sexta-feira, 29 de outubro de 2004

Isso é arte de guri...



Desde 2001, a Companhia Novos Novos faz teatro infanto-juvenil envolvendo crianças e adolescentes em todo o processo de criação dos espetáculos. Os meninos e meninas participam de leituras, discussões e oficinas que servem para a criação do texto e dos personagens. Esta foi a fórmula encontrada para de elaborar espetáculos que estimulam a criatividade do grupo e que também estão próximos da linguagem e dos interesses dos pequenos.

Com Alices e Camaleões não foi diferente. E dessa vez, a turminha participou de uma oficina de figurino realizada por Marcio Meirelles, de onde saiu a idéia para vestir os personagens da peça. Entre muitos desenhos bastante originais e divertidos, a criação de Pedro Trindade (10 anos) foi escolhida por apresentar um conceito claro e que tem tudo a ver com o espetáculo.

O desenho de Pedro é esse aí em cima. Na parte de baixo, ele fez também uma "planta baixa" do universo onde se passa Alices e Camaleões. Para conferir o resultado dessa viagem, é ver a peça, que estréia no próximo dia 7.

info:
sab/dom (17h)
r$ 12/6

quinta-feira, 28 de outubro de 2004


o que você acha deste rasta...
Peraê, segura a onda!
Outubro ainda não acabou!!!

Desde que soubemos que a programação de novembro está bombando, é só "em novembro isso, em novembro aquilo...", mas outubro continua aí. Tá no finalzinho, mas ainda não terminou. E como dizem que o melhor sabor fica na raspa da panela, quem encerra a programação do mês é o Vilavox com seu Primeiro de Abril.

E eles vão até o fim mesmo! A peça fica em cartaz até o dia 31 (domingo). São as últimas apresentações. Imperdível!

info:
Sex/Sab (21h)
Dom (20h)
r$ 12/6

quarta-feira, 27 de outubro de 2004

NOVEMBRO VEM AÍ!



Enfim, gostei desse cartaz.

Camilo Fróes
Quando novembro chegar...


A gente não perde por esperar! Estamos preparando uma programação bem... digamos... "rechonchuda" para o próximo mês. Tem de tudo, uma variedade de espetáculos, palestras, shows... O Bando de Teatro Olodum celebra a Consciência Negra - comemorada no próximo dia 20 - com a apresentação de seu repertório. Na programação: Essa é a Nossa Praia, Cabaré da RRRRRaça e Oxente, Cordel de Novo?. Além destas peças, tem também os espetáculos de dança Samba do Crioulo Doido e Noites Flamencas; o show DEMO-RÔ, com as bandas Simples Rap'Ortagem e Os Agentes; apresentação dos e-lectroINvasores integrando o VideoBrasil na Bahia, e ainda o encerramento do Projeto O Que Cabe Neste Palco 2004, com O Diário Íntimo de Lima Barreto. Para os pequenos, tem a estréia de Alices e Camaleões, montagem inédita da Cia. Novos Novos. Ficou ansioso(a)? Imagine nós. Se ligue nos nossos informativos, compre seu Passaporte* e assista a tudo que quiser!

Não perca!

Primeiro de Abril - Este é o último final de semana para assistir ao musical do Vilavox! No palco, um pedaço da triste história recente do Brasil é revivida para não deixar passar em branco os acontecimentos que, há 40 anos, abalaram definitivamente o nosso país. Sex/Sab (21h), Dom (20h).

* O Passaporte do Vila funciona assim: por R$ 25,00 você adquire 5 vale-ingressos que podem ser trocados até 1 hora antes das apresentações dos espetáculos que fazem parte da promoção. Cada ingresso sai pela bagatela de R$ 5,00! Mais barato até que a meia, que custa R$ 6,00. O Passaporte vale o ano inteiro, mas preste atenção: 2004 já está acabando!

terça-feira, 26 de outubro de 2004


Platéia de Da Ponta da Língua à Ponta do Pé no último sábado

As apresentações que encerraram a temporada de Da ponta da língua à ponta do Pé no último final de semana foram assistidas por um público muito expressivo: mais de 600 pessoas em três apresentações. Entre pagantes e convidados de grupos comunitários que vieram através do projeto Tomaladacá, havia gente de todas as idades, principalmente crianças, para quem o Viladança voltou seu foco nesta montagem. Cristina Castro, diretora do grupo e idealizadora do projeto, conta que ficou emocionada não apenas com a platéia cheia, mas principalmente com as reações do público. Eram suspiros por causa da história de amor, entusiasmo com o rap que conta a história do balé, crianças dançando alegremente, os pais e acompanhantes sorrindo... Uma verdadeira festa!

