terça-feira, 31 de outubro de 2006

Lázaro Ramos e Bando no Espelho


Matéria veiculada em 22/10 na TV

Filosofia do Budismo

Em passagem por Salvador, o filósofo indiano Dzigar Kongtrül Rinpoche (foto) traz ao público conhecimentos sobre a doutrina do budismo tibetano, que incentiva a compreender que todos os seres vivos têm o mesmo desejo de felicidade e libertação da dor.

Ná próxima segunda-feira (06/11), às 19h, Rinpoche apresenta no Vila uma palestra em que falará sobre o desenvolvimento da mente altruísta enquanto componente poderoso para superar a auto-importância que está na raiz do sofrimento. O ingresso para a palestra tem o valor único-promocional de r$5,00.


Dzigar Kongtrül Rinpoche nasceu no Norte da Índia, filho de um lama altamente respeitado, Neten Chokling Rinpoche. Depois de ter sido reconhecido como uma reencarnação do mestre não-sectário Jamgön Kongtrül Lodrö Thaye, ele recebeu treinamentos tradicionais extensivos em todos os aspetos da doutrina Budista Tibetano.

Em 1990, ele começou a posição de cinco anos como professor de filosofia Budista na Universidade de Naropa em Boulder, Colorado nos Estados Unidos. Também fundou o Mangala Shri Bhuti, sua própria organização de ensinamentos, durante esse período. Ele estabeleceu um centro de retiro nas montanhas no sul de Colorado, Longchen Jigme Samten Ling. Quando não está guiando os alunos em retiros de longo prazo e não fazendo retiro ele mesmo, o Rinpoche viaja extensamente pelo mundo ensinando e aprofundando sua própria educação.

A palestra no Vila antecede um programa de ensinamentos budistas intitulado As 37 Práticas do Bodisatva - Gyalsé Tokmé, que será ministrado de 7 a 10/11.

Mais informações: Guna Norling - 3332-1317 ou chimem@hotmail.com

segunda-feira, 30 de outubro de 2006

Divorciadas, Evangélicas e Vegetarianas atacam novamente



Se você já riu com elas, eis a sua chance de rir de novo. Entra em cartaz neste sábado a nova temporada de Divorciadas, Evangélicas e Vegetarianas, trazendo as atrizes Iara Colina, Mariana Freire e Viviane Laert na pele de três divertidas mulheres que enfrentam com muito bom humor as angústias típicas do universo feminino. Sucesso desde as primeiras apresentações, no projeto 3&Pronto, a peça escrita pelo venezuelano Gustavo Ott, com direção de Fábio Espírito Santo, já passou pelo interior baiano e vem recebendo elogios do público.

O espetáculo fica em cartaz aos sábados e domingos, sempre às 20h, até o final de novembro.

sexta-feira, 27 de outubro de 2006

GIANFRANCESCO GUARNIERI

(Milão, Itália, 6 de agosto de 1934 - São Paulo, 22 de julho de 2006)

Ator e dramaturgo ítalo-brasileiro , participou da criação em 1955 do Teatro Paulista do Estudante. No ano seguinte, o TPE uniu-se ao Teatro de Arena de São Paulo. Dessa fusão resultou o Teatro de Arena, grande marco da dramaturgia nacional comprometida com os interesses populares. Sua peça de estréia, como dramaturgo, foi Eles Não Usam Black-Tie, encenada em 1958 pelo Teatro de Arena. O sucesso foi imenso! Paralelamente, o diretor Roberto Santos iniciava o Cinema Novo com o filme O Grande Momento, protagonizado por Guarnieri e Miriam Pérsia. Em TV, atuou em diversas novelas e especiais. No cinema, além de protagonizar O Grande Momento, também participou de filmes como O Jogo da Vida (1976), de Maurice Capovilla, Gaijin - Os Caminhos da Liberdade (1980), de Tizuka Yamasaki, Eles Não Usam Black-Tie (1981), de Leon Hirszman (versão para sua peça), filme que ganhou o Prêmio Especial do Júri no Festival de Veneza. Foi Secretário da Cultura da cidade de São Paulo entre 1984 e 1986.

Em homenagem a este grande homem do teatro brasileiro, na próxima segunda-feira (30/10), às 20h, a Companhia Teatro dos Novos dá início a uma série de atividades. A Começar pelo Fala Vila Guarnieri, com as presenças de Cleise Mendes, Evelina Hoisel e Márcia Guena, que apresentarão ao público diversos pontos de vista sobre a obra do dramaturgo. A entrada é franca.

Na sequência, a partir do dia 10, a programação segue às sextas-feiras de novembro com as leituras dramáticas do VILALÊ GUARNIERI, dirigidas por Fernando Guerreiro, Harildo Deda e Ewald Hackler. Também às 20h, com ingressos a r$ 3,00.

quinta-feira, 26 de outubro de 2006

novidade - RSS

O blog do Vila agora tem RSS! O endereço é http://blogdovila.blogspot.com/atom.xml. Agora, os internautas poderão ser notificados no momento em que o blog do Vila for atualizado.

Não entendeu nada?

RSS (Really Simple Syndicate) é um sistema relativamente novo na internet, que permite que você seja notificado em seu computador, quando o site que você gosta de ler foi atualizado. Para checar esta atualização você precisa de um programinha leitor de RSS. Nós usamos o FeedReader. Você pode cadastrar os sites com informação que lhe interessam neste programa, e ele lhe avisa quando eles são atualizados.

Esta tecnologia é usada por todos os grandes portais de informação e tem tomado o mundo dos blogs.

