segunda-feira, 30 de junho de 2014

Samba, tango e bolero nos ensaios de Jango

Os ensaios do espetáculo JANGO: UMA TRAGEDYA estão a todo vapor! Para o musical, os atores do Teatro Vila Velha estão tendo aulas de tango, bolero e samba, ritmos presentes na peça escrita por Glauber Rocha. 

A montagem narra o presidente João Goulart em exílio, após ser deposto pelo Golpe Militar de 1964. O espetáculo tem encenação de Marcio Meirelles, coreografia de Cristina Castro, preparação de elenco de Bertho Filho e direção musical de João Milet Meirelles e Ronei Jorge. A estreia acontece no dia 31 de julho, data em que o Teatro Vila Velha completa 50 anos.

Veja fotos das aulas com o dançarino Marcelo Galvão.




sexta-feira, 27 de junho de 2014

Espetáculo Joelma estreia hoje e é destaque no A Tarde

O Teatro Vila Velha recebe o espetáculo Joelma para apenas três apresentações: hoje e sábado, 20h, e domingo, às 19h. A peça é o mais novo solo do ator Fábio Vidal, que intepreta uma das primeiras transexuais baianas. O espetáculo é uma adaptação para o teatro do filme homônimo de Edson Bastos, que divide a direção da peça com Vidal. A montagem marca o Dia Internacional do Orgulho Gay, comemorado em 28 de junho.


O assunto foi destaque no jornal A Tarde de hoje. Leia abaixo!



 




sexta-feira, 20 de junho de 2014

Espetáculo Cidade em Plano, de Brasília, estreia hoje no Teatro Vila Velha

A montagem Cidade em Plano, da Anti Status Quo Companhia de Dança (DF) estreia hoje no Teatro Vila Velha, onde faz apenas três apresentações. Além do espetáculo, que investiga a relação do corpo com a cidade de Brasília, a companhia realiza uma série de atividades formativas. O assunto foi destaque no Caderno 2, do Jornal A Tarde, desta sexta-feira. Veja abaixo!


 



quarta-feira, 18 de junho de 2014

Marcio Meirelles realiza oficina e monta espetáculo em Cabo Verde

Os diretores Marcio Meirelles e João Branco ao lado dos atores do K Cena, em Mindelo

O encenador Marcio Meirelles, diretor artístico do Teatro Vila Velha, está em Mindelo, Cabo Verde, desde a última sexta-feira. Lá, ele ministra uma oficina de direção cênica e monta o espetáculo Em Defesa das Causas Perdidas, que estreia no dia 4 de julho. A peça parte do diálogo entre a obra homônima do filósofo esloveno Slavoj Zizek e o clássico Dom Quixote de la Mancha, do espanhol Miguel de Cervantes.

Marcio Meirelles esteve em Cabo Verde pela primeira vez em 1999, para um projeto de teatro lusófono. Em 2013, 14 anos depois, regressou à cidade de Mindelo, para participar do encontro internacional de programadores, durante o Festival Mindelact. Neste ano, está de volta a Cabo Verde para enrraizar uma nova fase do projeto de intercâmbio lusófono K Cena.

O K Cena é uma realização do Teatro Viriato (Viseu, Portugal), em parceria com o Centro Cultural Português (Mindelo) e com o Teatro Vila Velha.

Companhia de dança brasiliense apresenta espetáculo Cidade em Plano e realiza atividades formativas no Teatro Vila Velha

Espetáculo Cidade em Plano. Foto: Isabela Cardoso.


Depois de passar por Curitiba e Recife, em sua turnê nacional, a Anti Status Quo Companhia de Dança (DF) chega a Salvador para apresentar nos próximos dias 20, 21 e 22 de Junho, no Teatro Vila Velha, o espetáculo Cidade em Plano, seu oitavo trabalho de dança contemporânea com direção da coreógrafa Luciana Lara. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).

Além das apresentações, a Companhia de Brasília promove atividades formativas e de intercâmbio de ideias. No dia 21, a coreógrafa Luciana Lara lança o livro “Arqueologia de um Processo Criativo – Um Livro Coreográfico”, às 17 h, na Sala Principal do Teatro Vila Velha, em evento aberto ao público. Na ocasião, será realizada uma mesa redonda sobre o tema “Processos Criativos em Dança” com a participação de Lia Robatto e Cristina Castro.

