sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Vem aí a Lavagem do Vila!



Em fevereiro, o Teatro Vila Velha retoma uma tradição antiga com a realização da Lavagem do Vila. A partir das 11h do dia 8/2, o Vila recebe amigos, parceiros e seu querido público para festejar e agradecer por mais um ano de trabalho. A lavagem das escadarias será acompanhada por muita música, com o Sambagolá Orquestra Popular e o DJ Le Querré, e pela famosa feijoada de Dona Irá, vendida no Café do Vila. No evento, acontece ainda a Oficina de Turbantes com Jô Salomão.

Sambagolá Orquestra Popular é uma das atrações da Lavagem do Vila

A expressão “Sambagolá” foi encontrada em um manuscrito do sambista Batatinha (1924-1977), o diplomata do samba baiano, e logo escolhida para dar nome ao grupo. A Orquestra Popular Sambagolá é um coletivo composto pelos herdeiros do compositor Batatinha, Jorge e Gabriel, além dos baianos Felipe Brandão (pandeiro) e Gabriel Campos (flauta); os mineiros Gustavo Maia (Cavaquinho e Violão) e Lis Brasil (Percussão); o boliviano Danilo Martinez (trombone); a suíça Seraina Gratwohl (Violino); o africano Prince Macauley (Percussão). A orquestra reverencia o regional samba da Bahia, mas ritmos como frevo, coco, baião e ijexá permeiam essa inusitada roda de samba, que além dos instrumentos clássicos do gênero traz também instrumentos eruditos em sua formação. Em suas apresentações, o grupo revisita a obra de mestres como Batatinha, Ederaldo Gentil, Edil Pacheco, Riachão, Mateus Aleluia, Roque Ferreira, Walmir Lima, dentre outros velhos bambas.


Mostra das Oficinas Vila Verão reúnem 250 alunos no palco


Neste domingo, 1 de fevereiro, o público vai poder assistir ao resultado das Oficinas Vila Verão. As mostras reúnem no palco do Vila cerca de 250 alunos, que durante três semanas conheceram mais de perto o dia-a-dia do Teatro Vila Velha e puderam experimentar as mais diversas artes, como dança, música, circo, teatro e audiovisual. 

Em 2015, as Oficinas atraíram um público bastante diverso, desde amadores até artistas profissionais. Júnior Moreira Bordalo, ator profissional e estudante de jornalismo, escolheu a Oficina de Interpretação para Cinema, com Franklin Albuquerque, e comemora o resultado. "Foi uma experiência inovadora pra mim, que vim de teatro, e pude ter o contato com a câmera. Vai ser um diferencial para o meu currículo, sem falar dos encontros que aconteceram na oficina... Encontrei parceiros que pretendo trabalhar em breve". Durante a mostra, as cenas gravadas pela turma serão exibidas ao público.
 
Pela manhã, às 9h, será apresentado o resultado da Oficina de Música e Teatro para Crianças e da Oficina de Musicalização Infantil. Já no período da tarde, a partir das 14h, é a vez das oficinas adultas: Teatro para Iniciantes, Dança do Ventre, Dança Afro, Tecido, Canto, O Corpo e a Cena, Performance Negra, Interpretação para Cinema, Realização Audiovisual, entre outras.

Mostra das Oficinas Infantis
01/02 | dom | 9h
entrada gratuita | sala principal

Mostra das Oficinas Adultas
01/02 | dom | 14h
entrada gratuita | sala principal

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Diretor Marcio Meirelles escreve sobre processo de montagem de Hamlet e Macbeth


Diretor Marcio Meirelles e elenco na estreia de Hamlet


"O Q É UM SHAKESPEARE PARA Q SE POSSA FAZER UM" é o título do texto do encenador Marcio Meirelles sobre o processo de montagem de Hamlet e Macbeth, espetáculos que estão em cartaz de terça a domingo, às 19h30, no Teatro Vila Velha. O diretor faz uma reflexão sobre a obra do mais importante dramaturgo de todos os temos e conta detalhes sobre como foi montar os dois clássicos de William Shakespeare ao longo de um ano de trabalho com a universidade LIVRE de teatro vila velha. Ficou curioso? Leia clicando aqui.

Bonde dos Ratinhos celebra indicações ao Prêmio Braskem no palco do Vila


O espetáculo Bonde dos Ratinhos, produzido pelo Teatro Vila Velha, estreou em outubro de 2014 e desde então segue em cartaz como uma opção de diversão e reflexão para toda a família. Dirigida por Zeca de Abreu e escrita por Isac Tufi, a peça celebra no palco do Vila duas indicações ao Prêmio Braskem de Teatro: nas categorias melhor espetáculo infanto-juvenil e especial, pela trilha sonora de Ray Gouveia. Quem ainda não conferiu pode assistir ao musical a partir de 28 de fevereiro, aos sábados, 16h, e domingos, 11h. Os ingressos podem ser comprados antecipadamente pelo site clicando aqui. O espetáculo oferece recurso de audiodescrição para pessoas com deficiência - para ter acesso à audiodescrição é necessário agendar através do e-mail pauta@teatrovilavelha.com.br



Bonde dos Ratinhos narra a aventura de três ratos que decidem fazer um “rolezinho” no shopping. O que a princípio parecia um simples passeio se transforma numa grande aventura. Logo Rói-Rói, Ratrícia e Xis são barrados por ratos-seguranças, que avisam que shopping não é lugar para ratos. No caminho de volta pra casa, os três acabam se perdendo e parando num laboratório, onde conhecem Dezenove e Dezessete, ratinhos utilizados em testes feitos pelos humanos. A partir daí, a missão do trio passa a ser libertar as dezenas de ratinhospresos no laboratório. Uma história que fala de amizade, igualdade e respeito às diferenças. 

Bonde dos Ratinhos 
sábados, 16h, e domingos, 11h - a partir de 28 de fevereiro
Teatro Vila Velha
R$ 30 e 15
*A peça oferece recurso de audiodescrição para pessoas com deficiência visual. Favor agendar através do e-mail pauta@teatrovilavelha.com.br

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Orelhões multimídia lembram 50 anos do Vila nas ruas de Salvador

O Teatro Vila Velha vai às ruas com ação artística inovadora, usando de linguagem multimídia e interatividade com o público. O projeto faz parte do Festival Vila+50 e tem patrocínio da Oi Futuro, através do Fazcultura.



Entre os dias 22 e 29 de janeiro, o Teatro Vila Velha desenvolve um projeto de intervenção urbana nas ruas de Salvador, intitulado Eu, por exemplo. Cinco pontos da cidade receberão orelhões multimídia equipados com tablets onde qualquer um poderá gravar depoimento sobre sua relação com as artes e o Vila. Os depoimentos serão disponibilizados na internet, em hotsite específico do projeto. A partir da sexta-feira, os demais orelhões passam a ocupar o Terreiro de Jesus (13h às 19h), Rio Vermelho (17h às 23h), Shopping da Bahia (14h30 às 20h30), Sala de Arte UFBA (14h às 20h) e Teatro Vila Velha (13h30 às 19h30). Vá e deixe seu recado!

