quarta-feira, 29 de julho de 2009

Sábado tem IMPROVILAÇÃO

É isso mesmo!

Neste sábado, 01/08, as 20h, acontecerá mais uma edição do IMPROVILAÇÃO, no Palco Principal do Teatro Vila Velha. Desta vez, a jam session será coordenada pelo canadense Farley Johansson (da Science Friction - CAN). A música ficará por conta de João Meirelles e Grupo Ato. Bailarinos. B-boys. Atores. Músicos. Artistas Plásticos. Este é o lugar de encontro das múltiplas linguagens.

Um espaço, uma luz, uma música e muitas idéias transcritas no corpo que baila na criação imediata aos olhos do público que vê e é livre para entrar no jogo quando quiser.

Venha! A entrada é franca!

terça-feira, 28 de julho de 2009

ADIADO!

A Outra Companhia informa que o lançamento das revistas e DVDs de registro do Seminário História do Teatro Baiano nas Décadas de 60, 70, 80 e 90, prevista para acontecer hoje, dia 28, está adiado. É isso mesmo, não será hoje.

Optamos por adiar o lançamento do registro devido a intensa rotina de trabalho do grupo neste momento, ligado diretamente a reestréia d'O Contêiner, na próxima terça-feira e a participação das atividades dos 45 anos do Vila.

Muito em breve estaremos divulgando a nova data do lançamento do material. Aguardem!

V Seminário de Cinema

O V Seminário Internacional de Cinema e Audiovisual (SemCine) investetambém em um espaço alternativo multimídia composto por vários gênerosaudiovisuais. É o Lounge Multimídia Oi Futuro, que será abertogratuitamente ao público, no Foyer do Teatro Castro Alves, durante osdias do V Semcine, de 27 de julho a 1 de agosto.

Na programação do Lounge Multimídia Oi Futuro, haverá, pela primeiravez, uma mostra de vídeos de dança (Play Rec); mostra demicrometragens de celular, o Celucine; mostra de vídeos da KabumEscola de Arte e Tecnologia; mostra nacional do festival DIA - DiaInternacional de Animação; mostra dos premiados no V DiBa - DigitalBarcelona Film Festival; o projeto especial Material Bruto, dopremiado videoartista baiano Daniel Lisboa; projeto de mídiainterativa Kynema, Fluxuz Filmes, de Pedro Paulo Rocha; aRetrospectiva de Maurício Eça, com a presença do diretor paulista, umdos mais conceituados realizadores de vídeoclipes do Brasil. O Loungeterá ainda, ao vivo, performances ligadas ao audiovisual com aparticipação de artistas plásticos e dançarinos; DJs, VJs, lançamentosde livro e DVD.

Teatro Castro Alves
Lounge Multimídia Oi Futuro
De 27 de julho a 1º de agosto
Informações: (71) 3283-7017

segunda-feira, 27 de julho de 2009

EM AGOSTO TEM OFICINAS ARTÍSTICAS


Gisele Nussbaumer, Diretora Geral da FUNCEB, fala sobre o edital de Microprojetos.
Assista.


Audição para platéia


Ontem assisti a um espetáculo teatral. Hamlet, texto de William Shakespeare, direção de Aderbal Freire Filho com grande elenco. Mas não falarei da peça. Minha crítica se dirige à plateia soteropolitana.

Alguns amigos meus, entre eles pessoas de teatro, não conseguiram ingresso. Outros não tiveram grana. Realmente não foram preços populares. É uma pena que essas pessoas não possam ter visto o espetáculo porque algumas outras chegaram na frente ou detêm melhor oportunidade.

Durante o espetáculo, na fileira da frente me incomodei com a luz forte de um aparelho celular, mas para minha surpresa o espectador jogava damas no seu iphone. No intervalo, na fileira de trás, um rapaz no telefone dizia “é legal, tem umas partes engraçadas. Mas eu cochilei algumas vezes. Tonico Pereira faz o pai de Ofélia. Num sabe quem é não? É da globo...”. Para quem não assistiu, o nosso amigo achou que o rei Cláudio era Polônio, pai de Ofélia. Quanto ao ator que interpreta Polônio, coitado, ao reaparecer na trama como outro personagem causou a seguinte reação: “oxe, ele não tinha morrido?”.

Essa é a plateia que pagou caro para ver celebridades nem tão de perto assim. Não entenderam muito da peça. Claro, a linguagem teatral, como é de qualquer arte, requer entrosamento com seu público, adquirido aos poucos, com visitas frequentes, constantes... Decerto, não é o caso dos emissores dos comentários reais transcritos acima. Apesar de estarem ali prestigiando conterrâneos brilhantes, provavelmente não foram ver Wagner Moura 10 anos atrás, no início de sua carreira, já destacada. Por uma razão muito simples: não vão ao teatro. Correção: vão ao teatro, quando tem alguma estrela global no elenco.

