sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

“Quanto vale a arte?”

- esta é a provocação que o Vila e o Gamboanova fazem neste mês de março - o Mês do Teatro.

O ingresso do teatro é caro? é barato? é justo, mas o povo não pode pagar?

No Gamboa e no Vila, Pague Quanto Quiser!


Você já parou para pensar na quantidade de custos que estão envolvidos nas produções dos espetáculos? Já considerou o emprego de técnicos, artistas, aluguel de espaços, confecção de cenários e figurinos e outras tantas despesas?

Por mais incrível que pareça, é comum ouvir reclamações aos valores dos ingressos de teatro, considerados caros, muitas vezes. Há também os infindáveis clamores por cortesias/ convites, além de quase todo mundo apresentar carterinha de estudante e pagar meia-entrada. No fim das contas, sobreviver somente da arrecadação das bilheterias é, normalmente, um problema.

Tá na hora de pensar nisso pra valer. Durante todo o mês de março, o Vila e o Gamboa dão liberdade ao público de escolher quanto quer pagar para assistir a alguns dos espetáculos em suas programações. Ao mesmo tempo em que atrai pela possibilidade dos baixos preços, a campanha PQQ (Pague Quanto Quiser) chama a atenção para o custo real das montagens frente aos valores que normalmente são praticados nos ingressos.

A ação começa hoje à noite, com a primeira apresentação de Canteiros de Rosa, do Vilavox, às 20h.

Você pode pagar desde apenas alguns centavos até quanto achar que deve - sem limite máximo de valor; o importante é que pague e perceba que o espetáculo – em toda e qualquer circunstância – tem um custo e este não deve ser ignorado.

A grade completa das duas casas, assim como os dias da campanha PQQ podem ser conferidas nos sites www.teatrovilavelha.com.br e www.teatrogamboanova.com.br

Os selecionados...

Segue abaixo a lista dos selecionados para as três oficinas do projeto Conexão Shakespeare-Nordeste. Aos selecionados, parabéns! A quem ficou de fora, o nosso agradecimento pela inscrição e o nosso convite para participarem das outras atividades do projeto: o seminário sobre Shakespeare nos dias 18 e 19 de março e leitura encenada realizada pel'A Outra Companhia de Teatro e pelos Clowns de Shakespeare do texto Trabalhos de amor perdidos no dia 19 de março, às 19 horas, aqui no Vila.
Lembrando que segunda-feira começa a Oficina Laboratório de Criação Cênica, com Fernando Yamamoto. Então, todos os selecionado para esta oficina compareçam ao Vila a partir de 13:30.
No mais, é isso... Segue a lista:

OFICINA LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO CÊNICA

1. ALEX BARRETO DOS SANTOS
2. ALEXANDRE GEISLER DE BRITO LIRA
3. ANA CAROLINA FERREIRA ALVES
4. ANDERSON DE ALCANTARA SANTOS
5. ANGEL MÁRIA MARQUES FONSECA
6. CRISTIANE MARIA GONÇALVES DE LACERDA
7. EDNEI SOARES DA COSTA
8. FILIPE SILVEIRA LEITE ALVES SANTOS
9. JAQUELINE DE LEÃO SANTANA
10. JONATAN DE SANTANA MIRANDA AMORIM
11. LUCAS DOS ANJOS PIMENTEL
12. MAIANA PASSOS VEIGA
13. MARINA POLLYANNA S. M. DO CARMO
14. MAURÍCIO SILVA MENDES
15. NOAN SOUZA SANTOS
16. ROBSON GOMES DA SILVA
17. ROGERIO DE ASSIS
18. ROSANGELA DE GINO BENTO
19. RUY JOSÉ DOS SANTOS
20. SANDRO SUZART SOUZA SANTANA
21. SAULUS CASTRO
22. VERENA UZÊDA SENA GOMES
23. VINÍCIUS MARTINS
24. WINDSON MORAES
25. YOLANDA JACY ROCHA DOURADO


OFICINA A MÚSICA DA CENA

1. ALBERT DE SOUZA VIEIRA
2. ANDRÉ LUÍS PINHEIRO
3. BÁRBARA VIRGÍNIA DAMASCENO BRAGA
4. BRUNO ROBERTO DE SOUSA
5. CARLOS DARZÉ
6. CATARINA ROSA CAMPOS
7. CHRISTIANA DIAS DE MENDES RIBEIRO
8. DANILO DOS SANTOS SILVA
9. DIEGO NUNES PINHEIRO
10. DOMINIQUE EVELYN GALVÃO DE JESUS
11. EMERSON SANTOS NUNES
12. EMILLIE LAPA DO ESPIRITO SANTO
13. FRANCISCO MÁRCIO DE LIMA OLIVEIRA
14. IVAN ALEXANDRE DOS SANTOS FILHO
15. JACYAN CASTILHO
16. JAMILE DE OLIVEIRA GONÇALVES
17. JÉSSICA COUTO PEREIRA
18. LIZ NOVAIS PINHEIRO
19. PATRÍCIA DE SÁ OLIVEIRA FRANCO
20. SARA QUELEN MASCARENHAS DOS SANTOS
21. VANIA FRANÇA DE OLIVEIRA


