quarta-feira, 30 de maio de 2007

Fala Vila: O Verde na Cidade

Mesa-redonda reúne especialistas para discutir questões ambientais no espaço urbano

No Dia do Meio Ambiente (05/06), o Teatro Vila Velha abre espaço para o debate sobre as relações entre natureza e espaço urbano, no Fala Vila que acontece em meio a uma série de eventos promovidos pela SEMARH – Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos por toda a cidade. Teremos palestras com o ambientalista Everaldo Queiroz, que falará sobre o tema O verde que Salvador perdeu e com a arquiteta Aruane Garzedim, trazendo o foco sobre A função da vegetação no espaço urbano. O evento começa às 19h e contará ainda com a participação de representantes de órgãos ligados à preservação do meio ambiente e do patrimônio público.

Situado no Passeio Público, um dos parques instalados em meio à paisagem urbana da cidade de Salvador, o Teatro Vila Velha demonstra interesse em promover discussões em torno da temática ambiental, com objetivo de valorizar áreas de vegetação, arborização e paisagismo urbanos. “Para nós, o foco na preservação dos espaços verdes na cidade é importante também para chamar atenção para lugares como Passeio Público, que estão degradados, mas são fundamentais para o lazer, a educação ambiental e a qualidade de vida da população”, ressalta Cristina Castro, uma das articuladores do evento, integrante do colegiado que administra o Vila Velha.

As crianças também estão incluídas na programação dedicada ao meio ambiente, com a instalação interativa "Os Quatro Elementos", organizada pela Cia. Novos Novos no foyer do teatro, sob coordenação da museóloga Rita de Cássia Vale. Inspirada no espetáculo Mundo Novo Mundo, que faz parte do repertório da companhia, a instalação traz objetos que fazem referência à necessidade de preservação dos elementos da natureza. A instalação estará exposta de 1º a 26/06 e as crianças que forem visitá-la poderão plantar uma semente e acompanhar o crescimento da muda. "Queremos a cumplicidade e sensibilidade das crianças sobre a relação com o meio-ambiente e observar o crescimento de uma vida, de um grãozinho de feijão, pode dar um pouco a dimensão dessa responsabilidade", comenta Débora Landim, diretora da Novos Novos, explicando que as plantas poderão ser levadas para casa ao fim do período da exposição.

Serviço I
Fala Vila: O Verde na Cidade (mesa-redonda)
Palestrantes: Everaldo Queiroz, Aruane Garzedim
Dia: 05/06/2007 (terça-feira)
Horário: 19h
Onde: Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha
Entrada franca

Participantes da mesa:
Eduardo Mattedi (Superintendente de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável, Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos – SEMARH)
Ary da Mata (Secretario Municipal do Meio Ambiente)
Elder Bello de Mello (Superintendente do Palácio da Aclamação do Estado da Bahia)
Frederico Mendonça (Superintendente do Instituto do Patrimônio Artístico Cultural de Bahia / IPAC)

Serviço II
Exposição: Os Quatro Elementos
Organização: Cia Novos Novos
Exibição: de 1º a 26/06/2007
Horário: das 14h às 18h

Programa de Fomento à Cultura será anunciado nesta quinta



A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia convida para o anúncio do Programa de Fomento à Cultura, que vai incentivar as produções culturais da capital e do interior do Estado. A iniciativa inclui mudanças no Fazcultura e no Fundo de Cultura, além da criação de linha de microcrédito e lançamento de editais públicos.


Data: 31 de maio (quinta-feira)
Horário: 15
Local: Palácio da Aclamação (salão nobre)
Endereço: Av. Sete de Setembro, 1330 - Passeio Público - Salvador/BA

terça-feira, 29 de maio de 2007

Lúmen - espetáculo pernambucano neste final de semana





Um palco inicialmente pouco iluminado, corpos com silhuetas indefinidas parecem meio soltos, suspensos, com movimentos imprecisos. Ouvimos o som de vozes, gritos, tiros. Percebemos a ambiência sonora da sala escura de cinema. Eis que os bailarinos dançam “flutuando”, um conjunto de efeitos e artifícios técnicos, aliado à dança é a base do espetáculo, que resulta em uma experiência inovadora. A contribuição de Lúmen(2002) para a pesquisa de movimento na dança contemporânea marca mais um passo do Grupo Experimental, de Pernambuco, em seu mergulho, sem amarras, na construção de uma linguagem corporal sólida e muito própria.