A plateia soteropolitana precisa que o eixo rio são Paulo aprove seus artistas para aí sim dar atenção a eles. Não interessa que muitos talentos se percam neste celeiro fabuloso que é a Bahia, simplesmente porque por aqui não parece interessar muito a essa plateia a produção local. Apesar do privilégio de morarem aqui, não podem dizer que viram a carreira de seus pupilos evoluírem. É importante destacar isso, pois o próprio Wagner já foi alvo de críticas por ter supostamente “deixado” o teatro baiano, por ter partido para o sudeste do Brasil. Que outra opção esta terra dá a um artista da sua grandeza?

Sei que essa não é a única plateia de teatro de Salvador. Existe uma outra, na qual estão, entre outros, os meus amigos preteridos de Hamlet. Esta assiste o teatro local. Porque faz o teatro local. Ainda que não interesse à maioria que lotou o teatro.

Resta ter esperança no que Hamlet (peça e personagem, traduzido e transcriado) diz sobre o teatro e seu poder único de dizer certas coisas em reinos podres.

Daniel Farias - ator

últimas vagas


Editais da Funarte


A Fundação Nacional de Artes (Funarte) abriu inscrições para quatro programas de fomento às artes cênicas, disponibilizando R$ 10,1 milhões de investimentos para o setor. O Prêmio Myriam Muniz viabilizará 86 projetos de teatro e o Prêmio Klauss Vianna contemplará 47 projetos de dança. Pela primeira vez, artistas independentes (pessoas físicas) poderão se inscrever nos prêmios.

Além disso, grupos e produtores de todas as regiões poderão apresentar projetos para a ocupação dos teatros Cacilda Becker e Glauce Rocha, no Rio de Janeiro. Os processos seletivos são acessíveis a proponentes de todo o país.


Veja detalhes sobre cada programa abaixo:

Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2009
A quarta edição do prêmio viabilizará a realização de 86 projetos da área teatral, voltados para montagem e circulação de espetáculos ou outras atividades específicas do setor. O processo seletivo está aberto a companhias, grupos, empresas, associações, cooperativas ou artistas independentes. Os prêmios, que variam entre R$ 40 mil e R$ 150 mil, estão distribuídos por todas as regiões brasileiras. O investimento total da instituição é de R$ 7 milhões.
As inscrições são até o dia 03 de setembro. Para mais informações, clique aqui.

Prêmio Funarte de Dança Klauss Vianna
Companhias, grupos, empresas, associações, cooperativas ou mesmo artistas independentes podem concorrer. O programa, em sua quarta edição, tem como objetivo impulsionar nacionalmente o setor da dança, em todas as suas modalidades. Para tanto, viabilizará montagens e circulação de espetáculos, entre outras atividades. Serão contemplados 47 projetos. Os prêmios, que variam de R$ 30 mil a R$ 100 mil, estão distribuídos entre categorias regionais. O investimento total da Fundação é de R$ 3 milhões. As inscrições são até o dia 03 de setembro. Para mais informações, clique aqui.

Edital de ocupação no Teatro Cacilda Becker
O processo seletivo está aberto a associações, cooperativas, companhias, coletivos, grupos ou empresas que proponham uma programação para o Teatro, com agenda de espetáculos, eventos, oficinas e outras atividades de difusão da dança no Brasil. Dois projetos serão selecionados: um deles ocupará o espaço de 22 de setembro a 1º de novembro; o outro, de 17 de novembro a 20 de dezembro. Cada um receberá R$ 30 mil. O investimento total da Fundação no programa será de R$ 62,1 mil. As inscrições são até o dia 05 de setembro. Para mais informações, clique aqui.

Edital de ocupação do Teatro Glauce Rocha
Associações, cooperativas, companhias, grupos ou empresas culturais poderão apresentar projetos com propostas de atividades para o Teatro Glauce Rocha, tais como montagens de espetáculos e realização de seminários, palestras, debates, cursos e outras ações que ajudem a promover e difundir o teatro no país. O vencedor (somente um) receberá R$ 60 mil e ocupará o Teatro no período de setembro a dezembro de 2009. O investimento total da Fundação será de R$ 62,1 mil. As inscrições são até o dia 05 de setembro. Para mais informações, clique aqui.

Para mais informações, acesse www.funarte.gov.br.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

terça-feira, 21 de julho de 2009

Neva, no Vila.

A Companhia Teatro dos Novos faz amanhã a leitura dramática de "Neva", com ENTRADA FRANCA, às 20h, no Cabaré dos Novos.

Escrita pelo jovem dramaturgo chileno Guillermo Calderón, Neva é uma das peças mais importantes do teatro chileno destes últimos anos e uma intensa reflexão auto-crítica e sarcástica sobre a arte teatral.

Direção: Héctor Briones
Elenco: Iara Colina, Rui Manthur e Vivianne Laert
Luz: Priscila Povoas

--
Baseada em fatos reais, Neva localiza a sua ficção em São Petesburgo. Seus protagonistas são três atores do legendário grupo "Teatro de Arte de Moscou", entre eles Olga Knipper, esposa do renomado dramaturgo russo Anton Tchekhov.