OFICINA GESTÃO DE GRUPO

1. ANGELA DA COSTA MOREIRA
2. BIANCA GONZAGA TRINDADE
3. CARLOS AGUSTO CHIMINI
4. CARLOS RAFAEL LUZ DE SOUSA
5. DOMINIQUE EVELYN GALVÃO DE JESUS
6. ELAINE PINHO
7. ÉRICA MARTINS DE MIRANDA RIBEIRO
8. FÁBIO OSÓRIO
9. FRANCISCO MÁRCIO DE LIMA OLIVEIRA
10. ISABELA COELHO
11. JULIETE NASCIMENTO DOS SANTOS
12. LAÍS GOMES ROCHA
13. MICHELE FERREIRA RAMOS
14. MONICA FERREIRA
15. PAULA BRITO DE OLIVEIRA
16. RAQUEL MACIEL PAULO DOS ANJOS
17. RENATA MACIEL PAULO DOS ANJOS
18. RUY JOSÉ DOS SANTOS
19. SHEILA ROBERTA MASCARENHAS LAURO DA SILVA
20. THIAGO MANDU DOS SANTOS

homenagem a Guimarães

Canteiros de Rosa - uma homenagem a Guimarães



Em texto de Gordo Neto, inspirado nos contos de Guimarães Rosa, e direção de Jacyan Castilho, a musicalidade natural da linguagem do autor mineiro são colocadas em cena. É pura beleza...

Canteiros de Rosa - uma homenagem a Guimarães
sala principal - 20h
hoje: pague quanto quiser!
sábado e domingo: r$ 16,00 (inteira)
até dia 8.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Fecha a conta e passa a régua!

Acabou-se o que era doce! Não! Eu não estou falando do carnaval. Estão encerradas as inscrições para as oficinas do projeto Conexão Shakespeare-Nordeste.
A procura foi grande, mais uma vez recebemos toneladas de e-mails de incrições, inclusive durante o carnaval. Serão 20 alunos por turmas, as vagas foram mais concorridas do que abadá de graça ou vaga para trabalhar de cordeiro, e até amanhã, dia 27/02, entraremos em contato com os felizardos que farão parte das turmas das oficinas ministradas pelo grupo Clowns de Shakespeare (RN) entre os dias 02 e 20 de março.
Além das oficinas o projeto prevê ainda um seminário sobre Shakespeare nos dias 18 e 19 de março, aqui no Vila, e uma leitura encenada do texto Trabalhos de amor perdidos, no dia 19, às 19 horas, no Cabaré dos Novos, com entrada franca.
Mas para quem não conseguiu se inscrever nas oficinas do Conexão ou para quem se inscreveu e não foi selecionado sempre há uma chance de fazer oficina. Como na Bahia tem carnaval o ano todo, aqui no Vila também sempre tem oficina.
Aproveito a ocasião para informar em primeira mão que a partir de segunda-feira, dia 02, estão abertas as inscrições para a Oficina de Teatro para Iniciantes com A Outra Companhia de Teatro. As aulas acontecerão aos sábados e domingos, das 09 às 12:00, aqui no Vila.
Ligue pra gente a partir de segunda-feira ou mande um e-mail para aoutra@teatrovilavelha.com.br.
Não perca!

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

A "opaização" da Bahia

Fevereiro 19, 2009 - do blog terreirodeyesu

Fabiano Xavier, Diretor de Projeto do Terreiro, faz uma discussão muito interessante em seu Blog (www.myspace.com/fabianoxavier) e eu puxo a sardinha pra e continuo…

É engraçada mesmo a tal da "opaização"… E se perde mesmo em significado preciso de quem lançou o termo… porque é óbvia a vontade de atingir a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia… Busco olhar de longe o Terreiro e não vejo opaização (aquilo que entendo por)… até vejo um texto carregado de mensagens, mas acho natural face à proposta mesmo. Teria de ser diferente numa sala fechada, com certeza.