As questões que servem de trilha para esta composição coreográfica desembocam numa discussão atual que, constante e recorrentemente, se pergunta: a tecnologia está a serviço do corpo, na luz, nos suportes, no vídeo; a emoção aflora no diálogo entre vida real e fantasia; projeção cinematográfica: a vida imitando a arte, ou vice-versa? A emoção e a catarse do público são mais que reais- disso se tem a certeza. Sem pretender "as respostas", Lúmen se constrói falando de amor, de modo confessional; aliás, como na própria história do cinema; e a platéia é colocada no centro desta "projeção", deste "roteiro", achando pontos de identificação evidentes entre o seu cotidiano e as histórias narradas no espetáculo.




Lúmen foi montado com o apoio do Prêmio EnCena Brasil, do Ministério da Cultura e do Governo Federal, tendo cumprido temporadas de sucesso em Recife (2002/2003), e agora circula nacionalmente pelo prêmio Caravana Funarte/Petrobrás, por cinco regiões do país.

Em Salvador, o Grupo Experimental apresenta o espetáculo no Teatro Vila Velha, nos dias 02 e 03 de junho às 20h. No dia 03, o grupo oferece oficina gratuita, ministrada por Mônica Lira, diretora. A passagem por Salvador conta com o apoio local do Jornal A arde, Teatro Vila Velha e Mazurca Produções.

segunda-feira, 28 de maio de 2007

Campanha do Frasco



A Cia Novos Novos e a Cia Viladança estão juntando frascos de vidro transparentes (como este da foto) para organizar a instalação interativa Os Quatro Elementos aqui no foyer do Vila, em homenagem ao Dia do Meio Ambiente. Recicle com arte. Traga seu pote, frasco ou vasilhame de vidro transparente e incolor, e entregue ao pessoal do Viladança, no Puxadinho. Quanto mais, melhor!

Questão de sobrevivência

Que loucura isso de mediar uma esquizofrenia entre o mundo real e o mundo artístico-cultural. Esse mundo real, capital-monetário, legal em que vivemos é causador de grandes distorções na nossa realidade. É diferente de uma indústria que tudo, da sua concepção ao seu “consumo”, é feito em função do capitalismo. Quando ouço falar em “indústria da cultura”...

Esse papel de traduzir arte para mercado, produção cultural para CLT, sobrevivência para orçamentos é tarefa árdua e complicada. Como toda tradução este trabalho também nunca sairá perfeito. A não ser que a própria arte em sua essência seja feita para o mercado, que a produção já seja tecnicamente estruturada dentro das normas trabalhistas, que o fim de tudo isso seja o financeiro. Mas nós não somos assim. O Vila não é assim. Muitos espaços de criação e difusão da cultura não são assim. Como se escapa a isso? Mudamos a realidade ou mudamos mesmo nós mesmos?

Os espaços culturais estão inseridos dentro de uma realidade capitalista que demanda uma estabilidade financeira estrutural. Salários, impostos, fornecedores são todos custos muito certos em relação as nossas receitas incertas. O que sobra é uma instabilidade fúnebre. Não estou dizendo algo novo ou que ninguém ainda não tenha dito. Somente acho sempre importante verbalizar tudo aquilo que nos incomoda, tudo aquilo que queremos mudar. O silêncio nos petrifica e explicita uma concordância. Não quero a manutenção. Só se for a manutenção do fazer. E está cada dia mais difícil garantir o fazer artístico nesse nosso mundo. Não sou artista mas sou um servidor deles. Estou no meio e enxergo bem os dois lados. Existem incompatibilidades estruturais.


Como mostra esse gráfico de curva senoidal a realidade é que todo mês temos despesas fixas a pagar, mas nem todo mês temos receitas para quitá-las. Estamos inseridos numa estrutura financeira rígida que se em dado momento não tivermos condições de mantê-la ela facilmente se quebra. Esse rompimento nos causa danos quase irreparáveis.

