quarta-feira, 13 de maio de 2009

Exposição de Carybé no MAM



Até o dia 31 de maio, o Museu de Arte Moderna da Bahia vai abrigar a exposição Carybé. A mostra homenageia o artista que escolheu a Bahia como sua terra e maior fonte de inspiração. Através de uma seleção especial, o público vai conferir mais de 200 obras que retratam a universalidade de temas e técnicas utilizadas pelo artista, incluindo uma série inédita e um quadro inacabado.

...

Nascido em Buenos Aires em 7 de fevereiro de 1911, Hector Julio Paride Bernabó decidiu conhecer a Bahia depois que leu o livro Jubiabá, de Jorge Amado. Queria saber se existia mesmo no estado o universo descrito no romance. Pintor, desenhista, ilustrador, gravador, pesquisador, escultor e muralista, entre tantas outras habilidades, desembarcou em Salvador pela primeira vez em agosto de 1938. Viveu na Itália, no Rio de Janeiro, viajou por países da América Latina, Europa e Oriente até escolher a Cidade da Bahia como sua morada definitiva, em 1950. Naturalizou-se brasileiro em 1957 e foi agraciado com o título de cidadão baiano. Ao lado dos amigos Jorge Amado e Pierre Verger, Carybé construiu com sua arte uma verdadeira crônica visual da Bahia, retratando com fidelidade as tradições, as crenças e costumes de um povo com herança multifacetada. Inspirado pela cultura afro-brasileira, focalizou os orixás e seus rituais. Os deuses africanos passaram a ocupar boa parte de sua produção, tendo galgado o elevado posto de Obá de Xangô no Ilê Axé Opô Afonjá, local inclusive de sua morte em 1º de outubro de 1997.

...

Carybé era (é) avô de Iara Colina, diretora e atriz integrante da Companhia Teatro dos Novos, aqui do Vila. Para a exposição, ela organizou uma trilha sonora (em parceria com Jarbas Bittencourt) e é responsável pela coordenação de um dos espaços, onde estão projetos feitos pelo artista para o Teatro - como figurinos e cenários.

É uma ótima oportunidade de conhecer o trabalho do artista, com um bom panorama de sua arte.

E, como diz Iara: "Vá logo porque o mês acaba rapidinho!"

2 comentários:

  1. Fui na abertura, mas não deu pra ver tudo. É muita coisa e a gente fica com vontade de ver com calma. Tava muito cheio. Vou voltar pra concluir, e rever o que mais gostei.

    É impressionante a riqueza do trabalho e a variedade das técnicas, sem que se percam a marca inconfundível e a qualidade que caracteriza o trabalho de Carybé.

    ResponderExcluir
  2. Iara Colina19/5/09 16:52

    Além da exposição em si, tá rolando uma programação paralela muito bacana lá no Museu, no Solar do Unhão.
    Na sexta, 22/05, às 09:30, vai acontecer uma mesa-redonda com esntrada livre.
    Filmes e vídeos sobre ele ou com a participação dele na ficha técnica, como 'O Cnagaceiro', de Lima Barreto.
    E também já começou a ROTA CARYBÉ, que é um passeio de van visitando murais que ele fez pela cidade. Eu vou no domingo.
    É só ligar pro 3117-6141 e agendar!

    ResponderExcluir