Mas, vamos olhar pra esse conceito… porque tem outra coisa bem interessante de ser analisada… Se existe essa opaização, esse misto de linguagem, visão de mundo e sociedade específica… Isso reside em quê? No tom político, no grupo social que é focalizado? A 'peça origem' é uma coisa, o filme é outra e a série da Globo outra ainda… Não dá pra dizer que é tudo igual porque não é… Mas da mesma maneira que Jorge Amado focalizava mais de um grupo social, vários na relação… de uma determinada maneira, num momento histórico, surge na Globo essa outra visão, essa outra representação da Bahia…

Os caras são espertos… Há uma fase, longa, na ficção narrativa brasileira, de expor nossas misérias… Sinto que isso começou com Pixote, do Babenco… Cidade de Deus, Tropa de Elite e tantos outros filmes têm buscado esse tipo de, digamos, "narrativa denúncia"… Ó, paí, ó, traz tb a bandidagem, a marginalidade, mas ela vem regada com muito humor, mais leve, talvez até naturalizada (o que é um perigo)… e isso fez com que a Globo a aproveitasse na sua classificação para o horário nobre…

Eu fico pensando, mais do que o imaginário baiano, como esse novo universo baiano é digerido pelo Sul maravilha… Mas, não sinto que o Terreiro seja uma "opaização", a não ser que isso signifique "botar voz na boca de quem não tem voz"… Aí, pode ser, sim, e pra mim, o autor, sem problemas…



Sérgio Cerviño Rivero

Pule!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

tudo semi-pronto


Hoje, quinta, dia em que, à noite, Margareth sai, ainda vim ao Vila, trabalhar. Pra chegar até aqui, passei pelo Canela, pela frente da Escola de Teatro, almocei no TCA e atravessei o Campo Grande do jeito que anda dá pra atravessar, por entre tapumes, grades, andaimes e pessoas. Tudo semi-pronto.

A cidade já está cheirando a mijo antes da festa começar. Nas ruas aqui do centro, barracas, dessas de acampar mesmo, já estão espalhadas por todo canto. Uma família inteira dentro de uma delas. Começou o carnaval.

Há uns 8 anos que não vejo nem uma ponta do carnaval de Salvador. Que alívio! Não, não vou maldizer esta festa linda, pois já pulei muuuuito. Mas não dá pra não lembrar, com certa nostalgia, do tempo da balaustrada da barra, ainda com o Baitakão, do tempo em que era possível escolher um caminho e fazê-lo, tempo em que ir ver o Ilê era "ligth"... Agora tudo está "tapumado", tudo virou camarote, as praças estão fechadas, as ruas que desafogavam o fluxo, fechadas, privativas... Fui! Vou tomar banho de mar, andar na praia, tomar uma gelada e ouvir música. Pra quem fica, bom carnaval.


Gordo Neto

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

JW no feijão...

Jorge Washington foi um dos organizadores da Feijoada...

No domingo, o Negão era só sorriso...

foto de Ronaldo Partha

BORA, BAHÊA!

VIVADANÇA!



O Mês da Dança no Vila vem aí...

TODO MUNDO DANÇA!

. venha ver .

Teatro Físico com Fábio Vidal: o corpo como meio


O ator, diretor, performer e Mestre em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia Fábio Vidal é o convidado do grupo Vilavox para a realização de mais uma Oficina de Intercâmbio Teatral. Dessa vez, o foco é a fisicalidade do trabalho do ator, com sua dramaturgia e recursos.

Esta oficina é destinada a atores, dançarinos, circences e performers, visando aprimoramento técnico e criação artística. Dividida em dois momentos, a formação vai abordar temas como "a dramaturgia do corpo" e "o corpo no espaço", estimulando a prática de improvisos (como a capoeira teatral, a imaginação, o fluxo oral), que derivarão cenas e partituras. Ao fim das aulas, uma mostra interna concluirá o processo de 15 horas de aulas, através da apresentação dos solos criados.


Por essa metodologia, experienciada por Fábio Vidal, já foram criados os espetáculos Seu Bomfim, ERê – Eterno Rêtorno, Velôsidade Máxima, Casa Numero Nada e Temporal. Além dos solos resultantes dos projetos Atuantes em Solos, orientados pelo ator.

O que: Oficina Teatro Físico - O corpo como meio
Quando: 2 a 6 de março, pela manhã
Onde: Teatro Vila Velha
Quanto: R$120,00
Vagas limitadas (20 participantes)
Ministrante: Fábio Vidal
Produção: Grupo Vilavox

Maiores informações pelo telefone (71)3083-4616

Foto: Márcio Lima

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

FOTOS DA FEIJOADA

As fotos da 1ª Feijoada Vila Verão ficaram ótimas!