Os espaços culturais devem ser mantidos sempre. A produção cultural está diretamente ligada a um espaço que dele se associa. Ruas, praças, casas, galpões, ateliês, teatros. São todos estes espaços e devem ser mantidos. Como? É o poder público, é o privado, é a união dos dois? É nesse dilema que estamos inseridos. Acredito que o direito de sobrevivência não nos pode ser privado. Privado? Não pode ser privado ou do privado? Privatizado? NÃO PODE SER INCUMBÊNCIA DO DIREITO PRIVADO. Nossa constituição relata no seu Art. 215. “O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais.” É dever do Estado garantir a viabilidade deste sistema para que todas os direitos afirmados acima sejam garantidos. As políticas públicas devem dar conta disso. Não é a política pública delegando às políticas do poder privado que resolverá nossa problemática. São interesses divergentes que se tenta unir. Não é lógico que disso não resultará em bons frutos?

Vou lutar para que a cultura seja pública, a todo público e mantida pelo público. “O público são as pessoas?” já ouço os questionamentos. SIM! São eles (nós) que pagarão pela cultura! Sejam através de ingressos caros, ingressos baratos, ingressos garantidos e, principalmente, pelos impostos. Se for o poder público que nos financiará será nosso público, nossa platéia quem pagou de fato. E o recebo de direito!

Gustavo Libório
Coordenador Administrativo-Financeiro do Vila

sexta-feira, 25 de maio de 2007

Feijão do Negão

Pensou que a onda das feijoadas pela cidade acabou??? Que nada!!!


Se jogue no feijão. O sorriso é de graça!

No dia 10 de junho, na Casa de Pedra, no fim-de-linha do Garcia, o Negão Jorge Washington, conhecido pelo seu sorriso largo (foto) e pela sua presença nos diversos eventos culturais da cidade, promove o maior evento do inverno de Salvador.

É a primeira Edição do Feijão do Negão.

Antes mesmo do lançamento, o evento já está disputado. Não vai ser de camisa colorida, mas vai ter muito samba no pé, com o grupo Samba de Maria, com o autêntico samba de raiz do
Recôncavo, e um saboroso feijão. Não marque nada nesse dia, porque essa será anova festa do calendário Cultural da Bahia.

Feijão e Samba no Pé.

Dia: 10/06
Horário: 12h
Onde: Casa de Pedra - No Final de Linha do Garcia
Valor: R$10,00
Linha direta com o Negão: 8878-4634

quinta-feira, 24 de maio de 2007

Trabalho infantil


Foto: Cell Dantas

Enquanto alguns integrantes d'A Outra Companhia de Teatro estampavam as paredes do teatro com o anúncio de "férias coletivas" até a próxima segunda, a senhorita Alice Peixoto Oliveira (foto), mascote do grupo residente, passou o dia inteirinho trabalhando no Vila, na última quarta-feira. Revoltada com o empenho unilateral, a jovem recusou-se a largar a centopéia de pelúcia e hoje, num ato de protesto, resolveu ficar em casa.

É isso aí, Alice. Mostra pra eles!

quarta-feira, 23 de maio de 2007

Bando no forno - germinando


Veja e ouça: Áfricas

As apresentações do Bando, neste momento, são como a ponta do iceberg. Por baixo, nos bastidores, tem muito mais coisa acontecendo - as pesquisas e ensaios de Áfricas, o primeiro espetáculo do grupo direcionado ao público infantil.

Apostando num modo inteligente para atingir o público mais jovem e, porque não dizer, nossos futuros espectadores e formadores de opinião, os artistas vão buscar na música e nos elementos da cultura africana o recheio deste bolo. A idéia é aproximar a África, um continente de grande importância na formação cultural do nosso país, das nossas crianças.

Acima, um trechinho do que vem por aí. Como sempre, o Bando irrompe pelo palco com muita energia, música e dança vibrantes. A direção é de Chica Carelli, com a constante parceria do coreógrafo Zebrinha e do diretor musical de toda a Bahia, Jarbas Bittencourt.

Não permita que a Lei Rouanet favoreça a Igreja Universal

O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ), sobrinho de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, está prestes a aprovar, no Senado Federal, uma emenda à Lei da Rouanet que permite a construção e reforma de templos religiosos com renúcia fiscal, passando a disputar verbas com a cultura. Quem for contra deve se manifestar o quanto antes!!! Assine a petição no site abaixo.


