sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

A "opaização" da Bahia

Fevereiro 19, 2009 - do blog terreirodeyesu

Fabiano Xavier, Diretor de Projeto do Terreiro, faz uma discussão muito interessante em seu Blog (www.myspace.com/fabianoxavier) e eu puxo a sardinha pra e continuo…

É engraçada mesmo a tal da "opaização"… E se perde mesmo em significado preciso de quem lançou o termo… porque é óbvia a vontade de atingir a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia… Busco olhar de longe o Terreiro e não vejo opaização (aquilo que entendo por)… até vejo um texto carregado de mensagens, mas acho natural face à proposta mesmo. Teria de ser diferente numa sala fechada, com certeza.

Mas, vamos olhar pra esse conceito… porque tem outra coisa bem interessante de ser analisada… Se existe essa opaização, esse misto de linguagem, visão de mundo e sociedade específica… Isso reside em quê? No tom político, no grupo social que é focalizado? A 'peça origem' é uma coisa, o filme é outra e a série da Globo outra ainda… Não dá pra dizer que é tudo igual porque não é… Mas da mesma maneira que Jorge Amado focalizava mais de um grupo social, vários na relação… de uma determinada maneira, num momento histórico, surge na Globo essa outra visão, essa outra representação da Bahia…

Os caras são espertos… Há uma fase, longa, na ficção narrativa brasileira, de expor nossas misérias… Sinto que isso começou com Pixote, do Babenco… Cidade de Deus, Tropa de Elite e tantos outros filmes têm buscado esse tipo de, digamos, "narrativa denúncia"… Ó, paí, ó, traz tb a bandidagem, a marginalidade, mas ela vem regada com muito humor, mais leve, talvez até naturalizada (o que é um perigo)… e isso fez com que a Globo a aproveitasse na sua classificação para o horário nobre…

Eu fico pensando, mais do que o imaginário baiano, como esse novo universo baiano é digerido pelo Sul maravilha… Mas, não sinto que o Terreiro seja uma "opaização", a não ser que isso signifique "botar voz na boca de quem não tem voz"… Aí, pode ser, sim, e pra mim, o autor, sem problemas…



Sérgio Cerviño Rivero

Nenhum comentário:

Postar um comentário