sexta-feira, 30 de julho de 2004

40 anos diante do espelho


O aniversário é amanhã. A atração da festa é o espetáculo Auto-retrato aos 40, uma dessas loucuras que se faz por aqui com um monte de pessoas envolvidas, formigueiro humano no palco. À noite, o Vila volta há 40 anos atrás para contar sua própria história, escrita por muitas um monte de mãos, muito suor e muita arte. Em cena, um batalhão de pessoas que dançam, cantam, tocam e contam. Sim, eles contam uma saga emocionante de quatro décadas para manter esta casa de pé. Passo a passo, o caminho de muitos. Às vezes quem está de fora não faz idéia da batalha que é manter este forte erguido. Se foi árduo levantar a construção, em 1964, justo quando tudo era desconstruído neste país à base da força bruta, a luta também não foi menor em todos esses anos.

E hoje de manhã os velhos Novos estiveram por aqui. Foi emocionante! Gravaram uma matéria sobre os 40 anos do Vila, que deve ir ao ar amanhã na TV Bahia. Também na TV, só que na Educativa, um dos Novos deve dar seu depoimento sobre essa história. A TV Aratu também já fez uma reportagem. O A Tarde e o Correio também deram destaque, deu na Carta Capital...Por esses dias vai ser fácil saber um pouco mais sobre o Vila pela imprensa. Mas o melhor mesmo é ver em cena, que é bonito ver aquela multidão vestida de branco tomando o palco e cantando a plenos pulmões. E quando eles montam o Dragão...

Olhe... se quiser saber mais, vá ao Vila, velho!


Juliana Protásio

quinta-feira, 29 de julho de 2004

PERFIL



Nome: Camilo Fróes
Codinome: Murilo
Função: Webmaster, webdesigner, programador visual, quebra-galhos em geral.
Tempo de Vila: Quase 2 anos
Quantas vezes assistiu ao Cabaré da RRRRRaça: +de 10...
Gostamos dele porque: Ele dá um jeito de resolver (quase) qualquer coisa.
Queremos matá-lo quando: Ele usa aquele tom insolente.
O que dizem sobre ele:
"É um doido certo" (Chica Carelli)
"Ah, ele é tão especial... É um Menino Maluquinho necessário" (Cristina Castro)
"Ele é genial! A idéia do tomate foi dele. Aguardem." (Vinício Oliveira Oliveira)

Citação: "Cacete..."

sexta-feira, 23 de julho de 2004

Pensamento do Dia:
 
"Todo o atentado contra a atividade criadora do teatro é um crime".
(Konstantin Stanislavsky)

quinta-feira, 22 de julho de 2004

PERFIL



Nome: Iracy Duarte
Codinome: Dona Irá
Função: Toma conta do bar
Tempo de Vila: 6 anos
Quantas vezes assistiu ao Cabaré da RRRRRaça: +de 10...
Gostamos dela porque: É uma cozinheira de mão cheia e não perde o bom humor.
Queremos matá-lo quando: Ela se recusa a posar nua como gostaríamos.
O que dizem sobre ela:
"Que é que tem pra comer aí, Dona Irá?" (Qualquer um)
"Tira! Tira! Tira! Tira!" (Marcio Meirelles)
"Rapaz, eu tou devendo dinheiro a ela já há um tempinho velho... E... Eu não paguei." (Alexandre Marinho)

Citação: "Oxente, seu Marcio!"











terça-feira, 20 de julho de 2004

Essa é pra cantar junto

Esquentando os tamborins
 
Dia 31 de julho está chegando. É praticamente amanhã! Por isso a gente está aqui envolvido até o pescoço com os preparativos para a festa. A festa de aniversário dos 40 anos do Vila!!! Não pode esquecer, hein?
 
Para entrar no clima junto com a gente, é uma boa ir aprendendo o samba que abre o Auto-retrato aos 40. A música é uma composição de Tom Zé, com fragmentos do poema de João Augusto, especialmente criada para Um Tal de Dom Quixote, espetáculo que marcou a re-inauguração do Vila há 6 anos. Praticamente um hino do nosso Teatro, enviamos a letra para você, para que logo possamos cantar juntos. Vamos lá! 
  
Que somente os dementes, os loucos, os teatros,
os corações, catedrais, os palhaços,
podem vencer os dragões aliados
aos caminhões e aos supermercados.
 
Se retornando à minha loucura
devolvo a esperança que o mundo procura
vou proclamar editais e mandatos
desaposentar dinastias, deputados.
 