Para saber mais a respeito dessa assunto, clique aqui.

segunda-feira, 21 de maio de 2007

A Caravana passa pelo interior


Todo mundo com a mão na massa

Ainda pela Caravana Funarte Petrobras de Circulação Nacional, o Vilavox levou seu Canteiros de Rosa a Alagoinhas, Bahia, no último fim de semana. Lá, mais uma vez encontrou a incrível hospitalidade dos produtores e apoiadores locais, e a receptividade dos técnicos do Centro de Cultura estadual da cidade, onde a peça foi apresentada. E, novamente, fez o possível e o impossível para adaptar o espetáculo ao novo espaço, o que, parece, vai ser sempre o grande desfio dessas viagens.



Cláudio sua a camisa e envolve os alunos no exercício

Também houve a esperada oficina de integração com grupos e estudantes de teatro da terra, que renderam mais uma improvisação dirigida sobre texto de Guimarães Rosa, dessa vez conduzida pelo ator Cláudio Machado ('Júnior'). Por outro lado, infelizmente, encontramos também o habitual quadro de abandono e precariedade dos Centros de Cultura, que tanto podiam contribuir para suas cidades. O de Alagoinhas, especialmente bonito em meio a uma área verde, deixou uma sensação de que esta situação tem que ser urgentemente transformada. Já que o nosso atual Secretário de Cultura promete um olhar mais atento ao interior do Estado, fica nosso apelo e confiança: alô alô Marcio Meirelles, os Centros pedem socorro...

Violoncelo Roubado

No último dia 17, foi o violoncelo da musicista Suzana Kato, professora da Escola de Música da UFBA foi roubado no interior do estacionamento G2 Norte do Shopping Barra. O instrumento estava dentro de uma capa azul marinho, com arco, e tem uma etiqueta no seu interior com o nome do autor: " Joseph Puskas, Los Angeles, 1964". O violoncelo se diferencia por ter a voluta (formato de caracol na extremidade superior do instrumento) mais estreita. A madeira foi talhada logo acima das cravelhas.

Este roubo traz grande transtorno para a artista e comoção por parte dos colegas, pois além de ser um instrumento caro e fundamental para seu trabalho, um violoncelo normalmente acompanha o músico por toda a vida, estabelecendo uma relação de valor incalculável.

Portanto, se você tiver notícias deste violoncelo em qualquer ponto do país - muitas vezes, são contrabandeados e vendidos em outras praças - entre em contato com Suzana Kato (71) 9962 9682.

quinta-feira, 17 de maio de 2007

Bando de Teatro Olodum em ritmo intenso


Foto: Márcio Lima

Este é último final de semana para o público conferir a montagem Ó Pai ó, peça do Bando de Teatro Olodum que deu origem ao filme de Monique Gardemberg e todo interesse nacional pelo cotidiano do Centro Histórico de Salvador e seus moradores. A peça está em cartaz no Teatro Vila Velha, sexta e sábado, às 20h e domingo, às 19h, até o dia 20 de maio.

E na próxima quarta-feira, dia 23, às 20h, no palco do Vila, terá uma apresentação especial da montagem Cabaré da Rrrrraça, a revista musical que aborda o preconceito racial com muito humor, dança e música. A peça levanta discussões bem humoradas sobre negritude, racismo e a participação do negro no mercado de consumo, através de personagens que já caíram no gosto popular como o "Patrocinado", o "Nego Fudido", a cantora "Flávia Carine" e o "Super Negão". O maior sucesso da trajetória do Bando, completa dez anos e recorde de público.

Enquanto colhe os elogios pelo sucesso de Ó Pai ó no palco e nas telas de cinema, o elenco do Bando ensaia a nova montagem da companhia, o infantil Áfricas, que será dirigido por Chica Carelli, com a colaboração de Fábio Espírito Santo, o diretor musical Jarbas Bittencourt e o coreógrafo Zebrinha. A peça narrará contos e mitos africanos com uma linguagem infantil, público carente de obras que enfoquem o referencial africano na formação cultural brasileira. A peça ainda não tem data de estréia, mas os ensaios estão em ritmo intenso com oficinas de instrumentos musicais, aulas de dança e leitura de textos.