A peça transcorre em 1905, durante o ‘domingo sangrento’, quando as tropas do czar reprimiram violentamente uma manifestação de trabalhadores. Nesse dia, num teatro defronte ao rio Neva, os três atores esperam os outros colegas da trupe para começar o ensaio.

Eles não chegam... podem ter morrido.

depoimentos


Só tenho a dizer-lhes que fico super-emocionada com os 45 anos do Vila! O Vila Velha fez parte da minha educação, entrou na minha formação de sensibilidade; eu simplesmente "não saía de lá", vi todos os shows antológicos, o 1º de Bethânia, o 1º de "Gracinha", "Eles não usam Black-Tie", todos os de Cordel, a beleza de Othon Bastos etc. etc. E tinha os Concertos - o Vila era casa de música erudita! Só tinha ele, a Reitoria e o Museu de Arte Sacra. Até cantei ali (e tenho retrato!) com o Coral dos, então, "Seminários de Música", em 1966, regido pelo lendário Rinaldo Rossi.


Consuelo Mascarenhas

----

Salve o VELHO VILA, onde tudo começou pra mim. Sou filho de Monte Santo - Bahia. Em 1971, cheguei por aqui e minha primeira apresentação foi no MEIA NOITE SE IMPROVISA do Vila. Depois, ja em 72, tive o prazer de fazer a musica para a abertura da peça "QUINCAS BERRO D'ÁGUA", com direção de João Augusto e grande elenco (me parece que eram 60 atores). Foi assim que tive pela primeira vez uma musica minha e do Patinhas (João Santana) apresentada para um grande publico. E pude também conhecer Jorge Amado, pois as primeiras leituras da peça foram feitas em sua casa, lá no Rio Vermelho. Muitos anos depois, fiz um show histórico com Carlinhos Brown, Tuzé Abreu, Armandinho e Naná Vasconcelos, que começou às 16 horas e só foi parar depois de meia noite, o que a gente chamou de "Show Sem Script para o VELHO VILA VELHA". Vocês podem ver o vídeo desse momento antológico no YOUTUBE, clicando aqui.

Abs. Gereba
www.myspace.com/gereba
www.paulus.com.br/site/sertao

Bombou!

O Contêiner por Catarina Rangel

Na terça e na quarta-feira da semana passada o espetáculo O Contêiner voltou aos palcos do Vila.
A apresentação do dia 14 (terça-feira) foi exclusiva para professores e coordenadores pedagógicos das escolas que em agosto participarão do projeto O Contêiner - Projeto Escola, e no dia 15 (quarta-feira) o espetáculo foi apresentado dentro do PQQ como umas das atividades do mês de aniversário do Vila.
Nas duas apresentações tivemos um bom público superando 500 espectadores nos dois dias. Resumindo: bombou!
Em agosto o espetáculo estará de volta, toda terça-feira, às 20 horas, aqui no Vila.
Aproveitamos para agradecer a presença de todos, aos apoiadores e a toda a equipe técnica do Teatro Vila Velha.
Um muito obrigado d'A Outra Companhia de Teatro!

Doem suas toalhas!

A produção do espetáculo “Banheiro Fantástico” necessita de toalhas de banho. E aceita doações de tolhas de média ou boa qualidade, de qualquer natureza, decoração e cor.


para doar envie um email com nome, número de telefone e endereço para estes contatos:
ana.cartaxo@uol.com.br / thaisalvesassis@yahoo.com.br / marianafreire44@yahoo.com.br

sexta-feira, 17 de julho de 2009

3º Concurso Literatura Para Todos



Já imaginou escrever um livro que pode ser lido em todo o país e ainda despertar em milhares de brasileiros o gosto pela leitura? Pensando nisso, o Ministério da Educação lançou a 3ª edição do concurso Literatura para Todos, que vai premiar obras literárias voltadas para neoleitores – jovens, adultos e idosos que ainda não dominam plenamente a leitura e a escrita.
O concurso é dividido em cinco categorias. Duas obras serão premiadas nas categorias Prosa, Poesia e Tradição Oral. Entre as categorias Perfil Biográfico e Dramaturgia, será escolhida uma obra de cada. O concurso também vai premiar uma obra de um autor de país africano de língua portuguesa inscrita em qualquer uma das categorias. As obras devem ser atraentes e dentro da realidade dos neoleitores. Os vencedores receberão R$10 mil cada e terão suas obras publicadas e distribuídas pelo Ministério da Educação em todo o território nacional. Não fique de fora.
Participe.
Inscrições até 25 de agosto. Para mais informações, clique aqui.

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Improvise!

Criado na década de 60 pelo então diretor do Vila, João Augusto, o Meia Noite se Improvisa abria espaço para que todo o tipo de arte pudesse acontecer. Ressurgido em 1995, o projeto durou até 2004 recebendo artistas conhecidos e anônimos.