O Eu, por exemplo, idealizado pelo jornalista Kau Rocha, deve chamar a atenção da população da cidade para os 50 anos do Vila. “Com essa intervenção, o Vila pretende ampliar sua memória, a partir da captura de depoimentos das pessoas sobre sua relação com o Vila e o teatro em geral. Com linguagem moderna e interativa, o Vila reafirma algumas de suas principais características, que são a ousadia e a criatividade”, explicou Kau Rocha.

O projeto conta com o envolvimento direto de mais de vinte pessoas e grande capacidade criativa para que a ideia saia do papel e ganhe as ruas soteropolitanas. Todos os passos estão sendo registrados para que, ao final do projeto, o Vila tenha em seu acervo de memória mais esta ação desafiadora. “Vamos fazer um documentário em que ficarão registrados todos os nossos passos e as dificuldades que tivemos para colocar o Eu, por exemplo nas ruas”, disse o cineasta Fábio Rocha, também envolvido no projeto.

O design dos orelhões tem a assinatura do artista plástico, Ray Vianna e vai chamar a atenção de quem estiver pelas ruas. “A ideia é estimular as pessoas a darem seus depoimentos”, explica Ray.

Para Márcio Meirelles, diretor artístico do Vila Velha, o projeto Eu, por exemplo tem total identificação com a proposta de ação do teatro. "A interatividade com o público, o uso de novas tecnologias e a busca pela renovação são características fortes do Vila. Quando Kau nos sugeriu este projeto, percebemos essa identificação e acolhemos de primeira", conta Márcio Meirelles.

Clique aqui e veja o teaser do projeto.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Diretor teatral Marcio Meirelles estreia espetáculo em São Paulo

Peça tem direção de Marcio Meirelles e co-direção de Lázaro Ramos


O diretor artístico do Teatro Vila Velha, Marcio Meirelles, dirige o espetáculo "O Campo de Batalha", que estreia em 30 de janeiro no Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo. Depois de estrear as peças Hamlet e Macbeth, no Teatro Vila Velha, o encenador embarcou para o Rio, onde realiza os últimos ensaios com a equipe. A peça tem co-direção de Lázaro Ramos e Fernando Philbert e autoria de Aldri Anunciação, que também interpreta um dos personagens e foi de quem partiu o convite para Meirelles. Ao lado de Anunciação está o ator Rodrigo dos Santos, que esteve recentemente no palco do Vila em "Julia", versão de Christiane Jathay para a peça "Senhorita Julia", de August Strindberg, que integrou o último Festival Internacional de Artes Cênicas da Bahia.


"O Campo de Batalha" narra o encontro de dois soldados inimigos no front de uma suposta III Guerra Mundial, ocasionada pela escassez e disputa das águas do planeta. Além dos atores, a montagem conta com a participação da atriz Fernanda Torres, que não entra em cena, mas tem a voz ouvida do início ao fim, em um autofalante. A temporada será aos sábados, domingos e segundas, até 6 de abril.

Diretor português e ator baiano preparam espetáculo sobre Candomblé

Carlos Nicolau Antunes e Nando Zâmbia levarão ao palco experiências vividas em Portugal, Moçambique e Brasil. Em Salvador em janeiro, a dupla ministra oficinas abertas ao público relacionadas ao processo de criação.


O professor e diretor português Carlos Nicolau Antunes está em Salvador para a primeira etapa de pesquisas que vai resultar em um espetáculo dedicado ao Candomblé. Ao lado do ator baiano Nando Zâmbia, o artista realiza intercâmbio com artistas locais e visita terreiros de Candomblé para aprofundar-se no tema. O extenso processo de pesquisa segue com a viagem da dupla a Lisboa e, em seguida, a Moçambique, para depois levar as experiências ao palco, em espetáculo que estreia em 2016.


Em Salvador durante o mês de janeiro, os dois artistas ministram oficinas que se relacionam ao processo de pesquisa, com inscrições abertas ao público no Teatro Vila Velha, dentro do projeto Oficinas Vila Verão. Carlos Nicolau Antunes ministra o workshop "Um ponto de vista sobre os Viewpoints" (de 17 a 25/01, sábados e domingos, 10h às 13h30 e 15h às 18h30) para atores e dançarinos experientes sobre a técnica Viewpoints, uma das ferramentas de criação e improvisação que serão utilizadas na montagem. Já Nando Zâmbia realiza para o público geral a oficina "Ará Izô - Corpo que Queima" (15 a 29/01, terças e quintas, 14h30 às 17h30), que trabalha o corpo e a voz do ator/participante a partir da dança dos orixás. As inscrições nas oficinas acontecem de segunda a sexta-feira, das 9h às 19h, no Teatro Vila Velha.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Oficinas de temática negra são destaque no Vila Verão


Leno Sacramento (cima) e Nando Zâmbia (baixo) ministram oficinas



Quem ainda não se inscreveu nas Oficinas Vila Verão tem a chance de correr para o Teatro Vila Velha, das 9h às 18h, para preencher as últimas vagas. Entre as opções de curso,  destacam-se duas oficinas que exploram elementos da arte negra. A "Oficina de Performance Negra" (segundas, quartas e sextas, 19h às 22h), ministrada pelo ator Leno Sacramento, ao lado do dançarino Edy Firenzza e do percussionista Totó, trabalha técnicas de improvisação e interpretação, mesclando teatro, dança e percussão e compartilhando técnicas desenvolvidas pelo Bando de Teatro Olodum, um dos mais expressivos grupos de teatro negro do país. Já a oficina "Ará Izô - Corpo que Queima" (terças e quintas, 14h30 às 17h30), ministrada pelo ator Nando Zâmbia, parte de elementos da dança afro brasileira, à luz da Antropologia Teatral, para desenvolver no e com o aluno a musicalidade, o ritmo, equilíbrio, dilatação energética, emanação corporal e projetar uma poética cênica que transcenda as relações óbvias de cognição para a construção do ator/atriz em e para a cena. A grade completa das oficinas você confere aqui.