Últimos dias de Ó Pai ó e apresentação especial de Cabaré da Raça do Bando de Teatro Olodum

Dias / Horários:
Ó Paí ó sexta e sábado, às 20h e domingo, às 19h, até o dia 20 de maio. Cabaré da Rrrrrrrrrrrrraça, dia 23 de maio, às 20h.
Ingresso: R$ 20 inteira e $10,00 meia

No balanço de Cris Braun





Foto: Juliana Protásio

Completamente à vontade, entre amigos e admiradores, Cris Braun fez sua primeira apresentação ontem à noite, aqui no palco do Cabaré dos Novos. No clima intimista e despojado, a cantora apresentou seu repertório singelo e tranquilo, combinando muito bem com suas sandálias havaianas azuis e as três redes estendidas que servem de cenário para o show Preguiça.

Além de canções de sua autoria, entoadas em sua voz delicada, acompanhada pelo guitarrista Tony Augusto - uma fera que mereceu aplausos em meio à execução de um solo inspirado - Cris Braun trouxe versões totalmente personalizadas para composições de Arnaldo Antunes, Junior Almeida, Carlos Imperial, entre outros. Numa performance pluralista, houve espaço para samba, música popular, black music, eletrônica. Tudo misturado, tudo incrementado.

Confirmando a "brasilidade" do seu show, a cantora convidou também três jovens talentos da música baiana para participações especiais: Dão (interpretando uma do Waldick Soriano), Marcela Bellas (com a sua Me Leve, composição de Hebert Valois) e o percussionista Mamá Soares, que inseriu espertíssimos berimbau e pandeiro nas músicas finais.

A chuva que ontem ensopou a cidade, somada à paralisação dos ônibus, acabou afastando um pouco o público - mas o que não faltou foi calor humano. E quem perdeu a estréia, hoje ainda pode conferir a última apresentação de Cris Braun, às 20h. E com cerveja!

quarta-feira, 16 de maio de 2007

Viladança abre oficinas de arte para adultos e crianças



Estão abertas as inscrições para oficinas artísticas ministradas por dançarinos da Companhia Viladança. As aulas acontecerão nas tardes do mês de junho, aqui nas dependências do Vila. Haverá cursos de ballet e origami para crianças, oficinas de pilates e condicionamento físico para adultos. Para dançarinos profissionais e estudantes, a diretora da companhia, Cristina Castro, ministrará um workshop de dança contemporânea. As inscrições podem ser feitas no próprio teatro, com Andréa Gama, das 14h às 18h. Tel: 71 3336-1384


Para mais detalhes sobre os cursos, acesse: www.teatrovilavelha.com.br/oficinas

terça-feira, 15 de maio de 2007

Fora do Vila

Informações interessantes que passam por nós e vale a pena compartilhar:


>> SOFTWARE LIVRE E EDUCAÇÃO

Acontece, de 22 a 25 de maio, simultaneamente na Faculdade de Educação da UFBA e no
Ponto de Cultura Ciberparque Anísio Teixeira em Irecê, a III semana de software livre da Faced e a I semana de software livre de Irece, visando criar espaços para reflexão, discussão e vivências sobre Software Livre, Inclusão Digital e Formação de Professores. Evento gratuito.
Mais informações: www.ssl.faced.ufba.br

>> QUADROS À VENDA

A artista plástica Vânia Medeiros vende quatro telas a óleo e colagem, em tamanho 70 x 50, já com moldura. Os trabalhos estão expostos no site: http://www.flickr.com/photos/vania_medeiros/
Cada uma das telas custa R$ 400,00 e o pagamento pode ser negociado com a artista.

>> CENAS CURTAS DE BECKETT

Nesta terça-feira (15/05), às 20h, os alunos do Módulo V de Direção da Escola de Teatro da UFBA apresentam peças curtas de Samuel Beckett, com tradução de Celso Jr. e direção de Uarlem Becker. A apresentação acontece na Sala 5 da Escola, com entrada franca.

segunda-feira, 14 de maio de 2007

Cris Braun vem aí!