Quer saber mais sobre RSS Feed? Tente aqui, aqui e aqui.

Crítica: Sonho de uma noite de verão

Hoje, no Jornal A Tarde
Por EDUARDA UZÊDA
Fotos: MÁRCIO LIMA


O Sonho do Bando - elogiado na primeira crítica publicada em Salvador

O espetáculo Sonho de Uma Noite de Verão, de William Shakespeare, com direção de Márcio Meirelles, se despede do público, esta semana, no Teatro Vila Velha. É um convite a um delicioso entretenimento. Mais que isso, um convite a um mergulho na rica cultura popular baiana em forma de dança e música. O Bando de Teatro Olodum reafirma sua identidade com a montagem, trazendo à cena a estética afro-baiana em texto clássico do dramaturgo inglês.

Márcio Meireles conduz o espetáculo com pulso forte e originalidade, costurando belas cenas em que se destacam a coreografia vigorosa de Zebrinha (fundamental para a energia contagiante do elenco) e a trilha do universo sonoro da Bahia, de Jarbas Bittencourt (que passeia pelo arrocha, rap, samba, ijexá, axé, galope e calypso, entre outros ritmos).

Chama a atenção também a beleza das cores e formas dos figurinos assinados por Márcio e Luiz Santana (com belíssimos tecidos africanos) e Zuarte Junior (que 'arrebenta' com a indumentária dos artesãos, que tem base na cultura popular nordestina como o reisado, o maracatu e a zabiapunga).

Ressaltem-se, ainda, o cenário da miniusina de criação - as árvores de fitas, que, além da idéia de leveza, remetem, assim como os bancos vermelhos dos artesãos, às antigas barracas de festas de largo - e a iluminação funcional de Fábio Espírito Santo e Rivaldo Rio.


OS NÚCLEOS - Sonho de Uma Noite de Verão, comédia romântica de Shakespeare (1564-1616), foi escrita para abrilhantar uma festa de núpcias. As bodas de Teseu, duque de Atenas, e Hipólita, rainha das amazonas, estão no centro da intriga, que se desdobra em diversos episódios paralelos. Problemas amorosos marcam a vida de dois outros casais - Hérmia e Lisandro, Helena e Demétrio ? sensíveis à inconstância do sentimento. Também Oberon e Titânia, rei e rainha da floresta, demonstram que ciúme, capricho e vingança caminham ao lado do amor.

Seguem-se as divindades, as fadas e Puck (espírito zombeteiro, que, na montagem baiana, são três). No meio de tudo isso, os artesãos/ atores, que empregam seus recursos técnicos para tratar da arte de representação.

Oberon é representado por três atores. O destaque é Érico Brás, que tem boa interpretação e voz potente, mostrando grande crescimento artístico. Mas Robson Mauro e S.L. Laurentino surpreendem pelo trabalho corporal.Muito boa construção de Oberon como monstro de três corpos, seis braços e seis pernas. Força masculina, poder dos instintos versus razão .

ERÊS/SACIS - Os três atores que fazem o duende Puck (Dailton Silva, Ridson Reis e Roquildes Junior) estão maravilhosos como a encarnação do espírito lúdico da natureza e são responsáveis pelo dinamismo e humor de muitas cenas, estabelecendo, com as licenciosidades, empatia com a platéia .

Puck representa os espíritos zombeteiros - os sacis travessos ou os erês, crianças brincalhonas. Como mensageiros, trazem muito de Exu, famoso por pregar peças. Ressaltense o trabalho corporal e a sincronia vocal do trio, que, na montagem de 1999, foram representados por Lázaro Ramos, Franklin Albuquerque e Vinicio de Oliveira). Estão irretocáveis.

Ausristela Sá e Valdinéia Soriano, que interpretam Titânia, Hipólita e Fada, têm energias diferentes, mas, cada uma à sua maneira, defendem seus personagens com altivez. Estão bem e esbanjam beleza, com figurino inspirado na Grécia e em rainhas africanas. As fadas se destacam pela coreografia.


A beleza e desenvoltura das atrizes recebeu destaque da crítica

No núcleo dos jovens enamorados, há entrega, mas problemas de articulação e falta de projeção vocal, prejudicam o bom entendimento de algumas falas. Jamile Alves, como Helena, traz gestuais repetidos e tende para uma infantilização acentuada do personagem, que é jovem, não criança. Mas tem presença cênica.

Os atores que fazem os artesãos cumprem bem os papéis e transmitem vivacidade. Jorge Washington (Bobina) brilha, sabe cortejar a platéia e é hilário. Ressalte-se, ainda, a performance de AC Costa (ótimo interpretando O Muro) e de Ednaldo Muniz (como Tisbe). O clima orgiástico/sensual/carnavalesco se irradia pelo teatro. É um sonho bom do bando.

SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO | Sex a dom, 19h. Até domingo (no sábado, o grupo faz uma sessão extra, às 16h, com valor de R$ 10) | Teatro Vila Velha (3336-1384) | Av. Sete de Setembro, s/n, Passeio Público | R$16 e R$ 8 (sex) e R$ 20 e R$ 10 (sáb e dom)

quarta-feira, 25 de outubro de 2006

Fala Vila Guarnieri

Na próxima segunda-feira (30/10), às 20h a Cia. Teatro dos Novos dá início às suas homenagens ao ator e dramaturgo Gianfrancesco Guarnieri com um encontro para discutir sua obra. O Fala Vila contará com as participações de Cleise Mendes (professora doutora da UFBA , dramaturga e escritora , membro da Academia de Letras da Bahia), Evelina Hoisel (professora doutora da UFBA , membro da Academia de Letras da Bahia) e Márcia Guena (professora mestra das Faculdades Jorge Amado e Faculdade de Tecnologia e Ciência). A CTN segue com as atividades em novembro, apresentando uma série de leituras dramáticas dirigidas por Fernando Guerreiro, Harildo Deda e Ewald Hackler. Venha conferir esta novidade!