Veja você mesmo (clique nos nomes dos álbuns):

- Fotos de Maíse Xavier;
- Fotos de Jorge Washington;
- Fotos de Elvira Costa;
- Fotos de Ronaldo Partha.

Bom passeio!

[AMANHÃ] Vem dançar!!!



Falta apenas um mês e meio para começar o Mês da Dança no Vila, programação especial que celebra o dia internacional da dança durante todo o mês de abril. Neste ano, mais uma vez, teremos atrações internacionais, grupos de todo o país e muitos artistas baianos! Mas você também pode fazer parte dessa grande programação!

Amanhã, quarta-feira, 18/02, das 10h às 12h e das 15h às 17h, a galera da comunicação do Mês da Dança no Vila estará no Passeio Público com a câmera de vídeo a postos, pronta para registrar os seus passos! Essas imagens serão utilizadas nas peças de divulgação e serão exibidas no Mês da Dança.

Mas você pensa que é só isso? Os que melhor expressarem o conceito da campanha ganharão convites para vir de graça ao Mês da Dança no Vila em abril!

VIVADANÇA!

O projeto do Mês da Dança no Vila, que abre as portas do teatro, para Coreógrafos e Dançarinos locais mostrarem sua dança, ainda está recebendo inscrições. Mas corre que é até o dia 27 deste mês. Ainda dá tempo!
VIVADANÇA!

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

NÃO PERCA:

Amanhã tem:

FOTOS DA 1ª FEIJOADA VILA VERÃO

(tudo pra você voltar ao blog... rs)

visitas

Nas últimas apresentações de Ó paí, ó e Cabaré da RRRRRaça, o Bando de Teatro Olodum recebeu visita de gente famosa, que achou tudo muito lindo e caiu na gandaia...



Mariana Ximenes - veio quinta, gostou e voltou na sexta



Márcio Vitor - cantou junto com o Bando a música final do espetáculo na sexta


No final do mês de março tem mais um pouquinho de Cabaré da RRRRRaça... Fique ligado!

O “Espírito” do Amostrão

Na última sexta-feira, no Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha, assistindo à apresentação do cantor Pedro Morais no show “As Rosas Não Falam”, me dei conta de que era o último dia do Amostrão Vila Verão. Foram não sei quantos espetáculos numa programação inesquecível por muitos motivos.
Às 20h00min o Bando de Teatro Olodum entrou em cena com o nosso Cabaré da RRRRRaça para um teatro lotado. Assim foi durante toda a temporada de janeiro e nos últimos dez anos.
Em Habitat, novo espetáculo da Cia Viladança, além do talento da coreógrafa Cristina Castro e seus dançarinos, pude ver um João Meirelles a realizar um trabalho de composição bem maduro a apontar para um futuro brilhante.
Vi A Outra Cia de Teatro com o seu Arlequim a divertir platéias e ainda colocar os alunos de sua última oficina em cena com A sacanagem da Outra!
Vi atores, em sua maioria da primeira geração dos Novos Novos, capitaneados pela Diretora Débora Landim em um Diferentes Iguais com nova roupagem musical, produzida por Ray Gouveia a revelar um arranjador capaz de se reinventar com sucesso.
Vi Manuela Rodrigues, Emerson Cabral, a dupla Dois em Um, Pedro Morais e a turma da Vila do Choro a agitar uma programação musical da qual tive a honra de fazer parte com o meu Cozinhando o Som. Vi junto comigo nesse show a chefe de cozinha do Mocabinho (Ilza Barbosa) dar um espetáculo na cozinha do Cabaré dos Novos preparando junto com o público o que íamos comer sempre após a última música.
Vi uma Bienal da UNE que lotou durante uma semana inteira Teatro e Passeio Público.

Vi mais de trezentas pessoas a circular pelo Teatro nas Oficinas Vila Verão e se envolverem na energia prazerosa que pessoas como Hebe Alves, Fernanda Paquelet, Chica Carelli, Maíse Xavier, Rita Carelli, Daniel Vieira, Nildinha Fonseca, entre outras tão importantes quanto estas e que não citarei aqui, proporcionaram neste janeiro.


Vi um público estimado em mais de cinco mil pessoas comparecerem ao Teatro Vila Velha para conferir essa programação.