As coreógrafas Luciana Lara, Lia Robatto e Cristina Castro discutem “Processos Criativos em Dança”

Além disso, no mesmo dia 21 de junho (sábado), Luciana Lara ministra o workshop "Camadas de significado na dramaturgia do movimento", de manhã, das 9 às 12 horas, na Sala Principal do Teatro Vila Velha, com entrada gratuita. Logo à noite, após a apresentação do espetáculo, também no sábado, haverá um debate com o público.

Todas as atividades promovidas em Salvador fazem parte do Projeto de Circulação Nacional do espetáculo Cidade em Plano patrocinado pelo Fundo de Apoio à Cultura do DF (FAC) de 2013.

Sobre o espetáculo

Misto de dança contemporânea com artes visuais, performance e teatro, o espetáculo Cidade em Plano surgiu da investigação da relação do corpo com a cidade de Brasília. Quatro bailarinos em cena dançam ao som de uma trilha especialmente criada para o espetáculo que constrói um cenário sonoro a partir de sons da própria cidade. A concepção da cenografia é minimalista e o figurino é feito de cartões-postais. A coreografia, às vezes, é um convite à contemplação visual, outras vezes à reflexão crítica e ao mergulho em imagens e sons.

“A incursão neste tema veio da necessidade de refletir sobre a relação do corpo com o espaço da cidade e sua influência na formação da identidade de um indivíduo”, reflete a coreógrafa Luciana Lara. A Companhia partiu do pressuposto que o espaço urbano é uma manifestação concreta da natureza dos homens, e, dessa forma, a cidade seria um vestígio de seus desejos, ambições, ideário e contradições. Brasília marcou a história do Brasil com a sua invenção, é símbolo da ambição do país de ser moderno e, construída para ser a capital do Brasil, espelha os paradoxos de nossa cultura. A pesquisa coreográfica acabou tocando, assim, em questões sobre a identidade brasileira, a política e a relação do corpo com a arquitetura e o urbanismo de Brasília.

O espetáculo estreou em 2006 na Mostra de Dança XYZ em Brasília-DF e desde então tem sido apresentado em vários festivais de artes cênicas como Cena Contemporânea - Festival Internacional de Teatro de Brasília-DF, Bienal SESC de Dança de Santos-SP, Festival Brasileiro de Teatro - Cena Distrito Federal em Campo Grande-MS, Festival Expande Dança em São Paulo-SP, etc. A Companhia acaba de voltar do FITAZ – Festival Internacional de Teatro de La Paz - Bolívia.

O elenco em cena é formado pelos bailarinos João Lima, Luara Learth, Valéria Rocha e Vinícius Santana. A trilha foi composta especialmente para o espetáculo por Valéria Lehmann, Paulucci Araújo e Pablo Patrick com colaboração do DJ Chico Aquino. O trabalho do sound designer Antonio Serralvo tornou possível a ideia de fazer da trilha um cenário sonoro. A trilha criada originalmente quadrifônica, permite que o público perceba o som se deslocando no espaço, vindo de várias direções. O cenário e o figurino minimalistas foram idealizados por Luciana Lara e Marconi Valadares. A iluminação é de Marcelo Augusto. A operação da luz é de James Fensterseifer. Concepção, coreografia e dramaturgia foram realizadas sob a direção de Luciana Lara com colaboração dos bailarinos Carolina Carret, Cláudia Duarte, Marcela Brasil, Gigliola Mendes, Aline Maria, Karla Freire, Rafael Villa, Robson Castro, Juliana Sá, Breno Metre, Paula Queiroz e Leandro Menezes.

Atividades Formativas e de Intercâmbio

Workshop “Camadas de significado na dramaturgia do movimento”
21 de junho (sábado) – das 9 às 12 horas, na Sala Principal do Teatro Vila Velha


Workshop sobre o processo criativo do espetáculo de dança contemporânea “Cidade em Plano” da Anti Status Quo Cia de Dança, ministrado pela diretora e coreógrafa Luciana Lara. O workshop, dirigido a bailarinos, coreógrafos, performers, pesquisadores, professores e estudantes de dança e artes cênicas, é composto de estratégias e metodologias desenvolvidas durante o processo de criação da dramaturgia e da pesquisa de movimento que compõem o espetáculo. Serão realizados exercícios de percepção para a criação de movimentos baseados em propostas de improvisação com o foco em construção de estados corporais através de camadas de estímulos sensórios, estados de emoção, análise e crítica do tema e reflexão sobre a relação do corpo com a cidade.