Usuário do Orkut - SE LIGUE!

Aqui vai um alerta para ajudar você a proteger sua máquina dos vírus que se aproveitam da marca de empresas e sites confiáveis. Estão circulando e-mails supostamente enviados pelo Orkut, simulando as mensagens de avisos do site, como a de que alguém lhe deixou um recado (scrap), lhe adicionou como amigo ou convidou para alguma comunidade, entre outros. O link escrito no e-mail segue o padrão dos endereços Orkut, porém, direciona para outras páginas altamente suspeitas, onde o usuário pode ser infectado com um sem-número de pragas virtuais - uma prática comum para difusão de vírus e programas capazes de roubar senhas de bancos.

Uma dica básica é dar um freio na curiosidade e não sair clicando em tudo por aí. Pense duas vezes! E junto com esta, uma outra precaução que pode evitar e milhares de problemas é bem simples: antes de clicar em qualquer link enviado por e-mail ou no próprio Orkut, coloque o mouse sobre o endereço (SEM CLICAR!!!) e verifique no lado esquerdo da barra de status - barra inferior do seu navegador, onde você vê quando um site está carregando - se o endereço é igual ao link.

EXEMPLO
Coloque o mouse sobre os links abaixo e observe a barra lá embaixo.

http://www.teatrovilavelha.com.br/blog- este link é confiável.

http://www.teatrovilavelha.com.br/blog - um link como este pode lhe trazer sérios problemas.

http://www.bb.com.br- outra roubada bastante comum.

Não dê bobeira! Um vírus desses pode fazer coisas chatas como prejudicar seus programas e fazer você precisar re-instalar seu windows, mas também pode fazer um rombo na sua conta bancária.

terça-feira, 24 de outubro de 2006

De volta ao trabalho

Olá! Estamos de volta.

O blog do Vila passou uma semana sem ser atualizado, como notificado pelo comentário colocado no post sobre o Viladança, ali embaixo.

O sistema de publicação do blog enfrentou problemas de comunicação com o servidor. Alguma coisa mudou lá e os programas pararam de conversar. Não conseguimos entrar em contato a Telium Networks, nosso servidor onde o blog estava (des)hospedado até a pouco, para resolver o problema. Enviamos e-mails e ligamos para eles repetidas vezes, mas não adiantou. A Telium que se anuncia como "soluções em telecomunicações" andou aprontando com a gente.

Para o blog voltar a ser atualizado, migramos ele provisoriamente para o servidor gratuito, o blogspot. Por isso essa barrinha preta aí em cima, agora. É o "preço" da gratuidade.

Assim que a situação for regularizada com o nosso servidor (ou com outro que encontrarmos com serviços mais constantes), voltaremos a operar sem barrinha do Blogger e com controle mais estrito do nosso formato e conteúdo.

Estamos trabalhando e estudando para que essas coisas não voltem a acontecer.

Desculpem pelo transtorno,

Núcleo de Comunicação

quarta-feira, 18 de outubro de 2006

Cia Viladança encerra apresentações do Vilerê


Foto: Marcelo Seixas

Neste final de semana, a Cia. Viladança encerra a temporada de espetáculos infantis oferecidos pelo Teatro Vila Velha no Vilerê - O Mês da Criança no Vila. Da Ponta da Língua à Ponta do Pé, musical que conta a história da dança através dos passos do skatista Zé em busca do amor da bailarina Isadora, terá duas apresentações em Salvador (sábado e domingo, às 16h), depois de passar por diversos municípios baianos e de outros estados. Desde sua estréia, em 2004, o espetáculo já foi visto por mais de 25 mil pessoas e recebeu por dois anos consecutivos a chancela da UNESCO em reconhecimento à sua importância enquanto iniciativa para formação de platéia entre o público jovem. Os ingressos custam R$ 14 (inteira) e R$ 7 (meia).

A produção informa a disponibilidade de pacotes especiais para grupos de escolas, associações e empresas. Maiores detalhes pelo 71 3336-1384.

Teatro contra as guerras

O Teatro do Tejo, de Portugal, é membro do "Theaters Against War" (THAW), uma rede internacional de artistas de teatro profundamente empenhados na criação de uma cultura pró-paz e que acreditam no teatro como veículo para uma resposta contra a guerra e contra os ataques às liberdades civis.

"TEATROS DE GUERRA" estreou a 05 de Outubro na Casa d'Os Dias da Água (Lisboa) e é o mais recente projecto do Teatro do Tejo que procura um reforço de sua intervenção política enquanto artistas. Neste momento, a companhia propõe a criação de um espaço onde as práticas críticas, estéticas e sociais fazem uma interseção, um lugar de "escrita dual", que tanto usa contra o edifício as pedras existentes da casa, como abre uma janela na parede da casa para que se possa espreitar o que está para além dela.

"Um teatro político que leve o espectador a reconhecer que, na brutalidade do mundo de hoje, onde a banalização da violência e do desrespeito pelos direitos humanos é permanente, não pode e não deve simplesmente fechar os olhos", divulgam os artistsa portugueses.

"TEATROS DE GUERRA" inclui a peça de teatro "O Monumento" de Colleen Wagner, uma instalação de Thomas Walgrave e dois dias de debates moderados por Fernanda Câncio.