E vi por detrás disso tudo a regência firme de Fábio Espírito Santo. Alguém que assumiu a barra de dirigir o TVV provocando mudanças pra lá de necessárias e difíceis; Alguém de fato especial que tem dado sua energia para que esse teatro não pare; Alguém que corresponde a meu desejo de liderança autônoma e independente mesmo que num contexto democrático e de caráter coletivo. Essa programação intensa que o Amostrão apresentou, na verdade vem sendo a tônica do Vila na atual gestão deste diretor. Parabéns, Espírito; Parabéns, Teatro Vila Velha!

Tudo isso aconteceu em meio a uma crise financeira de forte impacto para a vida de muitos dos colaboradores deste teatro - ao mesmo tempo em que empostadas vozes afinadas por um estranho diapasão e línguas pretensiosamente celestiais alardeavam por aí que o TVV é um teatro beneficiado pelo atual Governo do Estado. Erram os semideuses gutembergueanos quando fazem "de um tudo" para descredenciar a vida e a produção, fora a deles mesmos - é claro - de gente séria e esforçada, que pensa ainda num mundo um pouco mais elegante, justo, e amoroso, construído com trabalho e não com privilégios.



Jarbas Bittencourt

Feijão 45º

O Teatro Vila Velha agradece aos funcionários, artistas e amigos que, juntos, na força coletiva, fizeram da Feijoada VIla Verão um grande encontro cheio e alegria, paz e alto-astral bem ao estilo do Vila. Nosso sincero agradecimento!
Um abraço em todos,
Teatro Vila Velha

Acervo Maria Manuela


Recebemos, na semana passada, o acervo artístivo de Maria Manuela - falecida em 2008 - com fotos, livros e documentos referentes à vida da atriz. Com alegria iremos anexá-lo ao acervo do Teatro Vila Velha, onde se encontram coleções de fotografias, documentos e materiais artísticos sobre as produções do TVV durante os seus 45 anos e também de produções que passaram pelo Vila, ajudando a contar a história do Teatro, dança e música do Brasil.






Vinicio de Oliveira - Documentação e Memória




sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Deu empate


Olá amigos do Vila, amigos do blog do Vila e outros chegados,

É com grande prazer que anunciamos o resultado do concurso para a marca dos 45 anos do Teatro Vila Velha. Demorou, é verdade. Foi uma escolha difícil, afinal, o tema é delicado. Fizemos tudo com muito cuidado e merecida atenção.

Cerca de 50 marcas foram enviadas por diversas pessoas. Entre elas, muitos desenhos excelentes - mas que não traduziam o teatro, ou marcas que têm a ver com o Vila - mas não funcionavam da forma que precisamos.


Foi realmente difícil.

Adiamos o resultado, consultamos artistas, funcionários, gestores, quem estava passando por perto, ponderamos tudo e... não foi possível escolher apenas uma. O Teatro Vila Velha, multi-facetado, pluri-apto e diverso, ficou com duas marcas para os 45 anos.

E os vencedores são DOUGLAS DE OLIVEIRA BRITO e JOSÉ ALBERTO ALMEIDA.

Perfis completamente distintos, marcas bastante diversas.



Douglas é autor da marca em que o 45 aparece em vermelho, simulando pinceladas e se assemelha com os trabalhos gráficos que fazíamos há 10 anos atrás, em sua simplicidade e estilo. O jovem morador do Uruguai poderá vir ao Vila durante todo o ano de 2009 - a partir de março - para assistir o que quiser, com direito ainda a um acompanhante. A menos, é claro, que a casa já esteja lotada, ou a apresentação já tenha se iniciado. Nesses casos, a entrada não é permitida.




José Alberto Almeida, baiano natural de Juazeiro, hoje vive em São Paulo e é autor da simulação de xilogravura para o sol do Vila. Tem uma conexão com arte popular, com cordel, que por sua vez, tem a ver com a gente. com a nossa história. José Alberto, sempre que estiver na cidade, poderá desfrutar das mesmas vantagens, com as mesmas inevitáveis limitações. Para ele, especialmente, mandaremos exemplares das criações em que apareçam sua marca.

Quanto aos demais concorrentes, nosso sincero muito obrigado e um prêmio de participação: todos que enviaram desenhos recebem um par de convites para curtir a apresentação de sua preferência durante o mês de março. Nesse caso, além de sujeitos a lotação, estaremos sujeitos ao máximo de convites por dia (já pensou se todos resolvem vir no mesmo dia para o mesmo espetáculo? Seria uma confusão!).