E os comentários no Diga Aí impresso eram todos positivos, elogiando a leveza do espetáculo, a importância de sua dimensão didática e como isso se encaixou bem com a forma como é apresentado.

Mais uma vez, o Viladança fecha uma temporada cheio de orgulho. A idéia agora é fazer o projeto vingar e trazer os alunos das escolas públicas durante o ano que vem.

segunda-feira, 25 de outubro de 2004

c o r r e s p o n d ê n c i a

"Adoro receber a programação do Vila, que está sempre surpreendendo! Já assisti quase todos os espetáculos dessa temporada algumas vezes e pretendo voltar e levar alguns amigo pois sou uma ótima amiga e quero partilhar com eles a maravilha que são esses espetáculos (Nem Louco Nem Tão Pouco; 1º de abril; Da Ponta da Lígua a Ponta do Pé) estou aguardando a estréia de Essa é Nossa Praia com toda expectativa.

Beijos,

Gueu Nogueira"

Questão de $$$

Com o Diga Aí, nossa "super precisa" pesquisa de opinião pública, temos uma curiosa amostragem da variedade do público do Vila. Um dado que chama atenção, por exemplo, é o que as pessoas dizem sobre o preço dos nossos ingressos. Algumas dizem que ele é um fator motivador e outras afirmam que é uma das coisas que desmotivam a vinda ao teatro. Cobramos R$ 12,00 pela entrada inteira e às vezes não dá o suficiente para pagar as despesas da pauta do teatro. Não é querendo fazer queixa nem nada, é somente um fato.

O que você acha deste valor?
É caro?
É barato?
É justo?

Todavia, o Vila também tem promoções como os bônus, o Passaporte (cada ingresso sai por R$5), convites que depois da estréia valem meia-entrada... Outro dia, numa reunião, Meirelles cogitou a possibilidade de fazer uma apresentação cobrando do público somente a quantia que as pessoas quisessem ou pudessem dar. Não fazemos idéia de qual seria o resultado dessa ação, mas a curiosidade paira no ar... Será que a arrecadação seria maior que o normal? Ou menor?

Se rolar, a gente avisa!

sexta-feira, 22 de outubro de 2004

Planejamento do cronograma de 2005 no Vila

"Não venha pra cá trazer número não, que a gente tá aqui delirando!"
(Marcio Meirelles para Gustavo, o administrador)

"Vou estrear com alguma coisa que eu ainda não sei o que é..."
(Frase recorrente)

quinta-feira, 21 de outubro de 2004

curta

Adorei o espetáculo infanto juvenil da ponta da lingua a ponta do pé. Realmente maravilhoso.
Parabéns TVV....

Alex Simões
Gerente Técnico
Laboratório LEME

quarta-feira, 20 de outubro de 2004

PREPARATIVOS

Amigo Secreto. Não é a hora ainda, mas os preparativos já começaram. Pequenas surpresas começam a ser planejadas. Gilca levantou a necessidade de uma organização melhorzinha do que a do ano passado, a conversa caiu no ouvido de Gustavo, Jó sentou junto, Juliana também quis saber... Conversamos rapidamente poucas coisas e decidimos que o amigo secreto desse ano deveria ser mais amplo. Se é pra brincar vamos brincar todos juntos: gatos, ratos, pulgas, coelhos e o restante do reino animal. Então lá vai:

CONVOCAÇÃO

Convocamos todos os funcionários, todo o colegiado, todos os estagiários e todos os agregados (Fulco e Vinício) a participarem do Amigo Secreto do Vila - Edição 2004.

O evento ainda tem tudo a ser definido exceto a inscrição: A inscrição é com Jó. Sugestões são aceitas.

c o r r e s p o n d ê n c i a
"Todos os domingos às 19:30 temos show de chorinho no Restaurante Espírito do Chopp"
Essa foi a dica enviada pela Maria Célia, do Rio De Janeiro. Ela veio assistir à nossa Roda de Choro e não deixou de mandar o seu recado.Agora é só conferir!