De 05 de Outubro a 12 de Novembro de 2006
De Terça a Domingo das 13h às 15h e das 17h às 20h45
Casa d'Os Dias da Água (Lisboa - Portugal)
Entrada Livre


O Vila faz eco a este movimento, pois acredita nos mesmos princípios. Faremos o possível para nos engajarmos neste projeto.

Saiba mais sobre o Theaters Against War

terça-feira, 17 de outubro de 2006

Oficina de Teatro com A Outra Companhia

Agora que está livre d?O Contêiner, A Outra Companhia de Teatro irá ministrar uma oficina voltada para todas aquelas pessoas curiosas e cheias de vontade chegar perto do universo dos palcos. Com aulas de 9h-12h, aos sábados e domingos do mês de novembro, a oficina partirá de técnicas de improviso para criação de cenas curtas, sob orientação do diretor Vinício de Oliveira Oliveira e assistência de Luiz Antônio Jr. Ao final, os alunos participarão de uma mostra com resultado do trabalho. Valor: r$ 90,00. + info: 71 3336-1384

segunda-feira, 16 de outubro de 2006

Em entrevista ao Cineinsite, Pola Ribeiro fala do processo de filmagem de O Jardim das Folhas Sagradas, que agora já entra na sala de edição, da forte relação entre ecologia e candomblé, e ainda aproveita para comentar o atual momento do audiovisual na Bahia e no Brasil

Leia a íntegra da matéria.
Bando de Teatro Olodum na TV Globo


Ednaldo Muniz, Leno Sacramento, Fábio Santana, Lázaro Ramos e Cid nas gravações do filme

Depois do sucesso da estréia de Sonho de Uma Noite de Verão, aplaudida e elogiada pelo público, o elenco do Bando de Teatro Olodum tem um motivo a mais para comemorar os 16 anos de sua trajetória. O diretor Marcio Meirelles chegou do Rio de Janeiro na terça-feira passada com uma ótima notícia: a Rede Globo transformará a peça Ó Paí Ó, montada pelo Bando em 1992, em uma série com seis episódios a serem exibidos no próximo ano. Marcio participou de uma reunião com Guel Arraes, Jorge Furtado, Monique Gardemberg e o ator Lázaro Ramos, convidado para protagonizar os episódios. A peça, que já foi transformada em produção cinematográfica pelas mãos talentosas da cineasta Monique Gardemberg, conta a saga de moradores de um cortiço no Centro Histórico de Salvador, com um estilo de humor crítico e antenado com a realidade, típico do grupo. Passada a correria da estréia da nova montagem do Bando, Marcio Meirelles terá uma nova reunião com os diretores globais para o início do trabalho de adaptação e seleção das histórias que irão para a telinha. É o talento do Bando de Teatro Olodum levando a cultura afro-baiana para o palco, para o cinema e agora para a televisão.
Mais sobre as eleições

É assustador o que vejo na TV, nessa campanha eleitoral. O nosso interesse pela política defronta-se com essa gama de possibilidades de escolha e com a confusão criada pela mídia em nossa cabeça. Já que agimos normalmente de forma maniqueísta, definindo o que é certo e o que é errado, digo que é um erro combater um governo que começa finalmente a efetivar a tão sonhada distribuição de renda no Brasil.

Mas para que tal defesa desse governo seja aceita é necessário que estejamos cercados de informações que nos permitam enxergar os fatos. É na política que se espera encontrar tal apoio. É a reflexão continuada sobre os últimos quatro anos de governo que reforçam o nosso papel e a nossa responsabilidade enquanto cidadãos de defender com unhas e dentes a reeleição do Lula. É tarefa nossa reelegê-lo e temos o discernimento como aliado neste sonho, favorecido pelo nossos interesses coletivos e motivações próprias, graças ao fato de assistirmos por quatro anos um governo que preza pela coerência.

Somos partícipes desse momento histórico e só nos tornaremos sujeitos dessa história a partir do momento em que começarmos a trilhar com autonomia o percurso a que nos foi destinado seguir. Cada um deve esforçar-se para entender a importância dessa reeleição e deve compartilhar com os demais as grandes conquistas que resultaram das transformações sociais que vivemos hoje no Brasil. Votarei no Lula com orgulho de um eleitor que sabe o que está fazendo.

Jeudy Aragão é professor de filosofia e administrador noturno do Vila.

sexta-feira, 13 de outubro de 2006

Em defesa da nossa soberania
OSCAR NIEMEYER

foto retirada do www.estudiocaos.com
Tinha de me manifestar, e apresentei um motivo, a meu ver, suficiente, para justificar a permanência de Lula no poder


NA ÚLTIMA terça-feira, como fazemos há mais de quatro anos, assistimos às aulas do nosso amigo, o físico Luiz Alberto Oliveira, nas quais são debatidos os problemas da vida, da filosofia, deste estranho mundo em que vivemos.

Nessa noite, prevaleceu em nossa conversa a notícia, divulgada pela imprensa, de que o Prêmio Nobel de Física tinha sido concedido a John Mather e George Smoot. E, durante meia hora, Luiz Alberto discorreu sobre a matéria, entusiasmado com a descoberta daqueles cientistas que apuravam a teoria do Big Bang, há tantos anos adotada.

Interessados, acompanhamos as explicações do nosso amigo sobre o assunto. E foi já tarde, pelas 23h, que o problema do segundo turno das eleições presidenciais nos ocupou, cada um expondo o que pensava sobre o que poderá ocorrer, todos a apoiar Lula.