A inocência, a essência do sonho devolva
os sais abissais do amor às alcovas
desta casa onde casa e se cria
um degrau da minha catedral,
 
Teatro do ator que recria
Quixotes de Espanha,
La Mancha e Bahia.
 
E pelo arauto no alto do palco
onde o mito vomita uma história
substrato de toda história
O canto do bode
espermatozóide
e o homem na prece
do samba-enredo reconhece
 
Que somente os dementes, os loucos, os teatros,
os corações, catedrais, os palhaços,
podem vencer os dragões aliados
aos caminhões e aos supermercados.
 
Dom Quixote
Sancho Pança
Dulcinéia
Teleco xote Quixote de lá
Teleco xote Quixote de cá
Teleco xote Sancho Pança Dulcinéia
Quixote no Vila Velha
Quixote vem adorar
 
Ó Senhor
Salvador
Das donzelas
Sentinela
Terceiro varão
Que a Teresa deu a mão, a mão!
 

quinta-feira, 15 de julho de 2004

PERFIL



Nome: Vinício Oliveira Oliveira
Codinome: Cabelinho
Função: Integra o Núcleo de Memória.
Tempo de Vila: 5 anos
Quantas vezes assistiu ao Cabaré da RRRRRaça: +de 20...
Gostamos dele porque: Ri de qualquer coisa que a gente fala.
Queremos matá-lo quando: Desenvolve longos parágrafos para dizer alguma coisa simples.
O que dizem sobre ele:
"Tão bonitinho... Parece um carneirinho!" (Chica Carelli)
"Vinício é maluco, tem jeito não." (Camilo Fróes)
"Mas a bicha é tonta..." (Marcio Meirelles)

Citação: "Porra, velho!"

quarta-feira, 14 de julho de 2004

Portugas no Vila



Neste final de semana, o espetáculo português Netzarim Palestina estará em cartaz no palco principal aqui do Vila. A peça é uma produção associada entre os grupos Teatro do Morcego e Teatro Art'Imagem, ambos de Portugal. Em cena, uma reflexão sobre a condição humana, tomando como ponto de partida os conflitos entre árabes e palestinos. O texto se baseia em fatos reais, recolhidos a partir de crônicas, notícias e textos do poeta palestino Mahmud Darwich, abordando temas contemporâneos. Netzarim Palestina também resgata a importância dos elementos árabes na constituição da cultura portuguesa.

O espetáculo será apresentado somente nestes sábado (21h) e domingo(20h), com ingressos a R$ 12,00 (inteira) e R$ 6,00 (meia).

Em tempo: O nome Netzarim vem do cruzamento de ruas na faixa de Gaza. Local de grande concentração militar onde o exército invasor mantém um grande arsenal bélico, ponto de partida para as suas ações militares de ocupação e punição. Lá, crianças e jovens palestinos protestam revoltados, lançando pedras contra as tropas e os tanques inimigos.

terça-feira, 13 de julho de 2004

Um Teatro ao Sol

Muita gente se afeiçoa ao Teatro Vila Velha e não sabe ao certo a razão. Sentimento não se explica, não é verdade? Mas o Vila tem um ?quê? que o torna especial. Isso poderia ser explicado pela programação variada e constante ? às vezes, chegamos a ter mais de 5 espetáculos diferentes por semana. Outro motivo poderia ser sua localização, no Passeio Público, que é um lugar lindo, com árvores frondosas e peito aberto para a Baía de Todos os Santos. A simpatia também pode ter alguma relação com o Sol que simboliza o Teatro, mas ninguém nos informou até hoje o porquê de sua escolha...

Talvez o que explique essa afeição seja um ?pequeno? detalhe que perpassa toda a história do Vila: o Vila Velha é um Teatro mantido por grupos de artistas. Há 40 anos atrás, o Vila foi idealizado e erguido pela Sociedade Teatro dos Novos, que cuidou e se apresentou por aqui até 1968. Depois disso, o diretor João Augusto ficou administrando tudo com ajuda de artistas colaboradores, trabalhou com o conjunto musical Creme, até que adotou o Teatro Livre da Bahia como grupo residente, de 1972 até sua morte, em 1979.

No tempo que passou até o projeto Novo Vila (1994), ainda que não houvesse um grupo fixo à frente do Teatro, existia uma constante nos artistas que se apresentavam por aqui. Foi então que a reforma aglutinou, novamente, grupos interessados em desenvolver um projeto artístico sob o teto do Vila.

