segunda-feira, 28 de fevereiro de 2005


Baticum, poeira, cheiro de tinta. Homens com roupas respingadas e pele coberta de pó. Móveis fora de lugar, praticáveis e peças de cenário reunidas em um único ponto do palco. É obra! Já se vão não-sei-quantos dias nessa reforma. No próximo final de semana estará tudo pronto e o público vai poder ver. Enquanto isso, operários e funcionários do Vila dividem o espaço de uma rotina alterada. O teatro não parou por causa dos consertos, ao contrário, continuou funcionando como uma usina para lançar, em março, uma programação ainda mais intensa do que de costume. Amanhã, dia 1º, é momento em que se respira fundo antes da largada. Depois, teremos três estréias, uma atrás da outra. E nosso público poderá conferir o Vila novinho em folha.

Ê beleza!

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2005

Ora, mas será possível???!!!

Pois então, dessa vez levaram o cobre dos nossos pára-raios e material de construção que seria usado nas obras de manutenção. Sim, é disso mesmo que estamos falando: ROUBO. O Vila foi roubado pela segunda vez no período de um mês. E olhe que estamos em fevereiro, o menor dos meses do ano!

Apelar para quem? Fomos prestar queixa. Na delegacia, um caos: um monte de gente precisando falar de outros crimes e o sistema deles caiu. "Não dá possível fazer nada, volte outra hora".

Não vamos esperar que tudo se resolva de mãos nas cadeiras. Mas, e agora?

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2005

Cordel do Povo


Oxente, Cordel de Novo? está de volta em três apresentações gratuitas no Passeio Público, neste final de semana. De sexta a domingo, sempre às 18:00, serão apresentadas as peças: Felismina Engole Brasa, A Chegada de Lampião no Inferno e O Malandro e a Graxeira no Chumbrego da Orgia. O Bando leva para um espaço ao ar livre os cordéis que encenou no palco, assumindo as características do teatro de rua. É assim que o Bando dá largada nas comemorações dos seus 15 anos, que devem ocupar toda a programação do grupo para este ano.

Venha e chame seus amigos. É de graça!

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2005

SUBÚRBIO EM EVIDÊNCIA
Projeto Arte, Cultura e Paz para a Cidadania.

O Movimento de Cultura Popular do Subúrbio estará realizando no dia 24/02, quinta-feira a partir das 13 horas na Estação de Trem da Calçada CBTU, atividades artísticas e culturais referente ao lançamento do Projeto Arte, Cultura e Paz para a Cidadania. Projeto este que tem como principal objetivo proporcionar diversão, cultura, lazer e informação para comunidades periféricas e escolas públicas do Subúrbio Ferroviário de Salvador, contribuindo para a diminuição da violência urbana e depredação do patrimônio público, ampliando assim a rede de articulação cultural nesta região da cidade.

A programação do evento conta com apresentações de espetáculos de Teatro, Dança, Capoeira, shows musicais de Rep, Hip-Hop e Break, além de recital de poesias, leituras de livros, animação com personagens circense e afoxé, encerrando o ciclo de apresentações às 17:30, onde às 18:00 vai acontecer a solenidade formal de lançamento do projeto, com pronunciamentos diversos de lideranças, convidados, apoiadores e participantes do projeto, na qual o ingresso é mediante apresentação de convite.

qdo: 24/02/2005 (quinta-feira)
hora: a partir das 13:00
onde: estação de trem da calçada
entrada franca. (às 18:00 - solenidade apenas para convidados)

terça-feira, 22 de fevereiro de 2005

MAIS RECLAMES DO VILA

Projeto Malungos
Literatura na Bahia

Toda segunda-feira, poetas e contistas baianos vêm realizando uma série de encontros, das19h30m às 22 horas, no pátio do ICBA. O objetivo é dar voz à literatura baiana contemporânea, por isso, o público que gosta de poesia e literatura conta com um evento dedicado à poesia e à ficção feitas na Bahia. Produzido pela poeta Vanessa Buffone, o Projeto Malungos reúne alguns dos nomes mais expressivos, com diversos estilos, em ambos os gêneros. Nestes encontros, onde há exposição permanente de livros e obras, os escritores falam sobre seus projetos pessoais e profissionais, além de promoverem recitais e bate-papos com o público. Na próxima segunda, os convidados são Aramis Ribeiro Costa, Florisvaldo Matos, João Carlos TeixeiraGomes, Myriam Fraga e Walter Queiroz.

se ligue!
PROJETO MALUNGOS
ONDE: Pátio do Icba - Café Albert's
QUANDO: Segundas-feiras
HORÁRIO: a partir das 19h30m
COUVERT: R$ 5,00 / R$ 2,50 (meia)
+info: vbuffone@terra.com.br


Curso de Teatro
A Contramão Produções está oferecendo um curso de teatro ministrado pelo ator argentino Walter Rozadilla. As inscrições já estão abertas e para saber maiores informações, basta acessar o site: http://www.vanacontramao.com.br/

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2005

o que é bom a gente divulga
. : : BRASEIRO : : .