Agora o Meia Noite retorna para uma edição especial como parte das comemorações pelo aniversário do Vila. No dia 24/07, a partir da 00h (de sexta para sábado), o palco vai estar aberto e você pode participar se inscrevendo através do e-mail: meianoiteseimprovisa@teatrovilavelha.com.br

Logo a gente divulga alguns nomes confirmados para animar a noite!

terça-feira, 14 de julho de 2009

Descascando batatas

Hoje, Bruno Machado, meu colega do Núcleo de Comunicação, estava falando sobre Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, Pato Fu, história do rock brasileiro, essas coisas. Conversa vai, conversa vem, ele terminou com O Melô do Marinheiro grudado na cabeça.

"...entrei de gaiato no navio - ô! - entrei, entrei, entrei por engano, entrei de gaiato no navio - ê - entrei, entrei, entrei pelo cano..." e depois cantarolava "...conhecer o mundo inteiro sem gastar nenhum tostão...".

Respondi no automático: visão bem romântica de o que acontece com quem é pego de gaiato no navio, né? Lavar convés, descascar batata, até parece. Na verdade não é nada disso. sabe o que acontece? Eles dão na sua cabeça com alguma pesada e te jogam no mar. Aí ninguém nunca vai saber que você esteve ali pra começo de conversa. Sério? Sério.

Como eu sei disso? Bom. Em 2006 fiz uma série de estudos intensivos em imigração ilegal, movimentos migratórios, história da África, do Brasil e da escravidão. Passamos cerca de seis meses estudando um texto de José Mena Abrantes, um angolano, que registrou em texto dramático a história real de três africanos que entraram de gaiatos em um navio. Por um capricho do destino, por muito pouco, bem pouco, não foram assassinados pela tripulação. Ao invés disso, foram isolados em um contêiner marítimo enquanto decidia-se o que se faria dos clandestinos.

Esse estudo era a base de pesquisa para a montagem de um espetáculo que lembro com muitas boas saudades: O CONTÊINER, d'A Outra Companhia de Teatro. Fomos para o Festival de Teatro de Curitiba em 2007. Foi muito legal.

Aí é isso: Bruno cantou, eu lembrei e o Contêiner reestréia hoje - já sem mim, no Vila Velha. Grande espetáculo. Apresenta-se mais uma vez amanhã, dia 15, às 20h, e depois faz as terças de agosto. Quem não viu, tá perdendo.

Camilo Fróes

Agradecimento



O Bando de Teatro Olodum, a Cia dos Comuns e o Teatro Vila Velha agradecem a todos que fizeram do III Fórum Nacional de Performance Negra um momento importante de troca de idéias, conhecimentos, pensamentos e experiências. Esse Fórum só foi possível graças à participação de cada um dos nossos convidados, representantes das artes cênicas negras, palestrantes, professores, produtores, divulgadores, colaboradores, administradores, funcionários do Teatro e ao apoio das Secretarias da Cultura e da Promoção da Igualdade do Estado da Bahia, da FUNARTE, da Fundação Cultural Palmares e da Petrobras. O sucesso e a certeza da importância desse evento já nós impulsionam na preparação do IV Fórum. Até lá.
Chica Carelli

Circo Teatro Udi Grudi



segunda-feira, 13 de julho de 2009

Cirque du Soleil oferece 200 vagas para trabalho temporário

Fidelis Tavares A TARDE

O espetáculo Quidam, do Cirque du Soleil, abriu 200 vagas para contratação de profissionais que atuarão durante a temporada de apresentações no mês de agosto, em Salvador. O prazo vai até o dia 17 deste mês. Os ganhos variam de R$ 800 a R$ 1 mil, conforme o cargo, além de benefícios como vale-transportee alimentação no local. .

Os interessados devem comparecer ao escritório da empresa de recursos humanos Allis, localizado na Avenida Tancredo Neves (veja endereço completo abaixo) para levar currículo. Além disto, é possível enviar, também, por meio do site da Allis (Clique aqui e acesse a página) ou por e-mail: cds@ allis. com. br. O candidato que for fluente em inglês terá maior chance de ser selecionado. Outras características levadas em consideração são dinamismo, pro-atividade e facilidade de comunicação. www.allis.com.br / cds@alis.com.br

CANDIDATE-SE ALLIS, Av. Tancredo Neves, 3343, Conjunto 304, Torre A 9h às 17h, 2ª à 6ª feira

Seleção para Vocalista

BANDA SIMPLES RAP´ORTAGEM
EDITAL AUDIÇÃO NOVA VOCALISTA N°1- 2009

O grupo soteropolitano de Rap, Simples Rap’ortagem vem, através deste, tornar pública a audição para selecionar a nova vocalista.

A Simples, como é conhecida, ao longo desses 15 anos, tem se destacado no gênero, pelo profissionalismo e pela produção musical que valoriza a criatividade poética, além de incorporar elementos regionais da cultura afro-baiana e nordestina. Seu repertório traz canções que ressaltam o respeito aos valores regionais nordestinos, o fortalecimento dos referenciais de negritude, a valorização de um Hip-Hop brasileiro e a necessidade de emancipação feminina. Ritmo com poder de sensibilização, aliado a um conteúdo forte, reflexivo, agraciado com a irreverência constituem a Simples Rap’ortagem.


DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

1.1 A audição será realizada com as participações especiais dos artistas Ângelo Flávio (diretor teatral), Rita Cajaíba (produtora), Jedjane Mirtes (coreógrafa), Léo Bitencourt (músico) e Jorge Hilton (vocalista do grupo), que serão os jurados.

1.2 A audição para a nova vocalista da Simples Rap´ortagem terá como pré-requisitos:
o mulher, a partir de 18 anos de idade;
o simpatizante do Hip-Hop;
o afinidade com a temática racial, de gêneros e afins;
o algum conhecimento teórico musical;
o perspectivas de viver de música.


CONTEÚDO DA SELEÇÃO

2.1 Entrevista

2.2 Interpretação de trecho das seguintes músicas da Simples Rap´ortagem: Lira (introdução) e Brasil Haiti, que serão enviadas por e-mail às candidatas.


DATA

3.1 Etapa única na data 08 de agosto de 2009, no turno vespertino, das 14h às 18h.


LOCAL

4.1 Espaço Xisto Bahia (Biblioteca dos Barris)


INSCRIÇÃO

5.1 As interessadas devem enviar, até a data 30 de julho de 2009, seus contatos (número de telefone fixo, celular e e-mail) para o e-mail: escritorioepa@yahoo.com.br.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

III Fórum Nacional de Performance Negra

Termina hoje a terceira edição do Fórum de Performance Negra. Nestes quatro dias de discussões, debates, apresentações e reflexões, passaram por aqui:

(Fotos de João Meirelles)



Léa Garcia - homeganegada nessa 3ª edição



Rui Moreira



Ministro Edson Santos - Seppir



Zózimo Bubul - também homenageado

Confira mais fotos no site

quarta-feira, 8 de julho de 2009

SARARAU

Poetas, compositores, artistas plásticos, vj's, músicos, atores, dj's, dançarinos e artistas de todas as áreas, no SARARAU o palco do Cabaré dos Novos é de vocês.
Venham!!! Divulguem !!! Participem!!!
Informações: 71 8845.5445 (Júlia Rizério)

manifestação



Eu respeito a história do teatro baiano e, a partir desse pensamento, eu respeito a classe; mas chamo de classe aquela que inclui a todos - ou, pelo menos, a maoria dos trabalhadores de arte do nosso estado. E na classe defendida por Fernando Marinho não me vi incluso, nem a muitos outros artistas. Não por concordar ou discordar do pensamento expresso na "Carta Aberta aos Artistas Baianos", mas porque o motivo que levou ao protesto no dia 2 de julho não foi divulgado a todos de modo que a classe realmente pudesse ser representada.

Tenho uma opinião diferente dessa, se a cultura do estado está ou não morrendo - acho que o problema não é esse. Me interesso por conhecer os fatos que nos levaram à cena que temos hoje na Bahia, incluindo o interior do estado. Sei o quanto foi produzido e o que se comunicou ao público da década de 60 para cá. E, partindo desse conhecimento, acho ingenuidade acreditar que Marcio Meirelles é contra a Produção Cultural Baiana, ou que as suas ações como Secretário da Cultura estariam desvinculadas de um pensamento de Governo.

Falo isso porque está escrito no e-mail circular redigido pelo presidente do SATED que houve um desmonte da produção artística na bahia. Concordo que parte - digo parte - da PRODUÇÃO DE ESPETÁCULOS (mais especificamente de teatro) foi desmontada, mas não a cultura. Em contrapartida, a cultura baiana ganhou com o fato de que projetos do interior do estado estão sendo incentivados o quanto no governo passado não eram. Não podemos falar que o estado parou de incentivar a arte, isso não é real. O que aconteceu foi que o foco mudou. E isso acontecerá sempre, de governo para governo; ridículo pensarmos que os mecanismos de apoio estatal estarão sempre à disposição de qualquer um, independente dos interesses dos governantes e de seus pensamentos para o desenvolvimento do estado.

Se de um lado o governo, por interesses próprios, parou de investir em certos seguimentos artísticos, por outro, os artistas que eram beneficiados - e que não eram muitos, não projetaram o futuro, prendendo-se à realidade passada, de governantes com posturas específicas. Agora mudou, o partido é outro, as "ideologias" são outras e assim será a cada mandato, não nos enganemos quanto a isso.

Contrariamente a defender a saída do secretário de cultura, acredito que a classe defendida pelo sindicato tenha capacidade e competência para sentar na mesa com qualquer secretário de estado, seja Marcio Meirelles ou qualquer outro, para propor e discutir soluções que realmente possam fazer do estado um incentivador da cultura e não seu mantenedor. Porque, se essa mesquinhez continuar, teremos a cada representate que sentar na cadeira de governador a criação de duas classes de produtores e artistas: uma que apoia e outra que desaprova batendo em panelas quando "injustiçados", ou se omitindo quando "contemplados", e eternos dependentes da máquina pública para poder produzir.