 Sobre as oficinas:

OFICINA DE PERFORMANCE NEGRA
Leno sacramento, ao lado do dançarino Edy Firenzza e do percussionista Totó, irá trabalhar técnicas de improvisação e interpretação, mesclando teatro, dança e percussão , aplicando técnicas desenvolvidas no Bando de Teatro Olodum durante 25 anos

Facilitador:
LENO SACRAMENTO. Vem desenvolvendo trabalhos voltados às artes cênicas desde 1996, quando começa a fazer parte do Bando de teatro Olodum onde desde então integra todas as montagens do mesmo, dirigidas por Marcio Meirelles e Chica Carelli, com coreografias de Zebrinha e direção musical de Jarbas Bittencourt. Dentre os mais de 30 espetáculos que participou, destacam-se: Cabaré da Raça, Relato de uma Guerra que não Acabou, Essa é nossa praia, Sonho de uma Noite de Verão, Ó Paí, Ó, Áfricas, Bença e Dô. No cinema integrou o elenco dos filmes “Cidade Baixa”, “Besouro”, “Jardim das Folhas Sagradas” e “Ó Paí, Ó”. Na TV, participou do seriado “Ó Paí Ó” temporada 2008 e temporada 2009 na Tv Globo. Em 2012 estreou “O Clássico”, monólogo de humor com produção e direção própria

 Período: Segundas, quartas e sextas, das 19h às 22h
12/01 a 30/01/15
Valor: R$ 250 (R$ 225 até 19/12)

“ARÁ IZÔ - CORPO QUE QUEIMA”

O workshop Ará Izô – Corpo que Queima, é um curso que pretende pesquisar e contribuir com o trabalho de labor cênico do ator/atriz. Para isso elabora-se a partir de elementos da dança afro brasileira, à luz da Antropologia Teatral que norteia essa pesquisa. O curso tem como matéria-prima o corpo e a sua completa entrega. Fala-se de um corpo livre, uma alma/corpo que transcende e busca a verdade do momento: momento/ritual, ritual/encontro. Etimologicamente os termos “Ará” e “Izô” significam em Yorubá – “Ará” = “Corpo” e “Izô” = “fogo” e reúne estas palavras para dar conta da chama interna inerente ao ser humano. Compreendendo o corpo como universo vivo e em constante “ebulição”, produtor e condutor de um transbordamento de energia a ser explorada. Com o uso de elementos presentes no universo da dança afro-brasileira pretende-se desenvolver no e com o aluno (a) a musicalidade, o ritmo, equilíbrio, dilatação energética, emanação corporal e projetar uma poética cênica que transcenda as relações óbvias de cognição para a construção do ator/atriz em e para a cena. Faixa etária a partir dos 14 anos.

Facilitador:
NANDO ZÂMBIA. Ator e iluminador negro, formado em artes cênicas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 2011; integrante do corpo discente da Universidade de Évora (UE) 2010-2011 (Intercâmbio Acadêmico); membro do Núcleo Afro-brasileiro de Teatro de Alagoinhas (NATA) desde 2002; montou espetáculos em Alagoinhas, Salvador, Lisboa e Évora. Sua carreira iniciou-se no interior do Estado da Bahia, Alagoinhas, no ano de 1999. Em 2008 foi aprovado no curso de Bacharelado em Artes Cênicas da UFBA, o que acabou por inseri-lo na cena teatral soteropolitana com montagens que lograram sucesso de crítica, público e premiação, a exemplo: “Sirê Obá – A Festa do Rei” (Fernanda Julia); “Dois Perdidos Numa Noite Suja” (José Jackson) e “Meu Nome É Mentira” (Luiz Marfuz), entre outros. Em Portugal, atuou e dirigiu o espetáculo “Irumalé Ayê”, que seguiu em digressão por várias cidades de Portugal, Itália, Alemanha e Grécia, entre festivais, apresentações e temporadas. Atualmente desenvolve, juntamente com o NATA, pesquisas sobre a relação entre a ancestralidade religiosa, a performance artística e o Teatro Negro, sua história e contemporaneidade, sob o viés da espetacularidade do Candomblé.

Período: Terças e quintas das 14h30 às 17h30
13/01 a 29/01/15
Valor: R$ 250

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Teatro Vila Velha inicia venda de ingressos online

Página para compra de ingressos de Hamlet, um dos espetáculos da programação


A partir desta quinta-feira os ingressos para a programação do Teatro Vila Velha já estão disponíveis para compra online através do site Compre Ingressos. O sistema de vendas oferece maior conforto para o público, que pode comprar antecipadamente as entradas utilizando cartão de crédito. Conheça a página e compre os seus ingressos clicando aqui.

Cine Vila retoma as atividades com exibição de Trampolim do Forte

Primeira edição de 2015 recebe o diretor João Rodrigo Mattos

Cena do filme Trampolim do Forte

Nesta segunda-feira, 12 de janeiro, às 19h, o Cine Vila retoma as atividades com a exibição do filme Trampolim do Forte, com a presença do diretor João Rodrigo Mattos, que participa de bate-papo após a sessão.

Lançado em 2010, Trampolim do Forte participou de dez festivais em países como Angola, Portugal, Inglaterra e Alemanha, e foi vencedor de seis prêmios, entre eles os prêmios de melhor ator (Lucio Lima), melhor trilha sonora e o Prêmio do Público do Festival dos Sertões (Pauí). O filme narra a história de duas crianças que trabalham como vendedores de picolé e têm o trampolim do Forte da praia do Porto da Barra como ponto de encontro e de diversão. É um drama humano que traz na sua narrativa doses equilibradas de aventura, drama, suspense, humor, romance e poesia imagética, numa história mágica e incrivelmente real. Trampolim do Forte transcende a estória de crianças que vivem em situações limite. Na verdade trata-se de um filme sobre a importância da infância.

Cinema e Direitos Humanos

Sem que fosse planejado, a temática de Trampolim do Forte, primeiro filme escolhido para 2015, antecipa uma novidade anunciada para a programação dos meses de janeiro a março: a inclusão do Cine Vila na 9° Mostra Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul. O Teatro Vila Velha foi um dos espaços selecionados para abrigar o projeto "Democratizando", da Mostra, que exibirá filmes e realizará discussões sobre Cinema e Direitos Humanos. Esta ação reforça a importância do Teatro Vila Velha como espaço de defesa dos direitos e da liberdade, desde a sua inauguração, em plena ditadura militar, quando abrigou encontros de artistas e estudantes e se consolidou como centro de reação ao regime. A programação será divulgada em breve.

O Cine Vila acontece semanalmente, sempre às segundas-feiras, às 19h, no Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha.

Exibição de Trampolim do Forte
Bate-papo com o diretor João Rodrigo Mattos
12/01 // segunda-feira // 19h // pague quanto quiser

Diretor teatral Marco França ministra oficina no Teatro Vila Velha

Ator e diretor musical do Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare (RN) participa das Oficinas Vila Verão com o curso "Música: Palavra, Silêncio e Gesto", que acontece neste fim de semana.

Marco França em Ricardo III

Em janeiro, o público soteropolitano, e também os turistas que estão pela cidade, terão a chance de participar de vinte cursos de verão oferecidos pelo Teatro Vila Velha nas áreas de teatro, dança, música e audiovisual. As Oficinas Vila Verão já são uma tradição em Salvador e, em 2015, uma das grandes novidades é a oficina "Música: Palavra, Silêncio e Gesto", com Marco França, diretor musical do Grupo Clowns de Shakespeare, do Rio Grande do Norte, uma das companhias teatrais mais expressivas do país. O curso acontece nos dias 10 e 11 de janeiro, das 9h às 12h, e das 14h ás 17h, e as inscrições já estão abertas no Teatro Vila Velha.