Hoje o Teatro Vila Velha abriga e é mantido por cinco grupos residentes: o Bando de Teatro Olodum, o Viladança, a Cia. Teatro dos Novos, a Cia Novos Novos e o Vilavox. São ao todo cerca de 70 artistas que dão vida e uma cara ao Vila, como fizeram os Novos, os Livres, João Augusto e quem os acompanhou de perto. Eles trabalham para manter o Teatro Vila Velha vivo e aberto como um espaço democrático para outros grupos e artistas diversos também possam realizar seu trabalho.

segunda-feira, 12 de julho de 2004

Pensamento do Dia:



"O teatro deve saber que a sua arte só suscitará um eco vivo quando souber entender a sua época".
(Yuri Liubimov)

sexta-feira, 9 de julho de 2004

PERFIL



Nome: Marcio Meirelles
Codinome: Marcinho
Função: Diretor do Bando, membro do colegiado e dos núcleos de memória e programação.
Tempo de Vila: 10 anos (isso é muito confuso. O teatro tem 6 anos, tem 40, e Marcio tem 10 anos de Vila... Mas.. Mas...)
Quantas vezes assistiu ao Cabaré da RRRRRaça: +de 50...
Gostamos dele porque: Consegue ter uma visão global das coisas e é um cara atitude.
Queremos matá-lo quando: Estamos conversando com ele e ele pára, pensa, olha e pensa, e depois não tem nada pra dizer.
O que dizem sobre ele:
"Meu Peter Brook próprio e particular" (Chica Carelli)
"Ele é o alicerce do teatro" (Maiana Santana)
"Chato necessário" (Cell Dantas)

Citação: "Tem alguma coisa de mim hoje no jornal? Não? Aí, não sabe vender..."
Pensamento do Dia:



"Os dois livros sobre os quais mais meditei e de que nunca me arrependerei de ter usado foram: O Mundo e o Teatro".
(Goldoni)

quinta-feira, 8 de julho de 2004

A boa e velha alegria
RODOVIA DO SAMBA


Hoje tem de novo a apresentação das Vivavós e sua Rodovia do Samba. Na semana passada, as "meninas" arrasaram, com casa cheia e animação da platéia, doida para se deixar render pela cadência do samba. Quem olhava para cima, nas galerias, podia ver fácil os funcionários do Vila a ensaiar passinhos tímidos, um ligeiro balançar de quadris, ou a entrega total de Vinício, que sambava de braços pra cima e tudo mais. Nem mesmo o pessoal de duas TVs que vieram cobrir o espetáculo puderam se conter. No cantinho da platéia, deu para pegar a repórter dançando toda animada com um dos câmeras.

A platéia acompanhava o ritmo com as palmas e, entre uma música e outra, aplaudia com entusiasmo. Entre familiares das integrantes do elenco e curiosos, a Rodovia do Samba levou muita gente na carona. No final, quando chegam à Bahia, vestidas em trajes típicos de baianas, elas convidam o público a cantar e dançar junto, todo mundo no mesmo espaço, entre euforia e despedida. Não resta dúvida: a alegria das Vivavós é contagiante!

Para quem quer conferir, a última oportunidade é hoje, às 20 horas.
Ingressos: r$10 e r$5.

Juliana Protásio

(DES)SEMELHANÇAS



Juliana: Mó pinta de Laranja Mecânica essa foto, né?
Camilo: E era um infantil.
Juliana: Sinistro...

Acima, cena do espetáculo infantil O Casaco Encantado, encenado pela Companhia Teatro dos Novos em 1960.

quarta-feira, 7 de julho de 2004

Carta proposta para formação de Associação de Críticos

Não temos o registro da data em que essa proposta foi feita, apenas sabemos que aconteceu no ano de 1960.
Eis a proposta:


SOCIEDADE TEATRO DOS NOVOS


Sendo V.S. uma das poucas pessoas dedicadas ao teatro em nossa terra, estando seu nome ligao a algumas realizações neste sentido nos animamos em escrever-lhe, certos de que contaremos com sua participação e com o entusiasmo que toda causa justa e necessária desperta e necessária desperta em pessoas como V.S.

Embora as atividades de nossa Sociedade possam ser, até hoje, modestas, de depouca envergadura, há muito saímos do terreno da tentativa ou da experiência duvidosa e insegura. Decidindo-nos a manter um grupo de teatro profissionalmente, com realizações permanentes e constantes, sentimos a necessidade de amior colaboração na conquista do público de teatro, inexistente em nossa cidade. No momento em que nos preparamos para dar a Salvador uma casa de espetáculo, lembramo-nos de V.S. cuja capacidade e prestígio podem tão bem servir, mais ainda e mais uma vez, o teatro em nossa terra.