Digo também que, quem quer que tenha organizado o protesto, não convocou toda a classe, porque, entre outras razões, não fui convocado e nem percebi reverberações desse chamado para o protesto. Mas concordo, sim, que A CLASSE tenha que sentar junto ao estado para exigir suas reivindicações e protestar se suas expectativas não estiverem sendo cumpridas.


Vinicio de Oliveira Oliveira
Diretor de Teatro

terça-feira, 7 de julho de 2009

objetivando...

Encontro com o secretário de cultura, Marcio Meirelles, daqui a pouco - às 17 horas - no auditório Nilda Spencer, Palácio da Aclamação.

EM PAUTA: Colocar em debate as manifestações recentes sobre a política de cultura do estado.


segunda-feira, 6 de julho de 2009

Começou!

O III Fórum de Performance Negra começou. Recortamos trechos de falas das autoridades presentes hoje na abertura para dar o tom das discussões que devem seguir até esta quinta-feira. Acompanhe!

"84,7% dos grupos que participam desse III Fórum Nacional de Performance Negra não têm qualquer tipo de subvenção. Os outros 15,3% têm alguma subvenção. Alguma, apenas. Issó é um abismo". Hilton Cobra, o ator Cobrinha, da Companhia dos Comuns.

"É preciso que os grupos negros de artes cênicas participem massivamente dos editais lançados pelo governo." Ubiratan Castro, presidente da Fundação Pedro Calmon.

"Do primeiro para o terceiro fórum, pulou de 7 para 41 o número de grupos de dança e teatro negros baianos. São grupos invizibilizados pelo preconceito e pela inércia do governo em criar políticas de fomento e promoção. O Fórum é a afirmação da nossa presença e contribuição política e cultural para a história. Luiza Bairros, secretária de Promoção da Igualdade/BA.

"Existe no Brasil uma dificuldade de se organizar, se institucionalizar. Precisamos firmar cada vez mais essa rede e compartilhar o conhecimento de como distribuir esse poder que está na cultura". Marcio Meirelles, Secretário de Cultura do Estado da Bahia.

"Estamos engatinhando em termos de organização política. É essencial que se conheça a dinâmica de cada região e, pelas diferenças, construir diretrizes para políticas e ações". Américo José Córdula, secretário da Identidade e da Diversidade/MinC.


"O Fórum é hoje uma peça importante para o reconhecimento da contribuição do negro na construção da cultura nacional". Zulu Araújo – Presidente da Fundação Cultural Palmares, do MinC.

"É preciso garantir esse diálogo com a as artes e a cultura na construção de políticas públicas para as populações negras, sobretudo com o viés da inclusão social". Ministro Edson Santos, da SEPPIR - Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial.

"Todo o Ministério da Cultura deve se envolver com a questão negra". Sérgio Mamberti - Presidente da FUNARTE - Fundação Nacional das Artes.

domingo, 5 de julho de 2009

III FÓRUM NACIONAL DE PERFORMANCE NEGRA

III FÓRUM NACIONAL DE PERFORMANCE NEGRA
TEATRO VILA VELHA - SALVADOR -BA

PROGRAMAÇÃO

06.07 (2ª feira)

Abertura 09:00 – 11:00

Edson Santos – Secretário da SEPPIR - Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial-DF Zulu Araújo – Presidente da Fundação Cultural Palmares - MINC-DF

Sérgio Mamberte – Presidente da FUNARTE - Fundação Nacional de Arte - MINC-RJ

Américo José Córdula – Secretário da SID - Secretaria da Identidade e da Diversidade - MINC-Luiza Bairros – Secretária da SEPROMI - Secretaria de Promoção da Igualdade-BA

Marcio Meirelles – Secretário da SECULT - Secretaria de Cultura-BA-

Debate 11:00 – 12:00

Almoço 12:00 – 14:00

Oficinas 14:00 – 17:00

Interpretação teatral - “Tríade para construção da cena“ Ângelo Flávio – Diretor teatral e ator - BA

Dança – “Aplicação das técnicas contemporâneas (Horton – Graham, etc.) conjuntas ao vocabulário das danças afro-brasileiras” Zebrinha – Coreógrafo - BA

Música - “Música de cena” Jarbas Bittencourt – Músico - BA

Criação da forma gráfica - "Traços da identidade visual negra" Luiz Carlos Gá – Designe gráfico - RJ

Iluminação - “O isto e aquilo de uma iluminação cênica” Jorginho de Carvalho – Designe de luz - RJ

Grupos de trabalho - Encontros regionais 17:00 – 18:00

Intervalo 18:00 - 19:00

Homenagens 19:00 – 20:00 - Solano Trindade - SPLéa Garcia - RJRuth de Souza - RJZózimo Bulbul - RJ

20:00 – 21:00

Espetáculo – “RECEITA” - Rui Moreira - MGCoreografia: Henrique Rodovalho

07.07 (3ª feira)

Mesa redonda - 09:00 – 10:30

“INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO E FOMENTO”

“O programa de fomento e as políticas públicas” - Luiz Carlos Moreira – Engenho Teatral-SP