Os demais devem, então: enviar uma mensagem pra nós (comunicacao@teatrovilavelha.com.br) com seus dados básicos (nome, nº de RG, data de nascimento, endereço e telefone) a partir do mesmo email que enviou a proposta de marca (para podermos conferir). Nós vamos responder confirmando o recebimento da mensagem. Essa pessoa deve se informar sobre a nossa programação - disponível no nosso site, blog, agenda, cartazes distribuídos pela cidade e informativos enviados pela internet), identificar qual o espetáculo ou show que deseja ver (com data e hora) e ligar para o Núcleo de Comunicação do Vila para que possamos fazer sua reserva (3083-4610/4612). No dia escolhido, ela precisa chegar ao teatro com meia hora de antecedência para a retirada do ingresso. Assim, fica bom para todo mundo.


Março é o mês do teatro e sua programação já começa logo depois do Carnaval, no dia 26 de fevereiro (quinta-feira). Tem muita coisa bacana na grade.

Agradecemos mais uma vez a participação.

Continuem vindo ao Vila, Velhos!


Forte Abraço,

Camilo Fróes e Bruno Machado
Núcleo de Comunicação

AO IAGO DA PROVÍNCIA

ESCLARECIMENTOS AO IAGO DA PROVÍNCIA

Em esclarecimento à nota do jornalista Samuel Celestino em seu blog, intitulada "De volta à campanha: Meireles Macbeth e seu pimpolho", faço aqui alguns apontamentos:

O referido jornalista, assim como o personagem Iago, de Shakespeare, se encontra numa árdua e feroz campanha, sem eco algum, em prol da desqualificação do Secretário de Cultura do Estado e, logo, da atual política cultural proposta pelo governo. Até aí, nada contra, já que é livre a manifestação do pensamento e saudável o confronto de idéias. Mas o jornalista não me parece qualificado o bastante para promover tal debate, já que lhe falta a compreensão mais abrangente sobre o movimento cultural por que passa a cidade, pois se mostra verdadeiramente mal informado sobre tais questões.

Falta-lhe, por exemplo, conhecimento de que o Teatro GamboaNova, dirigido por Maurício Assunção, está em completo funcionamento e longe de ser um teatro "fantasmão", como escreveu em nota anterior, publicada no jornal ATarde. Pelo contrário, há dois anos o teatro vem se reerguendo após um grande período de ostracismo. O trabalho feito lá merece, no mínimo, respeito.

Sobre a nota em seu blog, é salutar esclarecer que quem é absolutamente ignorante – para usar de seus próprios termos – é o tal jornalista, que confunde alhos com bugalhos e imprime inverdades infantis, conduta imprópria à condição de sua profissão.

Esclareço: 1) o Teatro Vila Velha é dirigido por mim, Fábio Espírito Santo, que comando esta casa coletiva em conjunto com os seis grupos residentes que aqui trabalham - não por quem o jornalista afirma em sua nota. 2) O Teatro Vila Velha não recebe duas vezes mais dinheiro público do que o Teatro XVIII, como coloca, erroneamente. Muito ao contrário, ganha menos. O Teatro Vila Velha, desde 1995, não recebe do Estado mais do que 30% do que consome de despesas mensais. Os outros 70% são providos pelo trabalho de 100 artistas que aqui convivem. Assim, nestes 40 dias de programação de Verão, oferecemos à cidade mais de 20 oficinas de capacitação e 14 espetáculos em mais de 60 apresentações – tudo isso sempre acompanhado de ações que facilitam o acesso ao público. Nossa atividade é publica e a cidade pode julgar nosso trabalho, o que é perfeitamente condizente com o que acreditamos.

Como diretor de uma instituição cultural que este ano completa 45 anos e que tem sua história repleta de respeitáveis contribuições à cultura da Bahia, torço para que a imprensa local continue cumprindo com qualidade seu papel de fomentador de debates sobre assuntos que interessem a toda sociedade. Que possamos saltar do plano do provincianismo em que nos encontramos e passemos verdadeiramente para a mudança na estrutura da política cultural que a Bahia merece ter, mas sempre lhe foi negada.

Fábio Espírito Santo

Dramaturgo, diretor e iluminador. Formado em cinema e vídeo.

Atualmente é diretor do Teatro Vila Velha

_____

Segue, na íntegra, a nota do jornalista Samuel Celestino.