O Restaurante fica na Rua do Humaíta,Humaíta Rio de Janeiro- RJ.
Pensamento do Dia

"O meu objetivo não é caluniar uma profissão que amo e estimo; falo da profissão de ator. Ficaria desolado se minhas observações, mal interpretadas, pusessem uma sombra de desprezo em homens de talento raro e real utilidade, nos flagelos do ridículo e do vício, nos mais eloquentes pregadores da honestidade e das virtudes, na vergasta que o homem de gênio usa para castigar os maus e os loucos."

(Diderot)

terça-feira, 19 de outubro de 2004

c o r r e s p o n d ê n c i a
"Adoro receber notícias do Vila Velha.É realmente uma
pena não poder participar dos acontecimentos por aí,
por morar no Rio de Janeiro, mas é bacana esse
intercâmbio cultural.

UM GRANDE ABRAÇO A TODOS.

Cynthia Rachel,
Cia dos Comuns."
---
"Boa tarde,

Gostaria de me cadastrar para receber informações semanais do MARAVILHOSO Teatro Vila Velha!!! Só fui conhecer o teatro agora na peça que fala sobre o Golpe de 64. Me apaixonei!! Pretendo ir sempre que puder!!

Desde já agradecida

Patricia Novaes"
:: VILA VOYEUR ::



Nas andanças pelo interior por causa dessa idéia de fazer Teatro de Cabo a Rabo, ano passado, Meirelles trouxe para o Vila uma série de simpáticos casaizinhos de cerâmica flagrados em momentos de diversão. Logo se tornaram ítem decorativo padrão em nossas mesas aqui no trabalho. Hoje em dia eles são observados com avidez e atenção pelos bonequinhos-brinde da nova empresa de segurança...

segunda-feira, 18 de outubro de 2004

c o r r e s p o n d ê n c i a
"Gente boa!!!

É com imensa satisfação, que venho através deste informar que estou sempre contente com vocês.Acabei te ter acesso a programação do mes de novembro e adorei, terei oportunidade de ver novamente Cabaré da Rrrrraça, assitir pela primeira vez os espetáculos Oxente, Cordel de Novo? e Essa é A Nossa Praia.

Vocês são demais, esse Vila com o passar dos tempos já está quase fazendo parte da minha família, pois a cada dia que se passa vivo momentos maravilhosos na companhia de vocês.

PARABÉNS!!!

Patrícia Oliveira"
Caso de polícia, companheiro!
Nesta última sexta feira, dia 17, por volta das 23:00, recebemos, no
Cabaré, a vista de um "polícia". O "probrema" era o seguinte: pela
segunda vez, os moradores do prédio no fundo do Vila tinham ligado pra
polícia dizendo que haviam gritos barulhos terríveis vindos de dentro do
teatro. O "polícia" já havia feito uma ronda, na rua da Gamboa, olhado,
inclusive pela fresta do portão de ferro, que dá pro palco, mas não tinha
visto nada de anormal. Nem podia ter visto ou ouvido nada, pois a peça já
tinha acabado. Isso mesmo. Os gritos e barulhos que os vizinhos ouviram
minutos antes, vieram do espetáculo Primeiro de Abril... Na cena
intitulada "O DOPS quer 'dialogar' com você", a zoada deixou os vizinhos
do Vila preocupados e por isso ligaram pra polícia: "Tem alguém sendo
'estrupada' dentro do teatro...". Moral da estória/história: durante a
ditadura militar, quando se ouviam barulhos como este, pra onde eles
ligavam??? Hoje, ligam pra PM.
Gordo Neto

sexta-feira, 15 de outubro de 2004

PERFIL



Nome: Alessandro Salles
Codinome: Sandro
Função: Auxiliar Administrativo
Tempo de Vila: 3 anos
Quantas vezes assistiu ao Cabaré da RRRRRaça: Ah, sei lá, pergunta lá pra ele!
Gostamos dele porque: É um rapaz competente, todo tranquilo.
Queremos matá-lo quando: Fica "cantando" música eletrônica e se batucando.
O que dizem sobre ele:
"Uma pessoa que está me surpreendendo com o crescimento profissional" (Jó Graças)
"Feio é só Transamérica" (Vinício Oliveira Oliveira)
"Ah, eu gosto quando ele conta como é no dentista, que imita o barulho do motor, que se bate todo na cadeira do dentista." (Gilca Alves)