Voltada para atores, diretores, músicos e bailarinos, a oficina parte de exercícios e procedimentos desenvolvidos durante os processos criativos dos espetáculos do Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare - O Capitão e a Sereia (2009), O Casamento (2006) e Abrazo (2014) -, esta oficina apresenta possibilidades de uma prática de criação musical como elemento de construção cênica, a partir de workshops e improvisações, estruturas coreográficas, desenhos rítmicos, de exercícios vocais, pequenas canções, do canto coral e de jogos teatrais com foco na percepção do corpo a partir da transposição de elementos da composição musical (pulsação, ritmo, timbre, etc.)

As inscrições para este e outros cursos do projeto Oficinas Vila Verão podem ser feitas presencialmente, de segunda a sexta, das 10h às 19h, no Teatro Vila Velha.

Oficina "Música: Palavra, Silêncio e Gesto" com Marco França
10 e 11/01/15, sábado e domingo, das 9h às 12h, e das 14 às 17h
Inscrições: de segunda a sexta, das 14h às 19h, ou até 1h antes da oficina
Grade completa de oficinas neste link: http://www.teatrovilavelha.com.br/oficinas-workshops

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Amostrão Vila Verão é destaque no Correio

Os espetáculos Macbeth e Hamlet abrem neste fim de semana (sábado e domingo, às 19h30) a 14ª edição do Amostrão Vila Verão, que conta ainda com o infanto-juvenil Bonde dos Ratinhos e com vinte oficinas de teatro, dança, música, circo e cinema - As Oficinas Vila Verão. O assunto foi destaque do Correio desta terça-feira. Dá uma olhada!

Ingressos podem ser comprados pelo site www.teatrovilavelha.com.br



segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Últimos dias para se inscrever nas Oficinas Vila Verão

Cena da Mostra das Oficinas Vila Verão 2014


Esta é a última semana para se inscrever nas Oficinas Vila Verão. O projeto, que já é uma tradição no verão soteropolitano, permite o contato do público com as diversas formas de arte, como teatro, dança, música, cinema, circo, além de áreas técnicas como edição de vídeo e sonorização. As inscrições acontecem presencialmente, de segunda a sexta-feira, das 10 às 19h, no Teatro Vila Velha, e podem ser feitas até o início de cada oficina. As oficinas começam no dia 10 de janeiro e vão até o dia 1 de fevereiro, quando acontece uma grande mostra no palco principal do Vila.

Em 2015, além das oficinas voltadas para o contato inicial com as artes, um dos grandes atrativos das Oficinas Vila Verão, serão oferecidos cursos para artistas profissionais, como o workshop "Um Ponto de Vista sobre os ViwePoints", com o diretor Carlos Nicolau Antunes (Portugal), e o curso "MÚSICA: palavra, silencio e gesto", com o diretor Marco França, do Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare (RN). Outros destaques para o público tanto profissional quanto amador são a oficina "O Corpo e a Cena", com o ator e diretor Bertho Filho e a oficina "ARÁ IZÔ - CORPO QUE QUEIMA", com o ator Nando Zâmbia. Tem espaço também para Dança Afro-Brasileira, com Nildinha Fonseca, e para a Oficina de Musicalização Infantil, com o Grupo Canela Fina, e muito mais. Ao todo, são vinte oficinas com profissionais reconhecidos nas suas áreas de atuação: Clique aqui para ver a grade completa das Oficinas Vila Verão 2015

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Sobre oficinas

Oficinas Vila Verão 2015

As inscrições nas Oficinas Vila Verão podem ser feitas presencialmente de segunda a sexta, das 10h às 19h, no Teatro Vila Velha, até o início das oficinas. As oficinas acontecem do dia 10 de janeiro ao dia 1 de fevereiro, data em que é realiza a mostra das oficinas, na sala principal do Teatro Vila Velha.

Teatro

OFICINA DA LIVRE
Segundas, quartas e sextas, das 9h às 12h
12/01 a 30/01/15
Valor: R$300,00

TEATRO PARA INICIANTES
com Chica Carelli

12/01 a 30/01
Segundas, quartas e sextas, das 14h30 às 16h30
Valor: R$ 250

TEATRO PARA INICIANTES
com Zeca de Abreu

Terças e quintas, das 19h às 22h
13/01 a 29/01/15
Valor: R$250

OFICINA DE PERFORMANCE NEGRA
com Leno Sacramento
Segundas, quartas e sextas, das 19h às 22h
12/01 a 30/01/15
Valor: R$ 250

TEATRO E MÚSICA PARA CRIANÇAS
com Iana Nascimento e Caio Terra

Terças e quintas, das 10h às 12h
13/01 a 29/01/15
Valor: R$ 200

O CORPO E A CENA
com Bertho Filho

sábados e domingos, das 14h às 17h
Valor: R$250

“ARÁ IZÔ - CORPO QUE QUEIMA”
com Nando Zâmbia

Terças e quintas, das 14h30 às 17h30
13/01 a 29/01/15
Valor: R$ 250

Workshop - UM PONTO DE VISTA SOBRE OS VIEWPOINTS
com Carlos Nicolau Antunes (Portugal)

Sábados e domingos, de 10h às 13h30, e de 15h às 18h30
17, 18 ,24 e 25 de janeiro de 2015
Valor: R$400,00

Corpo

DANÇA AFRO BRASILEIRA
com Nildinha Fonseca

12/01 a 30/10
Segundas e quartas das 12h30 às 14h
Valor: R$ 120

DANÇA DO VENTRE
com Gal Sarkis
12/01 a 30/10
Segundas e quartas das 17h às 18h30
Valor: R$ 120

PILATES SOLO
com Bárbara Babará

Terças e quintas das 13h às 14h
Valor: R$100

TECIDO ACROBÁTICO
com Luana Serrat
13/01 a 30/01
Terças, quintas e sextas 10h30 às 12h
Valor: R$200

Música
 
CANTO
com 
Marcelo Jardim
12/01 a 29/01
Segundas, terças e quintas, das 10h às 12h
Valor: R$250,00

MÚSICA: palavra , silencio e gesto
com Marco França (Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare/RN)
Sábado e domingo, 10 e 11 de janeiro de 2015, das 9h às 12h, e das 14h ás 17h.
Valor: R$250,00

MUSICALIZAÇÃO INFANTIL
com Canela Fina
0 a 3 anos: sábados, 10h às 10h45, de 10 a 31/01
4 a 6 anos: sabados, 11h às 12h, de 10 a 31/01
Valor: R$150 

Técnicas

EDIÇÃO DE VÍDEO DIGITAL EM FINAL CUT
com Maise Xavier

Terças e quintas, 19h às 22h
Valor: R$ 300,00

SONORIZAÇÃO
com Mauricio Roque
Terças e quintas, das 14h às 16h
Valor: R$200 

Cinema 

INTERPRETAÇÃO PARA CINEMA
com Franklin Albuquerque
Segundas, quartas e sextas, 14h às 18h
12/01 a 30/01
Valor: R$300,00 

