.

Eu indico o vídeo "As Escolas Matam a Criatividade?" como proposta de reflexão sobre isso (são duas partes, com 20 minutos ao todo - que valem muito a pena). [Clique nos links para ver: Parte 1, Parte 2]

É preciso fomentar o estabelecimento pleno da Dança, evidenciá-la socialmente para que se possa PERCEBER sua presença constante no cotidiano.

O povo gosta: assiste à bailarina do programa de televisão, da banda de pagode, da banda de forró, entra na academia, faz dança de salão, coloca a filha para fazer balé, vibra com a ginástica rítmica, deslumbra-se no circo, acha linda a capoeira, surpreende-se com o break e... e o palco? O palco PODE acontecer em qualquer lugar. A Dança PODE estar em tudo, desde que haja respeito: à linguagem, aos diversos formatos, aos profissionais, criadores, produtores, articuladores, bailarinos, pesquisadores - artistas que mantêm a chama acessa e alimentam toda a cadeia de produção de Dança; artistas que precisam ser vistos e aplaudidos.

O Dia Internacional vem colocar a Dança em foco. Segundo Alkis Raftis, presidente do CID, "Em mais da metade dos 200 países no mundo, a dança não aparece em textos legais, nem há fundos no orçamento do Estado alocados para o apoio a este tipo de arte. Não há educação da dança, seja ela privada ou pública".

A sugestão é que, independente do dia, os simpatizantes da causa proponham a seus pares e viabilizem - sozinhos ou em conjunto - a saudável ocupação das ruas, palcos, escolas, muros, jornais, rádios, tvs, blogs, youtube, fotologs, comunidades virtuais, twitter, aulas de redação e tantos outros lugares com a Dança de forma CONSCIENTE.

E deixem as crianças dançarem!
(inclusive aquela que mora em você!)

só não dança quem não quer...

VIVADANÇA!

Nenhum comentário:

Postar um comentário