Citação: "Man, bota esse som aí, na moral"

quarta-feira, 13 de outubro de 2004

Pensamento do Dia

"Quando a peça chega ao fim, o Rei é um mendigo.
Pedimos pois que manifesteis vossa alegreia.
Então tudo acaba bem, se o público for amigo.
Faremos por representar melhor dia após dia.
Para vos dar temos as nossas representações.
Emprestai-nos as mãos e recebei os nossos corações"

(Shakespeare)

terça-feira, 12 de outubro de 2004

Primeiro de Abril na web

A internet é uma excelente maneira de trocar idéias e manifestar as opiniões por aí. Nessas andadas pelo Orkut (site de perfis e relacionamentos), encontrei o seguinte comentário sobre Primeiro de Abril, dentro de uma comunidade dedicada ao Teatro Baiano.

"Espetáculo emocionante!Um espetáculo que todos deveriam assistir. Em cena, os meninos e meninas do Vila Vox e Companhia dos Novos, mostraram que esforço e determinação são palavras chaves para eles.

Um espetáculo longo (mas maravilhoso), que retoma o período ditatorial no Brasil. O diretor brinca com os atores em cena, e faz com que o público re-viva um momento conturbado da História do Brasil.

O áudio com propagandas da época e momentos políticos e de torturas, a banda, que intensifica o desespero do período e a atuação das mulheres são muito bem escolhidos e representados.

Sem falar nas cenas dos A.I's e na cena do militante bÊbado, que retira público do espetáculo, lembrando que ele está em um teatro.

O grupo está de parabéns. E como se afirma no espetáculo " Eu faria tudo outra vez", eu posso afirmar: Eu assistira tudo outra vez.

Um espetáculo recomendado para todos!"

A autora do comentário é Ingrid Maria, fundadora da comunidade. Para quem faz parte do Orkut, é uma boa para debater a cena local e ficar sabendo das últimas novidades. Confiram!

Juliana Protásio

segunda-feira, 11 de outubro de 2004

BABA DO VILA

Me chamaram pra jogar bola. Jogar bola, veja bem. Chego lá, aquela gritaria. Como não sou exatamente um grande jogador, fui chegando de mansinho, pedindo com educação pra me passarem a bola, mas cinco minutos depois já estava claro que aquela reunião de amigos do Teatro Vila Velha na Associação Atlética da Bahia pouco tinha a ver com futebol. O povo gosta mesmo é de regras! O que pode, o que não pode, e porquê! Com um pouquinho mais de estudo, era tudo adevogado!

Grita daqui, grita de lá, nesse caso pode ser falta, não pode, quem marca é ele, eu também posso marcar, a árvore é que nem o juiz, bola na mão! Bateu na árvore sai, não sai, sai, não sai. Tem impedimento ou não tem? Até onde vai a área do goleiro? Tem pênalti agora, é? Direta ou dois toques? Muita discussão. Uns 12 juízes em campo. Bola mesmo, se viu muito pouco.

Valdinéia gritava: "Tira Leno do time! Sai Leno!". Eu cheguei achando que ela tava esculhambando fui ver que ela já tinha entendido o espírito da coisa muito antes de mim. A graça mesmo era gritar. Tanto que as comemorações levavam mais tempo que o jogo.

Mesmo convencidos de que no Teatro Vila Velha, futebol não é bem o forte, inevitável pensar como seria a seleção do Vila:


Goleiro
1 - Gustavo Libório!

Zaga (não passa nada!)
3 - Chica Carelli
4 - Marísia Motta
5 - Márcia Menezes

Lateral Esquerda
6 - Gordo Neto

Lateral Direita
Vago.

Meio Campo (articulando)
7 - Ângela Andrade
10 - Cristina Castro

Centro-Avante
9 - Marcio Meirelles

Sem Posição Definida (onde a bola estiver, eles vão atrás)
8 - Jarbas Bittencourt
11 - Fábio Espírito Santo

Café com Leite (não vale bicuda!)
14 - Débora Landim

Camilo Fróes

Platéia cheia de ponta a ponta

A estréia do Viladança foi uma beleza! A casa cheia, com um público literalmente de 8 a 80 anos, com as crianças do GACC e os idosos do Abrigo do Salvador e do Asilo D. Pedro II, trazidos pela Petrobras. Isso sem contar muitas pessoas que vieram com convites do Vila (os 'reincidentes') e que ficaram sabendo do espetáculo de outras maneiras... A casa estava bem cheia, com gente de várias idades misturada pela platéia, os mais novos se apertando pelo chão, mas todo mundo prestando atenção na história contada "da ponta da língua à ponta do pé". O clima alegre era contagiante, dava para ouvir os risinhos mal contidos das crianças - e dos adultos também.