REALIZAÇÃO AUDIOVISUAL
com Maise Xavier

Segundas, quartas e sextas 9h às 12h
Valor: R$300

Informações detalhadas:

TEATRO

OFICINA DA LIVRE
A oficina da LIVRE, além do compartilhamento de informações e da experimentação teatral, visa a possibilidade de integração na nova turma da universidade LIVRE de teatro vila velha com inicio em 2015. Na oficina exercitaremos o método de funcionamento da LIVRE no processo de formação do ator, que vai além do palco, entendendo o funcionamento de ator/coro x personagens e trabalhando com exercícios de improvisação, musica para teatro, expressão corporal e verbal."
Facilitador:UNIVERSIDADE LIVRE

Período: Segundas, quartas e sextas, 9h às 12h12/01 a 30/01/15
Valor: R$300,00
.
TEATRO PARA INICIANTES 
A oficina tem por objetivo proporcionar aos participantes o primeiro contato com o fazer teatral, através de experiência que contenha os fundamentos desta linguagem. Faixa etária: a partir de 14 anos.Tornar o aluno um indivíduo com uma percepção mais ampla de si e do mundo em que vive, aguçando sua visão crítica e sua sensibilidade perante o mundo através de uma atitude mais harmoniosa e equilibrada em que os sentimentos, a imaginação e a razão se integram; em que os sentidos e os valores dados a vida são assumidos no agir cotidiano. Para tanto, serão aplicadas varias modalidades e estilos do jogo teatral. A proposta é descobrir as potencialidades de cada participante e utilizá-las teatralmente. Quando se perceber “atuando”, o aluno perceberá que sua capacidade criativa é inesgotável, necessitando apenas se adequadamente exercitada.

Facilitadora:
CHICA CARELLI. Graduada em direção teatral pela Universidade Federal da Bahia em 1983. Iniciou sua carreira de atriz em 1980, no grupo Avelãz e Avestruz dirigido por Marcio Meirelles. Seu trabalho nesse grupo lhe valeu dois troféus Martim Gonçalves. Em 1990 fundou, com o diretor Marcio Meirelles, o Bando de Teatro Olodum, co-dirigindo vários espetáculos, alem de assinar a direção de produção dos espetáculos e a direção musical dos primeiros espetáculos do grupo. Dirigiu o primeiro espetáculo infanto-juvenil do grupo, Áfricas.Desde 1994 integra o colegiado do Teatro Vila Velha, e participa também das produções artísticas da Cia Teatro dos Novos como atriz e diretora. Em 2005 recebeu o premio Braskem de teatro como atriz coadjuvante no espetáculo O Despertar da Primavera.Coordena as Oficinas Vila Verão desde 2000 do Teatro Vila Velha.

Período: Segundas, quartas e sextas, das 14h30 às 16h30
Valor: R$ 250
.
TEATRO PARA INICIANTES
A oficina tem por objetivo proporcionar aos participantes o primeiro contato com o fazer teatral, através de experiência que contenha os fundamentos desta linguagem. Faixa etária: a partir de 14 anos.Tornar o aluno um indivíduo com uma percepção mais ampla de si e do mundo em que vive, aguçando sua visão crítica e sua sensibilidade perante o mundo através de uma atitude mais harmoniosa e equilibrada em que os sentimentos, a imaginação e a razão se integram; em que os sentidos e os valores dados a vida são assumidos no agir cotidiano. Para tanto, serão aplicadas varias modalidades e estilos do jogo teatral. A proposta é descobrir as potencialidades de cada participante e utilizá-las teatralmente. Quando se perceber “atuando”, o aluno perceberá que sua capacidade criativa é inesgotável, necessitando apenas se adequadamente exercitada.

Facilitadora:
ZECA DE ABREU. Em seus 22 anos de carreira, tem em seu currículo como atriz várias peçasde teatro, como O Homem Nu e suas Viagens, direção de Hebe Alves, Um Prato de Mingau para Helga Brown direção de Celso Jr., Volpone, deFernando Guerreiro, e Espelho para Cegos, de Marcio Meirelles. No cinema marcou sua presença nos filmes Eu Me Lembro e O Homem que não dormia de Edgard Navarro, Cidade Baixa, de Sergio Machado, Depois da Chuva, de Claudio Marques e Marilia Hughes, e Irmã Dulce, de Vicente Amorim. Como diretora,  ganhou o prêmio Braskem de Teatro de melhor espetáculo infanto-juvenil, em 2003, com a peça H2O Uma Fórmula deamor. Dirigiu ainda Homem não entra: só se fizer um agrado, em 2004, e O que é, o que é? Começa com Carol e termina com Ina?, em 2007. Em 2013, dirigiu o espetáculo Destinatário Desconhecido, vencedor do Prêmio Braskem de Teatro 2013 na categoria melhor ator e indicado como melhor espetáculo e melhor direção.
Período: Terças e quintas, das 19h às 22h
13/01 a 29/01/15
Valor: R$250

.
OFICINA DE PERFORMANCE NEGRA
Leno sacramento, ao lado do dançarino Edy Firenzza e do percussionista Totó, irá trabalhar técnicas de improvisação e interpretação, mesclando teatro, dança e percussão , aplicando técnicas desenvolvidas no Bando de Teatro Olodum durante 25 anos

Facilitador:
LENO SACRAMENTO. Vem desenvolvendo trabalhos voltados às artes cênicas desde 1996, quando começa a fazer parte do Bando de teatro Olodum onde desde então integra todas as montagens do mesmo, dirigidas por Marcio Meirelles e Chica Carelli, com coreografias de Zebrinha e direção musical de Jarbas Bittencourt.  Dentre os mais de 30 espetáculos que participou, destacam-se: Cabaré da Raça, Relato de uma Guerra que não Acabou, Essa é nossa praia, Sonho de uma Noite de Verão, Ó Paí, Ó, Áfricas, Bença e Dô. No cinema integrou o elenco dos filmes “Cidade Baixa”, “Besouro”, “Jardim das Folhas Sagradas” e “Ó Paí, Ó”. Na TV, participou do seriado “Ó Paí Ó” temporada 2008 e temporada 2009 na Tv Globo. Em 2012 estreou “O Clássico”, monólogo de humor com produção e direção própria.
Período: Segundas, quartas e sextas, das 19h às 22h
12/01 a 30/01/15
Valor: R$ 250 (R$ 225 até 19/12)
.
TEATRO E MÚSICA PARA CRIANÇAS
A oficina tem como objetivo proporcionar o contato com as duas linguagens artísticas através de sua vivência integrada. Para isso será trabalhada a musicalidade voltada para a cena através de Jogos dramáticos, Jogos de improvisação e brincadeiras, fazendo uso também de instrumentos musicais, onde as crianças poderão desenvolver a expressividade vocal e corporal. Faixa etária: de 7 a 11 anos.