DE VOLTA À CAMPANHA: MEIRELES MACBETH E SEU PIMPOLHO

Tinha encerrado a campanha, mas só temporariamente, sobre o desastre que acontece na cultura da Bahia, que tem à frente, como secretário, o desastrado, arrogante e incompetente Márcio Meirelles. Mas volto, a pedido dele, na medida em que escalou um pelego que integra o seu grupo, absolutamente ignorante - um certo e desconhecido Maurício Assunção - para, nesta quarta feira, estabelecer críticas à minha campanha e ao meu jornalismo em defesa da cultura baiana. Com o Macbeth de Província (como é chamado Meirelles) presente numa reunião com instituiçoes que penam para se sustentar financeiramente, o puxa-saco falou para agradar o chefete. Recebeu o troco de Consuelo Pondé de Senna, presidente do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, que anunciou que não irá a nenhuma outra reunião desse tipo. Este Assunção, discípulo do secretário, "dirige" o Teatro Vila Velha que recebe mais dinheiro do Estado, dinheiro dos contribuintes (quase duas vezes mais) do que o correto e respeitado Teatro XVIII. O Gamboa nem de longe chega perto. Meirelles tem participação no teatro? Há dúvidas, daí a pergunta. É proprietário? Se não é, por que é ele quem faz as pautas dos grupos e dos artistas, que se apresentam no Vila, e não o seu menino de estimação, Maurício Assunção, que, como mimo do secretário, dirige o teatro? Não pretendia voltar à polêmica, mas a ela retorno para denunciar outras questões que envolvem Márcio Meirelles, o Macbeth de Província. Pena que a cultura da Bahia esteja entregue a um bando de incompetentes dirigido por um secretário que é um zero à esquerda.

(Samuel Celestino)

Despedida do Verão

fechando o verão...

PEDRO MORAIS - as rosas não falam


cabaré dos novos - 18h



CABARÉ DA RRRRRAÇA


sala principal - 20h


e não esqueça...

domingo tem feijoada!


Depois de ver Mariene lá no TCA...


Foto: Walter de Carvalho/Ag. A Tarde


Venha comer feijão no Vila!

1ª Feijoada do Vila

Com...

ILÊ AIYÊ




JARBAS BITTENCOURT







MAGARY BLACK SEMBA






CABELO PIXAIM




do meio-dia ao por-do-sol!

camisas à venda na bilheteria do teatro
até a hora da festa - r$ 25,00

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Para Registrar



Jogos, exercícios teatrais e muita improvisação deram a tônica da Oficina Engenharia do Riso, realizada pela terceira vez pelo ator e bailarino Cláudio Machado, do Vilavox. Sob sua orientação, 20 alunos-atores mergulharam no universo da comicidade e de sua construção, partindo das teorias de Bérgson, em seu livro O Riso, além do emprego de exercícios da Prof. Dra. Elza de Andrade. A galera também experimentou ler e trabalhar a partir da Comédia dos Erros, de William Shakespeare.

últimas chances

Ó paí, ó encerra hoje sua temporada no verão do Vila. Única apresentação às 20h, na Sala Principal.

Diferentes Iguais, da Companhia Novos Novos também termina hoje - última apresentação às 18h, no Cabaré dos Novos.

Depois... só no verão que vem... e olhe lá...!

Chegue cedo!



ó paí, ó...




diferentes?


A bilheteria do teatro funciona a partir das 14h.

Você pode vir aqui comprar ou...

ligar para reservar seu ingresso!

O telefone é o 3083-4600

simbora!

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Leitura em Vox Alta

Diogo, Celso e Fernanda em cenaMuita gente se apertou na Sala João Augusto para ouvir a leitura dramática do texto Os Mansos, do premiado autor argentino Alejandro Tantanian, numa adaptação do romance O Idiota, do russo Fiódor Dostoievski. Essa mistura ainda ganhou mais um tom “globalizante” com a direção do nosso querido e autêntico chileno Hector Briones (que também traduziu a obra para o português).

Nesta edição do Leituras em Vox Alta, os atores convidados Celso Júnior, Fernanda Paquelet e Diogo Lopes leram e interpretaram uma trama cheia de referências literárias, biográficas e autobiográficas.

Jorge puxando papoEm seguida, o já tradicional papo-cabeça versou sobre a narrativa literária no palco e, para conduzir a conversa, foram convocados Cacilda Povoas (que atuou em três frentes: lendo as rubricas preciosas do texto, tradutora e debatedora), Jacyan Castilho, diretora teatral que viveu a experiência de levar o universo de Guimarães Rosa para o palco e Jorge Alencar, pesquisador e diretor do Grupo Dimenti.. Tanta literatura atraiu 80 atentos espectadores (maior público da trajetória do projeto). Assim, o grupo Vilavox agradece a participação de todos: diretor, atores convidados, debatedores e amigos que juntos promoveram duas noites de prosa e teatro.