E para quem ficou curioso e também quer vir assistir, não pode vacilar! A peça fica em cartaz aos sábados e domingos, às 17h, somente até dia 24.

sexta-feira, 8 de outubro de 2004

Pensamento do Dia:

"Na civilização técnica global, formada por tantas culturas particulares e ameaçada por tantos conflitos, o Teatro é o construtor da esperança e uma lupa através da qual se antevê o futuro".
(Vanclav Havel)

quarta-feira, 6 de outubro de 2004

Semana de Estréia no Vila...


Cenário: Estúdio do Vila
Dormindo: Lauana Vilaronga - coreógrafa do Vilavox
Comentário: ZZzzz...

sexta-feira, 1 de outubro de 2004

Porque esse negócio de Propriedade Intelectual é mesmo um pepino...

Observe o processo que nos levou até o nosso cartaz da programação de outubro:

A primeira imagem, uma fotografia, foi tirada do fotolog de Thiago Fernandes (www.fotolog.net/milimetro). Achei a imagem bonita e guardei. Um belo dia, de tão bonita, resolvi brincar com ela e os filtros do programa editor de imagens. Chegamos então à segunda imagem. Mostrei a Camilo, nosso designer de tudo, que achou tudo bem interessante e sem pensar duas vezes, catou e converteu num tipo de arquivo que pudesse ser usado no CorelDraw. No fim das contas, deu-se o cartaz, que foi impresso como se vê na última imagem da sequência.

Um só cartaz. Três cabeças. Vários olhos. Um monte de mãos.
De quem é o crédito, afinal?

Juliana Protásio

Pontapé Educativo

Com a estréia Da Ponta da Língua à Ponta do Pé, o Viladança dá início a um amplo projeto de educação artística para jovens e formação de platéia para as artes cênicas. Quer dizer, esse processo não é algo assim tão recente, mas uma idéia que vem amadurecendo na cabeça de Cristina Castro - diretora do grupo - há uns dois anos e que sempre perpassou o trabalho do Viladança, com a apresentação de suas montagens para grupos comunitários, assim como a realização de oficinas e debates sobre a linguagem da Dança.

O projeto que está sendo lançado agora pelo grupo parte do princípio de que é preciso que o público compreenda as linguagens artísticas para se sentir atraído por elas e ter prazer em apreciá-las. Formação de platéia é promover o acesso à arte também no campo simbólico e não apenas ceder convites e divulgar espetáculos. Por isso o Viladança e outros grupos residentes do Vila investem no diálogo com o público por um viés educativo e esclarecedor.

A partir do espetáculo Da Ponta da Língua à Ponta do Pé, o Viladança pretende promover apresentações e discussões com crianças e adolescentes, envolvendo artistas e educadores, além de expandir o desdobramento destes debates para publicações e oficinas. O que move o projeto é a noção de que a Arte é dinâmica e viva, que prescinde do envolvimento do público para realizar-se e o que se busca aqui é um número cada vez maior de pessoas que possam se identificar e apreciar o trabalho dos artistas, especialmente nas áreas deTeatro e Dança, linguagens que normalmente recebem o rótulo de elitistas.

Com este projeto de formação de platéia, o Viladança não está procurando fazer com que as pessoas "entendam" a Dança, ou tornem-se especialistas da noite para o dia, e sim promover uma aproximação com o público através do conhecimento. É claro que daí pode se suscitar o interesse dos jovens pela formação técnica e teórica, o que no futuro nos trará novos dançarinos, coreógrafos, críticos... Por enquanto, a idéia é mostrar que a Dança não é nenhum bicho-de-sete-cabeças, mas uma forma de arte acessível a todos, desde que se conheça um pouco de sua história e sejam desmistificados diversos preconceitos.

E a largada do projeto Da Ponta da Língua à Ponta do Pé é neste sábado, com uma pré-estréia do espetáculo exclusiva para alguns grupos comunitários e amigos do Vila.

Juliana Protásio