Facilitadora:
IANA NASCIMENTO. Professora e atriz (DRT: 03810), formada em Licenciatura em Teatro pela Universidade Federal da Bahia – UFBA. Iniciou sua carreira artística em 2005 atuando em espetáculos voltados para o público infantil. Como arte- educadora ministra oficinas e aulas de teatro desde o ano de 2010. Atualmente é atriz da Universidade LIVRE do Teatro Vila Velha. 

Período: Terças e quintas, das 10h às 12h
13/01 a 29/01/15
Valor: R$ 200 (R$ 180 até 19/12)
.

O CORPO E A CENA
Proporcionar ao ator o desenvolvimento de suas potencialidades, buscando uma autonomia e presença cênica, ampliando e encontrando ferramentas para tornar seu trabalho mais consistente, consciente e diversificado. Não é necessário ter experiência com teatro.

Facilitador:
BERTHO FILHO. Ator, diretor teatral (Bacharel em Artes Cênicas - Universidade Federal da Bahia/UFBA.) e dramaturgo, produtor e preparador de atores para teatro e para o cinema. Como ator, trabalhou em filmes como Central do Brasil, de Walter Salles; Tieta, dirigido por Cacá Diegue; Eu me Lembro e O Homem Que Não Dormia, de Edgar Navarro. Na televisão, atuou em séries como Cama De Gato, direção geral de Ricardo Waddington (2010); Força Tarefa, de Jose Alvarenga Jr. (2010); Gabriela, direção de Núcleo de Roberto Talma (2012) - todas na Rede Globo. Como diretor, realizou as peças Noite, de Harold Pinter; O Balcão, de Jean Jenet; Navalha Na Carne, de Plínio Marcos; Os Rapazes Estão Chegando, de Vieira Neto; Balela; O Mala Nada na Lama; Câncer - as três últimas com texto de sua autoria. Como professor de teatro, acumula experiências na Escola de Teatro da UFBA, Escola de Teatro do Centro Universitário Cultura e Arte/UEFS, Espaço Cultural Yumara Rodrigues, Projeto Agente Jovem/UCSAL, Projeto de intercâmbio lusófono K-CENA, universidade LIVRE de teatro vila velha, entre outros.
Período: sabados e domingos, 14h às 17h
Valor: R$250
.
“ARÁ IZÔ - CORPO QUE QUEIMA”
O workshop Ará Izô – Corpo que Queima, é um curso que pretende pesquisar e contribuir com o trabalho de labor cênico do ator/atriz. Para isso elabora-se a partir de elementos da dança afro brasileira, à luz da Antropologia Teatral que norteia essa pesquisa. O curso tem como matéria-prima o corpo e a sua completa entrega. Fala-se de um corpo livre, uma alma/corpo que transcende e busca a verdade do momento: momento/ritual, ritual/encontro. Etimologicamente os termos “Ará” e “Izô” significam em Yorubá – “Ará” = “Corpo” e “Izô” = “fogo” e reúne estas palavras para dar conta da chama interna inerente ao ser humano. Compreendendo o corpo como universo vivo e em constante “ebulição”, produtor e condutor de um transbordamento de energia a ser explorada. Com o uso de elementos presentes no universo da dança afro-brasileira pretende-se desenvolver no e com o aluno (a) a musicalidade, o ritmo, equilíbrio, dilatação energética, emanação corporal e projetar uma poética cênica que transcenda as relações óbvias de cognição para a construção do ator/atriz em e para a cena. Faixa etária a partir dos 14 anos.

Facilitador:
NANDO ZÂMBIA. Ator e iluminador negro, formado em artes cênicas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 2011; integrante do corpo discente da Universidade de Évora (UE) 2010-2011 (Intercâmbio Acadêmico); membro do Núcleo Afro-brasileiro de Teatro de Alagoinhas (NATA) desde 2002; montou espetáculos em Alagoinhas, Salvador, Lisboa e Évora. Sua carreira iniciou-se no interior do Estado da Bahia, Alagoinhas, no ano de 1999. Em 2008 foi aprovado no curso de Bacharelado em Artes Cênicas da UFBA, o que acabou por inseri-lo na cena teatral soteropolitana com montagens que lograram sucesso de crítica, público e premiação, a exemplo: “Sirê Obá – A Festa do Rei” (Fernanda Julia); “Dois Perdidos Numa Noite Suja” (José Jackson) e “Meu Nome É Mentira” (Luiz Marfuz), entre outros. Em Portugal, atuou e dirigiu o espetáculo “Irumalé Ayê”, que seguiu em digressão por várias cidades de Portugal, Itália, Alemanha e Grécia, entre festivais, apresentações e temporadas. Atualmente desenvolve, juntamente com o NATA, pesquisas sobre a relação entre a ancestralidade religiosa, a performance artística e o Teatro Negro, sua história e contemporaneidade, sob o viés da espetacularidade do Candomblé.

Período: Terças e quintas das 14h30 às 17h30
13/01 a 29/01/15
Valor: R$ 250
.
Workshop - UM PONTO DE VISTA SOBRE OS VIEWPOINTS
Um olhar introdutório sobre os Viewpoints enquanto treino de ator, prática de ensemble e também como pesquisa de material de criação. Os Viewpoints são uma filosofia traduzida numa técnica de improvisação e criação que permite uma expansão da consciência da relação com o espaço e o tempo pelo performer/ator, permitindo-lhe que funcione ao mesmo tempo de forma intuitiva e espontânea mas também consciente e co-responsável pelo processo criativo a decorrer momento a momento. Criados na dança pós-moderna, os Viewpoints foram adaptados e desenvolvidos por Anne Bogart para o teatro, possiblitando uma exploração dos limites e fronteiras das artes cénicas contemporâneas. O workshop terá, em princípio, uma pequena apresentação pública informal no final.

Facilitador:

CARLOS NICOLAU ANTUNES. Freqüentou o curso de actores da Escola Superior de Teatro e Cinema em Lisboa. Estudou na Escola Superior de Teatro e Cinema em Lisboa. Trabalhou como actor e assistente de encenação em Portugal até 2002, principalmente no Teatro da Cornucópia. Concluíu o Mestrado em Encenação na Middlesex University em Londres, onde parte dos estudos foram feitos em Moscovo e Bangkok. Seguidamente, ainda como bolseiro da fundação, fez Estudos de Qualificação Avançada na Faculdade de Encenação da Academia Russa de Artes Teatrais (GITIS). Foi docente nas áreas de Acting, Improvisação, Corpo e Projecto na Licenciatura e Mestrado em Teatro na Universidade de Évora de 2007 a 2011. É presentemente docente na pós-graduação Desenvolvimento pelas Artes Expressivas do Instituto Superior de Psicologia Aplicada em Lisboa e na Escola Profissional de Teatro de Cascais. Como formador dirigiu workshops no Centro em Movimento - Lisboa, na Charles University em Pilsen na Rep. Checa, no Lume – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas Teatrais da Universidade de Campinas e na Boa Companhia, Matula Teatro e “Os Geraldos” no Brasil, na Srinakarinwirot University e na Companhia Moradokmai na Tailândia, em Auroville na Índia, em grupos portugueses de teatro universitário, nos departamentos de formação do ISPA e da Câmara Municipal de Lisboa, no IX e X Congresso Português de Psicodrama, entre outros. Investiga na área dos processos psico-físicos do actor.