E no calor da discussão comentou-se a campanha odiosa levantada contra ele durante todo o período que precedeu as eleições.

Tinha de me manifestar também, e apresentei um motivo -a meu ver, suficiente- para justificar a defesa que fazemos da permanência de Lula no poder.

Insisti em que ele seria indispensável para o movimento de protesto contra o imperialismo norte-americano que se espalha pela América Latina. Movimento para o qual o Brasil se faz fundamental, por ser o país mais importante deste continente em que estamos.
Outro presidente menos interessado no problema, mais preocupado em atender às pressões dos Estados Unidos -esquecendo-se da nossa Amazônia, tão ameaçada-, romperia esse movimento em defesa da América Latina que o Brasil, a Venezuela, a Argentina e a Bolívia vêm sustentando corajosamente.

Precisamos não nos iludir com o argumento de que a política violenta do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, começa a declinar. Quem sabe se, diante do que ocorre, ela não vai se tornar mais cruel ainda -e o inesperado surge de repente?
Vivemos em um momento no qual a defesa da pátria e da sua soberania entre nós não pode ser esquecida. E, para isso, a integração de todos os países que compõem a América Latina se faz essencial.

Nas discussões políticas, a crítica quase sempre é levada a voltar atrás para descobrir erros cometidos no passado.

Nós, que estamos a favor de Lula, gostaríamos que isso ocorresse para comprovar que ele sempre permaneceu solidário com aqueles que lutam pela defesa da América Latina -de mãos dadas com Hugo Chávez, Néstor Kirchner e Evo Morales.

OSCAR NIEMEYER , 98, arquiteto, é um dos criadores de Brasília (DF). Suas obras estão edificadas em diversos países, entre os quais Alemanha, Argélia, EUA, França, Israel, Itália, Líbano e Portugal.

quarta-feira, 11 de outubro de 2006

Estamos na boca da estréia de Sonho!





O diálogo direto com as camadas populares de seu tempo. Essa foi uma das principais marcas da dramaturgia de William Shakespeare, seja por meio da representação de suas tragédias, dramas históricos ou comédias.

Encontrar a forma e o conteúdo adequados para falar de seu tempo é também um dos objetivos do Bando de Teatro do Olodum, que foi beber na obra do bardo inglês para criar seu novo trabalho, ?Sonho de uma Noite de Verão?, com estréia nessa sexta-feira, no teatro Vila Velha, em Salvador.


Leia na íntegra a matéria publicada hoje no jornal O Tempo (MG).

terça-feira, 10 de outubro de 2006

Ensaios dramáticos
foto: joão meirelles
A Companhia Teatro dos Novos (na foto com Fernando Guerreiro) se prepara para homenagear Gianfrancesco Guarnieri, que faleceu em junho deste ano, com leituras dramáticas de seus textos. Os ensaios já estão a todo vapor, de segunda a sexta, todas as noites. São 4 os diretores envolvidos: Marcio Meirelles (que dirige a primeira leitura: Arena conta Zumbi), Fernando Guerreiro (com o texto A luta secreta de Maria da Encarnação) , Harildo Deda (responsável por Eles não usam Bleque Tai) e Ewald Hackler (fechando o mês com o texto Ponto de Partida). Além deles, mais 15 artistas: 12 da CTN e os convidados Fernando Neves, Gordo Neto e Harildo Deda (como ator também).

Para quem nunca foi assistir a uma leitura dramática, funciona assim: os artistas têm o texto em mãos, enquanto interpretam na frente do público sem se preocupar com produção, cenário, luz e maquiagem. É a pura expressão do talento artístico dos atores, atrizes e diretores. Cacilda Povoas, artista da CTN, explica o porquê desse processo: "Quando a gente vai montar uma peça com um texto que já existe, a primeira etapa dos ensaios é a leitura de mesa, como é chamada. Essas leituras dramáticas são como se nós abríssemos ao público os ensaios de preparação para uma montagem. É uma forma de nos aproximarmos mais do autor, Gianfrancesco Guarnieri, que marcou uma mudança na dramaturgia brasileira com o espetáculo Eles não usam bleque tai."

Por enquanto só o texto Arena conta Zumbi não está sendo trabalhado, porque Meirelles está imerso no universo de Shakespeare. Os artistas já estão preparados para o intensivão com o diretor, marcado para logo depois da estréia de Sonho de uma noite de verão (dia 13/10). Nas leituras, o grupo envolvido anda se divertindo e aprendendo muito nos ensaios. "São quatro diretores excelentes e com trabalhos maravilhosos. Cada um deles tem uma forma de trabalhar diferente e é interessante observar isso. Está sendo um crescimento para os atores e para a CTN", ressalta Cacilda.

Além dos ensaios que estão rolando, a CTN já está preparando uma mesa redonda - o Fala Vila: Guarnieri, dia 30/09, que vai abrir a semana de início das Leituras Dramáticas. A um mês da estréia, com encontros marcados cinco dias por semana, com diretores diferentes e quatro textos inteiros para ler, a CTN e seus convidados prometem uma bonita homenagem a esse artista que levantava sua voz para alertar a todos sobre a realidade da época da ditadura.