Essa semana o espetáculo Braseiro reestréia no Teatro do Instituto Goethe (ICBA). Mostrado pela primeira vez na SALA 05 da escola de Teatro como peça de conclusão da disciplina direção e montagem I, Braseiro vem acumulando admiradores e prêmios.

Neste espetáculo, Marcos Barbosa (autor de Lampião e Maria Bonita) revela o drama de uma família de quatro personagens Avó (Neyde Moura), Pai (Rui Mantur), Mãe (Marita Ventura) e Filho (Sérgio Telles). Cada um tentando arranjar uma maneira de salvar o filho mais velho das mãos dos vizinhos jagunços. Com grande habilidade Marcos, introduz a história de cada um, assim como os caminhos que cada um quer seguir para salvar a vida do menino.

Segundo o diretor do espetáculo, Felipe Assis, quem for assistir Braseiro estará presenciando um exercício de linguagem. A quebra com o realismo foi o caminho tomado por ele, que já fez uma leitura do mesmo texto em 2002 (ICBA e Sala 05 escola de Teatro) e a montagem de uma cena para a disciplina Prática de Ensaio I. "Agora, tentamos expor o universo de cada um desses personagens, que como tantos outros, procura dentro do seu próprio mundo a solução mais conveniente para os problemas. Cada um no seu canto, cada um com sua história, virtudes e defeitos. São sempre muitos os pontos de vista, variadas as soluções, mas o desejo é o mesmo", explica.

O questionamento presetnte em Braseiro é: quanto temos que conceder ou nos transformar para aceitar e para criar algo? As respostas são muitas, a pressão é constante, certo e errado não existem.

Com uma trilha sonora original composta por André Simões, num clima de urgência e angustia que permeia todo espetáculo, o ?braseiro? cresce e nos surpreende.

O Autor
Marcos Barbosa é dramaturgo formado pelo Instituto Dragão do Mar, em Fortaleza, mestre em artes cênicas pela Universidade Federal da Bahia e professor do curso de artes cênicas da Faculdade Social da Bahia. Entre seus textos mais significativos estão "Minha Irmã", "Auto de Angicos" (Prêmio Braskem, 2004, Salvador), "Curral Grande" e "Avental Todo Sujo de Ovo". "Braseiro", escrita em 1999, já foi encenada em Fortaleza, pelo Grupo Armazém de Teatro e em São Paulo, no âmbito da Mostra de Dramaturgia Contemporânea do SESC.

Detalhes...
Autor:
Marcos Barbosa
Direção: Felipe de Assis
Elenco: Marita Ventura, Neyde Moura, Rui Mantur e Sérgio Telles.
Datas: Até 12 de março às 20h30. (quinta, sexta e sábado).
Local: Teatro do ICBA
Preço: R$ 10 (inteira), R$ 5 (meia) e R$ 3(bônus)
Apoio: Instituto Goethe, Escola de Teatro da UFBA e Teatro Vila Velha

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2005

Salvador, 16 de fevereiro de 2005.



O cidadão Sérgio Laurentino


O cidadão Sérgio Laurentino, ator, integrante do Bando de Teatro Olodum, foi violentamente agredido por um integrante da polícia do exército durante o carnaval, constrangimento por que passaram centenas de outras pessoas que estavam do lado de fora das cordas dos blocos no mesmo período.

O Bando suspendeu a temporada do espetáculo Cabaré da Rrrraça durante esse final de semana, quando comemoraria 15 anos de atividades bem sucedidas, porque entende que não pode haver festa aonde não há cidadania.

Dia 28 de fevereiro, às 19h, o Teatro Vila Velha e todos os seus grupos promoverão um Falavila para discutir QUEM PROTEGE A VIOLÊNCIA, QUEM A ALIMENTA, para que ela permaneça forte e soberana contra a maioria da população durante um estado democrático.

Estamos convidando os gestores da cidade nos seus mais diversos segmentos, a Emtursa, a Bahiatursa, a Central do Carnaval, o Comando da Polícia, a Procuradoria Pública, a Comissão de Direitos Humanos da Câmara e da Assembléia, a Associação de Cordeiros, os Blocos Afro, Comerciantes, Sindicato dos Jornalistas, aceitando outras sugestões para um tema que não pode mais deixar de ser discutido: Por que tanta violência num estado de direito democrático? Para quem existe a cidadania e a que preço?