Período: Sábados e domingos, de 10h às 13h30, e de 15h às 18h30
17, 18 ,24 e 25 de janeiro de 2015
Valor: 
R$400,00

CORPO

DANÇA AFRO BRASILEIRA
Oficina voltada a dançarinos, atores e modelos, iniciantes ou pessoas com alguma experiência em dança. Os participantes vão enfrentar um trabalho vigoroso, direcionado para organizacao e alinhamento postural, força muscular e resistência física e do condicionamento corporal, ao mesmo tempo em que entrarão em contato com os elementos da cultura de matriz africana. Faixa etária: a partir de 15 anos.

Facilitadora:
NILDINHA FONSECA.Professora e pesquisadora da Dança Afro Brasileira em todas as suas vertentes. Formada pela Universidade Federal da Bahia nos cursos de Licenciatura em Dança. Dançarina profissional, especialização e dança. Professora de dança afro, assistente de direção e coreografia, dançarina /solista e coordenadora do projeto Bale Jr. do Bale Folclórico da Bahia. Professora da Escola de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia como técnica da dança afro e dança moderna. Diretora do projeto Encontro dos Artistas.

Período: Segundas e quartas das 12h30 às 14h
12/01 a 30/10
Valor: R$ 120
.
DANÇA DO VENTRE
A oficina tem como objetivo utilizar a dança do ventre como um canal de expressão e liberação,aplica também em suas aulas todo o conhecimento de auto ajuda que vem vivenciando proporcionando as mulheres uma consciência maior sobre seus corpos físico, mental e espiritual. Faixa etária: a partir de 15 anos.

Facilitadora:
GAL SARKIS. Formada em Dança pela Universidade Federal da Bahia.
Período: Segundas e quartas das 17h às 18h30
12/01 a 30/10
Valor: R$ 120
.
PILATES SOLO
Aulas de condicionamento físico com exercícios do repertório da técnica de Pilates realizados no solo. Trabalho de força e flexibilidade em busca de uma harmonia corporal, através da respiração, enfatizando a qualidade e a eficiência do movimento, com controle do corpo e da mente. Faixa etária: a partir de 15 anos.

Facilitadora:

BÁRBARA BARBARÁ. Graduada em Licenciatura em Dança pela Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia (UFBA) em 1999. Formada pelo curso profissionalizante em técnica da Escola de dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) em 1994.Atua como bailarina-intérprete-criadora e instrutora de Pilates no Núcleo Viladança e como bailarina/assistente na Jorge Silva Cia de Dança. Formação em Pilates pelo método da Polestar Pilates Education em 1999, atualização em 2004, PHYSIO PILATES®. Certificação por Jaqueline Borges em 2000 para a qual trabalha como instrutora desde então, e ministra workshops para o curso de formação. Formação em GYROTONIC EXPANSION SYSTEM® em 2012.

Período: Terças e quintas das 13h às 14h
Valor: R$100
.
TECIDO ACROBÁTICO
O tecido acrobático é uma prática circense relativamente recente, que deriva da modernidade, característica do circo contemporâneo. A oficina pretende apresentar as principais técnicas do tecido acrobático, destacando as possibilidades do corpo em uma movimentação realizada num tecido pendurado verticalmente. A metodologia engloba a preparação do corpo para o exercício através do alongamento e aquecimento epreparação física, com trabalho de força e resistência. As aulas acontecem no palco principal do Teatro Vila Velha.

Facilitadora:
LUANA SERRAT. Graduada em Artes Cênicas pela UFBA e com Formação Profissional em artes do Circo. Luana cresceu no circo apresentando-se no picadeiro desde criança. Seus pais, Anselmo Serrat e Veronica Tamaoki, fundaram a Escola Picolino. Com a Cia Picolino, já participou de turnês importantes pela Europa e Brasil. Em 2007 junto a outras 4 artistas funda a FULANAS CIA DE CIRCO. Em 2008 participa do quadro “Circo do Faustão” onde ganha a competição circense ao lado do ator Cássio Reis. Em 2010, com suas alunas, monta sua própria companhia e dirige o espetáculo Moças Aéreas. Em 2011 e 2012 participa do projeto Guerreiro da Escola Picolino. Em 2013 ganha os editais setorial de circo da FUNCEB, Artes em todas as partes - Gregório de Mattos e Carequinha de estímulo ao circo da FUNARTE. Em 2014 realiza turnê Rio de janeiro e São Paulo com o espetáculo Moças aéreas e Rádio do seu Coração e ganha o Prêmio BUNGE, categoria juventude, pelo conjunto de suas realizações.

Período: Terças, quintas e sextas 10h30 às 12h
13/01 a 30/01
Valor: R$200

MÚSICA 

CANTO
Voltada para o autoconhecimento do potencial vocal e artístico, a oficina visa desenvolver a técnica do canto, reduzir vícios e tensões corporais, atingir um conhecimento básico de teoria e percepção musical, facilitar a relação intérprete / platéia. Faixa etária: livre.

Facilitador:

MARCELO JARDIM. Formado em Canto pela UFBA, professor de voz dos grupos Bando de Teatro Olodum, Viladança e Vilavox, integra o coro do Teatro Castro Alves.
Período: Segundas, terças e quintas, das 10h às 12h
12/01 a 29/01
Valor: 
R$250,00
.
MÚSICA: palavra , silencio e gesto

Através de exercícios e procedimentos desenvolvidos durante os processos criativos dos espetáculos do Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare (O Capitão e a Sereia (2009), O Casamento (2006) e Abrazo (2014)), esta oficina apresenta possibilidades de uma prática de criação musical como elemento de construção cênica, a partir de workshops e improvisações, estruturas coreográficas, desenhos rítmicos, de exercícios vocais, pequenas canções, do canto coral e de jogos teatrais com foco na percepção do corpo a partir da transposição de elementos da composição musical (pulsação, ritmo, timbre, etc.) Voltada para atores, diretores, músicos e bailarinos. Faixa etária a partir de 16 anos.