Ah, vale lembrar que os diálogos sobre literatura e sua transposição para teatro não acabam por aí.o amigo chileno Hector Em março, Daniel Farias estréia na direção e para isso convida os atores-diretores Jorge Alencar, Rita Carelli e Jacyan Castilho. A combinação é interessante: essa turma encenou espetáculos, transpondo romances e contos para os palcos. A idéia é resgatar os autores Nelson Rodrigues, José Saramago e Guimarães Rosa, fazendo uma miscelânea que poderá ser conferida nos dias 16 e 17 de março, às 20h, lá mesmo, na Sala João Augusto. Aguardem e confiram.






Por Mônica Santana - Vilavox

Jorge Washinton no TVE Revista

Jorge Washington, ator fundador do Bando de Teatro Olodum, vai ao TVE Revista amanhã para falar sobre a peça Ó paí, ó!

O espetáculo faz hoje e amanhã suas duas últimas apresentações desta temporada.

O programa vai ao ar às 12h15, no canal 2.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

OfIcInAs!! oFiCiNaS!! OfIcInAs!! oFiCiNaS!!

É isso mesmo!!

Estão abertas as inscrições para as oficinas da 2ª etapa do projeto Conexão Shakerspeare-Nordeste, que propõe a residência artística do Fernando Yamamoto (RN) no Ponto de Cultura do Teatro Vila Velha. Na 1ª etapa, foi a vez d'A Outra ministrar uma oficina de teatro, que ainda está acontecendo, e que recebeu cerca de 90 e-mails de pessoas interessadas, fechando uma turma com 45 inscritos.

Desta vez serão 03 modalidades, e os Clowns é que estarão conduzindo as atividades:
* Laboratório de Criação Cênica - com Fernando Yamamoto - de 02 a 06 de março, das 14 as 17h
* A Música da Cena - com Marco França - de 09 a 13 de março, das 14 as 17h
* Gestão de Grupo - com Renata Kaiser e César Ferrário - de 16 a 20 de março, das 14 as 17h

Todas as oficinas serão realizadas aqui mesmo no Teatro Vila Velha, e terão apenas 20 vagas.

Portanto, não perca tempo e se inscreva logo. Para efetuar a inscrição, os interessados deverão enviar um e-mail para o endereço eletrônico aoutra@teatrovilavelha.com.br, com os seguintes dados:
* Nome Completo
* Data de Nascimento - mínimo de 16 anos!
* Endereço - onde você mora?
* Telefone para contato - celular, fixo...
* Opção da oficina - qual das três?

Daí, então, estaremos enviando um e-mail confirmando (ou não) sua participação na oficina até o dia 28 de fevereiro.

Não perca tempo! Os primeiros serão... os contemplados!

Simbora! Está dada a largada!

Última chamada!



Hoje, às 20 horas, acontece a última apresentação da temporada de verão de Arlequim.
Se você não viu, ainda dá tempo! Corra! Se apresse! Depois dessa, só Deus sabe quando vai ter de novo. Última chamada!

Hoje tem também!

Ontem a sala João Augusto encheu pra ver a Leitura em Vox Alta...

Fernanda Paquelet e Celso Júnior, atores convidados


...e o bate-papo após a apresentação do texto Os Mansos.

a roda

Hoje tem tudo de novo! Vai perder?

Mais informações aí embaixo ó:

Daniel Farias - Vilavox

Leitura em Vox Alta

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009


Vila do Choro especial


Esse é Carlos Lázaro da Cruz - o Cacau do Pandeiro, um mestre da percussão na Bahia que não tem esse sobrenome artístico em vão. Desde os anos 40 ele figura na cena musical de Salvador, principalmente nas rodas de chorinho, onde é sumidade e tem autoridade reconhecida pelos músicos mais novos.

Mestre Cacau é integrante do grupo Novato, que toca à frente o Vila do Choro - toda segunda no Cabaré do Vila Velha. Hoje à noite, a roda homenageia o grande instrumentista, em comemoração ao seu aniversário. Na quarta-feira, ele completa 80 anos.

Partcipam da festa musical o trompetista Joatan Nascimento e os músicos do Coletivo Circo dá Samba.

Depois da apresentação de hoje, o projeto dá uma pausa para o Carnaval passar e retorna no dia 2 de março, para animar as noites de segunda com o melhor da música instrumental brasileira.

Venha logo!

Parabéns, 'seo' Cacau!!!

Vila do Choro
hoje - 18h
r$ 10/5

Moda e muito mais

Saraí Reis é do núcleo de costura aqui do Vila.

Hoje ela estará na Inauguração e Amostra Africana da Ifá Veste, é a estilista da noite.

Além de moda, o evento terá artes plásticas, música e poesia. Não perca!

Hoje - 18h



sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009