Dias 16 e 17 de maio, a cantora Cris Braun apresenta o show Preguiça, no Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha. Ex-vocalista da banda carioca Sex Beatles (Automobilia e Sex Beatles 2), Cris tem dois trabalhos solo (Cuidado com Pessoas Como Eu e Atemporal). Preguiça tem canções do segundo cd e novas composições. Está é a primeira vez que ela se apresenta em Salvador. Os shows começam sempre às 20 horas, com ingresso custando R$16,00 e R$8,00 (meia entrada).


“Seremos eu o Tony Augusto no palco. Ele toca guitarra e eu violão em algumas músicas”, explica Cris. Além disso, há bases programadas por ambos, sobre as quais eles podem performar, “como num ‘live pa’ com números de voz e guitarra ou violão minimalista, e momentos mais preenchidos com estas bases. Assim, em cima de uma musica do Gorillaz eu canto Carlos Imperial, ou, sobre uma batida do Olodum, Arnaldo Antunes. Outras composições já confirmadas são, Sem Compromisso, Quando Meu Coração Calou, Atemporal e Menos Carnaval.
Ela define o show como tendo o mesmo espírito de Atemporal. “Mesmo quando uso ritmo, ele é lânguido e o clima, contemplativo. Penso que um dos sintomas negativos de nosso atual mundinho seja essa aceleração demasiada . Preguiça é pra ralentar”, revela. Ainda sobre o conceito, ela acrescenta que ele conta uma história musical e rítmica, conduzindo emoções através dos arranjos e da instrumentação, “sempre com o objetivo de deixar uma calma gostosa, sem ser parada”, finaliza.

Muito desse estado de espírito, se deve ao fato de Cris ter retornado, há cerca de um ano, a Alagoas (ela é gaúcha, mas morou muitos anos em Maceió, antes de se mudar para o Rio de Janeiro). E é em Alagoas que ela está preparando seu terceiro trabalho solo. Preguiça também já foi apresentado lá. Aqui em Salvador ele conta com as participações especiais dos cantores Dão e Marcela Bellas e do percussionista Mamá Soares. “Tocar em Salvador vai ser meio como tentar um namoro sério. Quero vir mais vezes”, revela.

Cris foi a primeira artista contratada do selo Fullgás, de Marina Lima. Cuidado Com Pessoas Como Eu teve canções executadas em novelas e rádios do país. À época, ela foi indicada pelo jornalista Antônio Carlos Miguel, do Globo, para o programa Fantástico, como promessa e revelação para o novo milênio. Também foi finalista do atual prêmio Tim de música e revelação, junto a Pedro Camargo Mariano, da Rádio JB FM. Participou como convidada de shows com Rita Lee, Kid Abelha (com quem tem parcerias), especiais do Multishow e fez shows nas principais capitais do país.

Preguiça
Show com Cris Braun e Tony Augusto
Dias 16 e 17 de maio (quarta e quinta-feira)
20 horas
Cabaré dos Novos, Teatro Vila Velha, Av. Sete de Setembro, s/n. Passeio Público.
Ingressos: R$16,00 e R$8,00 (meia entrada)

Confira detalhes sobre o álbum Atemporal e ouça trechos das faixas.

sexta-feira, 11 de maio de 2007

FIM DO GOLPE MILITAR


Vilavox e CTN juntos em cena

O Vilavox encerrou, na última quarta-feira, a temporada do espetáculo Primeiro de Abril - Um Espetáculo Sobre o Golpe Militar. Com a casa lotada, a equipe de atores e músicos se despediu do público com uma apresentação muito vigoraosa e carregada de emoção, como são normalmente os "últimos dias" de toda peça de teatro. Mais uma vez, O Vilavox, em parceria com a Cia Teatro dos Novos, finaliza uma temporada deste espetáculo que foi visto por mais de 10.000 pessoas. Nosso agradecimento aos atores convidados desta temporada, bem como às escolas que vieram assistir ao espetáculo.

quarta-feira, 9 de maio de 2007

O Vilavox põe o pé na estrada


Novo elenco de Canteiros de Rosa estreou em Aracaju

O grupo residente da vez a enfiar o pé na estrada foi o Vilavox. No primeiro fim de semana de maio, o grupo levou seu espetáculo Canteiros de Rosa – uma homenagem a Guimarães até Aracaju, primeira etapa da Caravana Funarte Petrobras de Teatro. Foram duas apresentações no tradicional Teatro Atheneu, que tem capacidade para 900 pessoas. A estréia das viagens foi também a estréia do novo elenco, que teve que mostrar afinação não só em cena, mas ainda na trabalhosa montagem do cenário, todo estruturado em andaimes. Afinal, em viagem, todo mundo é ator, produtor, cenotécnico, contra-regra, ensaiador, assessor de imprensa...