MARCO FRANÇA. Diretor, ator e diretor musical do Grupo de Teatro Clowns de Shakespeare (RN).
Período: sábado e domingo, 10 e 11 de janeiro de 2015, das 9h às 12h, e das 14h ás 17h.
Valor: 
R$250,00*
* os alunos que já fizeram oficinas com Marco França pagarão R$200,00 ou, se inscritos até o dia 19.12, R$180
.
MUSICALIZAÇÃO INFANTIL
A oficina constará de atividades práticas musicais, com o intuito de despertar e desenvolver a percepção e a prática musical das crianças da comunidade. Além das canções do Grupo Canela Fina, as aulas contemplarão um repertório variado, incluindo canções regionais do folclore nacional e de outras partes do mundo e obras de música popular e erudita. As aulas incluirão atividades em roda, de canto e de ritmo, uso de parlendas ou brincadeiras faladas, atividades de apreciação musical ativa com repertórios variados, atividades com instrumentos musicais, incluindo arranjos, canções com movimentos e expressão corporal. No último dia de oficina as crianças demonstrarão o que aprenderam em forma de uma pequena apresentação, num formato de aula aberta.
Turma 1 - Faixa etária: 0 a 3 anos (a criança deverá estar acompanhada por um adulto responsável).
Turma 2 - Faixa etária: 4 a 6 anos (não precisa estar acompanhada)

Facilitador:
GRUPO CANELA FINA. Composto por: Angelita Broock,  doutora em Educação Musical pela UFBA. Em 2006,que  criou o curso de Extensão Musicalização Infantil para Bebês da UFBA , que mais tarde integrou-se ao projeto Musicalização Infantil, no qual é professora e coordenadora. Kamile Levek ,  formada na Universidade Federal do Paraná  em Licenciatura em Música (2004), Pósgraduada em Educação Musical na Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP 2007), Mestre em Educação Musical pela UFBA (2012). Atualmente, é doutoranda em Educação Musical na UFBA (2012) e professora do Programa de Musicalização Infantil da UFBA; Carla Suzart,  formada em Licenciatura em Música pela UFBA (2010).

Período Turma 1: sábados, 10h às 10h45 (0 a 3 anos), de 10 a 31/01
Período Turma 2: sabados, 11h às 12h, de 10 a 31/01Valor: R$150

TÉCNICAS

EDIÇÃO DE VÍDEO DIGITAL EM FINAL CUT
Conhecimento teórico-prático do funcionamento e aplicabilidade do software de Edição não-linear Final Cut Pro. Aulas ministradas no Estúdio do Vila.

Facilitadora: 
MAISE XAVIER. Formada em cine/tv/vídeo pelo Liceu de Artes e Ofícios da Bahia em 1990. Roteirista, diretora, produtora e editora de VT’s, vídeos educativos, institucionais, documentários e outros. Especialista em educação e novas tecnologias da comunicação e informação pela Universidade Candido Mendes, 2006.
Período: Terças e quintas, 19h às 22h
Valor: R$300
.
SONORIZAÇÃO
O curso visa fornecer ao aluno uma visão teórica e prática das etapas que compreendem a sonorização de ambientes, passando por sonoplastia, operação de shows, espetáculos de teatro e dança. Para alcançar estes conhecimentos, será estudada uma vasta cadeia de componentes que envolvem a sonorização, dos componentes básicos do áudio, como os cabos, até elementos complexos como as mesas de som digitais, levando em consideração sempre a necessidade de cada produção artística. Os conhecimentos adquiridos durante o curso podem ser utilizados tanto para som ao vivo quanto para gravação de áudio. Os alunos também poderão acompanhar montagens de som de espetáculos da programação do Teatro Vila Velha.

Facilitador:
MAURÍCIO ROQUE. Graduado em Artes com especialização em Cinema e Audiovisual pela Universidade Federal da Bahia (2012). Tem experiência como técnico de Som e Sound Design. Técnico de som do Bando de Teatro Olodum.
Período: Terças e quintas das 14h às 16h
Valor: R$200

CINEMA E VÍDEO

INTERPRETAÇÃO PARA CINEMA
A oficina terá como foco o desenvolvimento do ator na linguagem moderna de interpretação para cinema, onde se busca uma naturalidade e profundidade cada vez maior. Visa também despertar o aluno para o auto-conhecimento através das técnicas utilizadas, pois mesmo que o aluno não queira seguir carreira artística ele poderá utilizar esses conhecimentos em suas ações na vida quotidiana e nas suas relações pessoais do dia a dia. Objetivos específicos: Desenvolvimento da percepção sensorial, criação de universos, simplicidade e verdade, cênicas, prontidão física e vocal, entendimento das relações, comportamento no set, foco e objetivo de cena, relação com câmera.Ao final serão gravadas cenas para posterior avaliação e análise. Faixa etária: a partir de 18 anos.

Facilitador:
FRANKLIN ALBUQUERQUE. Formado pelo Stúdio Fátima Toledo (1995).Trabalhou durante cinco anos no Stúdio Fátima Toledo desenvolvendo trabalhos como Professor de interpretação, preparador (curta-metragem “Parabéns”/2011) diretor e roteirista (Projeto Primeiro Corte/2012). Dirigiu e roteirizou o curta “Vestígios da Srta. B” exibido no Festival 5 minutos em Salvador/Ba (2008), e o documentário “Tremedal” sobre a cidade do mesmo nome na Bahia/2010. Entre 2007 e 2011 produziu, preparou, dirigiu, roteirizou e editou 10 Cursos de Interpretação para Cinema em Salvador na Bahia, realizando também duas mostras do mesmo curso na Sala Alexandre Robatto. Em 2011 a convite do Projeto “Cena Livre” passou dois meses na África, em Luanda, Angola dirigindo a área de interpretação para cinema do “Curso Internacional de Cinema, Teatro e TV” para mais de 150 alunos, onde depois foi realizado o longa-metragem “A Crença”, eleito melhor filme de ficção nacional no Festival Internacional de Cinema de Luanda/2012 com atores selecionados do curso.

Período: Segundas, quartas e sextas, 14h às 18h
12/01 a 30/01
Valor: R$300,00
.
REALIZAÇÃO AUDIOVISUAL

Você é o realizador! Nesta oficina você vai aprender a fazer um filme de maneira simples, sem mistérios. Caso não possua um equipamento profissional para captação de imagem e som não faz mal, use sua handycam, seu celular, sua câmera fotográfica, mas, sobretudo, sua criatividade. O que importa é aprender a linguagem e a gramática do audiovisual e conseguir ser capaz de criar, produzir, gravar, finalizar e exibir filmes feitos por você mesmo (e sua equipe, claro). Conhecendo a narrativa clássica cinematográfica você poderá subvertê-la e construir uma estética nova, autoral, sua.A oficina é rápida e você sai com seu curta-metragem embaixo do braço, podendo exibi-lo para quem quiser, postar na Internet, enviar para  uma mostra ou festival de cinema, Ao final da Oficina haverá a exibição do filme produzido durante a mesma.

Facilitadora:
MAISE XAVIER. Formada em cine/tv/vídeo pelo Liceu de Artes e Ofícios da Bahia em 1990. Roteirista, diretora, produtora e editora de VT’s, vídeos educativos, institucionais, documentários e outros. Especialista em educação e novas tecnologias da comunicação e informação pela Universidade Candido Mendes, 2006.
Período: Segundas, quartas e sextas 9h às 12h
Valor: R$300