Contamos com a sua presença e com a divulgação desta carta.


Bando de Teatro Olodum
(( COMUNICADO ))


Como fruto da violência que tem se instalado na Bahia em todos os níveis - social, cultural, econômico, comportamental - um de nossos atores foi vítima de agressão policial gratuita durante o carnaval.


Sérgio Laurentino: agredido gratuitamente

Em protesto a esse estado de coisas, suspendemos as apresentações do espetáculo Cabaré da RRRRRaça, que aconteceriam neste final de semana, no Teatro Vila Velha. O espetáculo ainda não tem previsão para voltar a cartaz.

Atenciosamente,

Bando de Teatro Olodum

terça-feira, 15 de fevereiro de 2005

:: notícias do sudoeste baiano ::

Em casa de ferreiro o espeto, que não faz milagre, é de pau.
Projeto de Teatro da TV Sudoeste exclui artistas da terra

Sou um apaixonado pela cultura popular, principalmente no que se trata das crendices, ditados, parlendas e mitos, que fazem da nossa literatura, um acervo vivo de pesquisas cada vez mais regionais e autênticas ligadas à comunicação do nosso povo, que sempre inventa um "dizê" para explicar suas histórias, conselhos e situações.

Mas falando em tradição, valores e arte locais os ditados mais conhecidos me vêm à tona para explicar o título deste texto e evocar a sabedoria nossa para tentar entender o objeto destas linhas, e as causas desta antiga e instigante questão.

Nesse ano, mais uma vez a TV Sudoeste, emissora sediada em Vitória da Conquista e filiada a rede Bahia, que por sua vez, é filiada a Rede Globo de Televisão abre as atividades do seu Projeto Verão, tendo como extensão o Projeto Janelas para a Cultura, que tem como objetivo, levar apresentações de teatro para a região sudoeste da Bahia.

Entretanto, nesse ano de 2005 os artistas conquistenses ficaram excluídos da programação, sendo toda ela destinada a grupos de fora, principalmente da capital baiana...

É assim que começa o texto de Marcelo Benigno. Ele é ator, arte educador, graduando em Artes Cênicas pela Ufba, diretor teatral e idealizador do MOVAI - Movimento de Valorização do Artista do Interior. Contato: marcelobenigno@hotmail.com, movaibahia@hotmail.com

Clique aqui para ler o texto na íntegra.

sábado, 12 de fevereiro de 2005

P r o j e t o 3 & P r o n t o
BENDITO É MARCIO ENTRE AS MULHERES

A partir de março, vem aí o 3 & Pronto: peças que ficam em cartaz pro três semanas. E pronto!
É programação para as noites de segunda e terça-feira, no Cabaré dos Novos - esse ano o Vila fica ativo de domingo a domingo, velho.

Quem comanda o projeto é a Companhia Teatro dos Novos, com elenco vasto, variável e garantido para todas a nove montagens que estréiam pelo projeto neste ano. Logo na estréia, Cartas Abertas, com o diretor Marcio Meirelles segurando (e soltando) as rédeas de atrizes como Chica Carelli, Mariana Freire, Viviane Laerte, entre outras.

De acordo com o próprio diretor, a idéia desta montagem é um anseio antigo, que vem desde a época da montagem de Barba Azul (1997), mas foi interrompido diversas vezes e agora não podia mais ser adiado. Para Marcio, a preparação da peça e os ensaios estão sendo um processo muito interessante de descoberta do simples e do feminino nas coisas cotidianas.

Em Cartas Abertas, o que o público verá é um passeio pela intimidade feminina, revelada através da forma como as mulheres se manifestam em sua correspondência pessoal. No palco, mulheres de diferentes gerações vão ler cartas diversas, históricas, enviadas pelo público e escritas por elas mesmas.

A estréia acontece no dia 7, às 20h.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2005

Vamos dar uma força, pessoal!

O jornalista Gil Maciel Rocha, figura querida no meio cultural baiano, que já trabalhou conosco e faz assessoria de comunicação do Theatro XVIII, está precisando de nossa ajuda. No último dia 2, ele sofreu um acidente, foi submetido a uma cirurgia que custou R$ 12 mil e como não tem plano de saúde, seus amigos e conhecidos estão se mobilizando para arrecadar o que for possível...

As doações podem ser feitas através de depósito no Bradesco, c/c: 17.782-2 - agência 3551-3.