O grupo ainda realizou uma oficina para artistas locais, que foi absoluto sucesso. Ávidos por novidades, os estudantes e grupos de teatro que apareceram no sábado de manhã cedinho estavam animados. Em três horas, todo mundo improvisou, selecionou e montou uma pequena cena, baseada num conto de Guimarães Rosa, conhecendo um pouco mais da linguagem do Vilavox. Ficou um gostinho de quero mais, e já há promessas de novos contatos com o pessoal da cidade.





Oficina com muita empolgação e suor



O grupo encerrou a temporada de Primeiro de Abril nesta quarta feira, e se prepara para a próxima parada: Alagoinhas, dias18, 19 e 20 de maio. E, até o final do semestre tem Natal, Mossoró, Maceió e Recife.


Canteiros de Rosa no Atheneu

No final, deu tudo certo, com a valiosíssima presteza do grande Marcio Pimentel, iluminador do Vila, do produtor internacional Hector Briones (emprestado da CTN), da disposição física dos meninos do elenco e também de Zé, motorista da van, que, coitado, acabou um “caso” que ele nem sabia que tinha começado...

Jacyan Castilho

sexta-feira, 4 de maio de 2007

Ó PAÍ, Ó! Agora no final de semana

(letra e música de João Meirelles, Marcio Meirelles e Aloísio Menezes)

Quando o futuro abrir o presente
Vai encontrar com a gente
Ó paí, ó paí, ó paí, ó!
Ó paí, ó!

O que foi que foi feito, o que fizemos
E o que seremos
Ó paí, ó paí, ó paí, ó!
Ó paí, ó!

Esse é o nosso mundo, esses somos nós
Ó paí, ó!
Fazendo o novo tempo com a nossa voz
Ó paí, ó!
Ó paí, ó paí, ó paí, ó!
Ó paí, ó!



Letra da canção que faz parte da peça Ó paí, ó!, criada e encenada pelo Bando de Teatro Olodum.
Em cartaz sextas e sábados, às 20h, domingos, às 19h.
Palco principal do Teatro Vila Velha
71 3336-1384
r$ 20 / r$ 10

quinta-feira, 3 de maio de 2007

Uma reflexão sobre Leis de Incentivo

Circulamos no Informativo do Vila de hoje e já está dando o que falar...

As leis de incentivo à cultura, como seu próprio nome já diz, são instrumentos que têm o poder público de MOTIVAR o poder privado a se interessar pelo investimento no setor cultural. O Estado assume então o papel de intermediário entre o empresário e a produção cultural, afinando seus interesses para algo em comum.

Essa motivação deve ser entendida como uma espécie de força motriz que dá o empuxo inicial numa roldana perfeita e esta assume seu papel giratório inercial. Sabemos que em nossa sociedade existem atritos que impedem e dificultam este movimento. Cabe então ao estado estar sempre atento e corrigir essas imperfeições (a corrupção, a burocracia, o desinteresse pelo marketing cultural, etc!).

Como um pai que motiva o filho a dar seus primeiros passos, espera-se que o governo também tenha em mente um planejamento que seja capaz de estabelecer um início, meio e fim ao processo das leis de incentivo. Nada contra os patrocínios. Ao contrário! Mas entendo que este deva vir ao encontro da cultura por seus próprios interesses. Por uma questão de mercado, que é o que os rege, e não por um pseudo-espírito de beneficência cultural apoiada por uma bengala tributária. Cabe ao Estado um apoio direto, sistêmico e amplo no nosso setor que não possui condições de existir por conta própria e cumprir suas funções sociais.