ANOTE!
O que: Vila Lê Guarnieri (Leituras Dramáticas)
Textos: Gianfrancesco Guarnieri
Elenco: Cia Teatro dos Novos
Programação (sextas-feiras):
03/10 - Arena conta Zumbi (dir. Marcio Meirelles)
10/10 - A Luta Secreta de Maria da Encarnação (dir. Fernando Guerreiro)
17/10 - Eles não usam Bleque Tai (dir. Harildo Deda)
24/10 - Ponto de Partida (dir. Ewald Hackler)
Horário: 20h
Onde: Palco Principal do Teatro Vila Velha
Ingressos: R$ 3,00 (preço único promocional)
Vilerê estréia com sucesso e continua neste final de semana


Crianças que estiveram na platéia sobem ao palco para confraternização com os artistas da Novos Novos
Foto: João Meirelles


O primeiro final de semana do Vilerê foi bem recebido pelo público, que encheu a casa para as apresentações da Cia Novos Novos, com a peça Imagina Só... Aventura do Fazer. A diretora Débora Landim ficou empolgada e já antecipa que o Mês da Criança no Vila vai ferver! No sábado, parte da platéia foi tomada pelas crianças da creche dos servidores do Tribunal de Justiça da Bahia, que assistiram ao espetáculo com muita animação e ainda pousaram para fotos ao lado dos artistas da Companhia ao final da apresentação. Quem também esteve conferindo o trabalho do nosso grupo de jovens artistas foram os convidados da organização Defensores del Chaco, que desenvolve projetos de arte-educação na Argentina. No início deste ano, a Novos Novo já havia visitado a sede do grupo, onde participou de apresentações e workshops, integrando seus projetos de intercâmbio internacional.


Débora ao lado de Julio e Mathias, da organização argentina Defensores del Chaco

Voltando ao Vilerê: Neste final de semana tem mais! E no outro também... A próxima atração convida as crianças e seus acompanhantes a uma viagem fantástica até o Rerembelde, um lugar de outro mundo, onde a imaginação corre solta. No encerramento do Vilerê, o Viladança apresenta Da ponta da língua à ponta do pé. Ou seja: variedade é aqui!


Mais crianças: elas estão em toda parte!!!!

Confira nossa programação e aproveite os finais de semana do mês de outubro para deixar as preocupações de lado e soltar o Erê que existe escondido aí dentro. Chame as crianças, seus amigos, ou venha sozinho e se deixe levar pela diversão e emoção mais puras. Venha para o Mês da Criança no Vila.

ATENÇÃO ESCOLAS, ASSOCIAÇÕES E COMUNIDADES: Oferecemos pacotes com promoções especiais para grupos. Entre em contato conosco para saber mais detalhes e aproveitar nossos diversos espetáculos - (71) 3336-1384, teatrovilavelha@teatrovilavelha.com.br

segunda-feira, 9 de outubro de 2006

Palco dissimulado


Dissemble presta homenagem a Harold Pinter. Foto: João Meirelles


Dissemble - palavra do inglês que significa dissimular. Ocultar; não dar a perceber, não revelar. Inspirada na obra do dramaturgo inglês Harold Pinter, a diretora Cristiane Barreto criou uma peça com situações que podem acontecer em qualquer grande centro urbano do mundo, tendo um toque de comicidade e de absurdo. O espetáculo entra em cartaz nesta quarta-feira pelo projeto O que cabe neste palco 2006.

Dissemble questiona o quanto conhecemos das pessoas que fazem parte do nosso cotidiano, utilizando situações como uma conversa de mendigos durante a noite, a espera num ponto de ônibus, o encontro numa mesa de bar ou uma entrevista de emprego. Cristiane criou um texto inicial, que foi sendo modificado a partir dos ensaios e improvisações dos atores. A diretora adianta que o espetáculo não tem início, meio e fim demarcados, e explora as possibilidades da linguagem teatral. "Eu quero marcar a diferença entre o que é teatro e o que não é teatro. Em cena, o elenco transpõe os limites entre ator, personagem e performer. Quando um ator troca de roupa na frente da platéia, não é natural, mas também não é um personagem, é uma coisa mais próxima da performance", explica.

Cristiane conta também que seu texto é inspirado na obra de Harold Pinter, um dos dramaturgos do Teatro do Absurdo ainda vivo, que a diretora vem pesquisando desde 98 e que deve se tornar objeto de estudo do seu mestrado em Artes Cênicas. Ela pretende investigar a dissimulação do eu nos personagens do autor, sendo que nesta estréia a diretora optou por fazer uma adaptação para a realidade brasileira.

Para ajudar a construir o conceito de dissimulação presente no espetáculo, o cenário traz diversas cabeças de manequins e perucas. Desta forma, segundo Cristiane, os atores em cena não vão se disfarçar, mas o disfarce vai estar em cena. Sobre figurino, ela conta que sempre quis trabalhar com plástico, por identificar no material uma relação estreita com o urbano. "O plástico é uma coisa que pode imitar tudo! Não é um objeto autêntico, mas ele pode passar por. Os atores não se escondem atrás do figurino ou do cenário, a dissimulação está no texto, na interpretação, na construção dos personagens", arremata.

Levando ao pé da letra a proposta de inovação que faz parte do projeto O que cabe neste palco, Cristiane, mais uma vez, realiza seus experimentos em cena. "Eu concebi com os atores um espetáculo cujas transições se dão na frente do público, ninguém vai ao camarim trocar de roupa. Os atores vão ter liberdade para interagir, conversar com o público, entre eles, ou não falar nada...", explica. Assim, o que o público irá assistir é um espetáculo que continua em processo de montagem, o tempo todo.

Dia: Quartas e quintas-feiras
Temporada: De 11/10 até 26/10/2006
Horário: 20h
Onde: Cabaré dos Novos do Teatro Vila Velha
Ingressos: R$7 (preço único promocional)
Companhia Viladança atravessa o Brasil


A Companhia Viladança atravessou o Brasil de Norte a Sul de avião. No trajeto Roraima - Florianópolis, os dançarinos passaram quase um dia inteiro no ar ou em aeroportos.