Para saber maiores detalhes: 264-0499 ou 203-1392.
FOMOS ARROMBADOS!!!!!!!!!!
(essa rolou antes do Carnaval, mas vale a pena registrar)

Infelizmente, não é exagero. Todo ano, nessa época de Carnaval, com suas barricadas de arquitetura temporária erguidas de madeirites e quebra-cabeças de metal, o Vila acaba desguarnecido. Pode parecer paradoxal, mas entenda a situação: O Passeio Público fica destinado a um baile infantil promovido pela EMTURSA, por isso um tapume é colocado em frente ao teatro. Com esta medida, um dos lados do Vila fica coberto, impedindo a visibilidade dos homens da segurança do Passeio, enquanto o outro, com muro baixo que dá para a Gamboa, fica aberto, favorecendo a ação de bandidos.

Resultado: roubo na lojinha, com um prejuízo avaliado em mais de mil reais.

Pois é... Quem quer que tenha sido, quebrou a vidraça de uma das janelas, entrou na loja e saiu carregando o que achou pela frente. Já tinha acontecido ano passado, mas os ladrões foram menos ousados e a perda havia sido menor. Reclamamos com quem era devido, mas não adiantou de nada. Os tapumes voltaram este ano e a insegurança permaneceu a mesma.

Nessa "brincadeira", levaram todos os CDs da trilha sonora de ULISSES (do Viladança), alguns do pianista Ricardo Castro, cds virgens que usamos para gravar arquivos e uma porrada de camisetas do Vila. O mais chato disso tudo é que nos sentimos atingidos no âmbito emocional também. Fomos invadidos na calada da noite e roubaram um material que é fruto de nosso esforço. Nenhum dos dançarinos tem o cd do espetáculo, por exemplo. E ainda ficamos a nos perguntar sobre a lucratividade desse roubo. Afinal, quem compraria o cd com uma trilha para dança contemporânea ou de música erudita num camelô, aqui na Bahia?

Durante o ano inteiro sofremos com o estigma de periculosidade e falta de manutenção que o Passeio Público carrega. A área, que não é de nossa responsabilidade, apesar de fazermos o que está ao nosso alcance para melhorar suas condições, afugenta as pessoas, que associam a insegurança à imagem do Vila. E como se isso não fosse suficientemente desagradável, ainda acontece um fato como este.

Estamos chateados e já tomamos nossas providências. Melhor sería se não estivéssemos trabalhando sozinhos.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2005

BOAS NOVAS
I:N:D:I:C:A:Ç:Õ:E:S!

Hoje foram divulgadas as indicações do prêmio Braskem, como já dizem por aí, "o Oscar" do Teatro Baiano. Sim, a premiação tem um grande prestígio e com tantas montagens que passam pelo circuito soteropolitano, uma indicação já é motivo de orgulho para os artistas. O prêmio é uma homenagem ao TEATRO através dessas indicações e posteriores premiações, que são circunstanciais e subjetivas, porque são escolha de apenas 5 ou 6 pessoas, por critérios, às vezes, pessoais, como não poderiam deixar de ser.

Pois bem... O Teatro Vila Velha teve a felicidade de ver algumas de seus artistas e produções na lista:




Alices e Camaleões

Arlequim - Servidor de Dois Patrões (melhor espetáculo e melhor atriz coadjuvante - Eddy Veríssimo)
Alices e Camaleões (melho espetáculo infanto-juvenil, melhor ator coadjuvante - João Vitor Santana, melhor autor - Edson Rodrigues, melhor figurino - Pedro Trindade)
Marcio Meirelles (melhor diretor por A Prostituta Respeitosa)
Jarbas Bittencourt (pelo conjunto das trilhas sonoras do ano de 2004)
João Vitor Santana (melhor ator coadjuvante também por Auto-retrato aos 40)



Arlequim, servidor de dois patrões

Além dessas, recebemos, indiretamente, através do trabalho do diretor Marcio Meirelles, indicações de melhor espetáculo, atriz e ator coadjuvante, por A prostituta respeitosa, e ator, atriz e texto, por Esse Glauber.

Estamos felizes pelas nossas indicações, pelos outros indicados, assim como estaríamos felizes com qualquer indicação, porque gostamos do teatro e da festa. Consideramos também Da Ponta da Língua à Ponta do Pé, Auto-retrato aos 40, Primeiro de Abril e todas as produções, feitas ou apoiadas pelo Vila, homenageadas através das que foram indicadas.

Atendendo a pedidos...


Iza Rangel e Lucilene Nascimento, as meninas de Rondônia.