“Pontos de cultura” - Célio Torino - Secretário da Cidadania Cultural - MINC-DF

“Lei Rouanet” Roberto Gomes do Nascimento - Secretário da SEFIC - Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura - MINC-DF

Coordenadores: Érico Brás – Ator - BADébora Almeida – Atriz - RJ

Debate 10:30 – 12:00

Almoço 12:00 – 14:00

Oficinas 14:00 – 17:00

Interpretação teatral – “Ator-Contador e Ator-Mostrador no jogo da aprendizagem teatral” Luiz Marfuz – Diretor teatral - BADança –

“As transformações das varias modalidades de danças, coreografias tradicionais e lendas em dança teatral contemporânea” Clyde Morgan – Coreógrafo - EUA

Música - “O som na cena negra contemporânea” Gil Amâncio – Músico - MG

Figurino - “Chegando perto dos figurinos” Biza Vianna – Figurinista - RJ

Sonorização - “A percepção auditiva no processo de criação” Filipe Pires – Designe de som - RJ e Jarbas Bittencourt - Músico - BA

Grupos de trabalho - Encontros regionais 17:00 – 18:00 -

Intervalo 18:00 - 19:00

19:00 – 20:00 -Lançamentos (CD, DVD, Livros, etc.)

20:00 – 21:00 Espetáculo – “SHIRÊ OBÁ”Cia de Teatro NATA - BADireção: Fernanda Julia

08.07 (4ª feira)

Mesa redonda 09:00 – 10:30

“DRAMATURGIA NEGRA” “O drama negro latino-caribenho: texto dramático, didascalia e representificação da performance negra” Julio Moracen - CUBA

“As transformações das varias modalidades de danças, coreografias tradicionais e lendas em dança teatral contemporânea” Clyde Morgan – EUA

Coordenadores:Cuti (Luiz Silva) – Dramaturgo e escritor - SP Valdinéia Soriano – Atriz - BA

Debate 10:30 – 12:00

12:00 – 14:00Almoço

Mesa redonda 14:00 – 17:00

“DRAMATURGIA NEGRA” “A representação da periferia na cultura nacional”Paulo Lins – Escritor e roteirista - RJ
“Jouvay Popular Theatre Process” (JPTP) / Jouvay – abertura do carnaval: um teatro popular no Caribe Tony Hall – Dramaturgo, diretor e ator – TRINIDAD E TOBAGO

Coordenadores:Leda Martins – Poetisa e Ensaísta - MGCridemar Aquino – Ator - RJ

Grupos de trabalho - Encontros regionais 17:00 – 18:00 -

Intervalo 18:00 - 19:00

Mesa redonda 19:00 – 20:00

“POLÍTICA E CULTURA”“Presença negra na região amazônica – performances rituais”Zélia Amador de Deus – Militante do Movimento Negro, Profª da Universidade Federal do Pará e Doutora em Ciências Sociais - PA


“Política cultural e cultura política: contradições e/ou complementariedades?”Sueli Carneiro – Filósofa e Diretora do Geledés - Instituto da Mulher Negra- SP

Coordenadores: Luiza Bairros – Socióloga e Secretária da SEPROMI – Secretaria da Igualdade Racial – BA

Debate 20:00 – 21:00

09.07 (5ª feira)

09:00 – 10:30

Apresentação resultados dos grupos de trabalho

Coordenadores:Vilma Reis - Socióloga e Coordenadora do Ceafro – Centro de Estudos Afro-orientais/UFBA - BA

Hilton Cobra – Ator e Diretor da Cia dos Comuns - RJ

Debate 10:30 – 12:00

Encerramento 12:00 – 12:30

Almoço 12:30

14:30 Apresentação de manifestação popular“Grupo Folclórico Congos de Cairú” - BA “Samba de Lata de Itijuaçu” – Senhor do Bonfim - BA

18:00 – 20:00 - Fórum se improvisa

20:00 – 21:00 Espetáculo – “SILÊNCIO” Cia dos Comuns - RJ Encenação: Hilton Cobra

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Estréia em Outubro!




De João Daniel Tikhomiroff

Com
Leno Sacramento como Chico Canoa, Sérgio Laurentino como Exu, Zebrinha como Ogum e Rejane Maia como Nanã.

APOIO CONTINUADO


Para maior esclarecimento da sociedade diante das matérias publicadas nas últimas semanas em alguns veículos da imprensa sobre os convênios firmados pelo Governo da Bahia, através da Secult-BA, com algumas instituições culturais privadas, a Secult-BA divulgou nota pública sobre o assunto em seu site. Aqui no blog, publicamos algumas informações de interesse público.