Antes de pegarem um avião rumo ao sul, o grupo passou quatro dias em Boa Vista, onde teve algumas surpresas. "É difícil imaginar que na fronteira com a Venezuela, no extremo norte do país, existe uma cidade tão charmosa, limpa e agradável de se trabalhar e morar. Ficamos encantados com a infra-estrutura da cidade. As avenidas largas, sem congestionamento. É quase impossível se ouvir uma buzina. Muitos monumentos, lojas e parques em total harmonia com a floresta e a fauna local", diz Cristina Castro, diretora.

Curiosidades de Roraima:


Gavião passeando pelo parque . Igrejas pequenas e fofas . Um "João Vitor" de Roraima


Outro fato que surpreendeu o Viladança foi saber que era o primeiro grupo de dança contemporânea da Bahia a se apresentar na capital de Roraima.

Ainda em Boa Vista, a Companhia conheceu Rosana, chefe de seção de cultura do SESC, principal responsável e incentivadora da ida do grupo a Roraima. O resultado do seu carinho e atenção foi percebido em números: na oficina de dança, nada menos que 57 alunos; nas apresentações, teatro lotado, gente voltando da bilheteria.

Além das apresentações dos espetáculos Da Ponta da Língua à Ponta do Pé e José Ulisses da Silva no Espaço Multicultural do SESC Central e da oficina de dança ministrada por Cristina Castro, houve ainda uma mesa-redonda para debater a dança. Para discutir o tema "Quando a ação vira dança", foram convidadas a diretora do Viladança e Isabel (professora de dança de salão do SESC).

Depois de muitas horas de viagem, o grupo chegou a Florianópolis, onde realizou espetáculos de dança (Sagração da Vida Toda e José Ulisses da Silva) e abriu espaço para debate com a platéia. Dentre os curiosos que ficaram para fazer perguntas, muitos catarinenses, alguns baianos e Luiz Mokazel, diretor de cultura do SESC de Santa Catarina.



A diretora da companhia, Cristina Castro, ministrou aulas de dança em Floripa. Os dançarinos aproveitaram para conhecer a cidade: visitaram o Mercado Popular, a Lagoa da Conceição, a Praça XV de Novembro (que tem uma figueira onde, diz-se, a pessoa que dá quatro voltas encontra seu verdadeiro amor), entre outros lugares.



Agora, o grupo descansa por alguns dias em Salvador e breve retoma as atividades, seguindo pelo Palco Giratório por Fortaleza, Rio de Janeiro e São Paulo.

sexta-feira, 6 de outubro de 2006

Convidados especiais para o mês das crianças!



Em todos os finais de semana do Vilerê: o mês da criança no Vila (ops, já começa amanhã!), as crianças, adolescentes e quem mais vier conferir os espetáculos infantis em cartaz vai ter muito mais sobre o que falar. Antes da montagem principal da tarde - às 16h mesmo -, a garotada vai poder assistir uma rápida apresentação dos nossos pequenos grandes convidados: O Teatro de Bonecos de Camaçari. Os bonecos vão contar e interpretar curtas histórias voltadas para lições de solidariedade e cidadania.

O grupo faz parte do Teatro Amador de Camaçari (TAC), que é o segundo mais antigo do país - fundado em 15 de setembro de 1974 - atrás apenas de O Tablado (RJ), de Maria Clara Machado. Foi em Camaçari que aconteceu o Primeiro Festival Baiano de Teatro de Bonecos, com cursos voltados para essa tradicional forma de experssão, na tentativa de criar outros grupos.

Mais de 10 espetáculos estão no currículo do Teatro de Bonecos, que já foi se apresentar em escolas, creches, praças, praias e até em bancos. Sem falar nas campanhas governamentais de conscientização, como campanhas de vacinação, meio-ambiente e higiene bucal. E agora eles vão estar aqui, pela primeira vez, no Vila.

Não esqueça! Sábados e domingos, às 16h, antes da apresentação no Palco Principal, tem o Teatro de Bonecos de Camaçari, no Cabaré dos Novos. E neste fim de semana venha conferir o teatrinho junto com a montagem Imagina Só... Aventura do Fazer, da Cia Novos Novos.

quarta-feira, 4 de outubro de 2006

CORRE!

O CONTÊINER já vai acabar





A temporada de O CONTÊINER, terceiro espetáculo d'A Outra Companhia de Teatro está chegando ao fim. É só até esse domingo! E para todo mundo conseguir ver, nesta sexta-feira, dia 06, faremos duas apresentações extras.

Isso mesmo! Sexta-feira, O CONTÊINER será apresentado três vezes. 16h, 18h e 20h aqui no Teatro Vila Velha. A melhor parte da novidade é que nos horários alternativos, o ingresso é mais barato. Quem aparecer para ver as apresentações de 16h ou 18h, comprará ingresso pelo preço promocional de R$5,00. Cinco reais para todo mundo, só nesta sexta-feira.