Duração: 3 horas

Ministrante: Luciana Lara – Diretora e coreógrafa da Anti Status Quo Companhia de Dança sediada em Brasília (DF). Mestre em Artes, linha de pesquisa: Processos Composicionais para a Cena. Formada em Educação Artística com habilitação em Artes Cênicas pela Fundação Brasileira de Teatro - Faculdade de Artes Dulcina de Moraes. Especialização em Coreografia e Coreologia no Laban Centre em Londres- Inglaterra (2006-2008). Atua também como professora de corpo, movimento e dança contemporânea ( Universidade de Brasília -UnB, Faculdade de Artes Dulcina de Moraes e Centro de Dança do DF)

Mais informações: (71) 9168 6806 / (71) 9186 5251 / Inscrições gratuitas através do e-mail cidadeemplanossa@gmail.com


Debate: “Diálogos com a plateia – por de trás dos bastidores”
21 de junho (sábado) – após a apresentação do espetáculo – no Teatro Vila Velha

“Diálogos com a plateia – por de trás dos bastidores” é um programa de arte-educação e de formação de plateia desenvolvido pela Anti Status Quo Companhia de Dança desde 2003, que consiste na realização de um debate de 40 minutos de duração entre público e integrantes do elenco da Companhia após as sessões de apresentações de seus espetáculos.

O debate, realizado logo após as apresentações, proporcionará a interação direta entre o público que acabou de assistir o espetáculo e os artistas envolvidos na sua criação e apresentação. Mediado pela própria coreógrafa, diretora da Anti Status Quo Cia de Dança e arte-educadora Luciana Lara, o debate é planejado para ser conduzido de maneira informal no intuito de criar uma atmosfera que possibilite que o público se sinta à vontade e estimulado a participar. Não se trata de apenas um bate papo, pois possui uma metodologia que visa desenvolver a apreciação crítica e a fruição do espectador.


Lançamento do Livro “Arqueologia de um Processo Criativo – Um Livro Coreográfico”, de autoria da diretora e coreógrafa da Companhia Luciana Lara
21 de junho – às 17 h – na Sala Principal do Teatro Vila Velha

O livro é uma reflexão poética, crítica e visual do processo criativo do espetáculo Cidade em Plano. Palavras e imagens foram coreografadas para fazer dançar o pensamento do leitor, estimulando a imaginação no ato de acompanhar um raciocínio de criação. A publicação inclui um DVD com o registro do espetáculo.

Evento aberto ao público inclui a apresentação do livro de Luciana Lara e a realização de uma mesa redonda sobre o tema “Processos Criativos em Dança” composta pelas artistas da dança da Bahia Lia Robatto e Cristina Castro. O livro será o ponto de partida para um diálogo sobre modos de criação em dança, com intercâmbio de ideias sobre imaginários, poéticas, referenciais, metodologias, estratégias de composição, noções de estética e visões de mundo e de arte.O público poderá participar com perguntas e considerações. Um vídeo será gravado e disponibilizado gratuitamente na internet no site da Companhia.

Duração: aproximadamente 45 minutos.


SERVIÇO

Espetáculo: Cidade em Plano (Anti Status Quo Companhia de Dança de Brasília - DF)
Onde: Teatro Vila Velha (Avenida Sete de Setembro - Passeio Público)
Quando: 20, 21 e 22 de Junho
Horário: 20h (sexta e sábado) e 19h (domingo)
Duração: 75 minutos
Classificação etária: 18 anos
Ingressos: R$ 10,00 (meia) e R$ 5.00 (inteira)

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Funcionários e amigos do Vila rezam a Trezena de Santo Antônio

Na última sexta-feira, dia 13 de junho, o Teatro Vila Velha realizou a tradicional reza para Santo Antônio, com a presença de funcionários, atores e amigos do Vila. A trezena acontece no teatro desde a sua reinauguração, em 1998. "A trezena começou na escada da produção, quando estávamos reconstruindo o Vila, e nos juntamos para pedir patrocínio. Deu certo", comentou durante o encontro a atriz e produtora Marisia Motta, que organiza as trezenas desde o primeiro ano. Entre preces e gritos de louvor a Santo Antônio, foram feitos pedidos para cada um e, em especial, para o Teatro Vila Velha, este jovem que em julho completa 50 anos. Evoé! E Viva Santo Antônio!









quarta-feira, 11 de junho de 2014

Mostra da Oficina de Performance Negra é destaque no A Tarde

Hoje, às 19h, acontece a II Mostra da Oficina de Performance Negra, realizada pelo Bando de Teatro Olodum. No palco, os 36 novos atores mostram o resultado do processo de aprendizagem com o grupo que há 24 anos consolidou linguagem, temática, método e arte próprios.