Vamos nos apresentar regularmente (como temos feito até aqui, mas em condições mais favoráveis e em novo impulso) e tentar conquistar um público para o teatro. Sozinhos conseguiremos muito pouco. Se não existe público sem teatro, um teatro e um público para se apurar, para atingir melhor nível não pode prescindir de uma CRÍTICA. É nesse sentido que nos dirigimos a V.S. - no interesse e no empenho de criar entre nós uma Associação de críticos, um Círculo de críticos, nos moldes dos que existem no Rio e em S. Paulo.

A continuidade do nosso trabalho; as apresentações eventuais dos grupos amadores que ainda sobrevivem (e que pouco ou nada aproveitam de suas atividades por falta de uma crítica que os encoraje, defenda e bem oriente) e os espetáculos da Escola da Reitoria justificam a criação de uma entidade dessa natureza. O interesse pela arte do teatro, que já existe em todo o país, garante um noticiário constante e farto; as peças encenadas no Rio e em S. Paulo e Recife dão sempre margem à considerações proveitosas para o público. Uma crítica atuante aqui em Salvador dará impulso às poucas atividades teatrais existentes na cidade.

Como nós atores contamos com o fator tempo para maior amadurecimento, apuro e rendimento ad nossa equipe, também uma Associação ou Círculo de Críticos (existente e em exercício) as benceficiará para o futuro, e os críticos que surgirem agora, com o tempo, terão em lugar de destaque - necessário e coerente com o desenvolvimento que o teatro for alcançando entre nós. Temos de recomeçar tudo, e está na hora de sair à procura desse tempo perdido, e de, com muito trabalho recuperá-lo. Aos que estão cansados ou descrentes pedimos um pouco de esperança e de novo esforço. Nossa responsabilidade é grande, pois temos de fazer e de conservar o que for feito, contando, antes de tudo, conosco, e depois, com uma possível ajuda oficial, que, temos certeza, não nos faltará se nos empenharmos em nosso trabalho.

Dada a natureza da nossa Sociedade, infelizmente, não podemos agir como "elemento coordenador" de tal iniciativa. Podemos apenas sugeri-la, pedi-la, mostrar sua necessidade, e nos esforçar em apoiá-la dentro de nossos limites.

Certos de que V.S. há de considerar tal iniciativa e lutar pela sua realização anexamos uma lista de pessoas, para as quais estamos evniando idêntica circular - pessoas que interessarão ou não, poderão ou não, fazer parte dessa futura Associação - dependendo do critério a ser adotado por todos, ficando a caad um dos interessados a composição ideal dessa entidade. A falta de algum nome representativo ou indispensável nesta lista deve ser atribuída a nossa ignorância neste sentido.

De nossa parte, fazemos o máximo que podemos, o que nos dá o direito de pedir alguma coisa: apelar para que se dê a Salvador um teatro digno da nossa Cidade.

terça-feira, 6 de julho de 2004

Tá ficando bonito!

Ontem assisti a um ensaio do Auto-retrato aos 40 e o que posso dizer é que está ficando muito, muito bonito. Aquele munderê de gente em cena, as coisas acontecendo nos quatro cantos do palcão, crianças, jovens, adultos, gente de toda cor e tamanho junta, se olhando e sorrindo.

A música é uma coisa bem marcante nesta peça. Pra cima ou cheia de densidade, pontua as passagens do texto, re-significa o que está sendo encenado. Acompanhar o pessoal da direção fazendo esses ajustes, criando o sentido das cenas é um prazer enorme. E o espetáculo continua muito assim: em clima de construção. O tempo todo vem a idéia da construção, ainda lá em 64, ou a reforma, que aconteceu há 6 anos, e da história, que continuamos construindo...

Juliana Protásio

segunda-feira, 5 de julho de 2004

Pensamento do Dia:



"O Vila é de Leão, como eu e Caetano,que nele ganhamos régua e compaso. No Vila vivi momentos de intensa felicidade em minha carreira. Do Vila recebi o carinho com que sempre recebeu os elencos e companhias de fora e de Salvador. O Vila tem a idade da exceção, e estabeleceu regras no comportamento democrático das artes e da Cidade do Salvador".
(Benvindo Siqueira)

quinta-feira, 1 de julho de 2004

Pensamento do Dia:



"Sem cinema posso viver, sem teatro é que não".
(Ingmar Bergman)