Você que é artista e está em cartaz, você que trabalha à noite, você que quer economizar, você que larga o serviço ás 17h, corre e vem ver, que é só dessa vez!
SHAKESPEARE PELO BANDO


Foto: Márcio Lima

Shakespeare viveu, escreveu e representou suas peças na Inglaterra entre o fim do século XVI e o início do XVII. Nós vivemos em um mesmo período de transição, 400 anos depois, e estamos a poucos dias de uma eleição para presidente, senadores, governadores e deputados. Este é um momento especial, em que o povo brasileiro pode definir os rumos do país através do voto, ou seja, da escolha de seus representantes ? pessoas que irão administrar o bem comum, o dinheiro vindo do esforço coletivo, do trabalho diário de cada um, que irão elaborar, executar e fazer valerem as leis que beneficiarão o povo, a nação, leis que só fazem sentido se visarem à justiça e à equidade, à distribuição igualitária do que deve ser direito de todos: dignidade. [continua]

Sonho de uma noite de verão
em cartaz de 13 a 29 de outubro de 2006
de sexta a domingo, às 19 horas

ingressos: r$16 (sexta), r$20 (sábado e domingo)

terça-feira, 3 de outubro de 2006

MUDANÇAS EM NOSSO BLOG

Olá, amigos do blog.

O nosso blog mudou.

os comentários agora estão moderados.

1 - O que mudou?

Mudou o sistema de comentários. Antes, provido pelo sistema YACCS, um sistema de comentários criado em 2001, nos primórdios da "era do blog". Nossos comentários são agora providos pelo "Blogger", que é a mesma ferramenta que usamos para blogar.

A caixa de texto agora é padrão, os comentários aparecem direto na página e podem ser lidos e impressos juntamente com os 'posts', de maneira mais ágil e rápida, e a "cara" dele é um pouco diferente.

Outra mudança, técnica, é que os comentários não aparecerão no momento em que são enviados. Os comentários agora são moderados. Isso quer dizer que quando você escrever um texto nos comentários, ele será automaticamente repassado para o nosso e-mail, lido, aprovado, e só então publicado.

2 - Porque mudou?

Mudou porque esta é uma maneira de controlar o que está disponível em nosso blog. Assim, nos prevenimos, para que o nosso blog não seja usado para veicular mensagens de propaganda, textos caluniosos, difamatórios, e outros usos que considerarmos indevidos.

Precisamos controlar estritamente o nosso conteúdo porque, embora não haja uma legislação específica para o caso dos blogs, já há casos em que o juiz ou juíza considera que, mesmo não sendo o autor do blog que escreva textos que motivem processos judiciais, a responsabilidade é também do mantenedor do espaço. Logo, se Fulano difama Sicrano usando o blog do Vila, o blog do Vila também poderá ser responsabilizado.

A idéia não é censurar os comentários, apenas evitar usos indevidos que possam eventualmente nos comprometer de alguma forma. Nenhum texto encaminhado para os comentários será alterado por nós antes de ser publicado, o sistema sequer permite isso, portanto não há com o que se preocupar, o blog ainda é e será LIVRE

3 - O que ganhamos, o que perdemos?

Todos os comentários publicados antes da mudança do nosso sistema não estarão disponíveis para livre acesso. Tudo o que foi escrito nos comentários desde o surgimento do blog, pode ser recuperado por nós do Vila, em forma de um arquivo de banco de dados. Na prática, não estão disponíveis, mas em último caso, podem ser recuperados.

Ganhamos um sistema mais ágil, que é de nosso inteiro controle e que exibe os comentários com maior evidência, o que certamente vai impulsionar a participação do público, o que é um grande ganho para nós.

Ao mesmo tempo em que, ironicamente, perdemos alguma agilidade. A publicação dos comentários não é mais automática. O que for escrito depois das 18h só será publicado no outro dia, o que for escrito nos fins de semana, só sairá no blog na segunda-feira.

Ganhamos uma blindagem para o Vila para evitar remotas (porém possíveis) dores de cabeça futuras. Se não temos uma legislação que esclareça o que acontece no caso da comunicação via internet, "o que pode" e "o que não pode" é decidido caso a caso, por cada juiz. Se para alguns juízes, somos responsáveis em algum nível por tudo o que sai em nosso blog, seremos então, de fato, responsáveis.

Não se assuste. Teste o novo modelo de comentários! Você vai ver como é simples e logo logo todo mundo se acostuma.

Um abraço,

Núcleo de Comunicação do Vila.
Pegando carona no sucesso do post de Alice - e constatando que as estatísticas publicitárias estão absolutamente corretas quando afirmam que o povo gosta mesmo é de ver coisas macias e fofinhas como crianças e filhotes - o Teatro Vila Velha orgulhosamente apresenta:

VILERÊ - O MÊS DA CRIANÇA NO VILA


Imagina só... Aventura do Fazer (Cia. Novos Novos), Rerembelde (Cia. Teatro dos Novos)


Da Ponta da Língua à Ponta do Pé (Viladança)

A partir deste final de semana, o Vila é das crianças. Aos sábados e domingos de outubro, sempre às 16h, apresentamos espetáculos dedicados ao público infantil, tendo também como convidados especiais os artistas do Teatro de Bonecos de Camaçari, que dão uma mostra de seu trabalho no Cabaré dos Novos antes da atração do palco principal.

O Vilerê foi idealizado pelos artistas do Vila tendo em vista a sensibilização artística do público jovem, oferecendo alternativas que conciliam educação e entretenimento. O projeto coloca o Teatro Vila Velha a serviço das crianças, trazendo a cartaz as mais recentes produções infantis de seus grupos residentes, que abrangem diversos temas, explorados por um viés lúdico e que procura despertar a curiosidade das crianças para um mundo novas informações, de uma forma divertida.

Confira a programação detalhada no site do Vila, compre seu Passaporte e traga os pequenos para as tardes mais criativas neste mês que é só deles!

segunda-feira, 2 de outubro de 2006

Chegou!

Alice, de Lorena e Vinício. Mascote d'A Outra Companhia de Teatro.
Seja bem-vinda!