O tema foi destaque na edição do jornal A Tarde de hoje, clique na imagem para ler a matéria na íntegra.

http://i59.tinypic.com/9atyqq.jpg

terça-feira, 10 de junho de 2014

Segue aberta a Exposição VILA + 50.1 - O TREILER

Inaugurada na última quinta-feira, a exposição VILA+50.1 - O TREILER segue aberta ao público de segunda a sexta, sempre de 15 às 18h. A mostra é a primeira de uma série que vai comemorar os 50 anos do Teatro Vila Velha até o final do ano, e reúne fotografias, cartazes e documentos de diversos períodos do teatro.

Veja abaixo algumas fotos tiradas por Marcia Ribeiro, atriz da universidade LIVRE de teatro vila velha.















Teatro Vila Velha realiza a tradicional reza para Santo Antônio, nesta sexta-feira




No dia 13 de junho, sexta-feira, às 18h, o Teatro Vila Velha realiza a tradicional reza para Santo Antônio. O evento acontece todos os anos, desde a reinauguração do teatro, em 1998, coordenado pela atriz e produtora Marísia Motta.

Mais uma vez, quem assina o altar de Santo Antônio é a artista plástica Ligia Aguiar. Para esta edição, Ligia vai preparar um altar tradicional, com diversos tons de azul, que é a cordo santo homenageado, além de flores brancas. Em cima do altar, vão ainda os pãezinhos de Santo Antônio, que vão ser distribuídos aos presentes, prometendo sorte doamor.

Ao longo dos 16 anos, diversos artistas foram convidados pelo Vila para fazer o altar dareza, como Maurício Pedrosa, Bel Borba, Roney George, Marísia Motta, Dinorá Oliveira, entre outros. Além das rezas, o Santo Antônio do Vila promete muitas guloseimas juninas.

Estão todos convidados! E viva Santo Antônio!!!

Santo Antônio do Vila
13/06, sexta-feira, às 18h
Foyer do Teatro Vila Velha

Documentário sobre Edy Star gravado no Vila


Nesta terça-feira, foi gravada no Teatro Vila Velha parte do documentário que vai contar a história de Edy Star, um dos artistas mais expressivos da cena underground brasileira dos anos 70 e 80. Antes de ir viver no Rio, Edy chegou a se apresentar como ator no palco do Teatro Vila Velha. Também em Salvador, ainda na década de 60, conheceu Raul Seixas e com ele formou o grupo "Sociedade da Grã-Ordem Kavernista".

O diretor Marcio Meirelles falou sobre o contato com Edy e sobre a sua importância artística e política. Cantor, ator, compositor, dançarino, produtor, figurinista e pintor, Edy foi também o primeiro artista brasileiro a assumir-se homossexual. O documentário é produzido pela Lima Comunicação e pela Temdendê produções, e ainda não tem data prevista para estreia.

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Inaugurado o Cine Vila!

Foi inaugurado o cineclube do Teatro Vila Velha! O Cine Vila é um desejo antigo do teatro, concretizado a partir da Oficina de Audiovisual da LIVRE, coordenada por Maise Xavier, e motivado por uma provocação da 3a Bienal da Bahia. A inauguração do Cine Vila, na última quinta-feira, foi também o passo inicial do Cinema Yemanjá, rede de cineclubes de todo o estado formada pela Bienal.

Durante a inauguração, o diretor artístico do Teatro Vila Velha, Marcio Meirelles, ressaltou a importância do projeto: "Este é um momento histórico para o Teatro Vila Velha e para a cidade". A partir deste mês, Salvador ganha mais um espaço para assistir e discutir cinema.


O primeiro filme exibido pelo Cine Vila foi Rocha que Voa, de Eryk Rocha, documentário que retrata o cineasta Glauber Rocha durante o seu exílio em Cuba. Na fala de abertura, Meirelles também  destacou a relação de Glauber com o Teatro Vila Velha, desde a participação do ator Othon Bastos, membro da Companhia Teatro dos Novos, que fundou o Vila, no clássico Deus e o Diabo na Terra do Sol. 



Reza a lenda que Glauber, ao assistir a uma leitura dramática feita pela Companhia Teatro dos Novos teria se impressionado com o estilo Bertold Brecht e mudado completamente a dramaturgia em Deus do Diabo na Terra do Sol. 

Abrir o Cine Vila com um filme sobre Glauber Rocha também dialoga com os 50 anos do Teatro Vila Velha, que vão ser comemorados, em 31 de julho, com a estreia de Jango, único texto para teatro escrito por Glauber. O espetáculo, encenado por Marcio Meirelles, aborda o exílio de Jango, logo após ser deposto pelo Golpe Militar.