Mudanças já estão sendo vistas. Vamos estudar modelos mais eficazes e reivindicá-los. Um segundo passo... Vamos pensar mais sobre esse tema. Não quero (ou queremos?) ser um eterno refém dessa política que beneficia o privado, mas quem investe na verdade é o público (nós).

Estamos aqui para debater sobre esses assuntos e cobrar uma mudança em benefício coletivo. Encontramo-nos com as portas abertas para o diálogo. Como com os astros esse alinhamento não ocorre todo dia (governos federal, estadual e municipal), aproveitemo-nos! Agora é a hora da mudança.

Gustavo Libório Vianna
Coordenador Administrativo do Vila

Barracão Teatro Online

Os amigos do Barracão Teatro (Campinas-SP) acabam de anunciar que seu novo site já está no ar. Lá, o público encontra informações sobre a programação, os espetáculos e cursos do Barracão, além de conhecer um pouco mais sobre o espaço e os membros da equipe.

Eles disponibilizam também a agenda da turnê pelos estados de Minas, Goiás e Distrito Federal, apresentado a MOSTRA BARRACÃO TEATRO na CARAVANA FUNARTE-PETROBRAS de Circulação Nacional, levando os espetáculos WWW para Freedom e Freguesia da Fênix, além da oficina O Ator e a Máscara, oferecida gratuitamente para os artistas locais. Todos os dias eles têm novas NOTÍCIAS no site, onde disponibilizam um Diário de Viagem com informações sobre as apresentações e impressões dos locais por onde passam.

É massa! Visitem: http://www.barracaoteatro.com.br

quarta-feira, 2 de maio de 2007

24 horas de dança

O dia internacional da dança foi celebrado na Bahia com força total

No sábado, o evento 24 horas de Dança na Terra, realizado pelo coletivo do Fórum de Dança da Bahia reuniu no Pelourinho e Carmo grupos de dança, coreógrafos, professores e dançarinos de varias tendências, com o objetivo de chamar a atenção para a autonomia e especificidade da dança, enquanto área de conhecimento, seus diferentes formatos e sua produção na Bahia.
O evento trouxe várias atividades como cortejo, ciranda, mostras de espetáculos, vídeos de dança, baile e oficinas.

A Cia Viladança estava presente e participou dessa celebração apresentando, às 20h, no palco armado no Cruzeiro de São Francisco, um trecho do espetáculo SAGRAÇÃO DA VIDA TODA, da diretora e coreógrafa Cristina Castro.

Muita gente foi conferir a apresentação realizada pelos dançarinos Leandro de Oliveira, João Rafael Neto, Maitê Soares, Janahina Santos e Mariana Gottshalk.

O dançarino Leandro Oliveira deixa seu comentário e suas impressões sobre esta tão importante ação conquistada pelos profissionais de dança da Bahia:

"Num tempo em que os rumos da dança são discutidos a todo o momento, no dia 29 de abril de 2007 vi que a atitude de se tomar uma direção está se estabelecendo. Vi uma praça repleta de gente apreciando a dança, feita por nós, dançada por nós e reconhecida por nós. Vi críticos, estudiosos, amantes e apaixonados pela dança fazendo ainda mais por ela. Vi um dia de movimento pelo movimento, pela arte da transformação, pela arte da construção da dança universal. Sem tendências defendidas, sem bandeiras levantadas, mas sim com um objetivo comum: construir e reconstruir pelo movimento a mudança de pensamento. Parabéns a todos!"

As comemorações ao dia Internacional de Dança se estendem pela semana de 2 a 10 de maio próximo com programações de videodança no complexo cultural dos Barris:

Na sala Alexandre Robatto, tem Programação do Dança em Foco, Festival Internacional de Vídeo & Dança, que se estabelece como plataforma internacional para a exibição da produção mundial de videodança - em que se destaca a pouco conhecida produção latino-americana.

Já na Sala Walter da Silveira, às 18h do dia 04 de maio tem lançamento nacional do videodança Sensações em Contrário (foto), de Jorge Alencar (coreógrafo), Matheus Rocha e Amadeu Alban (ambos videoastas), selecionados pelo Rumos Itaú Cultural Dança 2006/2007.

Vale a pena conferir!!!