CONHEÇA AS INSTITUIÇÕES QUE SÃO APOIADAS PELO GOVERNO DA BAHIA
(com valor de apoio anual):

* TEATROS
- Teatro Vila Velha - R$ 280.000,00
- Balé Folclórico da Bahia (Teatro Miguel Santana)- R$ 400.000,00
- Teatro Popular de Ilhéus - R$ 196.000,00
- Theatro XVIII - R$ 344.119,60
- Teatro Gamboa Nova - R$ 219.104,60

* MUSEUS
- Museu Carlos Costa Pinto - R$ 400.000,00
- Museu da Misericórdia - R$ 345.216,40
- Museu Hansen Bahia (Cachoeira / S. Félix) - R$ 181.410,751

* CENTROS CULTURAIS / OUTROS
- Academia de Letras da Bahia – R$ 255.991,10
- Núcleo de Incentivo Cultural de S. Amaro - R$ 166.197,77
- Fundação Anísio Teixeira (Caetité) - R$ 156.697,39

* ARQUIVOS / ACERVOS
- Fundação Casa de Jorge Amado - R$ 400.000,00
- Instituto Geográfico Histórico da Bahia - R$ 110.000,00
- Fundação Pierre Verger - R$ 302.947,64

Desse conjunto de organizações, 11 já eram apoiadas pela antiga Secretaria de Cultura e Turismo (SCT) e três (Teatro Gamboa, Museu Misericórdia e Teatro Popular de Ilhéus) passaram a contar com o apoio da SECULT na presente gestão. Os valores dos convênios variam de acordo com os projetos apresentados por cada instituição dentro do teto anual de R$ 400 mil.

ENTENDA O CASO:
Logo no início da atual gestão, em janeiro de 2007, a Secretaria de Cultura recebeu relatório de uma auditoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE), realizada em 2006 nos processos do Fundo de Cultura, com ampla repercussão na imprensa na época. Esse relatório apontava irregularidades em alguns convênios e questionava a excessiva concentração de recursos em poucas instituições.

Por orientação da Procuradoria Geral do Estado, órgão de assessoramento jurídico do Estado, foi aberto um processo de investigação e, durante esse período, os repasses foram suspensos.

Ao final, foi comprovado que 5 instituições apresentavam irregularidades em suas estruturas administrativas. Nesses casos, não foi possível a renovação dos convênios e o Estado assumiu a maior parte das atividades culturais realizadas por essas instituições. Foram, então, renovados os convênios de 11 instituições privadas de caráter público e realizados 3 novos convênios, sendo estabelecido um teto de R$400 mil para repasses anuais para cada instituição.

Essa medida atingiu diretamente três instituições que tiveram seus convênios renovados: Museu Carlos Costa Pinto, Fundação Casa de Jorge Amado e Balé Folclórico. Todas as demais recebiam valores anuais abaixo desse teto, entre R$110 mil e R$350 mil. Atualmente, o Fundo de Cultura apóia 14 instituições culturais de direito privado no estado, cobrindo entre 30% e 80% do total de suas despesas.

Ainda no que se refere a esses convênios, a Procuradoria Geral do Estado passou a questionar o custeio integral, pelo Poder Público, de despesas de manutenção (contas de água, luz, telefone, segurança e climatização) de instituições privadas, além de vetar o pagamento com despesas de encargos trabalhistas.

Desde então, a Secult-BA busca uma solução definitiva, em parceria com a PGE, para a reestruturação dos convênios dentro dos marcos legais que regulamentam os mecanismos de fomento à Cultura.

No Brasil, existem três formas de apoio a instituições culturais: (i) subvenção social; (ii) contrato de gestão com OS (Organização Social) ou termo de parceria com Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público); e (iii) Plano de Atividades da Lei Rouanet. Como os convênios atuais do Fundo de Cultura da Bahia não atendem a nenhuma dessas categorias, estamos propondo um Programa de Apoio a Instituições Culturais com base numa adaptação do Plano de Atividades da Lei Rouanet para as regras do Fundo.

A Secult-BA está formulando um novo modelo para o apoio às instituições privadas de caráter público. O modelo será apresentado ainda no terceiro trimestre de 2009 e, enquanto isso, a renovação dos convênios no modelo atual está garantida. Com o lançamento do Programa de Apoio a Instituições Culturais, haverá aumento do teto de apoio e outras instituições também poderão ser beneficiadas.

Fonte: Assessoria de Comunicação / Secult

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Pina Bausch

Morre, aos 68 anos, a bailarina e coreógrafa alemã Pina Bousch. Às vésperas do retorno ao Brasil para as apresentações de suas maiores obras, Café Müller e A sagração da primavera, marcadas para acontecer em setembro, no Teatro Alfa em São Paulo.

Pina Bausch é considerada a maior figura da dança expressionita alemã e também uma das principais coreógrafas contemporâneas.





"Pina Bausch revolucionou e o fez sem concessões. Tornou-se um ícone, uma referência para as artes, construindo de maneira ímpar seu movimento pela vida. A cada criação um universo se abria - feito especialmente pelas questões humanas. Cerzindo histórias, com grande maestria, provocava um raro movimento na dança, no qual palco e platéia se encontravam.

Fico feliz de ter conhecido, nesse curto tempo e pequeno espaço da vida, o trabalho de Pina Bausch."

Cristina Castro
Coreógrafa e diretora do Núcleo Viladança