Em seguida, foi projetado o curta Toda a memória do mundo, de Alan Resnais, filmado dentro da Biblioteca Nacional Francesa, que faz uma reflexão sobre a memória, o registro, o passado e o legado da civilização.

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Atores da LIVRE recebem o mestre Harildo Deda

Harildo Deda em conversa com atores da LIVRE, na Sala João Augusto

Nesta sexta-feira, a universidade LIVRE de teatro vila velha recebeu o professor, ator e diretor teatral Harildo Deda para um bate-papo. Durante a conversa, Harildo falou sobre o Teatro Livre da Bahia, grupo que esteve à frente do Teatro Vila Velha entre os anos 1970 e 1979, sob coordenação do diretor João Augusto. 

Harildo, que foi um dos atores do Teatro Livre, destacou a importância do Vila para o seu trabalho: "Grande parte da minha formação vem daqui. Da minha e de muita gente".

Harildo Deda e Marcio Meirelles

Em julho, Harildo Deda vai ministrar uma oficina com os atores da LIVRE voltada para textos de William Shakespeare. Desde março, a LIVRE tem se debruçado sobre a obra do dramaturgo inglês. Em abril, o grupo Oficcina Multimedia (BH) realizou uma oficina de ritmo e métrica com base nos cinco tempos de Shakespeare e, desde maio, a LIVRE tem realizado encontros com o historiador Moreno Pacheco sobre o contexto histórico das obras Hamlet e MacBeth.


quinta-feira, 5 de junho de 2014

Vilavox leva o Segredo da Arca de Trancoso a Ilhéus

O grupo Vilavox, uma das crias do Teatro Vila Velha, leva o espetáculo O Segredo da Arca de Trancoso a Ilhéus. A montagem infantojuvenil, vencedora do Prêmio Braskem de Teatro 2013, se apresenta neste sábado, 17h, na Tenda Teatro Popular de Ilhéus.

Nesta quinta e sexta, das 17 às 21h, o grupo realiza ainda a oficina gratuita “Máscara: A Cara do Personagem”, ministrada por Fred Alvin e Gordo Neto. Os interessados devem preencher o formulário disponível no blog www.teatropopulardeilheus.blogspot.com.

 Foto: João Milet Meirelles

Dirigido por Cláudio Machado e escrito por Luiz Felipe Botelho, O Segredo da Arca de Trancoso é inspirado no universo dos contos orais brasileiros. O espetáculo infantojuvenil conta a história de um menino encarregado de levar uma arca de madeira até um local muito distante. Ao longo do caminho, ele se depara com várias surpresas e descobre como aquele objeto poderoso pode transformar a vida de todos os que tentam ver o que há dentro dele.

O Vilavox foi criado em 2001 e permaneceu no Teatro Vila Velha até 2010, quando resolveu voar com as próprias asas e fundar a Casa Preta, importante espaço cultural localizado no bairro Dois de Julho, centro antigo de Salvador. 

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Teatro Vila Velha participa da abertura da 3a Bienal da Bahia

Na última quinta-feira, o Teatro Vila Velha deu as boas vindas a 3ª Bienal da Bahia. Por volta das 20h, a universidade LIVRE de teatro vila velha recebeu o cortejo-performance "Homens Invisíveis", encabeçado pela artista portuguesa Luisa Mota, ao som da música Teatro (Dom Quixote), feita por Tom Zé para a reinauguração do Vila, em 1998. 


Foto: Gillian Villa/Bienal


Durante a fala de abertura, nas vozes do ator Franklin Albuquerque, o Vila saudou a retomada da Bienal da Bahia e ressaltou a sua importância política, ao reivindicar o reconhecimento do passado, das duas primeiras bienais, a última delas interditada pelo regime militar.

Em seguida, atores da LIVRE apresentaram para cerca de 500 pessoas o trailer do espetáculo Jango, dirigido por Marcio Meirelles, peça que vai comemorar os 50 anos do Vila. Com estreia marcada para 31 de julho, data de inauguração do Teatro Vila Velha, Jango é o único texto para teatro escrito pelo cineasta Glauber Rocha, e narra o presidente João Goulart em seu exílio, após ser deposto pelo golpe militar.


Foto: Gillian Villa/Bienal

Foto: Gillian Villa/Bienal


A programação de abertura da Bienal prosseguiu com o bloco de rua De Hoje a Oito, a banda de forró Ceguêra de Nó e show de transformistas.